Digital Drops Blog de Brinquedo

Pegaram Bill Gates pra cristo

Por em 18 de novembro de 2007 - 40 Comentários

Que a Microsoft não é santa, todo mundo sabe, mas é preciso reconhecer: Quem está no centro das atenções vira alvo dos mais variados tipos de idiotas (o MeioBit que o diga). Agora foi a vez do pai de um moleque que ganhou um XBOX, assinou o serviço XBOX Live por US$49,99 anuais com o cartão de débito do pai, e seguiu feliz jogando seus jogos.

No final do ano a assinatura é renovada automaticamente, mas como o pai do moleque era um duro, só tinha os míseros US$49,99 na conta. bateu um cheque, voltou sem fundos, e aí o papi descobriu que estava pagando a tal assinatura.

Contactada, a Microsoft devolveu o dinheiro da assinatura. Mas não cobriu a multa do banco.

Aí o paipai processou a empresa, dizendo que ao aceitar o cartão de débito DELE usado por um menor estava criando uma relação contratual fraudulenta.

Então vejamos: O guri pegou o cartão do pai, entrou com os dados, pagou um ano de assinatura, no final do ano a assinatura foi renovada, o pai não gostou, recebeu o dinheiro de volta, e ainda quer as multas, por ter deixado SEU filho pegar o SEU cartão?

Onde foi que abrimos mão de TODA a responsabilidade pessoal?

Fonte: Game Politics

emGames

Chupem, xiitas, Mplayer portado para Windows Mobile

Por em 18 de novembro de 2007 - 93 Comentários

Para a tristeza dos Stallmans de plantão o excelente MPlayer, programa open source que toca até tampa de goiabada está sendo portado para Windows Mobile.

Embora o Windows Media Player seja decente, a plataforma carecia de um programa que aceitasse todos os formatos. O TCPMP era uma alternativa, mas exigia uma certa dose de hacking para tocar quicktime e similares, e nem chegava perto do famigerado RM e RMVB, da (toc toc toc) Real.

O MPlayer Windows Mobile ainda está em fase inicial, mas já funciona em Windows Mobile 5 e 6, em PDAs e Smartphones. Ainda não toca WMA mas a maioria de sua imbatível coleção de codecs já foi portada. O uso de CPU está bastante alto, mas isso também é questão de tempo.

Percebe-se com isso que os desenvolvedores do MPlayer são Hackers de Verdade, preocupados em tornar seu produto acessível e popular, ao invés de perder tempo com ideologias baratas. Parabéns a eles.

(e o HTC Touch ganha mais um ponto sobre o N95, em minha saga por um novo smartphone)

Fonte: PocketPCMagazine

emComputação móvel

Melhorando o Windows XP

Por em 17 de novembro de 2007 - 36 Comentários

Na minha opnião, o Windows XP[bb] é o melhor sistema operacional lançado pela Microsoft, contudo, o XP está longe de ser  perfeito. Com o tempo é normal que ele fique mais lento devido ao acumulo de “porcarias” que ficam no registro e como uso ele a muitos anos, já enjoei do visual do SO.

Após procurar em alguns sites, conheci um software chamado TuneUp Utilities 2007. O programa foi criado por uma empresa alemã com a intenção de proporcionar uma forma fácil de modificar várias característica do sistema operacional mais usado do mundo.

De fato, o software é um tanto quanto abrangente. Ao instalar a suíte, vários programas permitirão que o susuário mude quase tudo no Windows. Navegando pelo TunUp, um assistente irá te ajudar a mudar o sistema da forma que achar mais conveniente.

Por exemplo: Caso queira mudar os ícones do Windows, basta abrir o TuneUp Styler 2. Com ele você poderá alterar os ícones um por um ou instalar um dos pacotes completos disponíveis no site da empresa. Você poderá ainda mudar o tamanho dos ícones, o espaçamento entre eles no desktop e até remover aquela setinha que aparece quando se cria um atalho. O TuneUp Styler 2 permite ainda que se altere a tela de boot e logon, além de todo o estilo visual do Windows.

Você poderá desligar animações e efeitos, retirar sombras dos menus e alterar a suavização das fontes. Essas modificações podem fazer com que o sistema se torne mais rápido o que ajuda e muito os donos de máquinas mais modestas. E as possibilidades não param por aí, desde alterações no Internet Explorer e Firefox, até clientes de emails e a possibilidade de trocar a cor das letras do prompt de comando. Há até a possibilidade de alterar o caminho  de pastas especiais, como a Fonts ou Meus Documentos.

 A parte de manutenção também não deixa a desejar. Você poderá escolher quais programas serão inicializados junto com o Windows, ter todas as informações detalhadas sobre o hardware do computador, fazer backup dos arquivos, desfragmentar os discos, limpar o registro do sistema, e corrigir possíveis erros nos hds.

Ainda sobre os hds e suas partições, há um assistente fantástico que mostra através de gráficos e tabelas como o seu hd está sendo usado. Nele você poderá ver quais pastas ocupam mais espaços e quais são os maiores arquivos presente no disco. É muito interessante e te faz pensar se aquele layout com mais de 200MB não pode ser deletado, já que não tem mais utilidade.

A suíte disponibiliza ainda um otimizador de memórias e um de sistema, que modifica o Windows de forma que se torne mais rápido.

 Portanto, mesmo não tendo falado tudo que é possível fazer com o TuneUp Utilities 2007, acho que vocês já conseguiram ter uma noção das modificações que o software oferece e o quanto ele pode melhorar o XP. O software está disponível por 30 dias e a versão completa custa US$ 39,99. É verdade que muitas dessas modificações podem ser feita manualmente, mas ter um programa que centraliza tantas funções facilita e muito o esforço e posso garantir que vale cada centavo gasto.

emDestaque Software

Ghostbusters vem aí!

Por em 17 de novembro de 2007 - 16 Comentários

A imagem acima é do jogo dos Caça-Fantasmas, baseado nos dois filmes dos anos 80. Para você ter uma idéia da evolução dos videogames, compare a tela acima com a tela da versão para o ZX Spectrum, que me garantiu muitas horas de diversão, no século passado:

Evolução o bastante pra você?

Então veja esta entrevista do G4, com várias cenas do jogo:

Gostou? É, eu também, ainda mais sabendo que o Dan Aykroyd em pessoa está envolvido, e o jogo é uma continuação dos filmes.

Jogos baseados em filmes em geral são muito ruins, seja pela falta de um argumento interessante, seja pela pressa. O tempo de produção de um bom videogame é maior que o de um filme de Hollywood, e como em geral as “especificações” vão mudando, o jogo tem que se adaptar, muitas vezes em cima da hora, para não divergir do que acontece na tela. Aí saem coisas chatas como o Hulk.

Outro problema é que jogos baseados em filmes tendem a repetir a história, e um videogame linear é algo muito chato. Um caso raro é o Enter the Matrix, onde a história do jogo complementa a história do filme, que por sua vez é complementada pelo conjunto de desenhos animados Animatrix. A maioria dos jogos, bem… experimente achar a abominação que foi o jogo baseado em Duro de Matar e depois fale comigo…

A tendência que está sendo explorada por este Ghostbusters é algo que pode ser muito, muito legal, pegando filmes que seriam caros demais para voltar ao cinema, mas em animação/games são rentáveis. Assim podemos ter várias e várias histórias, aprofundar os argumentos, colocar finais alternativos e múltiplos caminhos, novos personagens, com muito mais liberdade que em um roteiro cinematográfico.

Só é preciso tomar cuidado, pois a linha entre fazer uma releitura de um filme clássico e lixo reciclado é muito tênue, e nem o John Carmack é capaz de transformar, digamos, o filme do He-Man em um jogo decente.

Fonte: Digg

emGames

A Força é forte neste aqui

Por em 17 de novembro de 2007 - 12 Comentários

Dizem que há dois prazeres na vida de um dono de barco; a hora de comprar e a hora de vender, e que o melhor barco do mundo é o dos amigos. Mas mesmo assim, eu QUERO o Flying Fish, da Yanko Design.

Com velas que funcionam como coletores solares E propulsão, geometria variável e estabilização dinâmica, é um barco que funciona de dia e de noite, suporta ventos de até 120Km/h e por ser um veleiro tem autonomia ilimitada.

Criado por Hakan Gursu, venceu o Prêmio Internacional de Design de 2007, na categoria de melhor projeto náutico.

George Lucas ainda não se pronunciou, mas o barco é claramente inspirado em um caça X-Wing. Tem até lançadores de torpedos de prótons, pode reparar.

Fonte: CrunchGear

emHardware

Wikia Search = Google + Facebook

Por em 16 de novembro de 2007 - 7 Comentários

Wikia

No final do ano passado, Jimmy Wales, o fundador da Wikipedia, cansou de ver o Google encher os bolsos de seus fundadores e decidiu virar concorrente! Jimmy anunciou o lançamento de um mecanismo de busca chamado Wikiasari que iria usar a inteligência coletiva para trazer resultados mais relevantes que o Google. Após quase um ano de desenvolvimento, o Wikiasari, agora chamado de Wikia Search, dá os primeiros sinais de vida. Em um evento realizado na África do Sul, Jimmy apresentou o primeiro screenshot (foto acima) do seu novo projeto. A primeira impressão é de que o Wikia Search é aplicativo híbrido que é 90% rede social e 10% mecanismo de busca! Provavelmente, a equipe do Wikia Search copiou inspirou-se no Facebook para projetar a interface de usuário.

A idéia de agregar um mecanismo de busca a um rede social não é ruim, mas acho que o Wiki-man está muito otimista em chamar o projeto de "o pior pesadelo da Google", como a revista Fast Company publicou. Se ele tivesse terminado o projeto há alguns meses talvez o impacto fosse realmente significativo, mas após o anúncio do OpenSocial o cenário é mais favorável para a Google. Na verdade, a Google está com a faca e o queijo na mão, pois já existe um gadget que permite fazer buscas no Google a partir de qualquer rede social compatível com o OpenSocial. Basta um espirro do Google para transformar esse gadget em um mecanismo de busca colaborativo que use a opinião dos membros da rede social para classificar o resultado das pesquisas. Isso seria o fim do Wikia Search. Parece que estamos diante de mais um produto que vai ser sepultado antes de nascer… Boa sorte na próxima, Jimmy!

[Via matthewbuckland.com]

emBlog Indústria Internet Web 2.0

Google quer pagar 4.6 bilhões de dólares por 700Mhz

Por em 16 de novembro de 2007 - 12 Comentários

8-3-07-google_wireless_16112007.jpgE lá vamos nós, novamente. A dona do mundo, já roda em seu “campus” em Mountain View uma rede experimental, sem-fio e ultra-rápida, a famosa 700Mhz, ainda sob uma licença do FCC, o órgão regulamentador de telecomunicações nos EUA.

Com intenção de tornar o domínio sobre a 700Mhz um produto da empresa que parece caminhar para o oferecimento de soluções em internet móvel, o Google pretende desembolsar a singela quantia de US$ 4.6 bilhões de dólares e planeja fazer isso sozinho, sem competidores.

O desenvolvimento da Open Handset Alliance cujo primeiro filhote foi o Android e a aquisição do direito de utilização de uma banda dessas sozinho…me faz pensar que:

…o Google é sua própria bolha. Mas, hoje, com um mercado mais maduro, esta bolha pode estar sendo constantemente fagocitada por novos lançamentos e holofotes da mídia. O que na é bom para o próprio mercado.

…o mundo será móvel. Porque nós somos os novos nômades, como gosta de lembrar o Domenico de Masi em seus livros. E ter apenas uma empresa comandando isso, não é bom.

…ainda estamos falando de algo localizado nos EUA, presumo eu. Caso exista algum especialista em telecom aí me ouvindo, confirme ou refute no campo de comentários. Portanto, num mundo centrado na geração e compartilhamento de conhecimento e comandado pelo poder de corporações, este tipo de monopólio é perigoso.

O Google é mau? Não. O Google ainda é o “don´t be evil” , também não. Estes movimentos monopolizadores, para mim, são fruto mais da concentração de cabeças que a empresa tem comandado nos últimos anos, meses, dias; do que propriamente um pendor para o mal.

O que, de novo é perigoso, como naquela lenda urbana que empresas, quando de convenções anuais, mandam o corpo da diretoria em aviões separados, evitando assim em caso de sinistro, a perda do capital intelectual da companhia de uma vez só.

Será que nós “o mercado” corremos este risco com o “grade atrator” que o Google se tornou?

Em tempo: é óbvio que não recusaria uma proposta para trabalhar no departamento de conteúdo deles.

Fonte: Engadget.com

emGoogle