Digital Drops Blog de Brinquedo

Novo Zune – Interface

Por em 12 de outubro de 2007

Pelo que dá pra ver o novo Zune vem com menos frescuras visuais, com uma interface mais direta, prática e, acima de tudo, bem rápida. Os donos de iPods clássicos ficarão com inveja da velocidade de resposta, mas claro que jamais admitiremos isso publicamente.

Fonte: CrunchGear

emFotografia Hardware

Patentes vs Linux – Primeiro Round

Por em 12 de outubro de 2007

meiobit-bandofbrothers.jpg

Um velho e verdadeiro ditado diz que trabalhar pra pobre é pedir esmola pra dois. Isso explica o motivo da Disney não sair processando escolas de subúrbio que pinta versões mal-feitas de seus personagens nos muros.

Na área de Propriedade Intelectual de gente grande, acontece a mesma coisa. A Adobe não processou o OpenOffice por salvar arquivos em formato PDF, mas processou a Microsoft pelo mesmíssimo motivo. Não foi amor pelo Open Source, foi relevância. O OpenOffice não afeta a Adobe, já o Office sim. Da mesma forma a Apple processou a Microsoft e a Digital em 1989 alegando que seus ícones estavam sendo copiados conceitualmente, como a lata de lixo para deletar arquivos.

As brigas envolvendo patentes não são novidade (já citamos o caso da Apple com a Creative, e é somente um entre centenas de casos) mas até então o Linux havia ficado de fora. Mas como está se tornando relevante, começa a chamar atenção. E não só da Microsoft, com suas alegações envolvendo patentes, mas de gente que vive desse tipo de extorsão.

No caso a IP Innovation LLC, uma empresa, subsidiária da Acacia Technologies, uma empresa que vive de comprar patentes e cobrar royalties. Eles acabaram de entrar na Justiça contra a Red Hat e a Novell, por violarem esta patente aqui, que envolve uso de múltiplos workspaces compartilhando um display, ou algo assim.

A patente foi registrada originalmente pela Xerox, em 1987, e por vendas, cessões de direito, etc, parou na mão da Acacia.

Não achem entretanto que o Linux é pioneiro. A mesma patente foi usada, no começo do ano, em um processo da mesma empresa contra a Apple, onde exigiam US$20 milhões em reparações legais. Aparentemente a Apple chegou a um acordo extra-judicial.

O Groklaw, site que traz a notícia do processo contra a Red Hat / Novell, solta o Fox Mulder que existe dentro de seus redatores, e se pergunta: Onde estará a Microsoft? Descobrindo que dois executivos da IP Innovation LLC trabalharam na Microsoft com Propriedade Intelectual, já criaram uma teoria da conspiração onde a Microsoft (que já sofreu na mão da Acacia e seus processos) estaria usando a IP Innovation LLC como testa-de-ferro, processando o Linux por tabela.

Excelente, Frohike, mas uma pequena peça não encaixa: A Microsoft não é burra. Nem um pouco. Sabe que há uma desconfiança enorme no mundo Linux, e que as empresas AGORA estão começando a considerar os acordos. Se você faz uma promessa de imunidade, para logo em seguida processar seus parceiros, sua estratégia não é lá essas coisas.

Se a Novell não estivesse no pacote, ainda vá-lá, mas não é o caso.

O que temos é um cenário onde o Linux começou a ter relevância, as empresas que vivem nesse ecosistema já são saudáveis o bastante para pagar uma extorsãozinha de vez em quando, e empresas de cunho mafioso como a Acacia e suas subsidiárias estão de olho grande.

Se a Microsoft for esperta, coloca seu Depto Jurídico à disposição da Novell, para este caso. Seria a desculpa perfeita para a Red Hat mudar de posição e fechar o acordo com Redmond, como estão doidos pra fazer depois de olhar os ganhos da Novell.

Fonte: Digg

emAndroid e Linux Indústria

Mobile Firefox – Será tarde?

Por em 12 de outubro de 2007

Mike Schroepfer, desenvolvedor da Mozilla, anunciou em seu blog os planos de retomar o desenvolvimento de uma versão do Firefox para dispositivos móveis. Essa iniciativa vem acompanhada da amplicação da equipe e do comprometimento de considerar primariamente as plataformas móveis nas decisões que orientam o desenvolvimento do Firefox. A nova orientação da Mozilla é consequência imediata do aumento do poder de processamento dos novos dispositivos, que permitem a utilização de aplicações exigentes em termos de recursos.

A qualidade do Firefox, devida a sua estabilidade e extensibilidade, é inquestionável. Porém, a Mozilla tem se mostrado lenta para acompanhar os movimentos do mercado. Diversas opções de browsers, como o Internet Explorer Mobile, o Safari e o Opera Mini, já têm conquistado seu espaço, enquanto a primeira aparição do Mobile Firefox deve acontecer apenas em meados de 2008. A inércia da Mozilla tem resultado em uma pífia participação do Firefox no mercado de browsers Web. O Firefox é um excelente produto (eu uso!) mas ele só tem espaço garantido entre geeks. Será que com o surgimento do Mobile Firefox isso mudará? Ou é tarde demais?

[Via Mashable, Compiler]

emAnúncios

Terá início a caça aos vampiros

Por em 12 de outubro de 2007

A Joymax ficou conhecida pelo seu mmorpg Silkroad Online. O jogo que é um dos mais jogados possui bons gráficos e uma história interessante. Utilizando o sucesso alcançado com Silkroad, a empresa irá distribuir no ocidente o rpg online gratuito Darkeden.

Baseado em um universo de terror, o tema do jogo será a “eterna batalha” entre humanos e vampiros, onde os pessoas normais não poderão evoluir, podendo melhorar apenas suas armas, já os mortos-vivos aumentarão seu nível com o tempo. A jogabilidade e gráficos serão parecidos com o do clássico Diablo e embora pareca um pouco ultrapassado, pelo menos permitirão que a maioria dos jogadores rodem o game no máximo sem engasgos.

O beta começará no dia 16 de outubro e será aberto a todos.

emGames

IBM trabalha em padrões abertos para o Second Life

Por em 11 de outubro de 2007



A IBM juntou-se a Linden Labs para criar um padrão técnico que permita a migração de personagens digitais (avatars) entre o Second Life e outros mundos virtuais (Dreamville, There e The Sims Online).

A iniciativa começou com a criação de um fórum aberto pela Linden Labs: o Architecture Working Group. A IBM acredita que a definição de padrões abertos tornaria o uso de mundos virtuais mais prático para empreendimentos comerciais.

A IBM foi uma das primeiras corporações a investir no Second Life, realizando treinamentos, reuniões e outros eventos para os funcionários no Metaverso. Apesar da empresa ter emitido regras de conduta para os funcionários que usam o Second Life, há algumas manifestações virtuais de empregados insatisfeitos com as condições de trabalho na Itália (imagem acima).

Se o padrão de portabilidade for realmente estabelecido, a IBM corre o risco dos protestos se espalharem por outros mundos virtuais.

[Via InformatioWeek, The Inquirer]

emIndústria Internet Web 2.0

Xbox “Jasper” a caminho

Por em 11 de outubro de 2007

Além dos jogos, vez ou outra as fabricantes de consoles lançam versões especiais de seus console. Seja uma cor diferente, seja com um jogo de sucesso, o fato é que esta é mais uma forma de aumentar as vendas. Com o 360 não poderia ser diferente.

As lojas de alguns países europeus começarão a vender um pacote com o console e o jogo Halo 3. Porém, o que mais está chamando a atenção dos consumidores são os rumores de que o modelo está vindo com o tão aguardado chip Falcon.

Mesmo assim a Microsoft parece não ter se dado por satisfeita e já estaria desenvolvendo um novo modelo chamado de Jasper. O console teria sua placa mãe melhorada e o chip gráfico passaria a ser também de 65-nm. Outra peça que receberia uma diminuição no tamanho seriam as memórias.

A expectativa é que o console novo seja lançado apenas em agosto do próximo ano.

[via Kotaku]

emGames

Caso Madonna: Extinção ou Evolução?

Por em 11 de outubro de 2007

madonna_11102007.jpgTá. As gravadoras são hoje como uma espécie de ciso, de apêndice, de dedo mindinho na evolução do entretenimento no século XXI. Estão ali porque ainda não caíram de vez. Mas estão quase, como disse o Cardoso neste post. Artistas como RadioHead, Oásis, Jamiroquai e Madonna, ao entenderem que a receita advinda de venda de álbuns físicos atravéz do canal tradicional estaria beirando a gratuidade, se mexeram.

Uns pagam quanto querem, outros vendem direto e pagam 120 milhas por este direito. Mas falar sobre isso é um pouco menos de tentar adivinhar quando o modelo atual finalmente ruirá de vez e escritórios desertos, com discos de platina empoeirados nas paredes, lembrarão às futuras gerações que, num passado não muito distante, vendia-se suportes de plástico redondos com um furo no meio e era assim que música e entretenimento chegavam ao público.

Mas eu acredito numa possível evolução

O fato do modelo atual cair, despencar sem um colchão de espuma esperando por ele no primeiro andar não é um sinônimo absoluto de que gravadoras e seus presidentes desistirão do jogo. Se a Live Nation hoje assina com Madonna, porque daqui há dois anos uma LiveNation B (interessados me mandem um plano de negócio!) não poderá assinar com a Warner para implantar um novo modelo?

(R)evoluções como essas estão acontecendo na mesma velocidade no cinema, na propaganda, no mercado editorial, educacional: verticalização e customização absolutas. A custa de muita inovação e oportunidade para os interessados.

Os interessados podem e provavelmente serão os mesmos antipáticos e chatos que hoje comandam as gravadoras. É nisso que temos que ficar de olho.


emFotografia Indústria