Digital Drops Blog de Brinquedo

Nintendo DS – New Super Mario Bros.

Por em 17 de maio de 2006

O jogo New Super Mario Bros para o Nintendo DS já está com uma arrebatadora média de 93% no site gamerankings.com, e isso porque foi lançado ontem.

Bem, é o caso de ver se a Nintendo consegue manter essa média de lançamentos bons para o futuro console dela, o Wii, e não repete as besteiras que fez com o GameCube….

2 videozinhos de presente aí ;)

emGames

Apple lança Macbook para substituir o iBook

Por em 17 de maio de 2006

A Apple lançou hoje o substituto para o iBook, seu notebook mais básico. Com o novo nome Macbook, ele vem com tecnologia Intel Core Duo, começando em 1.83 Ghz e 512 Mb de RAM, memória gráfica compartilhada com a memória do sistema. Apresenta ainda uma tela widescreen de 13.3 polegadas, câmera iSight integrada, Bluetooth 2.0, e tem como opções as cores preta ou branca. O preço da versão mais simples é US$1099, bastante competitivo no mercado americano.

Vamos aguardar os primeiros reviews para ver como se sai, mas pelo que parece este notebook deve ser um campeão de vendas.

emApple e Mac

Google Notebook

Por em 17 de maio de 2006

google_notebook.gifFoi lançada hoje mais uma ferramenta do Google, chamada Google Notebook [via]. Trata-se de uma extensão para o Firefox ou um plugin para o Internet Explorer, para o qual o usuário pode capturar “recortes”, ou seleções de texto, links etc de páginas da Internet, ou mesmo entrar diretamente texto. Claro que pode-se compartilhar os “notebooks”, mas a opção é somente privado ou público para todos verem. Bem que eu gostaria que desse para compartilhar com algumas pessoas somente.

De qualquer maneira a ferramenta é interessante, e sem dúvida o Google vai poder garimpar o que os usuários acham de mais interessante nas páginas visitadas, desta forma enriquecendo ainda mais o banco de dados deles. Vou testar o Google Notebook por alguns dias, mas do jeito que está duvido que seja uma grande ajuda à produtividade. O que me incomoda um pouco é o Google lançar tantas ferramentas que merecem ser aperfeiçoadas, mas parecem jogadas as traças.

Update: as opiniões do Marc Orchant são exatamente iguais às minhas. O pessoal está começando a ficar cansado de ferramentas que tem potencial mas não são exploradas.

emIndústria

Chips da Motorola copiados na maior cala-de-pau

Por em 16 de maio de 2006

Um (ex) Professor universitário na China, que ainda por cima era Diretor da Escola de Microeletrônica da Universidade Jiaotong, em Shangai, foi demitido e está sendo processado, por raspar a identificação de chips da Motorola e apresentar como projeto revolucionário de sua startup.

A China está aparecendo como player sério no mercado de eletrônica, com muito investimento para produzir localmente material de alta tecnologia. Atualmente 80% dos chips usados no país são produzidos no exterior, e com certeza não agrada a Pequim comprar nada de Taiwan.

Há muitos projetos sérios, e safadezas como essas do professor Chen não ajudam a combater a imagem de antro de pirataria industrial que acompanha o país.

emIndústria

Os grandes vencedores da E³ 2006

Por em 16 de maio de 2006

Para surpresa geral, inclusive dos jornalistas especializados, foi a Microsoft. Eles já possuem mais 6 milhões de consoles vendidos e até o lançamento do Playstation 3, a projeção é de 10 milhões de unidades vendidas antes mesmo do primeiro consumidor colocar as mãos no PS3 ou no Wii.

A Sony anunciou um serviço de compra de música online através do PS3, mas isso já existe e não é realmente uma novidade. As pessoas continuarão usando o iTunes. A Microsoft apresentou a ampliação de um serviço que está palpável, o XBox Live Anywhere que integra o console, o Windows Vista e dispositivos móveis com Windows Mobile. Não existe outra empresa no mundo, atualmente, capaz de fazer isso.

Na linha de jogos casuais e divertidos, pontos para Microsoft novamente e para a Nintendo. Mas enquanto a Nintendo ainda precisa apresentar mais títulos, dezenas de jogos para Arcade estarão disponíveis para XBox 360. São jogos que basicamente não precisam de instrução alguma e vários de nós perdemos investimos várias horas das nossas vidas jogando eles.

Continue lendo e entenda porque a Microsoft tem a chance de virar líder no mercado de consoles.Em defesa da Sony, eles terão um player de Blu-Ray que já possui discos de 100GB e poderá alcançar 200GB. Interessante é que a Sony sequer mencionou as vantagens de se desenvolver jogos para o novo formato de mídia na apresentação pré-E³. Talvez o PS3 se encaixe no mercado como um player de Blu-Ray barato e que ainda por cima pode rodar games. A Microsoft contra-atacou anunciando um drive de HD-DVD para o XBox 360, como opcional, deixando o consumidor pagar mais em outro momento. A capacidade do HD-DVD é menor, 45GB, mas para jogos, ainda estou esperando algum que precise usar 2 DVDs para instalação.

Um aspecto relevante é a qualidade gráfica, tão boa para o marketing. No estágio atual, os jogos para Xbox 360 estão amadurecendo e devem ficar cada vez melhores, enquanto os desenvolvedores de games continuam a ganhar experiência no desenvolvimento e a maioria dos produtos anunciados serão lançados esse ano. A impressão de jornalistas especializados e pelos vídeos que assisti é que os jogos do Xbox 360 estão tão bons ou senão melhores que os apresentados para PS3, além de muito bem acabados. Essa percepção foi reforçada pela Activision, afirmando que os jogos sendo desenvolvidos para as duas plataformas são rigorosamente idênticos.

O outro ganhador foi a Nintendo, ainda atrás da Microsoft, dividindo corações e opiniões com o Wii. Os gráficos estão muito longe do PS3 e XBox 360, mas a interface e o controle foram uma sacada tão geniais que a Sony tratou de embutir um giroscópio às pressas no controle deles, copiando descaradamente e forma equivocada, a idéia da Nintendo. Por causa do hardware, um pouco melhor que o Gamecube, supõe-se que o preço será no máximo 200 dólares.

Em termos de apresentação para jornalistas a melhor foi a Nintendo. Ver Shigeru Miyamoto e Satoru Iwata jogando tênis com o Wii foi demais. Fiquei feliz em saber que o novo Zelda será lançado no mesmo dia de lançamento do console e com versão para Gamecube também, algo inédito. Quem viu os trailers, tem idéia de como a Nintendo consegue extrair o máximo do equipamento disponível e mudando a interatividade com o console.

Que preço é esse, cara-pálida?
Na guerra de preços, a Sony perdeu feio. O PS3 irá custar a bagatela de 600 dólares, caro em qualquer lugar do mundo. Um Xbox 360 hoje custa 400 dólares. E não fique surpreso se houver redução de preços estratégica na data de lançamento do console da Sony para roubar espaço na mídia e melar o lançamento. É claro que essa última parte é pura especulação, mas é só voltar no tempo e ver que praticamente todo lançamento de produto, algum concorrente faz isso, com reduções de preço entre 10% e 20%.

Assim que eu soube, pensei logo: 1 PS3 = 1 XBox 360 + 1 Wii. Sinceramente, nesse momento, eu ficaria com a segunda proposta. Ainda é cedo para dizer que o Playstation 3 será um fracasso de vendas, pois o mercado irá ditar os vencedores, mas o preço está extremamente proibitivo.

A Sony deve ter alguma carta na manga pois não são bobos. Mas os jogos precisam melhorar bastante em relação ao seu competidor que já está no mercado para convencer a elite do consumo. Definitivamente, o foco não é o mercado de massas, que está na faixa etária dos 15 aos 21 anos. Nos EUA, compra-se um carro usado por 700 dólares, por exemplo. Ou seja, o console completo irá custar em torno de 800 dólares para jogar 1 título exclusivo online. Isso é muito dinheiro e parece subsídio para o drive de Blu-Ray.

Com um preço desses e os jogos da concorrência são iguais e tão bons quanto em aspectos visuais a Sony pode acabar vendendo bem apenas nos mercados asiáticos. E eles ainda correm o risco de perder feio para a Nintendo. Com o preço de 1 PS3, compra-se 3 Nintendo Wii, um para você e 2 de presente.

E todo aquele poder de processamento do PS3, para onde foi?
Até o momento, alta resolução. Os jogos de PS3 poderão rodar em resoluções de até 1920 x 1280, mas apenas os abastados com aparelhos de TV com essa capacidade poderão ver os jogos em toda sua glória “hi-def”. Aqui no Brasil, só monitores de computador profissionais possuem resolução tão alta. Nos vídeos disponíveis, faltaram efeitos de partículas e as texturas e shaders não me parecem melhores que os jogos de PC como FEAR. Mas como estão em fase beta, talvez seja acrescentado/melhorado nas versões finais.

O PS3 só vai realmente mostrar todo seu potencial uns 2-3 anos depois de lançado com o amadurecimento dos compiladores, revisões de hardware e técnicas de programação melhoradas. Eles já mostraram isso com o Ps2 e podem muito bem fazê-lo novamente. Resta saber se o mercado irá pagar o que eles estão pedindo. A Microsoft apresentou o que os consumidores realmente querem: jogos, muitos jogos e em estágios finais de desenvolvimento, tanto casuais quanto para gamers hardcore. Até o Natal desse ano, mais de uma dúzia de motivos para adquirir um XBox 360. A Nintendo apostará em preço, interface e jogabilidade, mas ainda será a grande incógnita no final de 2006. O potencial está palpável e quem jogou, não se arrependeu nem um pouco.

emGames

Comparecendo à festa

Por em 16 de maio de 2006

Neste sábado vai ocorrer a festa do copo vermelho, que já despertou fortes emoções entre os blogueiros, alguns apoiando, outros nem tanto. Estamos enviando o Laker do Meio Bit para conhecer cara-a-cara quem está no comando dos blogs que lemos.

Quem ainda não confirmou presença, ainda há tempo.

emMiscelâneas

MMORPG: World of Warcraft – Primeiras Impressões e Descobertas

Por em 15 de maio de 2006

Lançado oficialmente no finalzinho de 2004, World of Warcraft é o jogo do tipo Massive Multiplayer Online de maior sucesso até o momento. Segundo a própria Blizzard Entertainment, até o fechamento do mês de Abril, eles haviam quebrado a barreira de 6 milhões de assinantes. É muita gente. Eu resisti durante todo esse tempo, jogando outros
jogos: Guild Wars, Quake IV, Call of Duty I/II, Knights of the Old Republic I/II, Dofus. Ultimamente, estava me divertido com o Road to Hill 30 e Start Wars: Empire at War.

Muitos brasileiros conhecem e adoram a série Warcraft, que era um jogo de estratégia em tempo real e depois mudou o rumo com o Warcraft III e sua expansão Frozen Throne. Vários amigos ficaram tristes quando souberam que a Blizzard desistiu de lançar o jogo oficialmente no Brasil. Outros jogos que ainda estão na memória como os melhores são a série Starcraft e Diablo (esse último é um dos maiores destruidores de mouse do mundo).

Minha curiosidade veio justamente de já saber que o jogo é caro e mesmo assim o número de assinantes continuar aumentando. Afinal, o que a Blizzard fez de tão diferente nesse jogo que mesmo depois de 16 meses ele continua atraindo novos jogadores?Que jogo caro…
A relutância durou até que um amigo nos EUA mandar uma chave serial como presente de aniversário do World of Warcraft para eu testar e ver se parava de jogar qualquer outra coisa. Nesse último fim de semana resolvi instalar o jogo, baixado do FilePlanet em 50 minutos e gravado em DVD. São 2.2GB de instalação inicial e mais 350MB do patch completo mais recente, 1.10. Durante a instalação, eles pedem para digitar o número de série e ao iniciar o jogo, para criar uma conta. Nesse processo, informo como quero pagar e oferecem duas opções:
1. Cartões pré-pagos, comprados em loja (Amazon vende, por exemplo), com uma raspadinha onde há uma chave que irá liberar o
tempo de gameplay;
2. Cartão de crédito, com 3 opções: mensal, trimestral ou semestral, com preços reduzindo quanto maior o tempo.

Não vou mentir para vocês, o jogo é caro, mesmo para americanos, quanto mais para brasileiros. Os custos são altos, pois não se compra o jogo, paga-se e acabou. Existem ciclos de cobrança de acordo com a periodicidade escolhida. Ou seja, é como comprar um título novo a cada 3 meses.

Veja os custos de Cartão de Crédito (valores em real considerano câmbio a R$ 2,30):
Mensal: US$ 14,90 | R$ 34,27
Trimestral: US$ 41,70 (US$ 13,90/mês) | R$ 95,91 (R$ 31,97/mês)
Semestral: 77,40 (US$ 12,90/mês) | R$ 178,02 (R$ 29,67/mês)

Dinâmica dos Realms/Servidores
O World of Warcraft (WoW) está dividido em Realms, que são os servidores ou num
outro conceito levantado pelo Leo, planetas. Ao conectar, você pode jogar em qualquer um desses servidores e eles possuem algumas regras diferentes, mas todos são cópias idênticas do jogo. Mas cada um deles funciona isoladamente do outro. Ou seja, se um amigo está no servidor A e você entrou no B, não podem nem mesmo mandar uma mensagem para o outro. Seus personagens, também, ficam guardados em cada um desses mundos e não em uma máquina central. Ou seja, se você tem um guerreiro de nível 40 em um servidor e quer jogar em outro, deve criar outro guerreiro a partir do zero. Não é possível transferir itens ou dinheiro entre esses “mundos”.

O jogo consiste na luta entre duas facções, Aliança, que são os humanos, gnomos, elfos noturnos e anões ou a Horda dos orcs, trolls, minotauros e mortos-vivos. Cada raça tem seu próprio país, vantagens e as missões iniciais únicas, assim como as capitais, cidades, vilas, terreno e problemas enfrentados por cada um. Além disso, existem
profissões que o jogador pode praticar para conseguir dinheiro, como ser um herbalista/alquimista, para fazer poderosas poções para uso próprio ou para vender a outros jogadores. Uma outra profissão interessante é o engenheiro, capaz de fazer bombas entre outros. Normalmente, itens feitos pelos próprios jogadores são melhores que vários encontrados em lojas, por exemplo.

Níveis e Profissões
A evolução de níveis e profissão é lenta. O máximo, atualmente é 60 e com a expansão que será lançada ainda esse ano, irá pular 10 níveis, o que é muita coisa, pois quanto maior o nível do jogador, mais lenta fica a seu progresso. A habilidade na profissão também conta. Umas são mais caras que as outras para se aprender, mas um caçador de feras é mais comum pois há abundância de material, enquanto é muito mais complicado para um herbalista conseguir ingredientes de poções. Então, um ganha mais pela raridade de seus produtos e o outro, pela quantidade. A maioria das profissões varia de 0 a 300 e realmente, o próprio jogador fica mais experiente no ofício.

Tecnologia e Interface
Os gráficos do jogo tem “cara de ontem” e me pareceram bastante ultrapassados, com aspecto de jogos de 2002/2003 no máximo. Não estou me referindo aos efeitos visuais de magias, mas texturas, modelos de personagens, animação, sombras, shaders, etc. Se você está acostumado com o realismo de Doom 3, FEAR, Quake IV, Medal of Honor e afins, irá ficar um pouco decepcionado com os gráficos, mesmo na resolução 1280 x 1024, com tudo no máximo ele ainda fica com aspecto de “antigo”. Nesse quesito, Guild Wars dá um banho no WoW. Mas a contrapartida é mesmo uma máquina de configuração modesta
pode rodar o jogo, mas aconselho a não ter uma conexão menor que 256kbps. O som é decente, mas não é nada espetacular como Guild Wars ou Knights of the Old Republic. Os gráficos são inferiores aos do Silkroad Online (review em breve).

A interface é muito fácil e a jogabilidade é ensinada com missões curtas e aos poucos. Ela é totalmente auto-explicativa e imagino que eles tenham feito muita pesquisa para ser tão simples. São dezenas de comandos que ao final de 2 horas, nem parecem que estão lá. A cada novidade, como nadar pela primeira vez, aparece uma explicação curta e não existem aquelas combinações malucas de teclado e mouse. Se você acha 2 horas muito, não se preocupe, pois novidades são introduzidas aos poucos e isso não é absolutamente nada em termos de horas jogadas.

Locomoção e Meios de Transporte
Algo que chama a anteção é ver pessoas usando montarias mais diversas para se locomover mais rápido e outros, usando grifos, hipogrifos, morcegos gigantes e wyverns (uma espécie de mini-dragão), usando rotas aéreas para enorme velocidade de locomoção. Os preços das montarias são absurdamente caros e imagino que são pessoas que jogam desde os primórdios do jogo. Há também serviços de zeppelin, navios e trens para cruzar os países e continentes. Sim, o jogo é imenso e garanto que o pouco que já vi, se jogar todos os dias e nenhum conteúdo for adicionado, demoraria uns 2 anos para ver e fazer tudo. Mas a expansão irá acrescentar um continente inteiro… então, já me acostumei com a idéia de que não irei, de formal alguma, explorar cada recanto do jogo.

Economia
Outro aspecto interessante é que eles criaram um sistema econômico com cobre, prata e ouro. Então, depois de 2 dias jogando, não consegui uma única moeda de ouro, pois é preciso 100 de prata para tal e para treinar na profissão, nos ataques e magias, é preciso dinheiro. Fica fácil entender porque tem pessoas que estão ganhando dinheiro de verdade jogando World of Warcraft, pois eles vendem o dinheiro virtual na cotação 1 ouro = 1 dólar e pela quantidade de gente fazendo isso, o negócio é bom. Existem relatos de pessoas literalmente vivendo disso, jogando profissionalmente. Um jogador endinheirado na vida real e pobre no jogo pode investir 500 dólares por 500 moedas de ouro e dar verdadeiros saltos no progresso. Para quem está acostumado com o sistema simplificado de moedas de ouro, imagine o sistema feudal: uma armadura ótima qualidade, completa, talvez custe algumas moedas de ouro, um cavalo, é como um carro, custa 80 moedas de ouro ou mais. Um bom escudo, algumas moedas de prata e comida, umas poucas moedas de cobre.

Comunidade
Relevante é o senso de comunidade e ajuda mútua. Um desconhecido me viu, perguntou se eu era novo e com a resposta afirmativa, resolveu me ajudar com missões mais difíceis, deu dicas de profissão, e consegui meu primeiro item de qualidade incomum (verde) graças a ele. A qualidade do equipamento é facilmente verificada através de um sistema de cores. Ainda deu dicas sobre o jogo e evitar perigos.

Conclusão
No geral, achei a experiência muito interessante e realmente o jogo é viciante. Fica com aquele gostinho de quero mais, pois há tanto para se ver e fazer. E a Blizzard não pára de desenvolver o jogo. A cada nova atualização, novos itens, terrenos, inimigos e locais para se aventurar. Por exemplo, o próximo patch irá acrescentar novos dungeons de alto nível, reformar a classe de magos e xamãs, entre outras alterações. Vou jogar por algumas semanas antes de escrever as segundas impressões. Por enquanto, estou perdendo muito dinheiro testando as várias profissiões disponíveis. Estou jogando no Realm Shattered Hand (PvP), lado da Horda e meu nome em jogo é Moardib.

Esse post foi gerado a partir de uma conversa com o Leo, curioso sobre as minhas impressões recentes com o WoW. Uma coisa é certa, se você quer ter tempo para alguma coisa na sua vida, fique longe desse jogo, porque ele é, de fato, viciante. Dois dias bastaram para ver porque, mesmo com o preço salgado, existem mais de 6 milhões de pessoas jogando World of Warcraft.

emGames