Digital Drops Blog de Brinquedo

Quer surpreender o mercado? Peça para seu filho desenhar o próximo laptop.

Por em 21 de novembro de 2007 - 20 Comentários

minilaptop3_21112007.jpg

Outro dia meu filho de 8 anos me pediu um laptop de presente. E eu, achando que tinha entendido, retruquei: “Poxa, cara, você já está crescidinho para um laptop do Batman, não acha?”. Recebi como resposta uma cara de espanto…que logo se desfez, quando o garoto entendeu que o pai estava ficando meio caduco…

“Pai…um laptop de verdade, caramba. O que eu vou fazer com um laptop de criança?”

Deve ter sido que o pensou a molecada que criou o Mini Laptop Club, numa escola americana. Fato curioso: não existem laptops reais neste clube, apenas modelos feitos por elas mesmas usando papel, cola, tesoura e sua imaginação. Os resultados, como os da foto que abre este post, nos fazem pensar.

O que é mais interessante aqui é que, até numa brincadeira com papel e caneta, percebemos que os produtos que criamos nem sempre vão ao encontro de um nicho de mercado potencial, como é o da novíssima geração. Porque não uma tecla direto para o site do Harry Potter? Ou uma que acione os Games instalados? Para que tantas teclas se quero apenas navegar?

É óbvio que não podemos chegar ao extremo da customização comercialmente inviável. Mas boas lições vêm dos lugares mais insuspeitos, não?

Ouvir um mercado que teve como primeiro registro fotográfico uma foto no site de sua maternidade é fundamental. E vai separar os empreendedores de tecnologia em dois times: os que chegaram lá. E os que ficaram no século XX.

Fonte: Tech Digest

emHardware

Lançado o Visual Studio 2008

Por em 21 de novembro de 2007 - 74 Comentários

y1p0_A1xE0qJ4wh_OyHOdnxRwebzxIIbMKgkYR6h4saFTjz2TOH_SgBhnetiU7FSRl8Y_3Ut7jfqf0

Hoje foi disponibilizada a versão final do primeiro dos três produtos cuja data oficial de lançamento é dia 27/02/2008 : O Visual Studio 2008.

O Visual Studio 2008 traz consigo o lançamento do Framework .NET 3.5, formando os dois um belo conjunto para desenvolvimento de software. A principal novidade do Visual Studio 2008 está ligada aos novos compiladores : C# 3.0 e VB 9.0. Estes novos compiladores possibilitam do surgimento o Linq.

As mudanças realizadas no núcleo do Framework .NET, porém, foram mínimas. A MS IL permanece a mesma, pouca coisa mudou e em geral foram adições. Neste caso, como o Framework consegue suportar algo tão diferente como o Linq ?

Simples : Devido aos compiladores. As novas versões dos compiladores passaram a dar suporte ao Linq e transformar sua síntaxe na velha MS IL de sempre. Alguns testes birutas interessantes já foram feitos mostrando que aplicações compiladas no Framework 3.5 podem rodar, em certos casos, em máquinas que possuem apenas o Framework 2.0, já que a MS IL é a mesma, sendo necessário levar apenas algumas (poucas mesmo) DLLs complementares, mas isso já é de praxe no framework.

Mas afinal o que é o Linq ?

O Linq é uma nova síntaxe que permite que façamos o acesso a coleções de objetos em uma escrita que guarda muitas semelhanças com uma query SQL (para quem duvidava, podem desengavetar o Clipper e o FoxPro! :) . Desta form o Linq permite que objetos sejam manipulados de forma mais semelhante a conjuntos de dados mas também abre espaço para o grande sonho de muitos desenvolvedores : manipular dados como conjuntos de objetos.

Há bastante tempo a Microsoft prometeu o lançamento do Object Spaces, um recurso para permitir esta tão desejada manipulação. O Object Spaces era esperado na versão 2.0 do .NET, mas não veio. Por outro lado, desenvolvedores Java já estavam há um bom tempo habituados com o Hibernate, um framework de mapeamento objeto/relacional para este ambiente.

O atraso A ligeira demora no surgimento de um bom recurso de mapeamento objeto/relacional fez com que o NHibernate – o Hibernate portado para ambiente .NET – conquistasse os desenvolvedores.

Alguns desenvolvedores ficaram realmente apaixonados pelo mapeamento objeto/relacional e fazem questão de utiliza-lo amplamente. Outros, nem tanto. Definitivamente faço parte do 2o conjunto. Demonstrei em um artigo sobre desenvolvimento em camadas e um vídeo sobre desenvolvimento web em camadas a forma como é possível ter produtividade na criação e manutenção de aplicações independentemente do mapeamento objeto/relacional. Porém dai a demonstrar se o mapeamento objeto/relacional tem ou não perdas de performance e produtividade – o que sempre foi uma incógnita, é outra história.

Mas o Linq por si só é uma sintaxe e não um framework de mapeamento objeto/relacional completo. Então… cadê o resto ?

Na própria ferramenta do Visual Studio 2008 encontramos elementos chamados "Linq to SQL"  para serem adicionados ao projeto e que geram arquivos .dbml. Desta forma podemos graficamente mapear elementos da base de dados para classes em nossa aplicação.

Esse é o primeiro passo. Mas as classes da aplicação não devem espelhar diretamente a base de dados. Afinal, banco é banco,  modelo de classes é modelo de classes e o mapeamento é feito para mapear (que constatação mais óbvia !). Eis que o Linq e o Linq to SQL é apenas o começo, surge então o Entity Framework, um novo conjunto de recursos adicionados ao ADO.NET (que em sua fase beta era chamado de ADO.NETvNext). SNAG-0154

O Entity Framework possibilita que o banco relacional seja criado seguindo uma modelagem de entidade/relacionamento enquanto que o modelo de classes seja criado seguindo um modelo UML, então o Entity Framework aparece no meio e interliga os dois. Simples, não ? Tão simples quanto arrastar e soltar graficamente (ao lado você vê um modelo de classes gerado a partir do banco, ainda sem personalizações – clique na imagem para ampliar)

Não existe ainda certeza sobre se o Entity Framework está saindo agora com o Visual Studio ou se vai demorar um pouco mais, mas a impressão é que não passa de 27/02, já que em alumas apresentações (vale a pena assistir) o Entity Framework é apresentado como recurso do SQL Server 2008.

Com estes novos recursos, ficamos então com duas (sendo bem resumido) formas de desenhar a arquitetura de acesso a dados no framework : Utilizando mapeamento objeto/relacional ou utilizando o método tradicional. O próximo passo é começarem a surgir análises comparativas referentes a estes dois métodos.

É interessante ainda observar que o SQL Server 2008, 2o produto com mesma data de lançamento – 27/02/08 – promete a possibilidade de armazenar e manipular facilmente qualquer coisa na base de dados (já imaginou guardar sua sogra na base de dados ?), portanto será uma grande junção de banco e ambiente de desenvolvimento.

Mas o Linq, Linq to SQL e Entity Framework são apenas algumas das principais novidades do Visual Studio 2008. Veja outras :

Inteface de desenvolvimento melhorada

A interface de desenvolvimento web, por exemplo, ficou muito melhor para os designers. O Visual Studio não vai mais destruir o código dos designers como fazia antes (lembram do debate no artigo "Onde estão e para onde vão os designers ?")

Além disso o MS Ajax e MS Ajax Toolkit foi completamente integrado na interface web do Visual Studio, o que nos trouxe boas surpresas, não só para nós, mas também para os desenvolvedores do Ajax Toolkit, que chegaram a se enrolar um pouco para tornar os objetos compatíveis com a nova interface.

Integração com o Framework 3.0

O Visual Studio 2008 vem totalmente integrado ao WPF, WCF e WF, desta forma não precisamos mais utilizar extensões separadas para o desenvolvimento com estas tecnologias, o que é um grande avanço.

Mas não se engane quanto ao WPF : O Visual Studio é para desenvolvedores, então o WPF ainda é focado para desenvolvedores. Para designers deve-se utilizar o Expression Blend. Veja no vídeo abaixo uma mini-demonstração do Expression Blend :

Veja também outros vídeos sobre as demais tecnologias

Código fonte do Framework disponível

Uma das grandes novidades do Framework 3.5 e Visual Studio 2008 é não só a liberação do código fonte do Framework .NET, mas também sua integração de depuração no Visual Studio 2008. Ao depurar uma aplicação você poderá facilmente transitar entre o seu código fonte e o código fonte do Framework

Veja as imagens abaixo, do blog do ScottGu, demonstrando isso (clique para ampliar) :

step4

step5

Multi-Targeting

O Visual Studio 2008 passou a gerar aplicações para todos os frameworks posteriores ao 2.0 (temos o 2.0, 3.0 e 3.5), demonstrando assim a forma como o framework encontra-se cada vez mais íntegro, com poucas mudanças e muitas adições entre uma versão e outra.

Melhorias no ambiente web

Neste ponto temos melhorias tanto na ferramenta como nos recursos do framework em si, tal como nested master pages, suporte amplo ao CSS e debug de javascript, novo objeto ListView, novo objeto LinqDataSource, integração com o MS Ajax (que agora é parte integrante do framework 3.5) e Ajax toolkit, e muito mais.

Veja vídeos com alguns dos novos recursos

Junto com o lançamento do Visual Studio e do Framework 3.5 surgem vários recursos novos para os desenvolvedores, já adaptados ao ambiente do 3.5 :P2P_Toolbox

Code4FunDevKit : Um kit de ferramentas bem interessante para os desenvolvedores, incluindo alguns objetos gerenciados de acesso a API’s do Windows Vista

Code4FunVistaP2PKit : Um kit de ferramentas para construção de aplicações P2P no Windows Vista

GDK_Image1DarkGDK Game Creators : Um kit de ferramentas para construção de jogos através do Visual C++ Express 2008. A imagem a esquerda mostra o kit em ação, clique para ampliar, fica bem melhor.

Aqueles que são assinantes MSDN podem baixar o VS 2008 do MSDN, aqueles que não são podem baixar as versões Express do Visual Studio 2008, que são gratuitas e permitem que você desenvolva os softwares que desejar, compile os comercialize da forma que desejar

Não deixem de conferir também o post do ScottGu sobre o Visual Studio 2008. Para quem desejar aprender mais, já existem muitos livros disponíveis sobre estas novas tecnologias. Cuidado, porém, com treinamentos. Todo treinamento precisa ser no mínimo do Framework 2.0, sendo os mais avançados já abordando o framework 3.0 e 3.5, porém ainda existe muita confusão sobre isso nas empresas de treinamento.

Para aqueles que desejarem conhecer mais sobre estas tecnologias, saibam que meus eventos já agendados serão feitos com as novas ferramentas, ou seja, 24/11 em Vila Maria/SP, 28/11 na UFF/Niterói, 08/12 e 13/12 na Tijuca/RJ, todos abertos ao público, gratuitos. Mais detalhes logo em meu blog ou por e-mail. Também estou a disposição de qualquer universidade que deseje uma palestra sobre o tema, sem custo algum.

 

emArtigo Destaque Indústria Software

Soldado usa Wii para capturar pistoleira

Por em 21 de novembro de 2007 - 27 Comentários

O causo da semana é o de um soldado de nome Tony, que servia no Iraque, e arrumou um Wii[bb].

Perto do final de seu tempo de serviço, ele mandou o Wii de volta para casa. Alguns meses depois ele chegou, todo feliz, então começou a listar os avatares dos amigos que tinha criado no Iraque. Entre eles achou um que não reconhecia.

O avatar parecia MUITO com um sujeito que ele desconfiava estar “comparecendo” junto à sua esposa.

Visitando o Wii Message Board, ele descobriu que o tal sujeito não só trocava mensagens direto com a mulher dele, como segundo o Calendar, se encontraram várias vezes para brincar de Wii Sports, embora tenha ficado claro que o Wii Remote que ela gostava não era o que vinha com o aparelho.

Confrontada, a cidadã disse que trocou um beijo inocente com o sujeito, em apenas uma ocasião.

O soldado já entrou com o pedido de divórcio.

No tempo do Atari não tinha nada disso, agora os consoles sabem quando, quanto e com quem jogamos. Por um momento as paranóias do Stallman sobre invasão de privacidade chegam a fazer sentido.

Mesmo assim, tecnicamente enquanto o sujeito está jogando videogames com a mulher alheia, não está caracterizado o ato de corneamento, portanto, caro amigo soldado, marinheiro, petroleiro, profissional de TI e outros que passam muito tempo fora de casa: Invista na proteção anti-chapéu de touro: Compre um Wii, um PS3, um 360 e um Atari, para caso sua mulher se interesse por um safado mais saudosista.

Fonte: Gizmodo

emGames

E agora, Steve? Zune na frente dos iPods na Amazon

Por em 20 de novembro de 2007 - 27 Comentários

Por essa nem o Real nem o Fake Steve Jobs esperavam.

Na lista de bestsellers da Amazon, na categoria Áudio e Vídeo Portátil, o Zune de 30GB, marrom-cocô está em primeiro lugar. Os iPods vêm atrás, mesmo assim o novo iPod Touch, que tanto encheu os olhos dos resenhistas, vem em SEXTO lugar, atrás de um iPod Classic, e mesmo de um xing-ling honorável SanDisk de 1GB.

Para confundir mais ainda a cabeça de todo mundo, o Zune NOVO, de 80GB, está em 17o lugar.

Será que a fome por gigas e gigas de espaço é algo restrito aos fanáticos de tecnologia? Lembro que quando pedi meu iPod de 30GB fiquei em crise alguns dias achando que seria pouco. Hoje vejo que dá e sobra, pois não há sentido em levar temporadas inteiras de séries já assistidas, nem todos os episódios de Galacticast e Ask A Ninja. (embora esse último mereça).

Se a Apple ter ultrapassado o valor de mercado da IBM foi algo simbólico, o Zune vender mais que o iPod na Amazon, a segunda casa da Apple, e o Zune Marrom, modelo antigo, também é simbólico, indicando que ninguém se mantém no topo apenas por mérito, e que se a Apple não se coçar, pode perder o posto, apesar de ser líder incontestável.

Duvidam? Perguntem ao Wordstar e ao Wordperfect…

Fonte: Business Journal

ATUALIZAÇÃO

A Discípula superou o Mestre. O Círculo agora está completo. Muito bem, Padawan. A Fabiane já tinha postado sobre isso.


PS: O impressionante é que não foi uma anomalia, ela escreveu dia 7/11, e hoje ainda continua a mesma situação. Chuuuupa Apple!

emApple e Mac

Gameaholic

Por em 20 de novembro de 2007 - 14 Comentários

A Coréia do Sul é considerada o país mais conectado do mundo, com cerca de 90% dos lares possuindo conexões de alta velocidade. Por isso, é fácil entender porque os MMORPGs são uma verdadeira doença mania. A maioria dos jovens passam quase todo o dia jogando.

De um tempo para cá essa dependência comoçou a chamar a atenção das autoridades devido a morte de alguns jogadores por exaustão (aqui e aqui) após jogar dias seguidos e muitos outros matarem aulas para ficar jogando. Segundo Ahn Dong-hyun, um psiquiatra infantil, quase um terço dos jovens coreanos com menos de 18 anos são viciados em internet. 

O governo decidiu então criar a Jump Up Internet Rescue School. O local que tem instalações parecidas com a de um campo militar promete curar os jovens de seus vícios pela web. O campo fica no meio de uma floresta a uma hora de Seoul e como era de se esperar, lá os jovens ficam sem nenhum acesso a rede. Eles fazem diversas atividades físicas e são apoiados a terem uma vida social considerada normal, tendo contato com animais, outras pessoas e com a natureza.

Embora isso possa parecer frescura para muitos, a dependência pela internet é considerada uma doença em muitos países e as pessoas podem se tornar violentas caso sejam impedidas de usar um computador. No campo coreano por exemplo, no início, vários jovens fugiam para poder acessar a rede por alguns minutos, hoje eles são vigiados constantemente.

Em entrevista, um dos “internos” afirmou: “Não estou pensando em jogar, portanto acho que o tratamento está ajudando. A partir de agora, talvez eu só passe 5 horas por dia online”. (Leve em consideração que o menino de 15 anos ficava 17 horas por dia conectado!).

[via NY Times]

emGames Internet

Deixem o Vista em paz!

Por em 20 de novembro de 2007 - 18 Comentários

Lembram do Britardado do vídeo acima, que virou hype com o vídeo “Deixem a Britney em paz”, defendendo a Mãe do Ano Britney Spears?

Pois é. Como muito bem dito pelo ETTF.net, era inevitável. Uma paródia de um vídeo já irreal, só que… focando no Windows Vista.

“Vocês não sabem como é fazer um sistema operacional… buáááá… estou cheio de vocês atacando o Windows Vista… buáááá…”

Genial.

Desaconselhado, claro, aos stallmanzinhos de plantão e microtards sem senso de humor.

emIndústria

Duplicador de DVD? Não, obrigado

Por em 19 de novembro de 2007 - 21 Comentários

Mais de dez anos atrás, em uma Feira de Informática (era esse o nome genérico) vi um gringo vendendo umas torres com 11 drives de CD, você colocava um master, ele gravava automaticamente uma cópia nos outros 10 discos. Lembro que custava caro.

A US$349,95, esse aí de cima segue a mesma linha.

Eu sei, ele grava DVDs, não CDs, mas não justifica. Por esse preço monta-se um micro meia-boca, sem HD, coloca-se um Linux baunilha bootando de um pendrive USB, dois drives de DVD, um TuxRecorder (ou seja lá o nome do gravador de DVD preferido da galera) e pronto, fim da história.

Mesmo assim eu acredito que o produto venda, não por méritos técnicos (não vejo nenhum) mas por pura preguiça humana, vide os milhares de casos diários de documentos que são digitados, impressos, enviados por fax e depois redigitados pois os envolvidos ainda não conseguiram entender a complexa atividade de enviar emails com anexos.

Caso real: Já vi gente digitando um documento que estava na PRÓPRIA rede da empresa, com o caminho no rodapé do mesmo, mas a pessoa achava complicado se virar naquele “monte de letras e pastas”.

Pensando bem, US$349,95 é pouco. Deviam cobrar US$500,00. Ia ter gente pagando feliz.

Fonte: Techfresh

emHardware