Digital Drops Blog de Brinquedo

Mário de novo, agora ao vivo

Por em 21 de setembro de 2007

meiobit-mario1.jpg

Que tal? Uma loura, um sujeito vestido de encanador, outro fantasiado de gorila e uma estrutura de plataformas? Você vai subindo, o macaco (não, não sei se ele tem blog) jogando barris…

O grupo de desocupados mostrado neste vídeo do Gizmodo fez exatamente isso. Recriou um nível de Donkey Kong, e ficou pra lá de divertido. Será que topariam fazer um do Custer´s Revenge?


emGames

iPhones desbloqueados – a bagunça pode acabar

Por em 21 de setembro de 2007

meiobit-appletom.jpg

Sendo realista, Steve Jobs não gosta muito de operadoras de telefonia e toda a bullshit que elas trazem atrelada, mas tem que negociar com elas. E negocia bem, algumas fontes dizem que a Apple está tirando 40% da receita bruta dos clientes de iPhone da O2 inglesa.

Por outro lado isso significa que alguma coisa ele tem que dar às operadoras. E poucas coisas são mais interessantes que manter a fidelização dos clientes a todo custo. Como a venda dos iPhones é feita via Internet, via lojas da Apple E via lojas da AT&T, muita gente está comprando iPhones e desbloqueando. A AT&T não está gostando, e a Apple também não, pois deixa de ganhar a parte do leão desses clientes que deveriam contratar os serviços da operadora.

Por isso Jobs já avisou: Vão correr atrás e bloquear as alterações de firmware que possibilitaram o uso do iPhone por outras operadoras.

Em teoria basta o dono do aparelho não aceitar os upgrades da Apple, mas se esta quiser jogar pesado, pode atualizar o iTunes e fazer com que este só sincronize com iPhones usando a última versão de firmware.

Problema: Nos EUA você é legalmente autorizado a desbloquear seu telefone. Se a Apple detonar seu aparelho por você ter feito algo que está dentro da Lei, podem enfrentar uma briga muito boa, que provavelmente irão perder. Usando Defesa Chewbacca e Campo de Distorção da Realidade ou não.

Na dúvida, é melhor esperar que algum bucha experimente os updates da Apple e descubra se detona o iPhone desbloqueado ou não. você atualiza o seu.

Fonte: Ars Technica

emApple e Mac

Office 2008 para Macs – preview

Por em 21 de setembro de 2007

Infelizmente não está disponível para download, e ainda não descobri se as ferramentas de blogging da versão Windows serão replicadas. Se forem, é compra certa para blogueiros que usem Mac.

Enquanto isso a Microsoft botou no ar um site com um monte de screencasts mostrando as características da nova versão de sua suíte, e pelo visto está muito mais integrada à filosofia do Mac do que a anterior.

Mesmo assim é uma versão essencialmente doméstica, pois ao não suportar VBA a Microsoft alienou totalmente o mercado corporativo. Será uma omissão absurda ou uma associação da falta de interesse de Jobs pelo mundo corporate E um interesse da Microsoft em não desagradar parceiros como Dell, Lenovo, HP e similares, todos fortes nas vendas para empresas?

emApple e Mac

MP3 Player de pinguim – não é parente do Tux

Por em 21 de setembro de 2007

meiobit-tuxplayer.jpg

A princípio o Singing Penguin Chick, ou iChick – juro que não estou inventando – seria só mais uma porcaria chinesa. Um player de MP3 com rádio FM, 1GB de memória, alto-falante interno, display de 1 polegada OLED mas chamado pelo fabricante de LCD, gravador de voz e suporte a MP4.WMA.WMV,ASF, WAV e MP3 (claro).

Mas o bicho ainda pisca os olhos e mexe o bico, acompanhando a música que está tocando. Céus, é brega demais.

E para provar que chineses também sofrem de crises de megalomania, no site do produto eles publicaram uma comparação (onde o pinguim venceu, claro) com um iPod. Só que, pombas, comparar com o iPod Shuffle?

Essa coisa custa US$32,99 no China Grabber. Vai encarar?

Fonte: Technabob

emFotografia Hardware

Cara NBC: Você não compete com a Apple, e sim com o Bit Torrent

Por em 21 de setembro de 2007

meiobit-cheerleader.jpg

Talvez ninguém trabalhe mais em prol da Pirataria que as emissoras de TV. São piores que as gravadoras. Algumas atitudes parecem fruto da mais pura pirraça, e mesmo diante de demonstrações factuais eles insistem em determinar o funcionamento do Mundo, e se este não corresponde a suas expectativas, a culpa é do Mundo.

Vejam por exemplo a área de vendas de episódios de séries de TV. A Apple ganha os tubos com isso, assim como os estúdios. Mas a NBC queria mais. Não satisfeita com vender seus episódios a US$1,99, simplesmente criaram uma situação “ou dá ou desce” onde o custo iria passar para US$4,00.

Não funciona. A venda online não tem a mesma percepção da venda física. Se vão me vender um conteúdo sem a mídia física, sem os extras de um DVD, ainda por cima um conteúdo que posso assistir de graça (em termos, o custo está diluído mas existe) em casa, para quê iria assistir online, pagando caro?

O valor da Apple era o ideal. Junto com a disponibilidade quase imediata. Saindo no iTunes 24h após a exibição na TV, não afeta as emissoras, e todos ficam felizes. Menos a NBC.

Como foram literalmente expulsos quando disseram que iriam sair, surgiram com uma idéia de disponibilizar seus seriados via Amazon, mas ninguém, ninguém achou graça.

Agora em uma iniciativa 100% marketeira e feita para ser sacaneada, a NBC diz que vai criar um serviço próprio de download, Gratuito. Isso, di grátis, na faixa.

Claro, conhecendo executivos de TV, tem caroço nesse angu. Aliás, vários caroços. Primeiro, os episódios só serão disponibilizados uma semana depois de irem ao ar na TV. Segundo você só poderá baixar usando o software disponibilizado por eles. <FUD mode on> Rootkit da Sony, alguém vai?</FUD mode off> Terceiro, os episódios se auto-destruirão após uma semana.

Isso é “de graça”? Ah, eles dizem que em 2008 começarão a vender episódios. Afirmam que com isso “eliminaram o intermediário”. Leia-se iTunes. Tudo bem, mas se eles queriam aumentar o preço dos episódios com a Apple, se eliminaram o intermediário seus episódios terão que vender no máximo a US$1,99. Sinceramente eu duvido.

Para complicar, seu programa, NBC Direct, só funciona em Windows. Literalmente ferraram os usuários de Mac que compravam suas séries no iTunes. Agora vêm falar de lealdade de espectadores? Pro inferno com eles.

Os consumidores querem satisfação imediata. Quer ganhar dinheiro? Bote os episódios no iTunes a US$1,99 para download normal, ou a US$4,00 para download 24h antes de ir ao ar na TV. Adiante o download normal, libere-o para minutos após o episódio ir ao ar. Nos trackers decentes os episódios estão disponíveis minutos após sua exibição. É contra esse tipo de concorrente que a NBC tem que brigar, e não contra a Apple.

Um monte de gente que comprava seriados está voltando ao P2P, depois dessa sacaneada da NBC Era isso que vocês queriam? Meus parabéns. Só lembrem que da próxima vez que falarem que venda de shows pela Internet não funciona, a culpa é de vocês, caros amiguinhos de Hollywood.

Fonte: The New York Times

PS: A foto da cheerleader foi usada para fins de adereço de cena.

emApple e Mac Indústria

Um é pouco, dois é bom, três…

Por em 20 de setembro de 2007

… é estranho, mas tem gente que adora. E a AMD aposta que um chip com três núcleos é o que todo mundo precisa para relaxar e… trabalhar também.

Dias depois de lançar o "Barcelona", com quatro núcleos no mesmo "die", a empresa anunciou uma versão de três núcleos a ser lançada no primeiro trimestre do próximo ano.

Voltada para desktops, será construída no processo de 65nm, terá 2MB de cache L3 e barramento HT 3.0. Infelizmente, não há maiores detalhes, além da promessa de aumento de até 40% na performance sobre os chips "dual core".

[via eeProductCenter]

emAnúncios

O fim da Lei de Moore

Por em 20 de setembro de 2007

A cada salto no processo produtivo de semicondutores ( especialmente processadores ), ouvimos a mesma ladainha: que o fim da "Lei de Moore" está próximo.

Se você viveu os últimos cinquenta anos no Tibet, a "Lei de Moore" diz que o número de transistores numa mesma área de semicondutor dobra a cada dezoito meses. Na verdade, uma pequena revisão foi feita e o tempo mudou para 24 meses. Tal afirmação saiu da brilhante mente de Gordon Moore, co-fundador da Intel, em 1965 e tem se mostrado válida desde então.

Segundo o próprio Mr. Moore, numa palestra ontem, no IDF ( Intel Developer Forum ), em quinze anos a "lei" perderá sua validade. E, pelo visto, desta vez é sério.

Acontece que o processo litográfico, usado na confecção de dispositivos semicondutores, tem uma limitação física. Em breve, será impossível alinhar os átomos de silício de forma que seja possível controlar o fluxo eletrônico.

O quê acontecerá, então? Há alternativas, mas nenhuma delas passa pelo "transistor", como o conhecemos hoje. Nanotubos de carbono, computação quântica e chips biológicos são boas apostas.

É uma pena que computadores baseados em óptica ainda estejam longe da realidade.

[via Dailytech]

emHardware Indústria