Digital Drops Blog de Brinquedo

Google com suporte a IMAP

Por em 24 de outubro de 2007

gmailimapIncrível como o pessoal da Google sempre dá um jeito de aparecer com alguma novidade… dessa vez, é a disponibilização do protocolo IMAP. Muito mais avançado que o velho POP3, aquele permite que se faça buscas diretamente no servidor e que caixas postais sejam compartilhadas entre grupos, entre outras coisas.

Para quem não vive sem um cliente de emails "offline", é uma mão na roda.

Alguns usuários ainda não foram agraciados com a atualização e se você quiser verificar, abra seu gmail e vá em "Settings" e depois em  "Forwarding and POP/IMAP". Se sua conta ainda não tiver sido atualizada, o link vai ser apenas "Forwarding and POP".

O link para a página de configuração do seu cliente está aqui.

[via downloadsquad]

emAnúncios Google Telecom

Menos um “TuxPhone”

Por em 24 de outubro de 2007

greenphonePara quem leu o artigo do Cardoso sobre o "TuxPhone", aquela maravilha tecnológica, faço uma pergunta: imaginem, apenas imaginem, um telefone celular GSM de 10cm x 5cm x 1,5cm, com um XScale Dual Core de 312MHz, com 64MB de RAM, 128MB de Flash, entrada para mini-SD e mini-USB, tela sensível ao toque de 320 x 240 pixels, câmera de 1,3MPixels, GPRS e Bluetooth.

Agora, imaginem que esse celular viesse com um "kit de desenvolvimento", podendo ser programado em C++, com a biblioteca Qt e cujo sistema operacional fosse o GNU/Linux®.

Seria bem interessante, não? Pois é… seria. Aliás, era… aliás, foi. Esse era o "Greenphone", uma plataforma que a Trooltech ( fabricante do framework Qt/Qtopia ) tentou "emplacar" desde 2006 e que foi oficialmente abandonado no último dia 22.

A empresa suporta várias plataformas ( como os Nokia 770 e 800, por exemplo ), mas o foco parece se concentrar agora no FIC Neo1973. A boa notícia é que o "kit de desenvolvimento" da FIC parece custar só US$ 450,00.

[via LinuxDevices]

emHardware Indústria

Filho pródigo: iPhones “desgarrados” podem ser restaurados

Por em 23 de outubro de 2007

Donos de iPhones que desbloquearam seus aparelhos – e pode-se incluir nesta lista o Roberto Justus -, já podem sorrir aliviados e fazer o upgrade para a nova versão do firmware do bicho. Um grupo chamado iPhone Elite acaba de liberar um “revirginizador de iPhones”.

O grupo, cujo slogan é algo como “substituindo o que a Apple abandonou”, criou uma ferramnta para restaurar iPhones às suas configurações originais de fábrica. Assim, o usuário poderá fazer o update para a nova versão, desfrutar dos novos recursos e, inclusive, desbloqueá-lo novamente.

Pelo visto, a Apple vai precisar encontrar um novo jeito de segurar esse pessoal.

Fonte: Engadget e Ars Technica

emApple e Mac

Não adianta chorar: Apple vale mais que a IBM

Por em 23 de outubro de 2007

meiobit-evilipods.jpg

Ajoelhe-se diante de Zod, digo, Jobs. Com ações atingindo a marca de US$185, a Apple registra um valor de mercado de US$160 bilhões, e pela primeira vez na História ultrapassa a IBM. Principais responsáveis? iPods, como sempre, e o iPhone, que fez jus ao hype e deu ao consumidor o que ele queria: Uma experiência diferente, vibrante e divertida.

É, Virgínia, nerds adoram discutir WCDMA, GPS, processadores e quantidade de megapixels das câmeras incorporadas. Pessoas comuns querem que seus gadgets as agradem.

E o iPhone agradou.

Vejam a valorização das ações da Apple, desde janeiro de 2003.

meiobit-acoesapple.png

E olhe que a IBM tentou. Nunca teve problemas em se aliar a líderes pouco ortodoxos, trouxe gente como o biscoiteiro, que deu uma boa sacudida na empresa, mas com sua atitude paquidérmica demora muito a se mexer, agora tem que engolir que foi ultrapassada por uma empresa de frutas. O que podemos dizer? Namaste.

meiobit-gump.jpg

Fontes: CNN Money, Fake Steve Jobs


emApple e Mac

Berimbau Hero

Por em 23 de outubro de 2007

Possibilitar que o jogador tenha uma banda inteira a sua disposição em um game? Isso é coisa de amador. Bacana mesmo é o que uma produtora de mídia brasileira fez. A Colméia conseguiu criar um “simulador” de berimbau usando o controle do Wii.

Utilizando uma interface socket, a pessoa consegue fazer com que o Mac OS reconheça o Wiimote e com isso possa controlar o software que simula o instrumento usado nas rodas de capoeira. A criação que está sendo chamada de Wiirimbau é muito interessante e mostra que muita coisa ainda pode ser feita com o controle do videogame nos computadores. 

[via Movidos pela Paixão]

emGames

Europa mira na Microsoft e acerta o OpenSource

Por em 23 de outubro de 2007

meiobit-franceses.jpg

Vejam a manchete do Foundation for a Free Information Infrastructure:

União Européia manda open source começar a pagar taxa de patentes da Microsoft

Como assim Bial?

Eu explico. Com a decisão sobre o caso de antitrust envolvendo a Microsoft, foi decidido que a Microsoft está obrigada a fornecer seus protocolos para os concorrentes, por uma taxa de 10 mil Euros, sem royalties, mas aqui vem o pulo do gato. Do gato não, do tigre. Aliás, nem tigre. É o pulo do Gato Guerreiro.

o competidor que achar que precisa de patentes para utilizar os protocolos pode licenciá-las por uma taxa de 0,4% de seus ganhos.

É baratinho, claro. Um valor bem abaixo dos 5% que a Microsoft cobrava, mas pense bem:

Os 0,4% estão respaldados por uma decisão judicial. A Corte Européia simplesmente reconheceu a validade do modelo de patentes de software que a Microsoft (e toda a concorrência, diga-se de passagem) vem tentando implantar.

O líder do SAMBA, como já dito no artigo anterior, diz que o modelo de royalties das patentes irá inviabilizar os projetos open source.

Levando-se em conta que esse tipo de royalty é calculado em cima dos downloads, e dizer que “é de graça” não é justificativa legal para ser isento de cobrança de royalties, TODOS os projetos Open Source na Europa estão ameaçados.

Parabéns, União Européia. Da próxima vez não peçam ajuda ao Steve Ballmer para redigir a decisão final, ok?

emIndústria

Microsoft se rende!

Por em 23 de outubro de 2007

microsoftserende.jpg

A ação que vinha correndo por nove anos na União Européia envolvendo a Microsoft chegou ao fim. A Empresa de Washington chegou a um final, onde duas decisões principais foram tomadas:

1 – Irão disponibilizar documentação completa de seus protocolos para que os competidores possam criar produtores concorrentes que se comuniquem com o Windows Server da mesma forma que os produtos nativos da empresa. Os protocolos serão disponibilizados mediante um pagamento único, de €10.000 e o uso dos mesmos envolverá royalties de 0,4%¨do faturamento das empresas.

2 – Pagarão a multa de €3 milhões / dia, que já está em €450 milhões.

Foi uma vitória? Se foi, foi no estilo do Rei Leônidas. Sem querer estragar a festa, como foi dito em um artigo da Foundation for a Free Information Infrastructure, seu presidente, Pieter Hintjens, diz:

A decisão parce positiva mas está cinco anos atrasada. Durante esse tempo, a Microsoft fez lobby por patentes de software na Europa e adquiriu patentes de muitos conceitos triviais. Alegou violações de patentes contra o linux, colocou bombas-relógio de patentes nos seus formatos e interfaces, e transformou o medo de patentes no núcleo de sua estratégia de negócios. Agora vai abrir seus formatos, porque isso deixa que ampliem sua franquia de patentes de software mais ainda.

Nada pessoal, meninos e meninas. São apenas business.

Jeremy Allison, do SAMBA, leu as especificações do MCPP (Microsoft Communications Protocol Program), devidamente protegido por patentes, e basicamente é impossível distribuir uma aplicação open source usando a especificação, por causa das patentes.

Então, enquanto a União Européia poderia estar tomando a dianteira e discutindo todo o conceito de patentes de software, preferiu gastar nove anos em uma briga besta, que lidou inclusive com a exigência de que o Windows não viesse com o Windows Media Player já instalado. A Microsoft depois de um tempo aceitou e vende seus Windows Europeus assim. Em tempos de banda larga, nada poderia ser mais irrelevante.

A própria multa, que está deixando os fanboys que vivem de mesada pulando de alegria, cheios de schadenfreude, significa para uma empresa que fatura US$50.1 bilhões de dólares por ano pouco mais de 1% de seu faturamento.

A decisão abriu caminho para outras, a União Européia está de olho agora em empresas como a Intel, acusada de vender processadores mais baratos do que o preço de custo, usar rebates e outras técnicas para prejudicar a concorrência, no caso a AMD.

Para a Microsoft, foi um excelente investimento. 50 milhões de Euros por ano distraindo os Europeus enquanto na frente de todo mundo implementava sua nova estratégia. Excelente. Muito mais eficiente que qualquer blitzkrieg.

Sabem que mais perde com isso? Leiam o próximo artigo…

Fontes: The Wall Street Journal, Computerworld, Reuters, MacDailyNews


emIndústria