Digital Drops Blog de Brinquedo

Blogs não são confiáveis? E os jornais são?

Por em 12 de novembro de 2007

O jornal O Povo está realizando uma enquete com a seguinte pergunta "Você acha que os blogs são fontes de informações confiavéis?". Obviamente, o resultado parcial é desfavorável para a blogosfera: 76% dos respondentes acham que não! Não acho que o resultado seja injusto, pois eu também não confio em TODOS os blogs que leio. Contudo, acho que a enquete é tendenciosa, pois oferece ao respondente somente uma resposta binária: sim ou não! Posso parecer paranóico, mas acredito que houve uma certa malícia na elaboração da questão com o intuito de disseminar a dúvida entre os leitores do referido jornal quanto a qualidade das informações publicadas em blogs.

É óbvio que existe muito informação incorreta em blogs: algumas são colocadas por erro, outras são plantadas propositalmente para gerar tráfego! Porém, existem muitas informações corretas também, e o melhor, acompanhadas de opiniões. Os jornais também possuem opiniões, porém elas estão escondidas diluídas nas entrelinhas. A grande maioria dos jornais se diz isenta ou imparcial, porém isso não passa de um mito! Os jornais, geralmente, representam grupos políticos ou econômicos e seus respectivos interesses. Agora é minha vez de perguntar: você acha que os jornais são fontes de informações confiavéis? Se você inocentemente respondeu sim, fique atento! Há jornais e há jornais. Da mesma forma que não dá para confiar em tudo que se lê na blogosfera, também há muitas mentiras inverdades publicadas na mídia impressa. A diferença é que a informação na Internet é livre, portanto a verdade está a um hyperlink de distância, basta procurá-la.

Ontem participei do BlogCamp-CE, o primeiro evento regional de uma série de iniciativas da blogosfera para debater temas relacionados a blogs. Foi muito gratificante ver como a preocupação com a ética tem sido um tema recorrente nas discussões. As informações presentes nos blogs são preparadas por pessoas (como nos jornais), portanto podem conter erros. Cabe ao leitor estar preparado para separar o joio do trigo. Felizmente, na blogosfera há bem mais trigo que joio! Não concorda? Então participe dessa pesquisa manipuladora.

P.S.: ATENÇÃO! Não confie nessa informação pois ela está publicada em um blog. Porém, use-a para desenvolver sua opinião consciente sobre o tema.

emBlog Internet

Zune pediu para primo descolado ensinar como se vestir para a balada

Por em 12 de novembro de 2007

Artist_Family_shot2_Flat_11112007.jpgPintou em vários veículos hoje que a Microsoft vai oferecer aos donos dos novos Zunes a possibilidade de customizar seus aparelhos com quatro linhas de texto e uma das 27 ilustrações criadas por um time de 18 artistas internacionais.

Ok.

Depois da grande sacada de garantir aos donos de Zunes primeira geração upgrades para os features do novo Zune, a Microsoft me vem com a idéia mais do que requentada e mostra que, às vezes, entende errado o que é um produto. Falar isso para uma comunidade de profissionais de TI, com toda calma, é uma arte, vamos lá.

Sendo absurdamente didático, existem dois posicionamentos possíveis: ou você é um líder ou você segue o líder. O caso mais clássico que se tem notícia envolve locadoras de automóveis americanas nos anos 60. Existia uma líder e a segunda colocada, que conseguiu uma grande visibilidade para sua marca assumindo isso. O famoso “somos a número dois por isso nos esforçamos muito mais”. Isso foi copiado à exaustão no mundo da propoganda.

E parece que o Zune. PELO MENOS NESTE QUESITO, adotou totalamente a filosofia do “follow the leader”.

Tá. Ainda assim, em tese é legal: o processo de escolha dos artistas foi bem bacana e guiado por gente da área. E mais: o aparelho, continua sendo uma excelente alternativa aos iPods. Mas, se você parar e avaliar o que ele busca representar para a marca Microsoft, requentar uma idéia é um tiro no pé, não?

Porque simplesmente não criar uma plataforma para que os usuários enviassem suas próprias ilustrações? Isso sim seria uma tacada e tando.

O site Zune Originals, onde você poderá customizar os Zunes 2.0 entra no ar amanhã.

Fonte: Cool Hunting


emÁudio Vídeo Fotografia Indústria

A maldição de God of War

Por em 12 de novembro de 2007

Acredito que a maioria dos jogadores concordam, God of War é um dos melhores jogos do PS2. A aventura de Kratos se tornou um dos carros-chefe da Sony e com certeza ajudou a vender alguns consoles pelo mundo. Vendo por este lado a empresa japonesa não tem do que reclamar da franquia, mas parece que o game carrega uma maldição consigo.

Primeiro foi David Jaffe, após idealizar o jogo, o designer resolveu passar a direção da sequência para Cory Barlog. Não satifeito, Jaffe decidiu sair da Sony e fundar seu próprio estúdio. Kratos fazia sua primeira “vítima”. Barlog assumiu a responsabilidade e produziu God of War 2 que se tornou um sucesso de crítica e público.

Agora a Sony anunciou que Barlog está deixando a empresa para conquistar novos horizontes, Kratos então derruba mais um. Como já disse uma vez, não esperem pelo jogo do grego em outros cosoles, mas acho que a situação é delicada para  Sony. Com certeza novos jogos da franquia serão produzidos, mas a empresa perde duas mentes criativas muito importantes.

Várias perguntas pairam no ar. Porque os dois resolveram sair? Será que estão simplesmente buscando mais liberdade de criação? Com um novo diretor o GoW 3 terá sucesso, já que o PS3 vem se mostrando uma plataforma difícil de programar? Será que Barlog irá arrumar um emprego na Eat Sleep Play, produtora de Jaffe? Talvez o tempo tire nossas dúvidas.

[via 1UP]

emGames

O Fim Está Próximo: Teclado USB para fanáticos por SMS

Por em 12 de novembro de 2007

cre8txt.jpg

fInaLmEntI PeNsaRam Nah gaLErah kI naum tem pAcIENCIah dI ESCrEvE kI NEm EXXixXx vELhUxXx dI 25 AnUxXx i pRofEXXORExXx xXxaTUxXx……

u KRE8TxXxT eh 1 TEcLAdU ki tEM u FOrmaTU fAmiLIAh Di 1 CelUlaH…i ACEitAH tExXxtUxXx komu estamuxXx aCOstuMaDUxXx a escrevE…nAuM UsaNU EXXAH KOIZAH di QWErTy ki UxXx VELHUxXx GostaM……

O Cre8txt também vem com um software que traduz as gírias, expressões específicas e abreviações usadas pelos maníacos por SMS, transformando o que normalmente parece ruído de linha em inglês fluente. É uma ferramenta que pode inclusive ajudar a diminuir o choque das gerações, aumentando a comunicação entre os jovens e seus pais.

O bicho custa uns US$108,00, o que acho bem caro para poder entender os pensamentos de um adolescente.

Fonte: OhGizmo! Tradução: Miguxeitor



emCelular Hardware

Accordion Hero?

Por em 12 de novembro de 2007

Quando o assunto é criar mods para Guitar Hero, o pessoal não mede esforços. A vontade de tocar outro instrumento além da guitarra é tanta que já houve até quem o fizesse em Lego. Agora fizeram o Accordion Hero!

Não, não é sério. O Accordion Hero é apenas uma brincadeira aliás, bem feita – veja uma das telas. Mas que seria interessante que se criassem mods de diferentes instrumentos, seria. Como por exemplo o Berimbau Hero, feito com o controle do Wii.

Alex Rigopulos, CEO dos criadores do Guitar Hero até mencionou o Accordion Hero numa entrevista para a Wired, dizendo que queria mesmo que os caras tivessem feito a bugiganga. Infelizmente, pelo menos por enquanto, não há planos para um Bass Hero, ou Baterist Hero, por exemplo. O jeito é ficar no aguardo do Rock Band

Enquanto isso, veja esta galeria de mods para o jogo, que conta até com o androide que toca/joga Guitar Hero.

Fonte: Schadenfreude [via Make Magazine]

emGames

Chupa Apple: Sabre de Luz para Nokia N95

Por em 12 de novembro de 2007

Devo admitir, dessa eu não sabia. O N95 vem com um acelerômetro, como os Macbooks e o iPhone. O Grande Dilema, se meu próximo smartphone será um N95 ou um HTC Touch acaba de ganhar mais um ponto de comparação. Que, mais uma vez, cai num empate.

Um ponto positivo aqui é que a Nokia não odeia e abomina os desenvolvedores, como a Apple, por isso disponibiliza APIs e SDKs para seus celulares. O que significa que todo tipo de aplicação eventualmente surge para Symbian.

No caso, um sabre de luz, no estilo do MacSaber.

O programa já está disponível, neste link.

Destaque para o vídeo de apresentação mais brega da história dos sabres de luz em dispositivos portáteis com acelerômetros.


Fonte: The Gadgets

emCelular

O fim do plano de negócio?

Por em 12 de novembro de 2007

No dia 10 de novembro foi realizado no Espaço Gafanhoto o 1o. StartupCamp, um evento que juntou investidores e empreendedores da Internet brasileira. O evento foi dividido em dois momentos: pela manhã, uma série de palestras que trataram do tema empreendedorismo profissional e, à tarde, uma desconferência para divulgar e conhecer idéias que estão sendo desenvolvidas no Brasil.

Esse evento serviu para confirmar um pensamento que eu já vinha desenvolvendo: o plano de negócio acabou! Pelo menos, nos moldes utópicos da Internet pré-bolha… No final do século passado, o mercado de tecnologia era a menina dos olhos dos investidores. Nessa época, qualquer indivíduo capaz de elaborar um plano de negócio, com pelo menos 3 páginas e alguns gráficos gerados no Excel, conseguia arrancar alguns milhões para desenvolver a idéia, por mais absurda que fosse! Muito dinheiro foi investido em idéias sem pé nem cabeça, baseadas em sonhos fabulosos que não possuiam nenhum modelo sustentável. O resultado não poderia diferente, num determinado dia de chuva torrencial os investidores perceberam que tinham colocado dinheiro em empresas que não valiam tanto (algumas não valiam nada mesmo!). Foi aí que a bolha estourou. O valor das ações das empresas de tecnologia caiu bruscamente. Empresas avaliadas em milhões, de repente, valiam tanto quanto um zero à esquerda. Muita gente perdeu dinheiro, e muito!

Novamente, estamos atravessando um momento favorável para a criação de novas empresas (startups). O conjunto de novos padrões técnicos e comportamentais, rotulado de "Web 2.0", está atraindo novamente a atenção dos investidores. Na gringolândia tem muito dinheiro correndo. Alguns analistas já apregoam que uma nova bolha está se formando. Talvez isso seja verdade, mas o momento ainda é oportuno conseguir o dinheiro necessário para tirar boas idéias do papel.

Na verdade, o plano de negócio ainda existe, mas tem uma função diferente daquela usada há alguns anos. Antes da bolha, os planos de negócio eram usados para seduzir os investidores e convencê-los que eles poderiam obter excelentes resultados em pouquíssimo tempo, baseando-se em projeções fictícias. Isso não funciona mais! O dinheiro está mais escasso (especialmente na terra brasilis) e os investidores mais seletivos.

Como conseguir dinheiro para transformar sua idéia em negócio

O plano de negócio ainda é importante, pois traduz as idéias dos empreendedores em uma linguagem que os investidores entendem, mas isso não é suficiente na maioria dos casos. Obter investimentos somente com uma idéia escrita em uma folha de papel ficou mais difícil. Então, como começar? Nesse post coloco algumas impressões de investidores brasileiros colhidas durante o 1o. StartupCamp.

Um investidor verá menos risco no empreendimento caso ele já tenha provado na prática a sua viabilidade (mesmo que em estágio inicial). Logo, o caminho é arregaçar as mangas e colocar a mão na massa! Precisa de dinheiro? Comece investindo o seu próprio, isso chama-se Bootstrapping! Começar o empreendimento usando recursos próprios é a maior prova de você realmente está convencido de que a idéia é boa. Essa atitude ajuda a convencer os investidores que você está disposto a pagar qualquer preço para fazer o negócio acontecer! Alguns empreendimentos de sucesso e outros de muito sucesso começaram com uma boa oportunidade e pouquíssimo dinheiro dos empreendedores. Em alguns casos, é necessário vender o próprio patrimônio para fazer o caixa inicial do novo negócio. Essa é a maior prova do espírito empreendedor. Se o empreendedor não tiver a coragem necessária para inverstir na sua própria idéia, quem investirá?

Os investidores sentem-se mais confortáveis quando o empreendedor está disposto a se doar de corpo e alma ao novo negócio. Empreendedores part-time não são desejáveis. Se você está preso a outras atividades, comece a planejar uma forma de quebrar os vínculos para se dedicar ao seu empreendimento. Dedicar-se a várias frentes simultaneamente pode comprometer os resultados obtidos, portanto esteja disposto a pular de cabeça no negócio para fazê-lo acontecer. O risco é alto, mas o medo do fracasso deve ser superado. Aliás, para empreendedores verdadeiros não existem fracassos! Na verdade, o fracasso pode ser saudável, desde que venha acompanhado de algum aprendizado.

Tem uma idéia brilhante? Quer mudar o mundo? Então, comece a realizá-la antes de ir em busca de um investidor. Se a idéia for realmente boa, o investidor irá atrás de você. Comece com um bom plano de negócios, mesmo que ele não seja suficiente para garantir o investimento, ele ainda é necessário e irá ajudá-lo a direcionar os esforços corretamente. Mãos à obra…

emInternet Web 2.0