Digital Drops Blog de Brinquedo

Old school gamer legítima

Por em 10 de outubro de 2007

Quem disse que apenas a Nintendo conseguiu atingir o público da terceira idade? Quem disse que o Xbox 360 não faz sucesso no Japão? Para derrubar todas estas teorias, um jogador lá da terra do sol nascente fez o vídeo abaixo. Tá certo que a japonesa de 96 anos não chega a ser um prodígio nos games, mas pelo menos parece estar se divertindo.

Eu bem que evito escrever notícias sobre o game de maior sucesso de vendas dos últimos tempos, mas todo dia aparece algo inusitado relacionado a saga de Master Chief. E fica aqui a dica, quando você for jogar uma partida online e se achar o melhor do mundo porque matou um adversário, saiba que uma vovó quase centenária pode estar do outro lado.

[via Joystiq]

emGames

gPodder – Gerenciador de podcasts para Linux

Por em 10 de outubro de 2007

gpodder-0.10.0-main_window.png

Os Sourceforges da vida apresentam uma característica irritante: muita gente cria projetos com objetivos ambiciosos mas nunca sai do status “planejamento, pré-alfa”. É quase uma versão das páginas onde todos os links são “em construção”, que foram comuns no final dos anos 90. Assim, quando um projeto efetivamente vai pra frente e cumpre o que promete, é algo que deve ser comemorado.

O gPodder segue esse caminho. A proposta é ser um gerenciador de podcasts cheio de funcionalidades. E estão conseguindo.

Entre as características mais interessantes temos:

  • Sincronização com iPods e players genéricos
  • Controle de fila de downloads
  • Browser de canais
  • Limitador de banda
  • Suporte a bit torrent
  • Customização de formatos

Claro, nem tudo são flores. As dependências não vão deixar a Fabiane feliz e ainda há bugs constrangedores, como um podcast ser apagado da biblioteca local mas permanecer no iPod, mas se alguém reclamar é só lembrar que estão na versão 0.10.

No geral é um programa que vale ser usado, se você roda Linux e sente falta de um gerenciador exclusivo de podcasts.

Fonte: Cybernet TechNews

emLinux Podcast

Mi API, su API

Por em 10 de outubro de 2007

myspacelogo_11102007.jpgSeguindo os passos do Facebook, o Myspace anunciou que vai liberar API´s para a comunidade de desenvolvedores criarem seus próprios aplicativos. A questão é que, se hoje, o MySpace já permite colar códigos de vários widgets (inclusive os do criados a partir do API do Facebook), o que seria realmente identificável como uma aplicação gerada pelo API deles?

Além disso, a grande jogada do MySpace é oferecer a possibilidade dos desenvolvedores rodarem seus próprios programas de remuneração e garantir 100% da receita. Pois é startups, essa foi pra vocês.

Alguém se habilita?


emIndústria Internet

Vinil é para fracos! Álbum distribuído em disquete.

Por em 10 de outubro de 2007

É isso mesmo que você leu. Uma banda inglesa usou e abusou da compressão de áudio e colocou 19 faixas de seu novo (floppy) disco nesse dispositivo obsoleto de 1.44 MB de capacidade de armazenamento.

Loucura? Segundo Jonas Olesen, da banda de um integrante só Batch Totem, faz parte da estética da música, porque as limitações técnicas desse tipo de compressão são propositais, e se você converter o WAV para MP3, irá perder a graça. Quer experimentar? É possível baixar uma faixa do disco aqui. O download vai ser rapidinho, são apenas 42KB.

Disseram que é possível ouvir as músicas em qualquer player, sem precisar instalar codecs – a menos que você tenha um Mac, que há dez anos não possui entrada para disquetes. Taí uma boa idéia pros projetos independentes sem verba.

Fonte: PC Pro, via Boing Boing.

emMiscelâneas

London Games Festival 2007

Por em 10 de outubro de 2007

londongames_11102007.jpg

A partir de 22 de outubro acontecerá o London Games Festival, misto de exibição e seminário para discutir as questões já tradicionais do universo dos games e entrentenimento interativo.

A quantidade e qualidade dos temas impressiona num evento que se destina aos fãs tradicionais, aos pais que buscam conhecimento sobre a sempre presente polêmica sobre violência, aos profissionais da indústria e curiosos em geral.

Entre os parceiros que ajudaram a realizar o evento, além dos players (sic) tradicionais de mercado teremos a ELSPA, a Intel, Atari etc.

Ah, na programação dois momentos imperdíveis: The British Academy Video Games Awards e o Video Games Live.

emGames

Alerta: Microsoft causa calvície

Por em 10 de outubro de 2007

natalievendetta.jpgA briga no mercado de players de áudio está pegando fogo, só que agora virou pessoal. Mas no bom sentindo, sem os ataques infantis do reino dos fanboys.

Em uma reportagem da Bloomberg onde os números do mercado de players eram destrinchados, com a Apple em primeiro com 71% do mercado, e a Microsoft em quarto com 3%, Robbie Bach, da Microsoft, declarou:

Quando o Natal passar, as pessoas vão olhar e dizer: “Há a Apple e há a Microsoft. A realidade dos números é que a Apple ainda será a número 1″

Ou seja: Ele assumiu publicamente que a Microsoft passará para o segundo lugar, com as vendas de Natal.

Papar o 3o lugar é fãcil. É a Creative, com sua linha não-fede-nem-cheira, e 4% do mercado. No segundo é que o bicho pega. É a SanDisk, com sua linha SANSA, com 10%.

A Microsoft chega lá? Não. E dessa vez a culpa não é nem do Zune, que tem sido elogiado em tudo que é canto. A culpa é, ironicamente, da concorrência. A SANSA, para quem não ligou o nome à pessoa, é especializada naqueles xing-links baratos que se compra em qualquer jornaleiro. O público deles é o consumidor de players de áudio abaixo de US$100,00 e definitivamente não é o público-alvo da Microsoft E nem o da Apple.

Para comer esses 10% a Microsoft tem muito pouco espaço, pode pegar a fração de ponto percentual da Creative com seus players -cof cof- topo de linha, e o eventual usuário insatisfeito da Apple, além da expansão natural do mercado. Da SANSA não vai tirar nada, são consumidores diferentes.

Por isso, David Berlind, da ZDNet, fez um desafio público a Robbie Bach: Se a Microsoft atingir essa meta de 2o lugar no ranking, ele irá raspar a cabeça.

carmella.jpgEm solidariedade, além de esnobar a concorrência um pouco, Carmella Lyman, porta-voz da SanDisk, entrou na brincadeira também, dizendo que se a Microsoft chegar lá, ela vai raspar o cocoruto.

Robbie Bach ainda não se manifestou. Quanto ao David Berlind estou me lixando, mas espero que a Microsoft não consiga esses 10%, pela Carmella, que é uma mulher bem interessante, e não ficaria nada bem careca. Brazilian sim, Kojak nunca.

emÁudio Vídeo Fotografia Indústria

Pesquisa sobre violência em games é iniciada na Inglaterra

Por em 10 de outubro de 2007

games_london_09102007.jpgA maneira como interagimos com informação, sua fácil obtenção e disseminação mudou a velocidade com que os valores e conceitos são formados, não há dúvida. Hoje se aprende mais rápido e de forma mais superficial do que nunca. Somos mais reflexo do que reflexão. Neste cenário, dois tipos de informação, por seu apelo irresistível, tem chamado atenção de educadores há alguns anos: sexo e violência. Não tem jeito, esta dobradinha rende bilhões às indústrias que dela se beneficiam e não há muito o que fazer. Mas há alguma coisa.

A psicóloga Tanya Byron (sobrenome apropriadíssimo, não?) vai liderar um estudo na Inglaterra, em associação com a ELSPA (Entertainment & Leisure Software Publishers Association) para analisar as faixas de proibição e o tipo de violência e pornografia aos quais são submetidas as crianças. Ela ressalta que não estará culpando ou centrando sua análise somente nos games, principalmente por se tratar de um tipo de informação que é, por sua natureza pervasiva a outros meios. Mas…

…a indústria de games na Inglaterra que ainda se debatia após a proibição por duas vezes do lançamento do Manhunt 2 teve que engolir mais essa.

Antes de levantarmos as bandeiras de “censura nunca mais”, ou queimarmos colchões em avenidas movimentas gritando por “justiça-justiça”, não é hora de entender que um veículo com tanta força e penetração quanto os games…pode e deve ser usado para fins mais positivos do que atropelar velinhas?

Fonte: BBC


emGames