Digital Drops Blog de Brinquedo

Piratas safados em geral: Bem-vindos ao Internet Explorer 7

Por em 6 de outubro de 2007

A Microsoft acaba de liberar o download do Internet Explorer 7 para versões do Windows que não passem no WGA – Windows Genuine Advantage.

Assim se você tem uma versão pirata do XP, pode baixar o Explorer 7, sem o WGA e continuar falando mal da Microsoft, de forma mais rápida e mais segura.

A decisão foi bem pragmática. Enquanto é gratificante punir os piratas, a grande quantidade de máquinas nessa situação contribúi para manter as botnets funcionando, gerando mais spam, mais redes de vírus e cavalos de tróia, e mais usuários invadidos e inseguros.

Com esse upgrade do Explorer 7 para todo tipo de cópia do XP, é esperada uma queda significativa no número de casos de phishing e outras fraudes. Convenhamos, a Microsoft deveria ter feito isso desde o início.

Fonte: Uneasysilence

emInternet Segurança

Mais Zune, e ainda positivo

Por em 6 de outubro de 2007

Acabamos de receber essa dica direto de Redmond: Os acessórios do Zune antigo servirão no novo e vice-versa.

Não só a boa notícia da atualização de firmware da versão antiga, agora essa?

Parabéns, Tio Bill.

PS: Aos que estão por fora, os iPods sofrem com vários conectores e aparelhos incompatíveis, mesmo os docks precisam de adaptadores, o formato do iPod de 30Gb é diferente do iPod de 60GB que é diferente do Nano que é diferente do de Primeira Geração, e por aí vai.

Qualquer semelhança com a Palm e seus conectores que mudavam a cada novo modelo, é mera coincidência.

emÁudio Vídeo Fotografia

Blue&Me – Punto pra Microsoft

Por em 5 de outubro de 2007

O MeioBit foi convidado para uma apresentação do novo Fiat Punto, um sportshatch que vai preencher o espaço entre o Palio e o Stilo. Mas não se preocupe, não viramos o Top Gear (quem dera). O evento foi pertinente pois a Fiat está trazendo para o Brasil, em parceria com a Microsoft o sistema Blue&Me, um sistema de computação embarcada voltada para entretenimento e comunicação.

A idéia é aumentar a segurança ao mesmo tempo em que dá liberdade ao motorista para gerenciar suas ligações telefônicas, acessar o sistema de som, receber mensagens de texto e até acessar faixas de áudio em um pendrive.

Tudo via comando de voz.

Tecla Windows?
Pois é. No volante do Punto temos um botão Windows, é o principal comando do blue&Me e o que aciona o reconhecimento de voz. Ao contrário do que pode parecer o reconhecimento não fica ligado o tempo todo. Faz sentido, pois do contrário o computador teria que entender contexto, saber se “é comigo?”. Ainda não temos esse tipo de discernimento no campo da Inteligência Artificial.

Idiomas
O Blue&Me está disponível em português e em vários outros idiomas. Caso o usuário queira mudar a língua, pode baixar do site da Microsoft uma atualização, gravá-la em um pendrive e espetar na porta USB do carro. O arquivo será identificado, os dados atualizados e a nova língua estará habilitada.

Bugs
Durante a demonstração tudo funcionou muito bem, mas a tradução e a pronúncia ainda precisam de alguns ajustes. Ouvimos um “blutút” como pronúncia de “bluetooth” e um constrangedor “registração” escapou às revisões. O reconhecimento de voz, claro, não funciona tão bem com a janela aberta e barulho da cidade, mas nem o SEU ouvido funciona direito sob essas condições. Recomenda-se o uso de ar-condicionado e vidros fechados.

Segurança
A segurança é uma prioridade. O pareamento de dispositivos só pode ser feito com o carro parado, e mensagens de texto são lidas pelo sintetizador de voz, mas não exibidas no painel. Menos chance de você se esticar, de noite, para tentar ler uma mensagem e quando perceber estar entrando com o carro em um asilo de órfãos cegos soropositivos que acabaram de perder um cachorrinho.

O reconhecimento de voz funciona muito bem, inclusive para discagem de números, quando a gente diz “compor número”  e em seguida fala “cinco cinco cinco meia sete nove quatro”. O sintetizador repete o número, ao mesmo tempo em que este é exibido na tela. Se estiver correto, basta dizer “chamar número”.

Ao parear seu telefone os dados da agenda são transferidos para o Blue&Me. Com isso você pode realizar chamadas apenas dizendo o nome do contato. O sistema comporta até cinco celulares, sendo que o que estará em uso será sempre o que estiver ao alcance do carro primeiro.

Uma informação que nem o pessoal da FIAT sabia: A porta USB é energizada, pode ser usada para carregar dispositivos como celulares, iPods, fones bluetooth e tudo mais que tenha uma conexão compatível. É o fim do adaptador para isqueiro. Informação exclusiva conseguida graças a uma colaboração MeioBit/Techbits.

Custos
O Blue&Me depende de sistema de som integrado e volante com controles de rádio. Estando esses opcionais instalados, o custo para ter o Blue&Me é de surpreendentes R$500,00. Uma pechincha em termos de acessórios automobilísticos, e não exatamente uma fortuna, diante do preço do Punto topo de linha, R$51.000,00.

A idéia é que em breve o sistema esteja disponível para todo o resto da linha Fiat, menos o UNO, que todos sabemos não é carro. (Desculpe, Fugita)

Desenvolvimento
Há SDKs para o Blue&Me, mas o desenvolvimento está restrito às montadoras. Mesmo assim visto que o Windows Mobile é fartamente documentado, duvido que já não existam hacks para o sistema, pois até chips de controle de central eletrônica de carros já são gravados e alterados por hackers (no bom sentido do termo). O Windows Mobile Automotive roda em um processador ARM de 300MHz, com 32MB de memória flash, quem quiser mais detalhes o White Paper está aqui.

Futuro
Além da  parte de infotainment, o Blue&Me consegue acessar dados direto da Central Digital do carro. Com isso já surgiram versões, no exterior, como a Blue&Me Nav, com suporte a GPS, e a Blue&Me Enhanced, que não só coleta dados sobre eficiência do motor e emissão de  CO2 como os grava em um pendrive, para análise em um PC.

emDestaque Indústria

Apoio aos desenvolvedores de jogos independentes

Por em 5 de outubro de 2007

Já comentei aqui no Meio Bit algumas vezes sobre o caminho que a indústria de games parece estar tomando. A cada dia que passa novas iniciativas estão sendo tomadas visando permitir que o jogador edite ou até crie seus próprios games.

Dessa vez foi o CMP Game Group, empresa responsável pelos sites GamasutraGameSetWatch além da Game Developers Conference, quem deu um passo importante nesta direção. Eles lançaram ontem o site Indiegames, que pretende divulgar o trabalho de desenvolvedores de jogos independentes.

A iniciativa é louvável e com o conhecimento que a CMP possui, o site tem tudo para se tornar referência e ajudar a surgir bons designers em um futuro próximo. Como as pessoas vivem reclamando da falta de inovação por parte da indústria, tirar um pouco do poder das grandes produtoras talvez ajude a trazer mais criatividade aos videogames.

Mesmo que você não se interesse muito pelo assunto, vale lembrar que muitos desses jogos são gratuitos e só por este simples motivo já vale a pena dar uma conferida no site. Gostaria de recomendar a lista que eles desenvolveram com os 50 melhores jogos indies já criados e repito, muitos deles de graça.

[via Gamasutra]

emGames

Se a Microsoft dissesse a verdade…

Por em 5 de outubro de 2007

Disseram que os fanboys da Microsoft são mais ponderados, mas não sei o que eles dirão depois desse vídeo.

[Via Fake Steve]

emAnúncios

Do PC para o Mac

Por em 5 de outubro de 2007

O leitor Breno Leal viu que os preços dos Macs caíram muito nos últimos tempos e ficou com vontade de entrar pra seita ter o seu. Então, ele mandou três perguntinhas para a gente, que eu acho serem default para todos aqueles que querem migrar de um sistema para outro (seja ele qual for), mas ainda possui dúvidas a respeito.

Além disso, muita gente fala muita coisa a respeito da Apple sem saber lhufas, e geralmente fala besteira só seguindo o hype. Então, vamos à elas:

-Quais seriam as principais diferenças entre os dois?

Podia-se dizer que PCs e Macs tinham arquiteturas diferentes, pois não usavam o mesmo tipo de chip, placas-mãe, etc. Podia-se. Hoje, fisicamente eles são iguais. O Xeon que está em um PC mais parrudo é igualzinho ao Xeon de um MacPro, por exemplo. A diferença está na “BIOS do Mac”. O PC usa BIOS, o Mac usa algo mais moderno – a EFI.

O Mac é um PC montado, assim como todos aqueles PCs de marca. Só que o sistema operacional que roda no PC precisa ter suporte a zilhões de combinações diferentes de hardware e precisa funcionar bem em todas elas – o que nem sempre acontece. O Mac OS X não: ele é feito para rodar redondo em um hardware específico, e este é um dos motivos porque ele é bom, estável e bla bla bla.

Outra diferença é que o Mac OS X é um Unix certificado. Algumas pessoas podem se ofender com o que eu vou dizer agora, mas o Linux não é um Unix, é um Unix-like, o que obviamente não desmerece o sistema. O David Pogue diz em seu livro The missing Manual (são mais de 700 páginas. Sim, eu li. Inteiro.) que o Unix é sólido como uma rocha, porque vem sendo refinado ao longo de 4 décadas. Dá pra imaginar porque o felino é bom.

-Eu sentiria muito a diferença?

Tenho um amigo linuxer que diz que “mudou a cor do capim, o usuário morre de fome”. Aliás, vários amigos meus que são linuxers dizem isso, o que não é totalmente mentira. É uma questão de hábito; no começo você pode se bater um pouco com atalhos, com o próprio teclado do Mac, com a forma como ele lida com os programas, com a interface, etc.

Mas eu te digo uma coisa: em no máximo dois dias você já pega o jeito. Ele é tão intuitivo quanto um Windows/Gnome/KDE/coloque-aqui-seu-sistema-ou-gerenciador-de-janelas-preferido. Eu diria que é mais intuitivo, mas me chamariam de fangirl xiita, então digo que é tão quanto, porque é kosher.

-Qual seria minha maior dor-de-cabeça?

Antes do Boot Camp, eu talvez dissesse que o maior problema fossem alguns programas, como jogos, ou outros muito específicos. Mas agora o Windows também roda em Macs, e caso você precise, pode até fazer em tri-boot em sua máquina para rodar Linux, Mac e Windows.

No mais, nenhuma. Uma vez que você se acostumou com ele, o resto é só alegria.

emApple e Mac

20 inovações que revolucionaram a vida dos universitários

Por em 5 de outubro de 2007

red-bull.jpgO Blog College Happenings elegeu as 20 inovações tecnológicas que ajudaram a simplificar (ou amplificar…) a vida dos estudantes universitários nos últimos 20 anos. E já que nem sempre (ou quase nunca) essa vida é baseada em atividades acadêmicas, a lista foge do óbvio incluindo os jogos multiplayer, mini máquinas de café e bebidas energéticas, como o bom e velho Red Bull (na minha época era uma fórmula secreta composta de café, coca-cola e balas halls, praticamente uma lenda urbana).

A lista não tem grandes pretensões e até apresenta alguns erros semânticos, como uma quinta posição do Google e a sexta posição para a Internet (sic).

Uma leitura descompromissada me deu a idéia de recriar uma lista para a realidade brasileira. Quem se aventura?

emMiscelâneas