Digital Drops Blog de Brinquedo

Solução VoIP da Microsoft

Por em 10 de fevereiro de 2008

Só faltou dizer que a idéia foi criada por eles: Agora, junto com a família Office, integração total ao MS Exchange Server, MS Active Directory, e é claro, ao MS Windows, também existe o “Microsoft Office Communications Server 2007“[1]. No site VoIP As You Are, também da Microsoft, existe duas centrais telefônicas, super simpáticas, conversando e dizendo que o VoIP é implementado por software, não por hardware.

Referindo-se a algumas implementações VoIP mais complicadas, feitas diretamente em roteadores e switches, a Microsoft tenta cada vez mais expandir os domínios do MS Office além da suíte de escritórios para computadores e dispositivos móveis, e agora está investindo em telecomunicações para ambiente corporativo. O (respira fundo) Microsoft Office Communications Server 2007 provê Instant Messaging, telefonia VoIP e vídeo-conferência aos seus consumidores. Um Trial está disponível para download gratuitamente, possibilitando a avaliação por até 180 dias. (Aviso, alto requerimento de hardware.)

Interessante lembrar que, a solução via VoIP baseada em software já existe há um bom tempo, está altamente consolidada e continua em plena expansão em todo tipo de empresas. O software é livre e chama-se Asterisk PBX. A utilização do Asterisk é diversificada, e você pode construir toda a estrutura de ramais utilizando apenas software: Asterisk no servidor e clientes VoIP nos computadores (como o OpenWengo), ou o gadget que você preferir para ficar em cima da mesa e tocar ao receber uma ligação. Adicionando uma placa da Digium (ou alguma compatível) e um tronco E1 no servidor Asterisk, ele fará ligações “pra fora” dos ramais, mantendo também a mesma estrutura que você utilizou. Ao invés de comprar uma central telefônica, que são caras e possuem várias limitações dos fabricantes, o custo da implementação do Asterisk é bem menor.

Porém, a sacada da Microsoft será justamente utilizar aquilo que ela tem em maior quantidade: usuários. Integrando sua solução VoIP-e-tudo-mais baseada em software ao Microsoft Office, que é mundialmente utilizado, a adaptação dos usuários e a aquisição pelos compradores é quase transparente, e o Office Communications Server 2007 deverá percorrer o mesmo caminho de sempre: Começa humilde, funciona relativamente bem, os early-adapters vão chegando, os recursos vão evoluindo e, se a concorrência (livre ou proprietária) não se mexer, ela consegue outro monopólio. MS Access, MSN Messenger e Internet Explorer (além de outros softwares) são bons exemplos que a tática funciona muito bem.

Então, Asterisk? A vantagem do Office Communications Server 2007 é a integração nativa com os outros produtos da plataforma Microsoft. Como vai ser a briga daqui pra frente? Pois pra mim, que vença o melhor…

[1]Comentário maldoso: Por que a maioria dos nomes de softwares da Microsoft tentam passar uma idéia de produtividade, empresa, escritório, coisas assim? Americanismo desnecessário…

emIndústria Open-Source Telecom VoIP

Isso que é agilidade: Falha grave de segurança no Firefox poucas horas após lançamento

Por em 10 de fevereiro de 2008

Da série “ah se fosse a Microsoft”, temos um bug sério no Firefox 2.0.0.12, divulgada pelo Hacker Webzine.

Com essa falha é possível acessar qualquer arquivo dentro do diretório do Firefox, incluindo suas preferences. E se você pensou que com isso uma página maligna pode acessar seus arquivos de senhas, usernames, autocompletes e similares, pensou o mesmo que eu.

Ainda não há correção, a sugestão é utilizar a extensão NoScript, que desabilita Javascript, Java e outros executáveis em qualquer página não definida por você como segura.

Fonte: Slashdot

emSegurança

Resistance is not futile – Yahoo rejeita oferta da Microsoft

Por em 10 de fevereiro de 2008

Fontes no Yahoo informam que a empresa não aceitará a oferta de US$44 bilhões, feita pela Microsoft. Mas antes que os Freetards comecem a pular de alegria dizendo “isso, Não se vendam, sejam livres, bla bla bla bla”, vamos explicar:

A justificativa do Yahoo é que a oferta de US$31 por ação é muito baixa, além de não levar em conta o risco dos órgãos reguladores melarem a transação, o que prejudicaria muito ambas as empresas. A ideologia aqui é ganhar dinheiro.

A empresa não pretende considerar nada abaixo de US$40 por ação, o que significaria mais US$12 bilhões no pacote. Bem, quem paga 44 paga 56. Vamos ver se a Microsoft quer mesmo o Yahoo agora, ou se vai esperar mais alguns meses, dizer “lembra dos 44? Agora são 30, se quiser leva agora. E pegue um café pra mim”.

A alternativa é o Google encher os olhos, entrar na disputa, mas será que eles têm dinheiro em caixa pra isso?

Fonte: CNN e Bloomberg

emIndústria

Mais uma tática suja da Microsoft para conquistar consumidores: Respeito

Por em 10 de fevereiro de 2008

A Microsoft está apelando. Primeiro foram os upgrades do Zune totalmente gratuitos para os usuários da primeira geração, enquanto os cornos que compraram iPods Touch terão que pagar US$20 por 4 míseros programas que são parte do novo firmware.

Agora eles lançaram o Zune de 80GB especial para o Dia dos Namorados, só que a demanda foi muito grande (apesar dos MSHaters jurarem que NINGUÉM compra Zunes) e não vão conseguir entregar no prazo marcado.

A resposta-padrão da Apple para esse tipo de situação é “ema ema ema, cada um com seu problema”. Já a Microsoft resolveu inovar.

Está contactando os compradores que não conseguirão ser atendidos no prazo. Pedem desculpas, explicam que o cliente será ressarcido do que pagou pelo Zune -por volta de US$250,00- mas o player ainda será entregue.

Isso mesmo. Por causa do atraso e da “tristeza” de não receber o Zune no dia dos namorados, esse pessoal vai ganhar Zunes de graça.

O atraso previsto na entrega? 3 ou 4 dias.

Fonte: Ars Technica

emÁudio Vídeo Fotografia

Controlando qualquer celular com movimentos

Por em 10 de fevereiro de 2008

É a primeira vez que vejo um dispositivo sensível ao movimento que é projetado para ser operado completamente com uma mão.

A Keynetik apresentou esse dispositivo (equipado com acelerômetros múltiplos, que detectam a direção da força) para celulares e portáteis, que com um movimento da mão permite que o usuário acesse a interface do aparelho.

A aplicação está na última fase de desenvolvimento, a primeira versão deve sair logo . A companhia fez um protótipo e instalou no Nokia N95, como vocês podem ver no vídeo abaixo. Os movimentos ainda estão um pouco brutos e demorando algum tempo para responder, mas creio que estão trabalhando para corrigir isso, afinal é apenas um protótipo.

Com certeza não deve ser uma alternativa para touchscreen e sim um complemento. Imagine todos sacudindo a mão por aí no meio da rua!

 

[via Kaynetik]

emCelular Computação móvel Hardware

Câmeras digitais não convencionais

Por em 10 de fevereiro de 2008

O IDG Now fez uma seleção das câmeras não convencionais que foram lançadas durante os anos da tecnologia digital. O título da reportagem as chama de câmeras bizarras, mas algumas são até simpáticas. Claro que nenhuma delas é novidade, pois foram notícia durante os anos passados, mas o mérito da reportagem foi ter juntado todas elas em um mesmo local. Veja as mais interessantes.

Câmera da Hello Kitty

Câmeras digitais não convencionais1

Sinceramente, não sei como esse personagem faz tanto sucesso, mas desisti de tentar entender o ser humano. A câmera tem 5 megapixels. O rosto da Hello Kitty fica vermelho toda vez que você faz uma foto.

Minox DCC Leica M3

Câmeras digitais não convencionais2

Câmera minúscula que tenta reproduzir os detalhes das antigas câmeras analógicas. Ela possuí 5 megapixels, memória interna de 32mb e visor LCD de 1,5 polegadas. Eu quero uma.

Câmera de madeira

Câmeras digitais não convencionais3

Essa eu nem lembrava mais. Em 2006 a Olympus anunciou o protótipo de uma câmera feita de madeira. Claro que a idéia não foi recebida como sendo ambientalmente equilibrada. Mas, até hoje a empresa não colocou a câmera na linha de produção.

Existem mais 09 modelos bem interessantes na página do IDG Now. Algumas eu gostaria de ter em casa, embora sejam itens meramente curiosos. Eu não apostaria em uma estupenda qualidade de imagem.

emÁudio Vídeo Fotografia

Dá pra tirar o crapware dos notebooks?

Por em 10 de fevereiro de 2008

Notebook novo em folha, com Windows Vista original, 2GB de RAM,
processador com dois núcleos, placa de vídeo dedicada e… chafurdando
em crapware. Primeiro boot e o consumo de memória está em 864MB e a máquina não está nem conectada na internet ainda.

Crapware (definição livre): software porcaria, lixo, de baixa qualidade.

Em teoria, um notebook deveria ser o princípio do ligar e usar, mas não sei porque raios os fabricantes de PCs simplesmente entopem o sistema operacional com uma enorme quantidade de software inútil.

Eu ainda não sei quanto o Vista é culpado, mas deve ter lá sua parcela. Só navegar rapidamente nos fórums da HP e o tópico mais comum é “downgrade to XP help”. Ao invés de funcionar com o mínimo de intromissão na vida do usuário, a atitude dos fabricantes de PC é completamente ao contrário. Meu antigo Toshiba veio com mais de 15 programas pré-instalados dos quais eu precisei de 1, apenas. E fora as dezenas de questionários perguntando se pode isso ou aquilo, se quer ativar A, B ou C. Se quer cadastrar agora no serviço XPTO… credo.

A diferença entre a experiência de um PC-Windows novo e um PC-Mac novo não poderia ser mais diferente. A Apple cobra mais pelo mesmo hardware para economizar ao comprador uns 2 dias de manutenção. Você liga, ele detecta a rede wireless e em 2 minutos estava tudo resolvido.

Resolvi simplesmente reformatar o novo notebook, baixar os drivers um a um e reinstalar só o necessário. A primeira coisa que vou me livrar é do Norton.

emComputação móvel