Digital Drops Blog de Brinquedo

Dreamworks passará a usar chips da Intel

Por em 9 de julho de 2008 - 15 Comentários

A Dreamworks está fechando um acordo para usar chips da Intel em sua futuras animações em 3-D. Havia uma batalha entre a Intel e a AMD para ver quem trabalharia junto com o estúdio de cinema e a vencedora já afirmou que irá oferecer as últimas tecnologias de processamento, incluindo chips com múltiplos núcleos.

Especula-se que no acordo está incluído a substituição de todo o hardware usado na Dreamworks, o que daria cerca de 1500 servidores HP e 1000 estações de trabalho que usam chips da AMD.

A primeira animação a fazer uso das máquinas da Intel deverá ser o Monsters vs. Aliens que tem estréia prevista para março de 2009 nos Estados Unidos.

dori_mva_08.07.08

[via Reuters]

emIndústria

Rede social para cinéfilos

Por em 9 de julho de 2008 - 9 Comentários

Depois de febres como Orkut, MySpace e outros tantos sites com a finalidade de reunir pessoas com interesses comuns, a moda chegou ao cinema. Foi lançado na última segunda-feira o MovieMobz, um site de relacionamento para cinéfilos que promete resgatar o clima de cineclube só que dessa vez na internet.

Com funcionamento parecido dos demais sites de relacionamento os visitantes têm acesso às fichas dos filmes, com sinopses, trailers e críticas de outros usuários, além é claro de poder contactar amigos e criar comunidades, chamadas de “Movieclubs”, comentar, criticar e fazer um ranking de seus filmes favoritos, eleger os filmes que você quer ver ou rever, encontrar pessoas com interesses em comum por cinema e programar sessões exclusivas.

dori_mov_08.07.08 Os usuários podem participar de mobilizações, fazendo com que determinado filme seja exibido no cinema de sua cidade ou bairro dependendo apenas da disponibilidade do filme e da quantidade de pessoas mobilizadas para a sessão, o que também influencia no valor do ingresso já que quanto mais pessoas estiverem disposta a participar mais barato ficará.

A MovieMobz tem um catálogo de 200 filmes digitais e uma rede de 159 salas de cinema espalhadas por 18 cidades brasileiras e conta com a parceria da distribuidora brasileira Rain

Os responsáveis pela inciativa são os dois sócios-fundadores da distribuidora de filmes digitais Rain, José Eduardo Ferrão e Fabio Lima, atual diretor-executivo da MovieMobz, e o distribuidor Marco Aurélio Marcondes, diretor-geral da nova empresa.

Achei a iniciativa genial, só espero que não caia no esquecimento.

[via Terra]

emInternet

Parceria entre Flickr e Getty Images é anunciada

Por em 9 de julho de 2008 - 8 Comentários

Flickr e Getty Images (uma das maiores empresas de licenciamento e distribuição de mídia, incluindo fotos) fecharam uma parceria, segundo anúncio no blog oficial do Flickr, através da qual o Getty Images irá ampliar seu catálogo com fotos de usuários do Flickr.

Os usuários serão escolhidos pelo próprio Getty Images de acordo com o critério deles e ferramentas desenvolvidas entre as empresas para varrer as fotos hospedadas no Flickr e encontrar o que houver de melhor. Usuários do Flickr não terão a opção de se candidatar a participar do catálogo.

As licenças disponíveis serão royalty free, right ready ou direitos controlados e as imagens dos usuários selecionados aparecerão em uma área especial do Getty Images com a identificação visual do Flickr. Nas páginas do Flickr das fotos selecionadas, haverá um link para a página no Getty Images onde a licença de uso pode ser comprada.

Não há uma estrutura de pagamentos definida, cada fotógrafo deverá negociar seu próprio acordo diretamente com o Getty Images, mas os participantes receberão parte das taxas de licença cobradas pela empresa.

Esta é uma parceria interessante para todos os envolvidos: Getty Images amplia seu catálogo, fotógrafos têm a chance de receber grande exposição e lucrar com seu trabalho e Flickr, por sua vez, passa a atrair mais fotógrafos como usuários – o que tende a ampliar sua base de usuários e elevar a qualidade de fotos no site, que por conseqüência atrai mais tráfego. (O Flickr não recebe percentagem alguma sobre as transações.)

Há apenas um porém sobre isso tudo: no FAQ do Flickr sobre a parceria, a resposta sobre a data de lançamento, diz:

“Logo”. (…) Logo pode ser amanhã, no próximo mês ou até mesmo daqui a dois anos. Esperamos que o Flickr Collection no Getty Images estréie mais para o final do ano.

O anúncio (…) é apenas o primeiro passo. Há muito o que fazer antes do lançamento. Divulgaremos mais informações através do FlickrBlog e ouviremos seu feedback no fórum de ajuda conforme esta colaboração entre Flickr e Getty evolui”.

Especulação minha, mas seria este anúncio sem data de lançamento (criando expectativa nos usuários existentes e atraindo usuários novos), uma tentativa do Yahoo para fortalecer um dos seus produtos mais bem-sucedidos em meio à crise?

emFotografia Indústria Internet

O Vale da Estranheza

Por em 9 de julho de 2008 - 62 Comentários

O termo “Vale da Estranheza” foi criado em 1970 pelo engenheiro de robôs Masahiro Mori, e define um conceito complicado de provar cientificamente mas que é simples de exemplificar. Peguemos dois robôs conhecidos:

starwars

R2D2 e C3PO. Simpáticos, adorados por milhões de fãs. Ninguém se sentiria incomodado ou desconfortável na presença deles.

Agora peguemos outros robôs conhecidos:

cilonias

Você pode até não gostar das cilônias de Galactica por a) não gostar de mulher ou b) saber que elas são assassinas psicopatas genocidas. Mas tirando essa pequena falha de caráter (ou programação) ninguém fica desconfortável perto delas. São idênticas a humanas normais, se humanas normais fossem como a Número 6.

Então temos robôs não-humanóides, robôs claramente mecânicos e robôs indistinguíveis de humanos. Está seguindo?

Agora veja o Jules:


Assustador, não?

jules3

Há algo de estranho. Nossa percepção nos diz que ele é humano, instintos e sentidos que evoluíram por milhões de anos para nos fazer reconhecer outro de nossa própria espécie dizem que há algo errado, mas como essa percepção é no nível subconsciente, não adianta sabermos que é um robô. É como entrar em uma caverna escura que sabemos estar vazia, ou andar na beira de um despenhadeiro com uma corda de segurança. O instinto fala mais alto.

O Vale da Estranheza é essa área entre o robô perfeitamente humano e o quase humano. Todos os robôs que caem nessa região são mal-recebidos. Deixamos de lado as virtudes técnicas para dizer o quanto eles nos causam desconforto.

E isso não tem nada a ver com a “índole” do robô. O Arnold bonzinho com parte do crânio metálico exposto é mais assustador que o T1000, mesmo este parecendo completamente humano e vilão.

Esse efeito vale inclusive para animação. Filmes que tentam criar personagens humanos e falham quase sempre têm essa característica, do Vale da Estranheza. Ex: O Expresso Polar.

polar_express_01

A Pixar sabe disso, e seus personagens raramente são humanos. Quando são, como o Andy, em Toy Story, são “cartunescos”. A Dreamworks quando quer, acerta. Os humanos de Shrek seguem a linha “cartoon”. Em Wall-E temos uma mistura que a Pixar tentou e deu certo: os humanos em vídeos são atores (humanos) de verdade, os em animação são cartoons.

Então os criadores de robôs têm uma tarefa complicada: se quiserem criar robôs humanóides só poderão os tirar do laboratório quando estiverem muito, muito avançados, e isso implica enganar um cérebro que faz esse reconhecimento quase no momento em que sai do útero. É uma tarefa inglória. Afinal até o garotinho-robô de Inteligência Artificial, por mais humano que fosse, gerou desconforto na platéia.

Texto inspirado neste post do Cracked.

emHardware Robótica

Irã considerando lei que aplica pena de morte para blogueiros

Por em 9 de julho de 2008 - 11 Comentários

Que os países  do Oriente Médio não são muito adeptos de liberdade de expressão não é novidade. O Egito mesmo de vez em quando prende um blogueiro, mas em termos de pegar pesado ninguém supera a terra que nos deus Luminares como o Ayatolah Komeini. Uma legislação que foi enviada para o Parlamento Iraniano prevê o endurecimentos das punições para crimes que são considerados prejudiciais à sociedade, como roubo armado, estupro e apostasia (renegar a religião islâmica).

mohammedcartoons

Em dia com os novos tempos a legislação inclúi como crime o ato de escrever blogs que promovam corrupção, prostituição ou apostasia. Mas não se preocupe, a legislação, baseada na Lei Islâmica segue os preceitos da Religião da Paz™ e oferece alternativas verdadeiramente salomônicas. A Pena de Morte (por enforcamento) é a mais extrema. Um blogueiro de sorte, com um bom advogado pode se livrar pegando apenas um exílio, ou então amputação das mãos.

Claro, isso vale para crimes menores, como falar mal do governo do generoso, simpático, bonitão (melhor parar, podem me entender mal e ser gay lá também dá pena de morte) e blogueiro Presidente Mahmoud Ahmadinejad. Postar um cartoon com vários porcos segurando imagens do Profeta Maomé (que a paz e benção de Alá estejam sobre ele) com certeza garantiria enforcamento, ou pior.

Fonte: Ars Technica

emBlog Internet

Existe vida inteligente nas corporações de mídia

Por em 8 de julho de 2008 - 46 Comentários

Eu sou um terno otimista, quase uma Polyanna, por isso fico tão feliz a ver casos como o deste blogueiro uruguaio. O cara baixou o trailer de Crônicas de Nárnia: O Príncipe Cáspio, legendou em espanhol e subiu para o YouTube. O dono do trailer descobriu, mas ao invés de simplesmente exigir a remoção, ou processar o YouTube em US$1 bilhão, ou pedir os dados de acesso de todo mundo, chamaram o Tubo para uma conversinha, e no final o blogueiro recebeu a seguinte mensagem no email:

tubodobem

Basicamente ele diz: A IDG Communications S.A. é detentora dos direitos sobre o filme que você subiu para o YouTube. Entretando o vídeo não será removido. Você está autorizado a usar o conteúdo. Em troca a IDG receberá informações e estatísticas públicas de exibição do vídeo e poderá também exibir publicidade no vídeo em sua página.

Essa foi a atitude mais legal que já vi em relação a uso de propriedade intelectual. Eles não estão jogando contra, não estão esmigalhando usuários como baratas, não estão ameaçando. Identificaram um uso ilegal porém legítimo, de fã, e respeitaram. Não dá pra pedir mais que isso.

Fonte: Nospheratt

emInternet

Tubemogul – mais do que uploads de vídeos

Por em 8 de julho de 2008 - 19 Comentários

Que site você usa para subir e compartilhar seus vídeos? YouTube? Vimeo? Google Video? Daily Motion? MetaCafe? Você pode ter seu preferido, mas e quando quer postar o mesmo vídeo em múltiplos serviços?

Descobri ontem um site chamado Tubemogul que faz exatamente isso: upload de vídeos para nada menos que 17 sites diferentes – incluindo todos os citados acima. Basta criar uma conta, cadastrar seus logins nos sites de sua preferência, escolher para quais deles quer enviar o vídeo e fazer o upload (os logins podem ser salvos no Tubemogul – encriptados – ou preenchidos a cada upload).

tubemogul_home

Como se não bastasse esta facilidade, na versão gratuita o Tubemogul oferece, ainda, uma série de outras funcionalidades relacionadas aos seus vídeos, incluindo:

1. Estatísticas em cada serviço, além de exportação dos dados para Excel e envio por email.

2. Rastreamento de quais sites/blogs postaram links para os vídeos.

3. Escolha de thumbnail quando o site de destino oferece esta funcionalidade.

3. Gerenciador de comentários que centraliza na conta do usuário todos os comentários recebidos em cada um dos sites onde os vídeos foram postados.

O site oferece também funções premium, através de três modalidades de contas pagas, como exclusão através do próprio Tubemogul de vídeos que você queira tirar do ar (desde que tenham sido enviados pelo próprio serviço), agendamento de uploads e opções avançadas de estatísticas, entre outras.

Resumindo, é um serviço muito completo destinado a públicos diferentes (de produtores de mídia independentes a empresas de grande porte).

As restrições da conta gratuita incluem 150 uploads (note que um envio para 5 sites conta como 5 uploads). Compare as opções de contas aqui. Mas para o usuário comum, as funções disponíveis na opção gratuita são suficientes e as limitações não devem atrapalhar.

Para saber mais, vá nesta página ou veja os vídeos sobre o serviço.

emDicas Fotografia Internet Produtividade