Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Sim, você foi enganado pelo Samurai Shodown

Por em 31 de dezembro de 2012

dori_sam_31.12.12

Todos conhecem aquele ditado que diz que a mentira tem pernas curtas, mas em se tratando do clássico Samurai Shodown, há uma que levou quase duas décadas para ser revelada.

Lançado em 1993, aquele espetacular jogo de luta mostrou que o mundo estava pronto para se apaixonar por mais um título do gênero e o grande destaque da criação da SNK estava no fato dos lutadores utilizarem armas brancas, algo que alterou profundamente a mecânica desse tipo de game e nos fez sentir verdadeiros samurais.

Mesmo tanto tempo após o seu lançamento sou capaz de lembrar trechos de algumas das fantásticas musicas que embalavam os combates ou das disputadíssimas partidas que travava com meus amigos no Mega Drive e talvez você também se recorde de um minigame que era iniciado sempre que as armas de dois lutadores se chocavam, com uma mensagem aparecendo na tela para nos incentivar a apertar alucinadamente o botão de ataque.

Só que há um pequeno problema nisso aí. De acordo com Gregg Tavares, desenvolvedor que trabalhou na conversão do game para o Neo Geo, quando sua equipe teve acesso ao código fonte do Samurai Shodown eles descobriram que não fazia a menor diferença se apertávamos ou não o botão, já que o game escolhia aleatoriamente o vencedor do duelo, o que provavelmente deixará muita gente com uma bela cara de trouxa.

Na minha opinião esse pequeno detalhe não tira o brilho do jogo, mas agora passa a fazer um pouco mais de sentido aquele seu amigo chato que vivia colocando no controle a culpa pela derrota.

[via Joystiq]

emMiscelâneas Museu

AlterG – Esteira anti-gravidade para fisioterapia

Por em 30 de dezembro de 2012


Quando fiquei sabendo que Rafael Nadal estava usando uma esteira com tecnologia patenteada pela NASA para recuperar seus joelhos, fiquei impressionado com os rumos que a fisioterapia e a medicina esportiva estão tomando. O esporte sempre foi um dos motores para o avanço na medicina e todas as sub-áreas correlatas. Ganhos de performance, longevidade, recuperação de lesões, os avanços em poucos anos são assombrosos.

A tal máquina que ele usa chama-se AlterG, que o próprio fabricante alega ser uma esteira anti-gravidade que reduz os impactos sobre o corpo, permitindo uma recuperação menos dolorida e mais rápida. Utilizando um mecanismo que cria uma bolha de ar em torno do paciente, é possível reduzir o seu próprio peso a até 20% do total após a calibragem. Isso significa que uma pessoa de 80kg consegue correr de maneira que a pressão e impacto exercidos sobre seu corpo equivalem ao de uma pessoa de 16kg. Muito menos esforço, menos impacto, menos riscos de novas lesões e sem dores.

As aplicações são diversas, no vídeo demonstrativo há exemplos de uma paciente com Mal de Parkinson e um tri-atleta recuperando-se de lesão, dentre outros. Novak Djokovic, também tenista, já andou investindo em tecnologia de ponta e tratamentos revolucionários para recuperação do seu corpo após grandes esforços. Segundo as informações que circulam pelo circuito do tênis, ele utiliza uma câmara hiperbárica para se recuperar.

Para a Medicina, são máquinas incríveis que podem ajudar milhares de pacientes com deficiências diversas ou que precisam de recuperação de traumas, lesões e doenças. Para o esporte, fico em dúvida se isso não seria uma espécie de doping tecnológico, considerando que são equipamentos caríssimos e poucos atletas tem condições financeiras de adquirir uma. Os atletas de ponta, obviamente mais ricos poderão conquistar ainda mais vantagem sobre os seus adversários menos abastados financeiramente.

Para saber mais detalhes sobre o funcionamento desse equipamento, é só ir lá no site do fabricante. Segundo os próprios, trata-se de uma revolução no tratamento e recuperação de pacientes de forma mais rápida, eficaz e menos dolorosa.

emCiência

Graças à pirataria online, teríamos vários tons de “liberdade” na internet?

Por em 30 de dezembro de 2012

O ano era 2002 e meu vizinho havia acabado de comprar um jogo para o desktop dele: Max Payne, um jogo de tiro em terceira pessoa que logo me conquistou como fã, inclusive da clássica dublagem “Sessão da Tarde” feita pela Greenleaf. Mais de oito anos depois, faço minha conta no Steam e adivinhem que jogos o tio Laguna compra numa promoção? Max Payne Bundle, um pacote com os dois primeiros jogos da franquia.

Só tem um problema: embora baratíssimo (7,49 dólares), o pacote não tinha no primeiro Max Payne a épica dublagem da Greenleaf que havia me conquistado anos atrás. Então experimento algo maluco: instalo o Max Payne do vizinho no meu desktop e extraio dessa instalação seis arquivos x_*.ras com a finalidade de substituí-los na instalação Steam desse jogo. Deu certo e desde então jogo Max Payne em português no Steam quando tenho tempo.

Supondo que meu vizinho se mude e/ou não me empreste o Max Payne dele, para fazer tal procedimento cada vez que eu precise reinstalar o Steam, eu estaria cometendo pirataria se fizer backup dos arquivos de uma versão do jogo que não possuo, embora eu tenha pago pela outra versão desse mesmo jogo? E se tivesse pego tais arquivos na internet, a situação seria diferente?

O amigo Marcel Dias já discutiu aqui sobre o uso de pirataria para não pagar por conteúdo, algo que considero errado, mas eu gostaria de discutir sobre o quanto seria errado usar de métodos que podem ser considerados como pirataria para obter algum benefício que o produto já pago infelizmente não oferece. Vejamos outra situação:
continue lendo

emArtigo Áudio Vídeo Fotografia Download Tutorial

Animal Crossing para 3DS chega rapidamente a 2 milhões de cópias vendidas

Por em 29 de dezembro de 2012

A revista Famitsu divulgou em sua última edição que o Animal Crossing: New Leaf pode se orgulhar de ser o primeiro jogo para 3DS a ultrapassar a marca de 2 milhões de cópias vendidas no Japão e sabe o que é mais incrível? O título precisou de apenas dois meses para conseguir a façanha, que se torna ainda mais impressionante ao olharmos o gráfico abaixo, que mostra o desempenho de outros games para o portátil.

Nele são apresentados os números de venda, nesta ordem, do Super Mario 3D Land, Mario Kart 7, Monster Hunter 3G e do New Super Mario Bros. 2, todos eles jogos de grande apelo e que torna o sucesso comercial do Animal Crossing ainda mais impactante. Além disso, o game vendeu mais até que o Final Fantasy 13, que registrou “apenas” 1,9 milhões de cópias, mas ainda o deixou atrás do New Super Mario Bros. Wii, com 4,4 milhões de cópias vendidas.

Último capítulo da série nascida no Nintendo 64 japonês e que ganhou popularidade mundial após ser convertida para o GameCube, nele novamente controlaremos um personagem que mora em uma vila repleta de animais antropomórficos, tendo como foco as interações sociais com outros habitantes do lugar e oferendo um mundo aberto para ser explorado.

A previsão é de que o New Leaf chegue ao ocidente durante o segundo semestre de 2013 e será que por aqui ele também terá uma aceitação tão grande?

continue lendo

emNintendo Portáteis

Por seus SRPGs, Nippon Ichi entra para o Guinness

Por em 28 de dezembro de 2012

dori_disg_28.12.12

Acho que todos concordam que quantidade não é sinônimo de qualidade, mas algumas empresas conseguem fugir um pouco desta regra e uma delas é a Nippon Ichi. Desde 2003 o estúdio japonês tem se especializado na criação de RPGs estratégicos e boa parte deles ganhou reconhecimento do público e crítica pela qualidade e complexidade.

Como entre o ano do primeiro lançamento e 2009 a desenvolvedora publicou 14 jogos do gênero, o livro dos recordes decidiu premiá-la pela façanha, sendo então a segunda vez que o seu nome aparecerá no Guinness, pois em 2010 o Disgaea foi premiado com o título de RPG com o maior nível que pode ser alcançado pelos jogadores, 9.999.

Para o futuro a Nippon Ichi já anunciou o Disgaea Dimension 2 e o The Witch and the Hundred Knights, ambos previstos para chegar ao Playstation 3 no ano que vem e embora o primeiro será mais um SRPG a engordar o portfólio da empresa, o outro será um RPG de ação.

Isso me fez lembrar que até hoje não comecei a jogar o Disgaea: Hour of Darkness que comprei para o PSP, mas e o medo de ficar completamente viciado em um jogo que precisa de dezenas de horas para ser concluído?

[via Gamezone]

emMiscelâneas

Sujeito compra 3DS recondicionado e ganha pornografia

Por em 28 de dezembro de 2012

dori_3ds_28.12.12

Algo relativamente comum nos Estados Unidos é encontrarmos grandes redes de lojas vendendo aparelhos eletrônicos recondicionados, por lá conhecidos como refurbished, e que obviamente são oferecidos com preços bem inferiores aos de algo novo. O problema é que apesar das revendas submeterem esses produtos a processos que visam deixá-los sem nenhum resquício do antigo dono, algumas vezes algo sai errado e Mark Giles, morador do Colorado, descobriu isso da pior maneira possível.

Com a intenção de economizar alguns dólares, Giles adquiriu para seu filho de cinco anos um 3DS usado em uma loja Gamestop e após dar o portátil para a criança, ele descobriu que nove fotos pornográficas tiradas pelo usuário anterior haviam sido deixadas no videogame, o que fez até com que uma rede de televisão fizesse uma matéria sobre o assunto.

A loja então tratou de tentar contornar a situação, alegando que todos os aparelhos recondicionados passam por um criterioso processo de controle de qualidade, mas que no meio de milhões de transações uma falha pode ocorrer e ofereceu ao consumidor um 3DS novo com alguns jogos, mas o pai não parece satisfeito, tendo alegado que o que o seu filho viu não será algo que esquecerá tão cedo.

Um detalhe é que algo semelhante já havia acontecido no ano passado, quando um garoto de seis anos encontrou pornografia no seu DSi e ao que tudo indica esse novo caso terá desdobramentos, ou seja, é provável que a Gamestop seja obrigada a pagar uma boa indenização ao cliente.

E de repente passa a fazer mais sentido a sugestão da Nintendo de abrirmos o presente antes de o darmos.

[via Daily Mail]

emNintendo Portáteis

Sony também quer ter o seu pew-pew-pew

Por em 28 de dezembro de 2012

dori_pat_28.12.12Muitos se lembrarão que pouco depois da Microsoft ter revelado ao mundo o Kinect, a Sony lançou um vídeo onde o seu então garoto propaganda tirava sarro do acessório da concorrência, dizendo que os jogadores imitariam armas com as mãos para jogar games de tiro em primeira pessoa. Como o mundo dá voltas, adivinhe qual ideia a fabricante japonesa patenteou recentemente?

Bom, acho que a imagem ao lado fala por si só, mas veja só um trecho da descrição:.

Por exemplo, o usuário terá a possibilidade de atirar usando diversos gestos manuais, podendo recarregar a arma com diversos gestos e diferentes posições ou orientações das mãos do jogador poderão causar diferentes renderizações gráficas do usuário ou da arma mostrada na tela quando ele interagir com um jogo em particular.

Uma característica interessante citada no pedido de patente diz respeito a como o sistema detectaria a profundidade, pois se os sensores atuais como o Kinect se valem de raios infravermelhos para localizar o usuário no espaço, esse novo sistema usaria o som, como se fosse um sonar e a grande vantagem é que dessa forma seria possível “enxergar” através dos cantos.

Como de costume, é importante ressaltar que o registro de uma patente não significa que ela será utilizada, mas como rumores tem dado conta de que o sucessor do Xbox 360 trará uma versão atualizada do Kinect e que será capaz de identificar os movimentos dos dedos dos usuários, nada mais natural do que a Sony tentar lançar algo com tal nível de precisão.

[via Playstation LifeStyle]

emSony