Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Levine reclama que games não tem a mesma exposição de outras mídias

Por em 27 de abril de 2012

dori_ken_25.04.12

A indústria de games cresceu muito nos últimos anos e conseguiu se tornar um dos ramos mais lucrativos do entretenimento, fazendo com que muitas pessoas de outros setores se aventurassem na criação de jogos eletrônicos. Porém, de acordo com o conceituado game designer Ken Levine, os games ainda não recebem a mesma atenção por parte da mídia na mesma proporção que o cinema, por exemplo, e isso está impedindo que um público mais amplo seja alcançado.

Compare como os games são divulgados em relação aos filmes. Veja o Jogos Vorazes, um grande filme e o BioShock Infinite, um grande jogo. Ou o Call of Duty, veja os exemplos extremos… Nós não recebemos cobertura do New York Times de uma maneira mais importante, a maneira que um filme pode receber. Nós não estamos na capa da Entertainment Weekly. As pessoas superestimam o quanto os jogos são expostos, em relação a outras mídias.

Nós pedimos aos jogadores para gastar muito dinheiro num game: US$ 60, isso é muito dinheiro. É nossa responsabilidade dar-lhes a informação que precisam para tomar uma decisão de compra, mas no fim das contas, a última pessoa que você deveria ouvir sobre tomar uma decisão em relação ao BioShock Infinite é o Ken Levine. Eu sou suspeito para falar.

Acho que Levine tem razão, mas temos que considerar que estamos falando de uma indústria relativamente nova. Só acho curioso que quando se trata de jogar a culpa nos games por causa de atitudes violentas de algumas pessoas a velha mídia não faz a menor cerimonia ao dedicar capas de jornais ou revista a eles.

[via VG247]

emIndústria

Greve na Foxconn pode afetar aqueles iPads e iPhones made in brazil que ninguém nunca viu

Por em 27 de abril de 2012

Se os chineses estavam achando que Jundiaí é bagunça, se ferraram. 2500 funcionários da fábrica da Foxconn na cidade deram um ultimato à empresa: Se não atenderem as reivindicações, dia 3 cruzam os braços.

As exigências são até razoáveis, estando previstas inclusive na legislação romana relacionada ao tratamento de escravos. Os caras querem… água e comida. Aparentemente a ampliação das linhas de produção "Não havia água sequer para fazer comida", diz a matéria do Jornal de Jundiaí.

A coisa está feia por lá, até de pé nos ônibus da empresa o pessoal está tendo que viajar. Filas enormes nos refeitórios, comida ruim, falta de infra MESMO. Complicado, num projeto lotado de benefícios fiscais.

Sinceramente? Não fará diferença. Considero esses preços dos iPhones Nacionais Incentivados uma verdadeira afronta:

fritasacompanham

 

1200 contos por um aparelho que lá fora sai de graça, com fidelização? É forçar a amizade, Tim.

Pelo visto os chineses tentaram o outsourcing achando que isso aqui era Brasil, ou os sócios brasileiros os contaminaram com o know-how do jeitinho. De qualquer jeito, não colou. Para o bem ou para o mal nossos sindicatos são muito mais atuantes.

Para nós consumidores, os preços continuam os mesmos e no máximo há a promessa de fabricação do iPad 2 no Brasil. Isso mesmo, viramos destino de refugo. Se ao menos fosse refugo barato…

emApple e Mac

Maxis explica porque SimCity exigirá conexão com a internet

Por em 27 de abril de 2012

dori_sim_24.04.12

Desde que o SimCity foi oficialmente anunciado um dos detalhes que tem tirado o sono de alguns fãs da série é a obrigatoriedade de estarmos online a todo momento para jogar, algo que fez muitos desconfiarem que a medida adotada pela Maxis tinha como intenção diminuir a pirataria, mas de acordo com o produtor Jason Haber, isso será feito para melhorar a experiência de jogo.

Desde o começo este tem sido um jogo multiplayer. Não estou surpreso por termos algumas reações assim, mas penso que a partir do momento em que as pessoas virem o jogo em ação, espero que isso lhes mostre porque isso é uma característica fantástica e que vale a pena tê-la. O benefício que você terá por poder jogar online ajudará a lhe convencer do porque valerá a pena.

Sentimos que esta é uma característica fundamental para o jogo. Ela realmente o enriquecerá. As pessoas possuem suas teorias da conspiração sobre o porque estarmos fazendo isso, mas realmente, é justo que a equipe de desenvolvimento sinta que isso realmente adicionará muito ao jogo.

E então, o Sr. Haber conseguiu te convencer? Tudo bem que as promessas de que nossas cidades interagirão com a de nossos amigos e que o jogo tem um forte apelo social seja algo muito legal, mas você não acha que tirar o direito de jogarmos quando não estivermos conectados é algo que não deveria ser feito? Se o sujeito não quer jogar online, mesmo que isso signifique uma experiência pior, acho que o problema é dele, mas no caso do SimCity isso não deverá ser uma realidade.

[via Eurogamer]

emComputadores

Para executivo, novo Syndicate nunca supriria expectativa

Por em 26 de abril de 2012

dori_syn_23.04.12

Mudar o estilo de uma franquia famosa é algo sempre muito arriscado e embora algumas tentativas tenham obtido sucesso, como o Fallout 3, o simples anúncio dessas alterações já é suficiente para deixar os fãs de cabelos em pé, como vimos recentemente com o Syndicate.

Mesmo contra a vontade de alguns o jogo acabou sendo lançado e obtendo pontuações medianas no Metacritic, o que levou Mikael Nermark, CEO e presidente da Starbreeze Studios a se justificar:

Syndicate veio cheio de expectativa. Uma marca tão grande, uma franquia tão grande. Acho que nunca conseguiríamos corresponder a expectativa de algumas pessoas.

Adoro o original! Quando entrei para a indústria, os RTSs eram o meu tipo de jogo, mas você sempre quer adicionar o seu toque, quer fazer o seu jogo ainda melhor, apesar de ser uma grande franquia. Então acho que isso é algo difícil, mas no geral estamos muito contentes.

Nermark também deixou nas entrelinhas que as vendas não foram tão boas quanto esperavam, dizendo que vários fatores interferem no sucesso comercial de um título e que sempre é possível ter um resultado melhor.

Talvez alguém que tenha jogado a versão final do jogo possa dar uma opinião melhor, mas depois de ter experimentado a demo do jogo não fiquei com uma boa impressão, parecendo que se trata de apenas mais um jogo de tiro em primeira pessoa. Talvez eu até o compre um dia, mas só quando estiver bem barato.

[via VG247]

emComputadores Microsoft Sony

Nintendo pela primeira vez registra prejuízo anual

Por em 26 de abril de 2012

dori_mar_26.04.12

Quando a Nintendo lançou o Wii, muitos criticaram (e criticam até hoje) o console por causa da sua inferioridade técnica em relação ao Xbox 360 e Playstation 3, mas não há como dizer que a estratégia da empresa de tentar alcançar um público mais casual foi errada, afinal o aparelho vendeu mais que seus concorrentes e fez ressurgiu uma das maiores companhias da indústria, já que para muitos ela não sobreviveria a outro fracasso comercial.

O problema é que com o anúncio do Wii U as vendas do antecessor caíram drasticamente, com o mesmo acontecendo com o DS e como o portátil que o substitui só passou a ter um desempenho melhor há alguns meses, a BigN confirmou algo que de certa forma era esperado, um prejuízo anual de enormes proporções, ou para ser mais preciso, de 43,2 bilhões de ienes, aproximadamente 532 milhões de dólares.

Entre os principais responsáveis por esta primeira perda na sua história estão as vendas não muito boas de hardware nos Estados Unidos e na Europa, além do corte no preço do 3DS e do enfraquecimento da moeda japonesa e para reverter a situação no ano fiscal recém começado, a expectativa recai sobre nomes de peso como o New Super Mario Bros. 2, novas versões das franquias Animal Crossing e Brain Age e claro, o lançamento do Wii U.

A revelação do prejuízo certamente acendo uma luz amarela em relação a chegada do novo console, pois caso ele não conquiste os jogadores, será complicado a BigN sustentar-se apenas com o possível sucesso do 3DS, que por hora enfrenta a fortíssima concorrência dos smarthphones e tablets e não seria nenhuma surpresa se a Sony e a Microsoft anunciassem os sucessores do Xbox 360 e Playstation 3 com um poderio técnico muito superior ao do Wii U.

E aí, será que a enorme fortuna conquistada pela Nintendo nesta geração será o suficiente para lhe fazer aguentar um novo par de fracassos?

[via The Verge]

emIndústria Nintendo

Confirmado: O Futuro Chegou: Planetary Resources fará mineração de asteroides

Por em 26 de abril de 2012

Ontem durante a apresentação da Planetary Resources o sentimento no Twitter era de incredulidade. Não pela proposta, mas por estarmos testemunhando uma iniciativa dessas, algo que todo geek sempre entendeu como inevitável mas que precisou de um bando de Tony Starks para agarrar o mundo pelo pescoço e força-lo a aceitar o Futuro.

Arthur Clarke dizia, não com essas palavras, que a exploração comercial do espaço estava presa no paradoxo Tostines: Ninguém explorava por ser muito caro e era muito caro por ninguém explorar. É preciso que alguém com visão de longo, longo alcance, quase no nível da Espada Justiceira para colocar uma quantidade absurda de dinheiro em um plano que levará anos para começar a sonhar em talvez algum dia trazer algum retorno financeiro, mas que pode abrir as portas do Sistema Solar para a Humanidade.

Peter Diamandis e outros investidores têm essa visão. Eles já viabilizaram o Prêmio X, que levou Burt Rutan e Paul Allen a construirem a SpaceShip One, que se tornou a primeira nave privada a chegar no limiar do espaço. Criaram a Space Adventures, levando turistas até a Estação Espacial Internacional e não vamos esquecer de James Cameron, apenas o 3o humano a chegar ao fundo da Fossa das Marianas.

continue lendo

emCiência Indústria

SW: The Old Republic sofre para conquistar jogadores

Por em 26 de abril de 2012

dori_swtor_24.04.12

Quando se trata de um MMO de grande porte como o Star Wars: The Old Republic, é muito arriscado afirmar que quatro meses após seu lançamento a situação está crítica, porém, basta prestarmos atenção a algumas atitudes tomadas pelos responsáveis pelo jogo para ver que ele no mínimo não está atingindo o sucesso esperado.

Primeiro vieram os finais de semana onde o jogo esteve liberado gratuitamente, algo que provavelmente ajudou a trazer novos jogadores para o game e embora a BioWare afirme que o número de assinantes não caiu nas últimas semanas, elas não esconde que a quantidade de pessoas conectadas ao mesmo tempo tem diminuído, algo muito ruim para um título do gênero.

Então chegamos ao segundo indício de que novas mudanças poderão ocorrer, pois de acordo com Daniel Erickson, responsável pelo roteiro do jogo, eles estão fazendo tudo para que mais pessoas continuem jogando e uma das possibilidades cogitadas, embora não seja prioridade, é de unificarem alguns servidores.

O engraçado é que deve ter muitos jogadores por aí loucos para ver o SW: TOR fracassar, só para que o próximo passo seja dado e a cobrança de mensalidade seja abolida e assim um número maior de pessoas tenham acesso ao título.

Isso ainda poderá demorar bastante para acontecer, mas a situação do game, que se não é preocupante, também não pode ser considerada tranquila, serve para mostrar que nem mesmo um grande nome é suficiente sustentar o interesse dos jogadores e talvez apenas o modelo Free-to-Play poderá fazer com que o interesse aumente.

[via PCGamer]

emMMO