Digital Drops Blog de Brinquedo

Claro lança portal especial para mostrar smartphones e tablets

Por em 31 de janeiro de 2012

A Claro criou um site especial para mostrar smartphones e tablets de uma maneira interativa, analisando e comparando as funcionalidades de cada produto, além de poder assistir a vídeos (com análises da revista Info) e ver fotos em alta resolução, em uma iniciativa inédita no mercado.

A navegação do site é fácil e prática, facilitando o acesso aos 36 modelos de smartphones e tablets (em breve, muitos outros modelos e novidades), que estão divididos em diferentes tipos de perfil (antenado, executivo, premium e tablets) e diferentes sistemas operacionais.

O objetivo da Claro é facilitar a vida dos seus clientes, que poderão analisar com calma vários aparelhos para escolher qual atende melhor as suas necessidades antes decidirem a compra.

Visite o site agora mesmo e escolha já o seu próximo smartphone ou tablet!

Esclarecimento: Este post publicitário faz parte de uma campanha da Claro. Para saber mais sobre este tipo de post, clique aqui. Se quiser veicular um post publicitário (sujeito a aprovação), basta entrar em contato.

emMeio Bit

Team Ninja dá alguns detalhes sobre o Wii U

Por em 31 de janeiro de 2012

dori_ng3_31.01.12

O mistério sobre as especificações técnicas continuam, mas de acordo com um comentário feito por Yosuke Hayashi, diretor do Team Ninja na Tecmo e que está trabalhando no Ninja Gaiden 3 para o console, isso talvez não esteja acontecendo porque a Nintendo que matar seus fãs de curiosidade, mas porque ela ainda não definiu quais serão os componentes do videogame.

A Nintendo nos perguntou o que queríamos do hardware e quando lhe demos nosso feedback, vimos que eles realmente nos ouviram e fizeram mudanças. O hardware atualmente está mudando constantemente.

Outras informações reveladas pelo pessoal do estúdio falam sobre a extrema facilidade em desenvolver para o Wii U, sendo muito semelhante ao que eles encontram no Playstation 3 e no Xbox 360. Já o diretor Fumihiko Yasuda comentou sobre o controle em forma de tablet, cuja tela sensível ao toque funciona de forma parecida com a do DS e como eles desenvolveram o Ninja Gaiden Dragon Sword para o portátil, esperam aproveitar alguns elementos na versão do Ninja Gaiden 3 para o novo console da Nintendo.

Ver as fabricante colhendo sugestões de algumas desenvolvedoras não chega a ser uma novidade, como por exemplo a Epic Games que pediu a Microsoft para aumentar a memória RAM do Xbox 360 para que este pudesse rodar um Gears of War melhor e no fim isso pode ser melhor para todos nós, mas o mais importante nessa história é saber que a Nintendo está ouvindo o que as pessoas de fora da companhia tem a dizer.

[via GoNintendo]

emNintendo

Outro dia, outro filme ruim se torna realidade. Hoje: Balas teleguiadas de Runaway

Por em 31 de janeiro de 2012

Embora lembre bastante o rastro acima não é da railgun de Doom, que no caso é o jogo. O filme ruim que falo é outro.

Em 1984 Michael Crichton (sorry, Kid) escreveu e dirigiu um de seus trabalhos menos memoráveis, de fazer Prey parecer Enigma de Andrômeda: O filme de ficção Runaway. Estrelado por Tom Selleck, quando ainda achavam que ele conseguiria fazer outro papel além de Magnum, é uma espécie de Blade Runner misturado com assistência técnica autorizada da Brastemp.

A trama envolve robôs domésticos programados para matar, corporações malignas, bla bla bla e uma unidade da polícia especializada em crimes cibernéticos de máquinas que parecem saídas da seção de brinquedos da Deal Extreme, veja o trailer: (Bônus: Kirstie Alley durante os 2 anos da vida onde foi edificante e não um edifício) continue lendo

emHardware

Para Rovio, pirataria nem sempre é algo ruim

Por em 31 de janeiro de 2012

dori_ang_31.01.12

A pirataria de games é algo tão controverso que nem mesmo dentro da indústria há um consenso, com algumas pessoas defendendo a ideia de que ela está diminuindo o lucro e matando empresas, enquanto que outras se não a defende, ao menos não tem medo de dizer que a distribuição ilegal pode ajudar a fortalecer a marca, consecutivamente trazendo novos consumidores.

Quem está nesse segundo grupo é Mikael Hed, CEO da Rovio e que declarou também que além de tomar atitudes legais contra as pessoas que baixam jogos ilegalmente é algo inútil e que só serve para afastar potenciais consumidores, as empresas de games precisam mudar a maneira como olham para os jogadores.

Pegamos algo da indústria fonográfica, que foi parar de tratar nossos consumidores como usuários e começar a tratá-los como fãs. Fazemos isso hoje: falamos sobre a quantidade de fãs que temos. Se perdemos esse fãs, nosso negócio se foi, mas se conseguimos aumentar a quantidade de fãs, nosso negócio crescerá.

A pirataria pode não ser uma coisa ruim: ela pode nos trazer mais negócios no fim das pontas.

Eu gostaria de saber se o Sr. Hed teria a mesma opinião caso a sua empresa fosse responsável pela criação de três ou quatro títulos por ano que custassem aos seus cofres 40, 50 milhões de dólares cada um para ser desenvolvidos e que antes mesmo de chegar oficialmente às lojas já estivessem sendo vendidos (ilegalmente, claro) em por R$ 5 banquinhas ou fossem disponibilizados gratuitamente em sites de compartilhamento.

No fundo nunca consegui concordar muito com essa ideia de que um jogo, software, música ou filme precisa ser pirateado para se tornar popular e que as cópias ilegais se tornam aceitáveis sob o pretexto da disseminação cultural, mas infelizmente esta desculpa tem sido uma das que mais tenho ouvido ultimamente e agora a publicidade também parece ser uma maneira distorcida de justificar a pirataria.

[via VG247]

emIndústria

Ameaça Inexistente do Dia: QR Codes Maliciosos Malignos do Mal

Por em 31 de janeiro de 2012
qrdomal2

QR do Mal - não escaneie

O QR Code é aquela solução à procura de um problema criada em 1994 e que ninguém usa. Aqui no MeioBit falamos disso pelo menos desde 2008 passando por 2010 e mais recentemente, 2011. Continua algo que só chama atenção em agências de propaganda descoladas que garantem ao cliente que o consumidor VAI parar diante do cartaz, ler as instruções, instalar a App no celular e então escanear o QR Code, para então ser levado a uma outra URL.

Faria sentido antes do TinyURL e do Migre.me. Hoje a realidade é que ninguém usa essa porcaria, quando em raríssimos momentos temos que fazê-lo, o resultado é decepcionante e o processo tedioso.

Então temos: Uma tecnologia que ninguém usa, pouca gente conhece e está disseminada em tudo que é celular. Prato cheio pra alarmismo. Melhor que celular causando câncer!

O resultado natural é descrito neste artigo da PC World, Segundo a AVG, fabricante de antivírus, Hackers do Mal adquiriram tecnologia para criar seus próprios códigos QR (não ria) e estariam utilizando os recursos para fazer com que os usuários incautos enviassem SMSs premium para números no exterior, e até acessassem URLs que baixariam arquivos maliciosos.

OK, vamos lá. O sujeito COMEÇA sem sequer ter noção do alvo. “celular” pode ser um Nokia 3310 ou um iPhone 4S. Nenhum vai enviar um SMS automaticamente sem você confirmar. NENHUM vai baixar um arquivo e instalar sem vários OKs.

Se for um iPhone você sequer conseguirá instalar algo fora da App Store. Um Android até vai mas vai chiar (com razão) pedindo um monte de permissões de acesso. Symbian, idem. Blackberry, quem se importa?

Não estou dizendo que não há riscos, há muita coisa maliciosa por aí e em 2006 passei por uma experiência curiosa, quando tentaram contaminar meu Nokia 6600 num bar, via Bluetooth. Só que de lá pra cá continua valendo a regra: Pro sujeito cair nesses golpes tem que ser muito mané, a não ser que seja algo baixado de uma fonte até então confiável, como as 100 Apps maliciosas que o Google removeu do Android Market em 2011.

O cenário tende a piorar, mas é complicado quando ameaças fantasmas desviam a atenção para problemas reais.

emCelular Mundo Estranho Segurança

Origin tem jogos com até 70% de desconto

Por em 31 de janeiro de 2012

dori_ori_31.01.12

Aqui vai uma boa dica para quem estava querendo comprar alguns jogos no Origin, o serviço de distribuição digital da Electronic Arts. A loja está oferecendo alguns jgames de ação com descontos que podem chegar a até 70% e entre as ofertas há algumas realmente incríveis.

Entre elas eu destacaria o Dead Space e o Mass Effect por apenas R$ 8,97, além do Mirror’s Edge e do Gatling Gears por R$ 9,95, mas ainda temos o Mass Effect 2 por R$ 19,95, além do Dead Space 2 e do divertido Bulletstorm por R$ 29,95, cada.

Não chega a ser uma mega promoção como aquelas que vemos no Steam, mas ainda assim são bons jogos por preços bem acessíveis e basta pensar que por menos de 30 reais podemos levar a ópera espacial da BioWare e sua continuação, para vermos que não é preciso gastar muito para termos dezenas de horas de diversão.

Se eu já não tivesse esses títulos que citei logo acima, certamente não perderia a oportunidade.

emComputadores

Criador do Mortal Kombat quer trabalhar em nova franquia

Por em 31 de janeiro de 2012

dori_mk_31.01.12

O nome e a carreira de Ed Boon estão profundamente ligados ao da série Mortal Kombat e quando o NetherRealm Studios foi criado sob sua supervisão, era natural imaginarmos que a subsidiária da Warner estaria envolvida apenas na criação de novos capítulos de uma das mais emblemáticas franquia dos jogos de luta, o que tem acontecido desde então.

Porém, de acordo com ele, isso está prestes a mudar e o estúdio deverá começar a trabalhar em um jogo bastante diferente.

Ficaria surpreso se a Warner Bros. e nós nunca lançássemos outro Mortal Kombat novamente,” declarou Ed Boon. “Não temos um título para anunciar, mas se o último vendeu mais de 3 milhões de cópias e contando, há muitas suposições de que estamos considerando fazer outro Mortal Kombat. Mas ao mesmo tempo, queremos que nosso estúdio faça mais do que apenas Mortal Kombats. Adoramos trabalhar com a série, mas também queremos fazer diferentes tipos de jogos, diferentes gêneros, diferentes propriedades intelectuais.

Será interessante ver o que Boon e sua equipe conseguirão criar e apesar do último Mortal Kombat ter sido muito bem aceito tanto pela crítica quanto pelo público, um novo jogo poderia voltar a saturar o mercado e com tantos jogos de luta por aí, não acredito que os jogadores estejam prontos para outro MK apenas com algumas poucas novidades.

Decisão acertada por parte do pessoal do NetherRealm Studios e que eles tenham tanto sorte na nova empreitada quanto tiveram na última.

[via Gamespot]

emMiscelâneas