Digital Drops Blog de Brinquedo

a boa notícia é que a Foxconn não irá mais maltratar os novos funcionários. A má é que serão todos robôs

Por em 1 de agosto de 2011

I-robot

Depois que a mídia histérica resolveu transformar a Foxconn em uma espécie de tecelagem inglesa da aurora da Revolução Industrial, e criou a falsa histeria de suicídios na empresa (quando na verdade a média da Foxconn é metade da taxa de suicídios normal na China) eles viraram alvo.

Há algumas opções que a empresa pode tomar para gerir seus empregados segundo os padrões ocidentais, mas nenhuma delas consegue manter o preço dos produtos tão baixo quanto nós gostamos de pagar, e ninguém quer um iphone custando 60% mais caro.

A solução da Foxconn foi se livrar do problema, no melhor estilo Mr Burns: Livrando-se dos empregados.

A empresa hoje tem 1,7 milhão de funcionários e 10 mil robôs. Agora decidiram que em 3 anos terão 1 milhão de robôs.

Como um robô faz o trabalho de vários homens (principalmente se for o Jude Law) esse exército digno do Império Cilônio não se justifica, a menos que venham para principalmente substituir mão-de-obra humana.

Parabéns aos envolvidos, agora o pessoal que ganhava bem pros padrões de funcionários chineses vai passar a ostentar toda a dignidade de desempregados, enquanto continuamos comprando nossos iPhones, feitos pelos nossos Futuros Mestres, e acreditando que as fábricas do Ocidente são todas iguais a do Willy Wonka.

emHardware Indústria

Brasileiro cria gabinete para Enduro

Por em 1 de agosto de 2011

Definitivamente, há maluco para tudo nesse mundo e se você nunca conseguiu entender o motivo que leva uma pessoa a investir milhares de reais em uma daquelas cadeiras para jogar games de corrida, o que dizer da criação do artista brasileiro Rafael MSP?

O cara criou um gabinete portátil para o jogo Enduro, aquele mesmo que muitos de nós passamos horas e mais horas jogando no Atari. O brinquedinho possui volante e pedais e o mais interessante é que com exceção da televisão, tudo pode ser desmontado e guardado dentro de uma caixa que pode ser facilmente transportada. Abaixo você pode ver um vídeo mostrando um pouco do processo de criação e perceba que a maioria do material utilizado pode ser encontrado sem muita dificuldade.

Por mais inusitado que possa parecer alguém investir seu tempo na criação de um gabinete para um jogo tão antigo, o resultado ficou muito bom e eu gostaria de ter um desses na minha casa.

continue lendo

emMiscelâneas Museu

Diablo III só poderá ser jogado online

Por em 1 de agosto de 2011

dori_d3_01.08.11

Algumas decisões tomadas pelas desenvolvedoras podem fazer com que os jogadores desistam de comprar os jogos em que elas estão trabalhando, mas quando o assunto é o Diablo III, um dos títulos mais aguardados dos próximos meses e que está nas mãos de um dos mais idolatrados estúdios do planeta, será que mesmo com a implementação de algumas funções controversas a expectativa dos fãs não diminuirá?

A questão foi levantada depois que a Blizzard confirmou algumas características do jogo que deverão deixar muitas pessoas indignadas. A primeira e que talvez incomode menos é a possibilidade de comprarmos e vendermos itens do jogo usando dinheiro real. Alegando que isso adicionará profundidade ao game e que se trata de algo que os jogadores pediam, não chega a ser um modelo de microtransações, já que a companhia mesmo não venderá tais itens e sim os jogadores, mas como era de se esperar, uma pequena parte das transações irão para os cofres da Blizzard. A boa notícia para os menos abastados é que também haverá uma loja de leilão onde só poderemos usar ouro virtual, mas resta saber se os melhores itens também aparecerão por lá.

A segunda novidade é que a produtora não permitirá a criação de mods para o Diablo III. A motivo para isso seria evitar os trapaceiros e quando pegarmos o jogo terá um tópico na licença de uso que deixa bem claro que não poderemos o modificar de maneira nenhuma, acabando assim com o sonho daqueles que esperavam criar suas próprias histórias utilizando o game.

A Blizzard parece estar bastante preocupada em relação as pessoas que podem prejudicar a experiência e isso pode ser visto na última revelação, aquela que deverá causar mais reclamações. Isso porque o game só poderá ser jogado online e a justificativa para a decisão foi que se eles permitissem que jogássemos mesmo estando desconectados e evoluíssemos nossos personagens até o nível 30, 40 e depois partíssemos com ele para uma partida online, teríamos que começar do zero porque eles não teriam como averiguar se usamos alguma trapaça.

Claro, esta é a Blizzard pensando sempre nos jogadores, afinal, eles não poderiam simplesmente impor essa limitação de que um personagem usado no offline não poderia ser utilizado online. A desculpa me parece fraca e tem muito mais a ver com a pirataria do que com qualquer outra coisa e o produtor sênior Alex Mayberry não escondeu que este foi um dos motivos.

Mesmo admitindo que isso pode ser bastante irritante, não acho esse problema assim tão grave, mas quero ver se agora o pessoal que adora criticar a Ubisoft por adotado a mesma postura em alguns dos seus jogos também não poupara “elogios” para criticar a Blizzard.

[via Rock, Paper, Shotgun]

emComputadores