Fotografia
Fotografia
Digital Drops Blog de Brinquedo

Olympus Pen EP3, EPL3 e EPM1

Por em 30 de junho de 2011

O pessoal que gerencia a Olympus é meio maluco. Sei que eles possuem um bom produto em mãos e que a série Pen digital tem o apelo de ser a continuação de uma câmera clássica, mas lançar três equipamentos com grandes similaridades de uma só vez me parece um pouco ousado. Talvez esse seja um reflexo da concorrência não declarada com a Panasonic. As duas empresas se uniram para criar o sistema micro-quatro-terços tendo como base o sistema quatro-terços que a Olympus já usava em suas câmeras reflex. Depois que as câmeras começaram a chegar ao mercado notamos que os equipamentos da Panasonic possuíam um apelo popular muito mais forte, além de qualidade e uma variedade bem maior. A Olympus agora está na terceira geração de suas câmeras mirrorless e parece que só agora as coisas estão entrando nos trilhos.

Hoje tivemos o anuncio de três modelos. Estamos falando das Olympus Pen EP3, Pen EPL3 e Pen EPM1. Aqui temos muitas similaridades entre essas três câmeras. Todas se utilizam do mesmo sensor CMOS de 12 megapixels e estão equipadas com o novo sistema de autofocus rápido que a Olympus desenvolveu para corrigir a principal crítica que foi feita a suas câmeras. Segundo testes que já foram feitos em alguns sites gringos, a velocidade do foco fica em torno de 0,1 e 0,5 segundos. Claro que vai depender muito da cena que está sendo fotografada.

A Pen EP3 ainda apresenta algumas novidades. Agora temos um flash incorporado, além da sapata hotshoe para flash externo, luz auxiliar de autofocus e a sensibilidade ISO chegando a 12.800. Também temos que lembrar que a câmera está preparada para fazer vídeos em alta definição Full HD com 29 minutos de duração. Fechando o pacote, temos que falar do visor OLED móvel sensível ao toque de 3 polegadas com 640 mil pixels de resolução. A câmera também vem equipada com uma versão estendida dos filtros artísticos e estabilização de imagem no sensor, sendo compatível com todas as lentes da empresa. A única crítica que encontrei ao equipamento até agora foi que a quantidade de fotos por segundo executadas no modo contínuo é menor que nos dois modelos mais inferiores. Ela é capaz de fazer 3,5 fotos por segundo, mesmo usando o processador dual core TruePic VI.

Já a Pen EPL3 é muito parecida com a irmã maior, mas com algumas diferenças que, em minha opinião, são apenas superficiais. Em um quesito ela é superior. Ela consegue fazer 5.5 fotos por segundo, utilizando o mesmo processador e mesmo sensor. Essa ninguém entendeu. No resto, ela possui um visor LCD fixo com resolução de 430 mil pixels, menor velocidade de sincronismo de flash (1/160 contra 1/180), não possui flash incorporado, apenas a sapata para flash externo e apenas quatro filtros artísticos. E as diferenças acabam por ai. Talvez seja vantajoso adquirir esse equipamento dependendo dos preços de cada uma das câmeras.

E por fim temos a Pen EPM1 que se assemelha muito a uma câmera compacta. O corpo dela é bem pequeno e possui poucos botões de comando externos. O LCD é de 4 polegadas e não é articulado. Também não possui o botão de controle de modos de foto na parte superior. Porém, ela mantem o mesmo sensor das irmãs maiores, faz 4,1 fotos por segundo no modo contínuo e possui 6 filtros artísticos.

Infelizmente, a única que possui preço anunciado é a Pen EP3 que chega em agosto com a nova lente 14-42mm II R custando US$ 899,00. Ou seja, continua um equipamento caro.

emÁudio Vídeo Fotografia Equipamentos

Começa a colônia de férias do Steam

Por em 30 de junho de 2011

dori_stea_30.06.11

Prontos para gastar mais algumas dezenas de dólares em jogos que provavelmente não jogaremos tão cedo? O Steam iniciou mais um daqueles períodos de promoções em que a cada dia uma nova leva de jogos ganha descontos consideráveis e que para não perder a oportunidade, acabamos comprando muito mais do que gostaríamos.

Dessa vez os descontos serão dados de hoje até o dia 10 11 de julho e nesse primeiro dia, podemos destacar a edição jogo do ano do The Elder Scrolls IV: Oblivion que sai por US$ 6.80, a edição semelhante do Borderlands por US$ 7,50, o Lead and Gold: Gangs of the Wild West que está custando míseros US$ 1.50, além de vários descontos de até 90% para os catálogos inteiros de diversas desenvolvedoras e uma série de prêmios que vão desde conquistas inéditas até os dez primeiros jogos da lista de desejos de 100 sortudos.

Vale lembrar que se você quer um jogo que não está entre as ofertas de hoje, basta esperar pelos próximos dias, mas se ele foi um dos escolhidos, então o ideal é não deixar a oportunidade passar e garantir logo o game por preços imbatíveis… até que outra promoção tenha início.

emComputadores Games

[App do Dia] Science 360, seu Discovery de bolso

Por em 30 de junho de 2011

A Fundação Nacional de Ciência, nos EUA é uma organização governamental cujo principal objetivo é fomentar pesquisas na área de ciências não-médicas e projetos de educação. Eles estão por trás de muita pesquisa básica, com uma verba respeitável, em um mundo onde ciência não é exatamente prioridade.

No ano-fiscal de 2010 o orçamento da agência foi de US$ 6,87 bilhões. A NASA inteira recebeu US$ 17,6 bilhões. continue lendo

emCiência Computação móvel Meio Bit Mobile Software

Molyneux reclama da monotonia dos jogos modernos

Por em 30 de junho de 2011

dori_moly_30.06.11

Peter Molineux parece ter dedicado os últimos dias para falar, falar e falar. Ao invés de dedicar seu tempo a criar maneiras de agradar os jogadores com seus próximos títulos, o game designer já apontou falhas no Kinect, admitiu que o Fable III não ficou tão bom quanto deseja e agora disparou contra a falta de inovação na indústria. Ao conversar com o pessoal da revista Xbox World 360, ele foi questionado se acha os jogos atuais muito parecidos e respondeu:

Eu adoro novas ideias e inovação. Estou pensando em uma maneira mais diplomática de dizer isso, mas tenho me sentido um pouco entediado de fazer as coisas da mesma maneira nos games. Apesar de adorar todo o drama dos jogos modernos, há essa monotonia neles.

Eles são essencialmente os mesmo – um usa uma paleta de cor verde, outro usa uma paleta cinza; você estará atirando, mergulhando e voando e isso faz parecer que estamos quase no ponto de nos tornamos um pouco como Hollywood, onde eles chegaram nesta rotina nos filmes de ação. Não estou dizendo que já chegamos lá, mas certamente estamos trilhando este caminho. Penso que misturar as coisas com jogabilidade emocional e a maneira como jogamos usando o Kinect… Parece algo novo para mim.

Eu mesmo sou um que defendo a inovação nos jogos – aliás, como a maioria, acredito – e por isso concordo com a opinião do inglês, mas dizer que a utilização do Kinect pode ser a maneira de trazer esta inovação? Por favor, Molyneux, acho que fica menos feio você defender o Fable: The Journey atacando os títulos anteriores da franquia do que fazendo essa propaganda barata, não acha? Existe um monte de jogos lançados por desenvolvedores indies feitos com gráficos da época dos 8-bits e que são jogados com controles tradicionais que provavelmente darão um banho de originalidade nesse novo Fable e acho que talvez o que falte à Lionhead seja justamente isso, tornar-se um pouco mais independente e levar o tempo que for necessário para criar um bom jogo.

[via CVG]

emIndústria Microsoft

Sigma 105mm f/2,8 EX DG OS HSM Macro

Por em 30 de junho de 2011

Eu já tive vários alunos que começaram o curso de introdução a fotografia e se diziam amantes da fotografia macro. Mas, o macro que eles conheciam é aquela versão meio safada que encontramos na maioria das câmeras compactas. Quando mostramos a eles como uma verdadeira lente macro pode ser surpreendente a maioria desanima com o próprio equipamento. Porém, o mais impactante é o preço de uma lente de boa qualidade pode alcançar no mercado. Sempre digo que a fotografia macro deveria ser o objetivo de todo amador que deseja usar a fotografia como fonte de relaxamento. Você pode desenvolver sua atividade com calma, geralmente sentado e o seu objeto de exploração pode ser um pequeno jardim na frente de sua casa, uma praça no centro da cidade ou algum ponto da zona rural de seu município. Os únicos pré-requisitos são o equipamento, paciência e amor pelo mundo microscópico das flores e insetos.

Dentro dessa perspectiva é que fico feliz com mais um lançamento de qualidade no mercado fotográfico. Em fevereiro a Sigma havia anunciado o lançamento de uma nova lente macro com estabilização de imagem que chega somente agora ao consumidor com preço definido. A estabilização é muito útil para uma emergência, mas a meu ver não é obrigatório nesse tipo de equipamento uma vez que a maioria das fotografias macro de qualidade são feitas com tripé. A nova Sigma 105mm f/2,8 EX DG OS HSM Macro faz parte da linha de lentes profissionais da Sigma (cristais de melhor qualidade), vem equipada com sistema de estabilização de imagem OS (aquele que a Nikon está acusando a Sigma de ter copiado de suas lentes) e motor de foco rápido e silencioso (HSM). Fora a fotografia macro, a lente deve ser perfeita para a prática de retratos já que a distância focal de 100mm elimina quase que completamente a distorção ótica. A lente apresenta uma proporção verdadeira de 1:1 e um sistema de foco flutuante que, segundo a empresa, vai manter o alto desempenho ótico em todas as distâncias.  O único ponto negativo é que achei a lente um pouco feia, fugindo da tradição de design bacana da Sigma.

Para quem se interessou pelo brinquedinho, a nova Sigma 105mm f/2,8 EX DG OS HSM Macro vai estar disponível ao consumidor final por US$ 1.400,00. Um pouco salgado eu sei, mas é o preço da qualidade.

emÁudio Vídeo Fotografia Lentes

Eu não sei como chamar esse artigo. Acho que “iKeyboard sem teclado para iPad”…

Por em 30 de junho de 2011

DroppedImage

Ouvir. Aprender. Criar.

As boas novas são: há um mundo incrivelmente inventivo lá fora e a regra do jogo é “abra a cabeça” — mas, como você vai ver, não a abra tanto…

As ótimas novas, podem ser coisas como o incrível KickStarter. Um projeto que você já deve ter ouvido falar e que arrebanha quem realmente curte boas idéias e tem o intuito de materializá-las de um modo quase que social-artesanal, de fora para dentro do mainstream.

Algumas pessoas tem facilidade para escolher algo bacana entre muita coisa estranha. Um número menor ainda delas tem a habilidade de separar, rápido, o que não é legal logo de cara, deixando sobrar apenas coisas interessantes.

continue lendo

emApple e Mac Computação móvel Indústria Meio Bit

Engine facilitará adaptação de jogos do PSP para o PS3

Por em 30 de junho de 2011

Se o anúncio recente de que a Sony levaria para o Playstation 3 alguns dos títulos lançados para o PSP, como os dois God of War, o Metal Gear: Peace Walker e o Monster Hunter Portable 3rd, já indicava que a companhia pretendia lucrar um poucos mais com os jogos criados para o portátil que está praticamente morto, eles revelaram uma ferramenta que deverá tornar esta migração ainda mais fácil, permitindo assim que o console seja invadido por essas conversões.

Apresentada por Kentaro Suzuki durante um evento no Japão, ela será conhecida como PSP Engine, ela funcionará como uma ponte entre o sistema operacional do PS3 e os jogos criados para o PSP, permitindo que as desenvolvedoras os renderize em alta definição, utilizem o segundo analógico do controle do console, gerem imagens em 3-D estereoscópico, aproveitem a maior quantidade de memória do Playstation 3 e compartilhe os saves entre os dois aparelhos, porém, nada foi mencionado sobre a implementação de troféus para esses jogos.

De fato a grande novidade está na disponibilização desta engine, já que as funções já havia sida reveladas para esta conversão do Monster Hunter, cuja comparação pode ser vista no trailer abaixo e como os próximos meses deverão marcar o anúncio de novos títulos que serão adaptados, quais os jogos do PSP que você gostaria de ver no PS3?

continue lendo

emPortáteis Sony