Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

O bonito (e caro) headset da Logitech

Por em 30 de setembro de 2010

Se vocês está insatisfeito com o headset que usa no seu Xbox 360 ou Playstation 3, talvez seja uma boa ideia começar a pensar em investir no F540 da Logitech. Compatível com ambos os consoles, o acessório possui uma bateria recarregável que pode durar até dez horas, um sistema que reduz os ruídos no microfone, botões para o ajuste de volume tanto do fone quanto do microfone e se conecta aos videogames sem a necessidade de fios.

Mas como você já deve ter imaginado, tanta elegância e tecnologia tem um preço e como é costume da Logitech, ele não é pequeno. Para levar essa belezinha para casa você terá que morrer em US$ 149,99, ou seja, o mesmo valor cobrado pelo Kinect ou quase o mesmo que se paga em um 360 simplesinho lá nos Estados Unidos e então lhes pergunto, será que vale a pena investir tão caro num headset?

Acho que pagar um valor considerável num teclado ou mouse até faz sentido e por mais que um acessório como esse possa incomodar bastante se for muito vagabundo, não teria coragem de gastar tanto em algo apenas para que minha linda voz saia com menos ruído ou por ser da marca X ou Y. O que uso no Playstation 3 mesmo só é um pouquinho melhor porque ganhei quando comprei o MP3, caso contrário, seria o mais barato possível.

dori_log_29.09.10

[via Joystiq]

emAcessórios Microsoft Sony

Photomatix 4.0 PRO – faça você mesmo seu HDR

Por em 30 de setembro de 2010

Estamos aqui novamente para falar de um assunto que divide opiniões e causa celeumas no mundo da fotografia: o HDR. A sigla quer dizer High Dynamic Range, ou traduzindo o mais próximo possível do sentido original, grande alcance dinâmico. A técnica se tornou muito famosa com a fotografia digital e os amantes desse tipo de técnica encaram a coisa como uma nova forma de arte digital. Já o pessoal que odeia aponta que quando a fotografia sofre uma carga gigantesca de processamento ela perde a graça. Bem, concordando ou não com esses argumentos, temos que aceitar que um dos grandes responsáveis pela popularização do HDR entre os fotógrafos foi o Photomatix.

O software foi projetado e desenvolvido para ser a melhor ferramenta de construção do HDR a um custo baixo. O seu uso é simples e intuitivo e permite ao fotógrafo fazer desde o HDR mais sóbrio (aquele que existe realmente para sanar problemas de exposição) até aqueles mais elaborados onde a fotografia se transforma em algo muito além da simples representação da imagem. Para aqueles que curtem essa forma de fotografar, nada melhor do que saber da notícia do lançamento do Photomatix 4 PRO.

O novo programa chega para manter a liderança no mercado de HDR. Agora temos várias novas opções para poder enriquecer a experiência de tratar fotos nesse estilo. O que encontramos de novo? Alinhamento automático de fotos (em caso de imagens feitas sem tripé), redução de ruído, fantasmas (objetos em movimento) e aberrações cromáticas no HDR, processamento automático em lote, melhor processamento do HDR e do Tone Mapping e por fim, mas o mais bacana em minha opinião, é que agora o Photomatix 4 PRO funciona também como um plug-in dentro do Lightroom 3. Essa inovação é muito bem vinda.

O Photomatix 4 PRO pode ser adquirido na página oficial do programa por US$ 99,00. Para quem possui o Photomatix 3 o upgrade é gratuito. Existe uma versão trial no site que não espira nunca, mas ela adiciona marcas d’água nas imagens processadas. Não é um programa tão caro assim, mas o seu uso é muito específico. Você tem que ter gosto pela coisa para investir.

Aguardem tutorial completo de HDR com o Photomatix 4 PRO.

 

photomatix-4-pro

emManipulação digital

App do Dia: FreeBSD pra iPhone (isso mesmo)

Por em 30 de setembro de 2010

Não se anime, não é nada jailbreakado, não é nenhum esquema esquisito de instalação de sistemas alternativos, é uma aplicação oficial, útil e aprovada, disponível na App Store.

Chamada The FreeBSD Project, é uma compilação de informações sobre o sistema operacional que contrário do GNU, é Unix.

Como quase todo projeto OpenSource, carece enormemente de designers, então é bom dar um SENHOR desconto no visual, vamos nos ater ao conteúdo, que é bem bom. Os newsflashes trazem tudo que acontece de importante na comunidade e no desenvolvimento do sistema, e o mapa de commits é um charme, dá pra acompanhar quem contribuiu com o projeto, commit a commit. (não sei se rastreiam os rollbacks, mas seria engraçado).

A App é simples porém honesta, grátis e ocupa meros 1,2MB. Já tem inclusive versão pra iPad.

emApple e Mac Open-Source Resenha Software

Photoshow – Belo Horizonte

Por em 30 de setembro de 2010

photoshow belo horizonte

 

Está chegando a data. Na semana que vem, durante os dias 05, 06 e 07 de outubro, vai se realizar na cidade de Belo Horizonte o Photoshow 2010, o primeiro congresso itinerante de fotografia do Brasil. Serão três dias de muita informação e aulas práticas durante as palestras. Aliás, esse é o motivo que vale a pena fazer o investimento. O Photoshow 2010 foi dividido em três dias temáticos. Vejam abaixo os temas que serão tratados.

Dia 05 de outubro – Estúdio Profissional

Esse é o dia para quem quer aprender a dominar o seu estúdio e fazer belas imagens com seus esquemas de iluminação. O dia começa com o mestre Luiz Garrido que vai ministrar a palestra Como fotografar Retratos. Aqui teremos toda a experiência de quem já retratou as principais personalidades brasileiras. As armas mais importantes de Garrido para um bom retrato são iluminação, linguagem e psicologia. A palestra promete ensinar como fazer grandes retratos usando esquemas simples de equipamento e iluminação. A segunda palestra do dia é de Danilo Russo que vai mostrar os melhores esquemas de iluminação para fotografar book, retratos e moda. Claro que tudo isso com o bom humor que é marca registrada do fotógrafo italiano. A terceira palestra fica a cargo da Patrícia Prado, que vai ensinar para o público O Segredo de fazer Ensaios Sensuais sem cair no clichê ou perder o bom gosto (esperamos ansiosamente por um DVD sobre esse tema).

Dia 06 de outubro – Photoshop Profissional

Esse é o dia para quem quer aprender a edição e dar um toque profissional a suas fotos. A primeira palestra é de Altair Hoppe, que vai falar sobre Retoque Profissional de Imagem. Destaco aqui o procedimento para conseguir uma pele perfeita (que está presente no novo livro e DVD que foi lançado recentemente pela iPhoto Editora). A segunda palestra fica a cargo de Reinaldo Martins, que vai trazer para o público os segredos do uso do Lightroom 3 para a edição de fotos de casamento e toda a facilidade que o software pode aplicar ao seu fluxo de trabalho. Encerrando o dia temos a palestra de Marcelo Caetano que tem como tema a Criatividade na Diagramação de Álbuns, um assunto muito importante para o profissional nos tempos de fotografia digital.

Dia 07 de outubro – Wedding Profissional

A fotografia de casamento está se configurando em um mercado gigantesco e o de maior renda para o fotógrafo profissional. Então nada mais justo do que um dia especial para o tema. Começamos o dia com Evandro Rocha, um dos mestres da fotografia de casamento (esse eu conheço) que vai ministrar a palestra “A Inovação na Fotografia de Casamento”. Lembrando que você não precisa ser o melhor na fotografia de casamento, mas precisa ser diferente. Em seguida vamos ter Adriano Gonçalves mostrar a importância da moda na fotografia de casamento. A única coisa que tenho a dizer de Adriano Gonçalves é que ele é o homem das imagens mágicas. Por fim, terminamos com o casal Fernanda Marques e Reinaldo Martins que vão falar sobre a prática e os truques do fotojornalismo na fotografia de casamento.

Só lembrando que o PhotoShow 2010 vai acontecer no Teatro Dom Silvério – Chevrolet Hall, localizado à Avenida Nossa Senhora do Carmo, 230 – Savassi – Belo Horizonte. Maiores informações e ficha completa dos palestrantes podem ser encontradas no site oficial do evento.

emNotícias

Conseguirão os jogadores eliminar os jogos ruins?

Por em 30 de setembro de 2010

dori_jun_09.10

Você já deve ter ouvido alguém falar que de alguns anos para cá muitos jogos, na maioria de baixa qualidade, tem sido lançados. Como a indústria dos games movimenta muito dinheiro, todas as empresas querem ganhar um pouquinho e aquela ideia de que os jogos são feitos de gamers para gamers, com raras exceções, há muito passou a povoar apenas os sonhos dos apaixonados por jogos eletrônicos.

Mas será que existe uma solução para este problema? Bom, segundo Jun Takeuchi, um dos responsáveis por títulos como Onimusha 3, Lost Planet e Resident Evil 5, quem deverá acabar com “essa festa” somos nós, os jogadores.

Olhando para frente, acredito que os jogadores desenvolverão um olho mais afiado e passarão a ser mais seletivos. Isso eliminará os jogos mal feitos do mercado e diminuirá o número de títulos lançados. O mercado deixará de ser esse em que um novo jogo prende a atenção e o interesse das pessoas.

Penso que a demanda será caracterizada pelas tendências dos pólos opostos. Uma dessas tendências será os jogos voltados para um pequeno número de jogadores hardcore, a outra será os populares, grandes títulos, como o Resident Evil. Esse alvo é a audiência de massa e será focada na entrega do senso de entretenimento. De qualquer maneira, o importante para nós é cultivar cuidadosamente os elementos para ambos os tipos de jogadores com o intuito de lançar títulos que as pessoas apreciam por um longo período.

Acho o ponto de vista dele muito interessante e até plausível, porém, olhando para a situação do cinema norte-americano e traçando um paralelo com os games, custo a acreditar que a previsão se concretizará. Mesmo concordando que o poder esteja em nossas mãos, os jogos, filmes, livros, música e qualquer outra forma de entretenimento ruins continuará existindo, simplesmente porque nem todas as pessoas possuem um gosto mais apurado e enquanto houver um consumidor querendo comprar um jogo meia boca, haverá uma empresa disposta a produzí-lo.

[via Eurogamer]

emIndústria

Office para Mac 2011 em Outubro

Por em 30 de setembro de 2010

Para muitos, instalar um sistema operacional da Microsoft no Mac é uma “heresia” mas, instalar iTunes no Windows pode. Frescura de fanboy. O Office ainda é um poderoso software para edição de textos, planilhas e apresentações. Embora o iWork seja bem integrado ao Mac (inclusive permitindo exportação de apresentações para Quicktime, o que eu achei bem interessante), o Office ainda tem o seu charme (e o seu ribbon, recursos, integração, compatibilidade…).

Office for Mac 2011

Office for Mac 2011 (BETA 2)

O Office 2011 para Mac OS X começará a ser vendido, oficialmente, a partir do dia 26 de outubro. O cliente de e-mail Entourage foi substituído pelo Outlook (ah… o Outlook) e o Messenger for Mac 8 estará disponível também. A pré-venda estará disponível em breve, inclusive no Brasil. Quem comprar o Office 2008 em determinadas lojas até o dia 30 de novembro, garante participação no Programa de Evolução Garantida, que dá direito ao upgrade sem custos adicionais.

Aproveitando o ensejo, pergunte aos leitores do Meio Bit e usuários do Mac: vocês utilizam o iWork, Office ou alguma solução open source?

Fonte: Apple Insider e press release.

emApple e Mac Meio Bit

Nintendo espera vender 4 milhões de 3DS em um mês

Por em 30 de setembro de 2010

dori_3ds_30.09.10

Dado o histórico da BigN no ramo dos portáteis, acho que ninguém ousaria apostar num fracasso do 3DS, mas mesmo assim a projeção feita pela empresa para o lançamento do videogame é bastante impressionante. Segundo os dados revelados por eles, a estimativa é que 4 milhões de unidade sejam entregues aos consumidores até o final do atual ano fiscal e como ele termina no dia 31 de março, isso lhes dá apenas um mês de vendas no Japão e menos ainda nos Estados Unidos e Europa. Além disso, a esperança é de que 15 milhões de jogos sejam vendidos no mesmo período.

Contudo, não há motivos apenas para celebrações, já que em relação ao DS e ao Wii as vendas deverão cair. A expectativa anterior de vender 30 milhões de portáteis foi reduzida para 23.5 milhões, com os jogos caindo de 150 milhões de cópias para 125 milhões, mas no console a situação é um pouco melhor. Se antes a previsão era de 18 milhões de unidades, agora eles diminuíram esse número em 500 mil, já nos jogos, houve uma redução de 30 milhões de cópias, caindo para 135 milhões.

O que não deve estar preocupando muito os executivos da Nintendo é que essa diminuição nas vendas poder ser explicada pela pela vinda do 3DS, porém, não há como deixar de imaginar que o lançamento do Move e do Kinect também tem uma parcela de responsabilidade nesse “período de vacas magras” por qual passarão.

[via GamesIndustry]

emIndústria Nintendo Portáteis