Fotografia
Fotografia
Digital Drops Blog de Brinquedo

As 20 câmeras mais vendidas no Japão em 2009

Por em 28 de dezembro de 2009

O ano acabou e chegou a hora de fazer os balanços dos equipamentos mais vendidos. Nada melhor para esse tipo de comparativo do que dar uma olhada no mercado japonês, um dos mais aquecidos quando falamos de equipamentos fotográficos. Também ajuda o fato de eles possuírem um sistema que contabiliza as vendas no comércio. A lista abaixo nos mostra a importância de cada modelo durante o ano de 2009.

O que podemos notar é que a Canon dominou de maneira bem clara a quantidade de câmeras vendidas na terra do sol nascente. As duas Rebels comercializadas nesse ano foram responsáveis por 29,1% das câmeras reflex vendidas. Ainda encontramos no ranking a EOS 50D (3,5%) a EOS 5D Mark II (2,1%) e a EOS 7D (1,6%) e a EOS 1000D (1,6%). Logo atrás encontramos a Nikon, que aparece na lista com 5 câmeras e totalizando 28% dos equipamentos vendidas. Para mim o destaque fica por conta da D60 e da D40, que mesmo sendo câmeras descontinuadas ainda continuam vendendo bem por conta da ótima qualidade de imagem e o baixo preço. Nem sempre o consumidor procura câmeras com quantidades absurdas de tecnologia. Ás vezes o baixo preço aliado a qualidade é uma boa pedida.

No resto da lista vemos as outras marcas pulverizadas com pequenas porcentagens, mas é importante notar que as câmeras do sistema micro-quatro-terços estão representadas de maneira massiva. Tanto as câmeras da Olympus quanto da Panasonic tiveram uma boa vendagem nesse ano que passou, apesar do preço elevado dos equipamentos. A Pentax, mesmo com os ótimos reviews de suas câmeras, ainda aparece de maneira tímida. O que estranha é a baixa representatividade da Sony que possui várias câmeras em produção e apenas duas nesse TOP 20. 

Claro que temos que levar em conta que tudo isso é muito relativo. Aqui temos apenas a quantidade de câmeras vendidas sem levar em conta o preço dos equipamentos. Dessa forma, a lucratividade de cada empresa não está atrelada a classificação da lista. Por exemplo, com o valor pago por uma Canon EOS 5D Mark II (2,1% do mercado) é possível comprar 4 Nikons D5000 (6,6% do mercado) e ainda sobra uns trocos. Mas, é possível ter uma noção de equipamentos mais populares e até planejar sua futura compra.

1º – Canon EOS 500D – 15,9%

2º – Canon EOS 450D – 13,2%

3º – Nikon D90 – 9,1%

4º – Nikon D5000 – 6,6%

5º – Nikon D60 – 5,4%

6º – Nikon D40 – 5,1%

7º – Panasonic G1 – 4,2%

8º – Canon 50D – 3,5%

9º – Olympus E-P1 – 3%

10º – Panasonic GF-1 – 2,7%

11º – Pentax K-m – 2,5%

12º – Sony A300 – 2,2%

13º – Canon EOS 5D Mark II – 2,1%

14º – Nikon D3000 – 1,8%

15º – Sony A350 – 1,8%

16º – Pentax K-x – 1,8%

17º – Canon EOS 7D – 1,6%

18º – Canon EOS 1000D – 1,6%

19º – Panasonic GH1 – 1,6%

20º – Olympus E-520 – 1,3%

Fonte: Foto Actualidad

emEquipamentos

A máquina de suicídio 2.0

Por em 28 de dezembro de 2009

Criar uma presença online, hoje, é difícil. Presença em múltiplas redes sociais, serviços de microblog e afins, atualizações, interação com outros usuários… É tanta coisa que, se não nos policiarmos, gastamos uma boa parte do dia nessa selva de sites modernosos e acabamos esquecendo de coisas triviais, como comer, dormir e trabalhar.

Mesmo sendo tão difícil consolidar-se virtualmente, há casos em que um “basta” é necessário ou desejado. Alguma coisa ruim aconteceu, ou o saco para as mídias sociais estourou. Resultado? A pessoa simplesmente quer se livrar disso tudo e viver.

Desconheço casos dramáticos de “suicídio virtual” massivo, abrangendo todas ou as principais redes em que uma pessoa participa, mas deve existir público. Só isso justifica a existência da The Web 2.0 Suicide Machine, uma “máquina” que lhe mata virtualmente em poucos minutos.

web20-suicide-machine

A máquina de suicídio funciona com quatro serviços até o momento: Twitter, LinkedIn, Facebook e MySpace. Seu funcionamento é transparente, e parece ser feito por um bot, ou algo do tipo. Ao entrar com as credenciais do site do qual deseja sair, o sistema faz login, troca senha e imagem de exibição, e apaga todos os contatos e atividades do perfil. É, de fato, uma maneira autômata de fazer um procedimento que, dependendo da assiduidade do usuário na rede em questão, poderia levar horas. Uma estimativa do site diz que, numa conta do Facebook com cerca de mil amigos, o tempo total para cometer o “facebookcídio”, manualmente, chegaria a 9:30 horas; já com a máquina, dura pouco mais de 50 minutos.

Há alguns anos, quando o orkut saiu do underground e caiu na boca (e nos PCs) do povão, houve uma onda enorme de “orkutcídios”. Uma aplicação como essa, naquela época, seria bastante usada no Brasil. Hoje? Muitos ainda desistem de uma ou outra rede social por motivos diversos, logo, há espaço para a The Web 2.0 Suicide Machine.

Quem será a próxima vítima?

emInternet Web 2.0

2010 terá evento para games em 3-D

Por em 28 de dezembro de 2009

Semana passada eu tive a oportunidade de assistir, pela primeira vez, um filme em 3-D e foi logo o tão elogiado Avatar. Além da produção, que realmente merece tudo o que vem sendo dito sobre ela, me chamou a atenção a enorme quantidade de pessoas na sala, algo que há muitos anos eu não presenciava.

Se antes o 3D estereoscópico já tinha tudo para se tornar padrão, o sucesso alcançado pelo longa-metragem de James Cameron tem tudo para servir como o ponta pé que a indústria do entretenimento tanto sonhava e os games também estão aproveitando.

Um exemplo disso é o anúncio da criação da 3D Gaming Summit, braço de uma feira semelhante, mas voltada para os “filmes onde as imagens saem da tela”. O evento acontecerá na Hilton Universal City durante os dias 21 e 22 de abril de 2010 e a intenção é “atrair as mentes mais brilhantes da indústria dos games” e, claro, investidores.

Segundo os organizadores, nos próximos anos cerca de 40 milhões de pessoas terão acesso a tecnologia e pelo jeito é bom começarmos a pensar em investir alguns milhares de Reais para poder jogar dessa maneira em nossas casas.

dori_3d_28.12.09

[via Joystiq]

emIndústria

OS X for PCs

Por em 28 de dezembro de 2009

A GLS/Comunidade está em polvorosa. Rumores não são novidade na indústria da informática e, em relação à Apple, deve haver mais sites especializados em “vapourware” que em “hardware”.

O motivo de tanta purpurina e unha quebrada é uma foto, divulgada (supostamente) por um funcionário de uma Apple Store japonesa. Reparem:

pc_sl1

Para quem tem um pouco de memória: o pessoal do Pomar já tentou uma estratégia semelhante, nos negros anos de 1994 a 97. A idéia era licenciar “clones” e ganhar dinheiro com o sistema operacional proprietário, algo ao estilo Microsoft de ser. O resultado? Um imenso rombo na já combalida contabilidade da empresa.

É claro que as coisas mudaram, o hardware hoje é, praticamente, uma commodity. No entanto, como se diz por aí, “gato escaldado tem medo até de água fria”… duvido muito que Tio Jobs encare esse desafio.

Já a idéia de licenciar seu sistema operacional para dispositivos portáteis e “gadgets” tem mais sentido e há muita gente aventando a possibilidade.

Vamos esperar o dia 26 de janeiro para saber.

[via TUAW]

emApple e Mac

Vendas de livros digitais superaram as dos livros de papel no Natal

Por em 28 de dezembro de 2009

25 de dezembro de 2009 entrará para a história como o primeiro dia no qual a venda de livros digitais superou a de livros comuns, feitos de papel, há séculos conhecidos e usados – isso, pelo menos, na Amazon, loja dona e vendedora exclusiva do leitor de e-books Kindle.

Apesar da importância histórica da notícia, várias circunstâncias contribuíram para que ela ocorresse, em especial do fato até então inédito ter ocorrido no dia do Natal, quando muita gente, ao abrir seus novos Kindle, correram para a Amazon a fim de abastecê-lo com livros digitais. Já livros de papel, quem os compra no Natal?

Esse dado nos leva a outro tão ou até mais surpreendente: no Natal de 2009, o Kindle tornou-se o presente mais popular da história da Amazon. O relatório da empresa não entrega números exatos, mas dá uma amostra da sandice que foram as vendas do gadget, já considerado por muitos, a sério, o “iPod dos livros”. Afinal, ser o produto mais encomendado de uma loja que em dia de pico (14 de dezembro) vende 9,5 milhões de produtos, 110 por segundo, não é para qualquer um.

earths-biggest-selection-450px._V251249388_

Há outros dados interessantes no relatório da Amazon. A quantidade de iPod touch de 8 GB comprados, por exemplo, seria suficiente para tocar 442 anos de música contínua. Outra: a quantidade de medidores de batimentos cardíacos de pulso comprados seria suficiente para todos os maratonistas que terminaram as edições de 2008 e 2009 da maratona de Nova Iorque.

A conversão dos livros de papel para os em formato digital é uma tendência bastante forte, especialmente agora, que o Kindle reacendeu o interesse pela tecnologia e, mais que isso, a tornou acessível, popular e confortável de se consumir. Vários concorrentes surgiram, e as vendas só crescem – já são mais de 390 mil títulos disponíveis na Amazon. Agora só faltam os similares chineses para que o processo de popularização se complete.

emHardware Indústria

China culpa jogos por crimes

Por em 28 de dezembro de 2009

Dona do título de país com o maior número de pessoas na internet, a China tem jogado nos games a responsabilidade por muitos dos crimes que tem acontecido em suas terras e se cerca de 210 milhões de pessoas (das 338 milhões conectadas) dedicam seu tempo a eles, essa tarefa se torna um pouco mais fácil.

Na semana passada o canal estatal de televisão exibiu a segunda parte de um programa de televisão chamado “Confissões de um Assassino” onde era discutido, principalmente, a influência dos jogos eletrônicos em alguns problemas como o vício em drogas, a gravidez na adolescência e assassinatos.

A equipe foi até uma prisão para jovens onde 80% dos internos estariam ali, segundo o programa, por causa dos jogos online e um dos entrevistados foi condenado a prisão perpétua por ter matado cinco pessoas para obter melhores equipamentos para seu personagem num MMO.

dori_chn_28.12.09 A produção seguiu mostrando uma jovem de 14 anos que já teria feito dois abortos por causa de um jogo de dança que incentiva as pessoas e terem relacionamentos sexuais no primeiro encontro e como as pessoas se viciam em metanfetamina para conseguirem ficar acordas por mais tempo e consecutivamente passar mais horas nos universos virtuais.

Sabendo do que está acontecendo por lá, fico imaginando como deve ser difícil morar num país onde o governo não dá o devido suporte à população e acaba se livrando da responsabilidade culpando outros setores, como os games. Ainda bem que onde vivemos isso não acontece.

[via Computerworld]

emCultura Gamer

YC3300: representação de cores igual ao do olho humano

Por em 27 de dezembro de 2009

Quando a fotografia digital começou a dominar o espaço da fotografia tradicional, muita gente levantava as desigualdades existentes entre os dois sistemas. Na maioria das comparações o digital acabava perdendo, mas isso foi mudando com o tempo. Tamanhos de impressão, retenção de detalhes e nitidez foram superados sem problema. O que ainda pega um pouco é o caso da latitude de exposição, contraste (que pode ser editado via software) e captura de cores. Quanto à captura de cores temos que ser justos, pois nem o filme conseguia reproduzir todas as cores que o olho humano conseguia captar.

Mas, a fotografia digital deu um grande passo no quesito de captação de cores essa semana. O laboratório PaPaLab Co Ltd acaba de anunciar o desenvolvimento de uma câmera capaz de captar e armazenar a mesma gama de cores que nossos olhos conseguem enxergar. A façanha foi conseguida se utilizando de um novo filtro de cores logo acima do sensor e trabalhando em conjunto com a nova função de igualação de cores em três canais (three-band color-matching function). Claro que junto a tudo isso tem uma nova tecnologia de processamento de sinais para corrigir possíveis erros na captura das cores.

Porém, a nova tecnologia não vai ter uma aplicação doméstica tão cedo. A câmera foi produzida com o intuito de ser usada em laboratórios em fotografias científicas. O próprio design do equipamento já mostra que ele não foi pensado para a produção comercial. A câmera será fabricada com um sensor de 10 megapixels e vai custar a bagatela de US$ 140.477,00. Mas, não se desesperem, pois já para o ano que vem estão pensando na produção de um modelo que custe a metade do preço.

YC3300

fonte: Foto Actualidad

emNotícias