Digital Drops Blog de Brinquedo

NewsGator abandona agregador de feeds próprio em prol do Google Reader

Por em 30 de julho de 2009

Os feeds causaram uma revolução na forma de se consumir conteúdo publicado na Internet, especialmente em blogs. Lembro de, na era pré-feeds, abrir 20, 30 abas ao mesmo tempo, para conseguir me manter a par das novidades dos sites que acompanhava. Reduzir todas elas a uma aba só é um baita ganho em produtividade, não?

Além dos agregadores de feeds online, existem aqueles que rodam localmente, instalados no computador. Embora os online sejam a preferência da maioria, há público para o pessoal que prefere instalar um programinha extra para ler notícias e posts de blogs. E ainda há a parcela dos indecisos, que a NewsGator fisgou oferecendo as duas soluções, sincronizadas.

newsgator-syncing

Junto aos clientes desktop, FeedDemon para Windows, e NetNewsWire para Mac OS X e iPhone, a empresa oferecia uma versão online. Assim, quando o usuário estivesse em sua própria máquina, poderia utilizar o programa; quando estivesse longe dela, teria na versão web based um estepe. Muita gente elogiava esse sistema, que continuará existindo, só que de forma um pouquinho diferente.

Daqui a 30 dias, a versão online do NewsGator será descontinuada. A sincronização passará a ser feita em cima do Google Reader, até então, um dos concorrentes mais fortes (se não o mais forte) do misto serviço/programa da NewsGator. Atualmente nenhuma versão estável dos programas sincronizam com o Reader; FeedDemon 3.0 RC3 e NetNewsWire 3.2 Beta 6, porém, já fazem o serviço – clique nos links caso não se importe em ser cobai… digo, beta tester.

Aparentemente a versão online do NewsGator não era exatamente um sucesso, e a decisão de desativá-la e, mais que isso, adotar o outrora concorrente como parceiro dos clientes desktop remanescentes é, no mínimo, interessante. É o velho discurso do “se não pode com ele, junte-se a ele” posto em prática.

Fonte: Lifehacker.

emDownload Internet Software

World Science Festival 2009: Como “tocar” uma platéia

Por em 30 de julho de 2009

Já é fato conhecido da neurociência que a música é uma característica humana primitiva ao ponto de ser instintivo. Em um filme, 50% da emoção é fornecida através dos sons e música. Durante a apresentação Notes & Neurons: In Search of the Common Chorus, Bobby McFerrin demonstra como uma audiência reconhece, em minutos, a escala pentatônica, muito comum ao redor do mundo, e em diferentes culturas.

Ele resolve então “tocar” a platéia como se fosse um enorme instrumento musical. Fica tão natural que só mesmo assistindo o vídeo:

World Science Festival 2009: Bobby McFerrin Demonstrates the Power of the Pentatonic Scale from World Science Festival on Vimeo.

Dica: Talita Ferreira

emCiência

Nikon D3000

Por em 30 de julho de 2009

Quando a Nikon D40 foi sumariamente descontinuada, um grande grupo de pessoas se sentiu órfão. A câmera era barata e possuía uma ótima qualidade de imagem, além de recursos bem bacanas. Um exemplo dessa ótima combinação de recursos com uma boa relação custo benefício, está no fato do equipamento ainda ser um dos mais vendidos no Japão, um mercado consumidor bem exigente. Depois que ela foi retirada da linha de produção, todos estavam esperando um lançamento que viesse tomar o posto de DSLR mais barata da empresa. E essa espera terminou hoje.

Mostrando que os rumores estavam certos, a Nikon acaba de anunciar a D3000. Olhando o corpo da câmera, notamos que a base de seu design é a irmã D5000. Os recursos encontrados no menu e nas opções de disparo também mostram muitas coisas que encontramos na D5000. De diferença, temos o sensor de 10 megapixels (definição ótima para uma câmera amadora) e a falta da capacidade de gravação de vídeo em alta definição (que contribuí para que o preço fique em patamares aceitáveis).

Todo o marketing da Nikon está focado no público iniciante. A câmera é fácil de usar, possuí controles intuitivos e está equipada com um pequeno manual que mostra ao usuário qual a melhor configuração para se usar na situação em que ele se encontra. Fora isso temos o visor LCD de 3 polegadas, 11 pontos de autofocus e a capacidade de fazer 3 fotos por segundo no modo continuo. Equipamento leve, compacto e barato. Como suas antecessoras de baixo preço, a D3000 não possuí motor de autofocus no corpo da câmera, o que a obriga a usar apenas as lentes feitas para a linha digital.

A Nikon D3000 chega ao mercado em 28 de agosto de 2008 e vai custar US$ 599,00 com a lente básica Nikkor 18-55mm VR lens.

nikon_d3000

Fonte: Dpreview

emEquipamentos Notícias

Nikon D300s

Por em 30 de julho de 2009

Hoje a Nikon anunciou oficialmente o que os rumores já davam como certo há mais de dois meses. Duas novas DSLRs e duas novas lentes de desempenho profissional para fazer os fãs da marca ficarem com água na boca. A D300s nada mais é do que um pequeno upgrade da já famosa e confiável D300. Aliás, nada mais justo. O modelo ainda é o preferido pelos fotógrafos de eventos sociais e não há porque lançar um novo modelo se esse ainda atende perfeitamente às necessidades dos usuários. Porém, as pequenas adições que foram feitas ao modelo se mostram muito úteis e trazem a D300s ao mesmo patamar que se encontram as outras câmeras DSLR de médio porte.

A primeira novidade que chama a atenção é a capacidade de gravar vídeos em alta definição. Essa característica já se tornou padrão entre as DSLR e também entre as câmeras compactas. A câmera grava vídeos em 1280 x 720 pixels a 24 quadros por segundo com áudio estéreo. Existe também a possibilidade de editar os vídeos na própria câmera e inserir vários efeitos com o toque de apenas um botão. Outra novidade interessante são os compartimentos para dois cartões. A câmera pode trabalhar com cartões compact flash ou SD, ou com os dois ao mesmo tempo. O equipamento permite que sejam salvos arquivos em JPEG em um dos cartões e em RAW no outro.

Para finalizar a lista de novidades que merecem uma nota, agora a D300s é capaz de fazer 7 fotos por segundo no modo contínuo. Antes, essa velocidade era alcançada apenas com o uso de um PowerGrip. Usando esse acessório, o equipamento consegue alcançar a velocidade de 8 fotos por segundo.

Do ponto de vista da definição, o equipamento continua com os mesmos 12,1 megapixels da versão anterior. Mas, as novidades já são suficientes para se pensar em uma nova compra de câmera, principalmente se você trabalha profissionalmente com a fotografia. A câmera chega ao mercado em setembro ao preço de US$ 1.799,00 e vem com a lente básica AFS DX NIKKOR 16-85mm f/3.5-4.5 VR.

 

nikon_d300s

Fonte: Dpreview

emEquipamentos Notícias

Mais promoção na Steam (eu dancei)

Por em 30 de julho de 2009

Ah, tenho que rir mesmo. Bastou eu criar coragem para comprar o Company of Heroes que o pessoal da Steam anunciou que todos os jogos da Relic Games estarão custando a metade do preço até a próxima segunda-feira. Pois é acontece, mas no final das contas acabei perdendo 15 dólares.

Quem quiser participar do Weekend deal poderá levar além da série supracitada, o Warhammer 40,000: Dawn of War II com direito a conteúdo extra por download e gratuito. Esta atualização adiciona 8 novos mapas para serem jogados no multiplayer, um novo editor de mapas e vários outros badulaques. Este game está custando US$ 24,99 e embora nunca tenha jogado a franquia, sempre ouvi bons comentários sobre ela.

Não quero parecer repetitivo, mas poxa! demorei anos para comprar o jogo e tinha que fazer isso justamente alguns dias antes da promoção? Damn!

dori_coh_30.07.09

emComputadores

nVidia Brasil comenta sobre o aumento dos impostos nas GPUs dedicadas

Por em 30 de julho de 2009

Em entrevista exclusiva ao colunista Luís Sucupira do FórumPCs, Richard Cameron Anderson, executivo com o cargo de Country Manager da nVidia Brasil, comenta sobre o suposto aumento dos impostos nas placas de vídeo.

Durante a entrevista, o executivo toca em assuntos importantes como a mudança na tributação das placas de vídeo, onde a maioria dos importadores as colocavam, por padrão, como uma outra categoria de hardware que não sofria tanta taxação e agora TODOS os importadores oficiais deverão, obrigatoriamente, incluir tal hardware em outra categoria, a de “Unidades de Máquinas Automáticas para Processamento de Dados“.

Então o executivo aproveita tal reclassificação do governo, perante a taxação de tal hardware, e enaltece a evolução na complexidade e, principalmente, capacidade de processamento bruto dos processadores gráficos dedicados contra os tradicionais processadores centrais x86, relacionando isso ao CUDA nVidia, que aproveita o enorme volume de cálculos realizados pelas GPUs GeForce para fazer algo além de simplesmente “renderizar e texturizar” gráficos bi e tridimensionais em tempo real, o famoso GPGPU, incluído no Open CL e DirectX Compute.

Por fim, além de colocar que as GPUs têm melhor custo-benefício que as CPUs no quesito desempenho por preço, adotando um mesmo trabalho, um mesmo projeto que exigiria enorme quantidade de cálculos que ambas fariam, para um efeito de comparação claramente favorável às atuais GPUs high-end, o nobre executivo finaliza a entrevista com as dificuldades em se fabricar placas de vídeo no território brasileiro, já que o mercado de processadores gráficos dedicados é conhecido pela rápida efemeridade de seus produtos, com obsolescência programada de forma muito breve.

Então pergunto: você acha que a gigantesca evolução do desempenho das placas de vídeo justificaria o aumento do imposto* de importação delas?

Será que a indústria brasileira teria condições de competir com a mercadoria vinda do descaminho do produto importado, usando diferenciais como maiores garantia e qualidade?

*OBS.: suponho que tal imposto beneficiaria de verdade o povo brasileiro, como num sonho, só que sem castelos para não complicar depois.

emHardware Indústria Miscelâneas Produtividade

Nosso brilho interior

Por em 30 de julho de 2009

O post abaixo foi escrito para nossa nova categoria Ciência pelo Carlos Hotta.

Um estudo que foi publicado recentemente, e que ainda rola por aí, revelou que o corpo humano emite uma fraca luz que varia ao longo do dia. A luz é particularmente forte no rosto, na região da boca e bochechas e tem seu máximo de emissão ao redor das 4 h da tarde. No entanto, estas emissões de luz ainda são muito mais fracas que as bioluminescências apresentadas por vagalumes e organismos marinhos.

O achado, apesar de ser curiosíssimo, não tem muita relevância científica: a luz é um subproduto de reações que envolvem radicais livres, algo bem conhecido. O que é digno de nota foram os métodos e a tecnologia por trás do achado.

Para se medir nosso brilho interior, mais de mil vezes mais fraco do que nossos olhos conseguem detectar, foi necessário usar uma câmera CCD com resolução de 2048 x 2048 pixels resfriada a -120 oC que permite a contagem de fótons. A baixa temperatura diminui o ruído gerado pelo equipamento eletrônico, permitindo a detecção do sinal. A câmera ainda contava com um conjunto de lentes especiais para maximizar a coleta de fótons. Estas câmeras são usadas rotineiramente para se detectar luzes extremamente fracas emitidas por organismos modificados geneticamente.

Além de todo este equipamento, a câmera precisava coletar fótons por 20 minutos a fim de formar uma imagem de qualidade! Sem contar que os voluntários nãp poderiam usar cosméticos no dia das medições e deveriam limpar-se com água morna antes de sentarem, nus, na frente da câmera. Os voluntários faziam este procedimento a cada três horas, das 10 h da manhã até às 10 h da noite (preciso mencionar, neste ponto, que a pesquisa foi feita no Japão?).

Antes destes avanços técnicos, os voluntários tinham que ficar expostos às câmeras por mais de uma horas, o que inviabilizava todas as medições. Agora que eles precisam de apenas 20 min para fazer as medidas, fenômenos como ritmos diurnos no nosso brilho podem ser percebidos.

O próximo passo é descobrir se mulheres e outras etnias também possuem o mesmo fenômeno e com a mesma intensidade. Logo teremos manchetes falando que homens japoneses são mais brilhantes que os outros.

Fonte: Kobayashi, M., Kikuchi, D., & Okamura, H. (2009). Imaging of Ultraweak Spontaneous Photon Emission from Human Body Displaying Diurnal Rhythm PLoS ONE, 4 (7) DOI: 10.1371/journal.pone.0006256


emCiência