Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Marios Bros. versão rap

Por em 30 de setembro de 2008

Alguém conhecia essa abertura do desenho do Mario? Depois dizem que são os videogames que tornam as pessoas malucas/ignorantes/violentas…

emCultura Gamer Vídeos

Governo britânico zelará pelas criancinhas

Por em 30 de setembro de 2008

O Governo britânico está criando uma nova agência, com o objetivo de proteger crianças de sites que incentivam o suicídio e a pornografia.

Segundo a secretária do Interior Jacqui Smith a agência será a maior parceria entre órgão públicos e privados para salvaguardar jovens de sites perigosos. O objetivo é informar os jovens sobre os perigos, combater os sites com conteúdo ilegal e criar um código de conduta que possibilite a publicação de vídeos e mensagens. O UKCCIS (Conselho Britânico para Segurança de Crianças na Internet), deve também fiscalizar os videogames, combatendo os jogos violentos e promovendo propaganda online mais responsável.

Dentre os membros da agência estão empresas como o Facebook, a Google e a Microsoft. A organização reporta-se diretamente ao premiê britânico Gordon Brown.

Existe uma pressão sobre o governo e seus ministros para que mais seja feito no combate a jogos e sites que promovem suicido. Em março deste ano, um estudo resultou numa série de medidas para a proteção de crianças na Web, incluindo a idéia da formação de um conselho de segurança.

Andy Burnham, secretário britânico de Cultura disse que o objetivo do conselho é ajudar a garantir que o que é recriminado fora da Web também não seja aceito nela.

[via Reuters]

emSegurança

Photokina 2008 – Veja o que aconteceu

Por em 30 de setembro de 2008

olympus e-system

 

Semana passada aconteceu em Colonia, na Alemanha, a Photokina 2008. O evento, que acontece a cada dois anos, é a maior feira de equipamentos e serviços do mercado fotográfico que acontece no mundo (claro que os americanos discordam disso). Todas as grandes empresas do ramo guardam seus principais produtos para serem apresentados na feira por conta da grande repercussão que o evento alcança. Como era muita coisa para ficar escrevendo posts específicos, resolvi fazer um resumão dos principais lançamentos, fora os que já apareceram por aqui como a Canon EOS 5D Mark II, a Sony Alpha 900 e a Nikon D90.

Veja o que foi destaque na feira e que logo estará a disposição do consumidor:

Fujifilm Super CCD EXR – A Fuji demonstrou seu novo SuperCCD com um arranjo diferenciado dos pixels. A novidade desse novo sensor é o agrupamento de pixels similares que captam a mesma cor dentro do sistema RGB. Nos sensores comuns, conhecidos como Matrix Bayer, cada pixel capta uma das cores e interpola essa cor no pixel ao lado. Como o número de pixels nos sensores está aumentando e sua área está diminuindo temos o problema do ruído excessivo nas fotos. O que a Fuji fez foi agrupar pixels que captam a mesma cor para que funcionem como um pixel gigante. Idéia simples que ninguém teve ainda.

Panasonic Linha G – Depois de anunciar a Panasonic G1, primeira câmera de uma linha completa a usar o sistema micro quatro terços, a Panasonic colocou em uma vitrine na Photokina um protótipo da próxima evolução da G1 que vai ter como principal característica a capacidade de filmar em alta definição.

Pentax K2000 – A Pentax mostrou sua câmera DSLR de entrada para concorrer no segmento das câmeras mais baratas. O equipamento tem 10 megapixels de resolução máxima e usa o mesmo sensor da K10D e K200D. O equipamento se torna mais barato por ter um sistema de autofoco mais simples e o corpo em plástico mais leve. As lentes também são desenhadas para serem leves e mais simples. O interessante é o nome do modelo que é uma alusão ao antigo modelo K1000 que foi uma das câmeras mais vendidas da marca na era do filme. Difícil encontrar um fotógrafo que não teve uma ou quer ter.

Leica S2 – quando todo mundo está brigando para apresentar a melhor câmera com sensor do tamanho do fotograma de 35mm, a Leica chega e dá uma pancada em todo mundo. A Leica S2 possuí um sensor 52% maior que o full-frame de 35mm, totalizando 30x45mm. A resolução máxima chega a 37,5 megapixels e é o primeiro modelo de uma linha completa. Claro que a câmera vem brigar no segmento das médio formato com seus tamanhos e preços além do orçamento de um mero mortal.

Sigma SD15 – a Sigma está apostando todas suas cartas na sua tecnologia Foveon, tanto que o sensor utilizado na SD15 é o mesmo X3 de 14 megapixels que equipa a sua predecessora. A melhora foi aplicada no processador interno da câmera e na incorporação de um LCD de 3 polegadas. Justamente por trazer uma proposta diferente é que o equipamento chama tanto a atenção. Essa eu queria ter.

Sigma DP2 – Assim como a SD15 não houve mudança no sensor e sim no processamento da imagem. O diferencial da DP2 é que ela vem com uma lente 24,2mm f/2,8. Como na Sigma DP1 a lente é uma 28mm f/4,0, a empresa planeja manter as duas câmeras sendo vendidas ao mesmo tempo. Depende do fotógrafo escolher a lente e abertura de diafragma que melhor lhe atende.

Novos sensores KodaK – A Kodak também jogou na mesa uma nova linha de sensores para câmeras de médio formato. Entre as novidades estão o sensor que vai equipar a nova Leica S2 (37,5 MP), a Sinar HY6-65 (34,6 MP com 46x35mm) e a Hasselblad H3DII-50 (50 MP com 48x36mm).

Olympus E-System – Quando a Panasonic lançou a G1 muita gente torceu o nariz. A proposta era deixar o equipamento menor e a Panasonic lançou uma mini DSLR que é maior do que algumas compactas no mesmo formato. Claro que todo mundo estava esperando a Olympus anunciar o seu equipamento, pois a companhia já tem tradição em câmeras pequenas. E não é que eles conseguiram. Infelizmente eles não mostraram um equipamento finalizado, mas apenas o seu protótipo. Porém, já deu água na boca. A câmera usa o sistema micro quatro terços e tem um corpo muito parecido com das atuais compactas, mas com um desenho mais retrô que lembra muito a antiga Olympus Trip. A câmera mede 120x65x32mm e vai ser um sucesso de vendas. Bem, pelo menos eu vou ter uma, hehe.

Bem, esses são apenas alguns dos equipamentos maravilhosos que foram mostrados nessa feira. Mas, teve muito mais. Tivemos lentes, softwares e cartões de memória que fariam qualquer fã de fotografia pensar em vender a casa, o carro e a mãe (bem, talvez a mãe não) para poder por as mãos em um desses brinquedos. Mas, uma coisa está certa. A evolução dos equipamentos está se dando de forma mais acelerada, não apenas na quantidade de megapixels, mas nos recursos e funcionalidades. Daqui a dois anos, na próxima Photokina, pode ser que tudo isso esteja ultrapassado e novos equipamentos espetaculares apareçam, porém a única certeza é que a fotografia, o resultado final de toda essa evolução, vai continuar firme e forte.

emÁudio Vídeo Fotografia

Sony XPERIA virá para o Brasil?

Por em 30 de setembro de 2008

A SonyEricsson está fazendo um concurso baseado no “suspense de realidade alternativa” Johnny X, que é usado para promover o XPERIA X1.

Basta assistir um mini-episódio e dizer quantas foram as referências ao número 9, que é o número de painéis da interface celular.

O mais curioso é que o Brasil não aparece listado para o lançamento do X1, mas nas regras da promoção está lá, entre os países participantes. Isso me faz imaginar que o X1 venha logo para a terrinha.

Se o preço for próximo ao do iPhone, não vai ser mau negócio.

emCelular

Hugo Chavez traiu o movimento. Encomendou 1 milhão de Intel Classmates no lugar do OLPC

Por em 29 de setembro de 2008

Recentemente Portugal fechou um acordo com a Intel onde iria produzir localmente 500 mil unidades do Intel Classmate para uso nas escolas locais. Agora um novo acordo prevê que a unidade portuguesa irá manufaturar um adicionam de 1 milhão de unidades, para a Venezuela.

chavez

“Fidel, ou coloca sapato ou corta a unha do dedão!”

O Classmate é o OLPC feito por uma empresa que entende de computadores, o que resultou em um equipamento muito mais robusto, com cara de um Laptop para estudantes, ao contrário do OLPC, projetado por uma equipe de intelectuais que nunca chegou perto do mundo real. O OLPC lembra muito mais o fruto da união de um PenseBem com um Genius, do que um computador de verdade. Vejam o Classmate:

intel-classmate-pc

 

Quem já mexeu no Classmate (como eu) tem a impressão de que ele está a uma digievolução de se tornar um netbook como o Asus Eee ou o Positivo Mobo. Faltava um pulinho, mas não é esse o foco. Ele foi feito para atender mercado educacional, de ensino básico, com a vantagem de efetivamente entregarem as unidades vendidas, ao contrário do fiasco do OLPC.

As unidades para a Venezuela virão instaladas com Linux, segundo o projeto de computação bolivariano de Hugo Chavez (não perguntem).

Ironicamente o modelo encomendado já está obsoleto, a Intel pesquisou a implantação da primeira geração em vários países e baseado na experiência anunciou o novo Classmate, com tela touchscreen e tablet. Desafio alguém a dizer que não quer um:



Fonte: Ars Technica

emHardware

Mídia física x downloads: qual você prefere?

Por em 29 de setembro de 2008

Nós já discutimos aqui no Meio Bit várias vezes sobre a possível (e talvez iminente) morte das mídias físicas. Nos últimos anos temos visto que a quantidade de downloads (legais ou ilegais) de filmes, jogos e músicas só tem aumentado e gostaria de deixar aqui uma questão interessante: você prefere comprar um DVD de um filme ou CD de música, ou a opção por download lhe agrada mais?

Posso me considerar um colecionador de jogos. Mesmo tendo uma pequena quantidade desse meio de entretenimento, costumo comprar vários games quase todos os meses. A estante da minha sala está decorada com várias caixinhas de jogos de diversos consoles e costumo dizer que nada se compara ao prazer de se ter um manual e a caixa de seu jogo preferido na mão.

Por outro lado, minha conta na Steam possui mais de 20 títulos e mesmo tendo aproveitado muito, pelo menos a metade deles, sempre que compro um jogo por lá, sinto que falta alguma coisa.

O que quero dizer é que me enquadro na maioria da população que gosta de pagar por algo que possa ser tocado, que sente prazer em receber uma embalagem pelo correio e que não vê a hora de abrir o lacre de um CD ou DVD.

O curioso neste exemplo é que na Steam, o preço de um lançamento invariavelmente é o mesmo do cobrado pela versão física do game e embora você não tenha que pagar frete e/ou esperar pela entrega, a distribuidora também tem um custo menor, já que não precisa produzir embalagem e nem pagar os atravessadores.

Isso então faz pensar em dois cenário: um, onde a compra por download seria mais barata e outro onde custaria o mesmo preço. Pensando em ambas as hipóteses, você ainda preferiria a compra física?  

Mesmo achando que a distribuição por download irá dominar as vendas em breve, sinceramente, gostaria que a venda física não terminasse, simplesmente porque se isso acontecer, não poderei mais folhear meus manuais, ver o fabuloso trabalho de arte presente em algumas embalagens, nem expor minha aquisições para os amigos.

Peço então que o sábio leitor defenda sua preferência e poderemos perceber se a distribuição digital sairá vencedora graças a sua facilidade de aquisição, ou se ainda preferimos ter em mãos aquilo que foi comprado.

emMiscelâneas

iPhone 3G: apenas 1 Euro

Por em 29 de setembro de 2008

Ser editor do Meio Bit tem suas vantagens. Quem acha que a nossa vida é apenas ler emails de salsas, criar tutoriais que demandam tempo e não trazem nenhum reconhecimento ou ter que aturar “flamewars” por qualquer motivo, está muito enganado. Mesmo não ganhando geladeirinhas, temos viagens pagas pela Europa!

Em um desses eventos familiares, lá em Amsterdã, o Leo flagrou o seguinte anúncio:

iphoneAmsterdam

Não entendeu o amsterdanês? A tradução é simples: “Você paga quanto pelo iPhone aí no Brasil? Ah tá… aqui, a gente paga €1,00 no plano i-300, que custa €44,95”. Não está escrito no anúncio, mas vasculhando o site da T-Mobile, você descobre que o plano garante internet ilimitada, além de 300 torpedos e, claro, 300 minutos. Compare com os preços nacionais…

Aliás, não compare não. É melhor para a gastrite não pensar nisso.

emCelular