Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Criando uma conta na Live

Por em 30 de janeiro de 2008

rafael_30.01.08 Ontem eu comprei meu Gears of War para PC e cheguei em casa todo feliz pensando que era só instalar, criar uma conta na Live dentro do próprio jogo e sair jogando noite afora, mas não foi tão simples assim.

Depois que eu terminei de instalar o jogo eu fui tentar criar minha conta Silver (Gratuita) no Live e apareceu uma mensagem que o jogo iria ser minimizado para abrir o I.E. Tudo bem, se não fosse a mensagem no I.E. dizendo que o serviço Live não estava disponível para minha região (Sendo curto e grosso: não existe o serviço Windows Live para o Brasil).

Eu realmente fiquei com raiva dessa história, afinal eu tinha desembolsado R$100 justamente para jogar na Live e ter atualizações sem nenhum problema. Ainda pensei em ir à loja trocar o jogo pelo GRAW 2, mas depois de respirar bem fundo e pesquisar um pouco eu cheguei à uma solução para o problema.

1º – Crie uma conta no hotmail ou MSN e coloque seu país como Estados Unidos e use um CEP (Zip code) real do estado americano que você escolher. Você pode pesquisar por CEPS americanos no google sem nenhum problema.

2º – Vá ao site www.gamesforwindows.com e clique no link Sign Up/My Profile (Ele está meio escondido na parte de baixo do site, perto do rodapé). Você vai entrar com o E-mail que acabou de criar e também colocar seu país como Estados Unidos.

3º – Por ultimo vá em www.xbox.com/en-US, clique em Get your Gamecard, crie uma GamerTag mais uma vez colocando seu país como Estados Unidos e os mesmos Estado e Zip code (CEP) que você usou para fazer o E-mail.

Pronto, depois de tudo isso eu finalmente consegui jogar online.

Só lembrando duas coisas:

1 – Eu liguei para o suporte da Microsoft antes de fazer tudo isso e comentei essa prática com eles. A resposta deles foi “Você pode até fazer, na verdade não tem problema. O único inconveniente é que se você precisar de suporte vai ter que recorrer ao suporte americano.”.

Bem, o suporte brasileiro não pode me ajudar mesmo …

2 – Esse é um procedimento necessário apenas para quem joga pela Live no PC. Donos de Xbox não precisam se preocupar.

emTutorial

5 motivos para NÃO comprar um Wii

Por em 30 de janeiro de 2008

Antes de mais nada, deixe-me dizer: para quem não sabe, EU tenho um Wii. Isso posto, vamos ao motivo do artigo: estou um tanto quanto arrependido e sentindo que fui precipitado em comprar o console da Nintendo. Nada contra o mesmo, estou certo de que ele é ótimo para o que se propõe – diversão a valer para toda a família. E ponto. Até o momento foi muito pouco além disso, nada que a meu ver tenha valido tanto assim o investimento. “Nossa Marc, quanto rancor nesse coraçãozinho”. Não, não é rancor, é pura constatação – não sou um jogador tão família/casual/whatever quanto pensei, e o motivo de escrever essas linhas é apenas deixar um aviso aos que estão pensando em comprar o console. Estejam certos do tipo de jogadores que vocês são, e saibam bem o que estão adquirindo, porque depois o arrependimento pode incomodar.

Motivo 1: você vai à um churrasco na casa dos tios no fim-de-semana, e sabe que vai ter que encarar novamente aquela chatíssima sessão de karaokê. Nesse caso o Wii seria uma opção bem mais divertida (não se esqueça das dicas do Romulo). Reúna a família, coloque Wii Sports pra rodar, mostre como se joga tênis com o Wiimote, e garanto que em poucos minutos mesmo aquela tia mais xarope vai querer bancar o Guga em Roland Garros. Se por outro lado você é do tipo mais individualista, ou no máximo curte um beat’em up em dupla, e gosta de se concentrar na história e jogabilidade, pense duas vezes antes de se deixar fisgar pelo slogan diversão pra família.

Motivo 2: salvo exceções, o Wii deixa sim a desejar em matéria de gráficos e capacidade de processamento, ao menos para ser considerado nextgen nesse quesito. Não quero entrar em aspectos técnicos aqui, mas grosso modo, pelo que eu pude perceber depois de jogar vários títulos, eu o equiparo ao Xbox ou PS2, que eu também possuo. E olhe lá. Por exemplo, estou jogando atualmente Shadow of the Colossus e Final Fantasy X, ambos do PS2, simplesmente soberbos. No Xbox Jade Empire e Fable são grandes exemplos de obras de arte em forma de game. Já do lado do Wii, poucos são os jogos que se mostram visualmente tão bonitos. Como disse, exceções existem: Resident Evil: The Umbrella ChroniclesZelda: Twilight Princess estão aí pra mostrar isso. Claro que com o tempo esse quadro vai pode mudar, pois o lançamento do Wii se deu há pouco mais de 1 ano. Mas nada de Bioshock e Mass Effect, esteja avisado. Se você dá muito valor ao aspecto visual, imagine que o Wii é, resumidamente, um GameCube com um controle exótico. Simples assim.

Motivo 3: sim, o Wiimote é uma grande sacada, é diferente, ajuda a se sentir ainda mais in-game, produz cirurgiões melhores, coisa e tal. Mas enjoa. Chega uma hora que deixa de ser novidade, e por si só não consegue manter o nível de interesse no jogo, ao menos não o meu. Tente jogar Boogie por mais de 20 minutos e você vai entender o que quero dizer. Felizmente existem jogos que conseguem aproveitar bem o potencial do controle, como Resident Evil 4 e Call of Duty 3. Na verdade, depois do Wiimote, não me vejo jogando shooters com joypads convencionais. Mas para outros estilos penso que ele não faz tanta diferença assim – em alguns casos até dificulta, como em Mortal Kombat: Armageddon, estilo que, em minha humilde opinião, nasceu pra ser jogado com controles de arcade, ou no máximo direcionais analógicos. Somente como comparação: você pagará cerca de R$400,00 por uma dupla Nunchuk+Remote, ao passo que pagaria pouco mais de R$200,00 pelo controle wireless de Xbox360. Resumindo: às vezes o hype sai bem caro.

Motivo 4: sou de uma geração que jogava Super Mario e Adventure Island, então não me incomodo (muito) com bonequinhos coloridos e seus olhinhos chorosos. Mas se você gosta de games mais sérios, o Wii até o momento não é uma praia muito boa. Aliás, se você for esse tipo de jogador eu gostaria muito de ver a sua cara jogando Elebits. Quer dizer, você até encontra Manhunt 2 (embora um pouco da violência seja tesourada, como já disse em outro post) e similiares, mas a maioria dos jogos até o momento é mesmo voltada pra criançada. Agradeço todos os dias à grande mãe Nintendo pela ótima idéia de incluir o Snake em Super Smash Bros. Brawl.

Motivo 5: o dono de um Nintendo Wii tem de ser, antes de tudo, uma criatura paciente. O citado Super Smash Bros. Brawl já foi adiado algumas vezes. A própria Firaxis, produtora de Civilization Revolutionparou indefinidamente o desenvolvimento da versão para Wii, embora a mesma esteja confirmada para Xbox360, PS3 e até Nintendo DS. Dê uma olhada na gamelist do Wii confirmada para o primeiro semestre desse ano para ter certeza de que a quantidade de jogos supre suas necessidades, e torça para que não rolem surpresas desagradáveis.

É isso. Embora muito do que eu disse aqui talvez contradiga coisas que eu tenha escrito em outros posts, não passam de, como eu disse, constatações. Fiquei muito tempo jogando apenas MMORPGs no meu PC, e agora que os deixei de lado para retomar o hábito de jogar apenas videogame vejo que meus gostos não mudaram muito. Sou hardcore até a medula, e penso que talvez o Wii não se adeque tanto ao tipo de jogador que sou. Espero sinceramente que daqui a alguns meses eu morda a língua e reveja minha opinião, mas até o presente estou com opções mais baratas e divertidas.

emMiscelâneas Nintendo

Aquecimento GDC 2008 – Alguns destaques

Por em 30 de janeiro de 2008

romulo_29.01.08 A GDC (Game Developers Conference) é a maior feira de desenvolvedores de jogos do mundo. Em sua última edição foram mais de 16.000 pessoas visitando a conferência. Os grandes nomes do mundo dos jogos estão nela e durante as próximas semanas vou (espero ajuda dos meus companheiros :) ) fazer uma série de artigos mostrando porque este evento é tão importante para vocês que vão na loja e compram seus jogos favoritos.

Nesse evento são mostradas as tendências do mercado e tecnológicas, as novidades vindas tanto das grandes empresas como das novas "de fundo de garagem" que estão aparecendo. Palestras, conferências, festivais de jogos e eventos. Enfim, tudo para melhorar o produto que você joga sentado no seu sofá.

Gostaria de citar dois jogos que vi e achei muito interessante. Todos eles estão concorrendo no festival de games independentes (já citado pelo Dori Prata aqui no MeioBit games).

O primeiro jogo que me chamou a atenção foi este aqui: The Misadventuresof P. B. Winterbotton. O que impressiona nele? Veja o vídeo e descubra que você jogando tem que colaborar com você mesmo! Ele segue a mesma idéia do jogo em flash cursor 10. O vídeo me deixou bem empolgado!

O segundo jogo é de grátis, já foi comentado pelo Dori Prata no Meio Bit, antes dos games ganharem um espaço próprio. O jogo Crayon Physics fez um sucesso estrondoso que o criador resolveu fazer mais algumas fases, lançando o Crayon Physics Deluxe. Entre no site e baixe o jogo.

emIndústria

Ainda bem que o Yahoo tem uma seção de empregos

Por em 30 de janeiro de 2008

Ao menos para os 1000 que serão demitidos, conforme anunciou Jerry Yang, diretor-executivo da empresa, prevendo cortes de até 7% dos quadros, além de um 2008 difícil.

Definitivamente o Yahoo perdeu o bonde.  Eles já foram mais sinônimo de Internet do que o Google é hoje, inclusive com a imagem de empresa simpática.  Quando ninguém se interessava por um Hotmail, o Yahoo mail era a moda. Listas de discussão, que antes eram espalhadas por um monte de servidores, se concentraram no Yahoo Groups, que ainda hoje é sinônimo desse tipo de serviço.

Infelizmente eles sofreram uma “Netscapefização”, deitaram sobre os louros (se ao menos fossem as louras) e esqueceram que a Internet evolúi.

A Microsoft, que nunca existiu como competição ao Yahoo, apareceu com mais e mais recursos. O Google saiu atropelando tudo e todos, os sites Web 2.0  mostraram que com boas idéias não é preciso um mega-portal por trás  para fazer sucesso. Aliás, uma prova disso foi a humilhante compra do Flickr pelo Yahoo, que admitiu derrota  e tirou do ar o Yahoo Photos em prol da start-up adquirida.

O Yahoo vai para o buraco? Dificilmente, ele é grande demais, mas uma empresa de Internet demitindo em massa é no mínimo preocupante.

Fonte: G1, com dica do leitor Eliezer

emIndústria Internet

Pensamento: Nokia + Trolltech. O que podemos esperar?

Por em 30 de janeiro de 2008

Logo após o lançamento do KDE4, foi anunciada na segunda-feira, dia 28, a compra da Trolltech pela finlandesa Nokia,  pela bagatela de 150 milhões de dólares. Fiquem tranqüilos, usuários KDE. Segundo a carta aberta divulgada pela Trolltech e endereçada a usuários e comunidade OpenSource, ela continuará respeitando sua ligação conosco e que o Qt e Qtopia continuarão sendo desenvolvidos ativamente. Aparentemente, nada mudará para os usuários. E para a Nokia?

Se olharmos um pouco ao redor, veremos que a guerra entre smartphones e celulares está acirrada. Temos a Motorola, Samsung, SonyEricsson e LG lançando aparelhos menores e com mais funcionalidades, como sempre… a Apple lançou o iPhone, que dispensa comentários. E honestamente, as grandes novidades da Nokia não são mais exclusividade como já foram em antigamente (meu finado 6120 que o diga). As coisas são mesmo o que aparentam ser e com essa aquisição  a Nokia estará ampliando a abrangência do framework também para os seus dispositivos que virão daqui pra frente?

Afinal de contas, o Qt é consagrado e eficaz e seu duplo licenciamento oferece custo zero ao desenvolvedor que cria aplicações sem finalidades comerciais, assim como garante facilidade e flexibilidade ao programador que deseja vender um produto feito no Framework. Escrito em C++, seu desempenho é excelente nas três plataformas atualmente suportadas – Windows, Linux (com ambiente gráfico) e Mac OS X. Já o Qtopia, também da Trolltech, foi criado para facilitar o desenvolvimento de dispositivos embarcados usando o kernel Linux. Futuramente o Qt poderia mesmo se tornar uma alternativa ao Java e ao C# nos dispositivos móveis?

Eu já comprei a pipoca…

emHardware Indústria

A Microsoft em números: orgulho demais?

Por em 30 de janeiro de 2008

Os números do último trimestre (2Q 2007) foram publicados esta semana de modo bastante orgulhoso. O aumento das vendas em comparação ao mesmo período do ano passado e a saúde financeira em geral devem ter deixado muitos investidores e funcionários contentes.

Apesar de dizer que as vendas fecharam 30% acima, de fato, elas subiram somente 15%. A diferença se refere a receita diferida  do trimestre anterior. O volume de vendas registrado deve-se principalmente ao Ruim-das-Vista Windows Vista: 100 milhões de licenças da nova versão das Janelas se espalharam pelo mundo – lembrando que a Apple anunciou que 2 milhões de cópias do Leopard foram vendidas na primeira semana de lançamento. Também há de se considerar o Xbox 360: 17,7 milhões de unidades, mais de 70% em relação ao ano anterior, também garantiram tal crescimento. A única incógnita ficou com o Zune, devido ao lançamento baseado em flash de seus competidores diretos: o iPod shuffle/nano.

Para comparação, como fizemos Marcellus e eu em posts anterior de empresas de tecnologia, segue uma tabela:

(em dólares) Q2 2007 vs. Q2 2006
Receita $ 16,367 bi $ 12,542 bi
Resultado Operacional $ 6,820 bi $ 3,805 bi
Resultado Líquido $ 4,707 bi $ 2,626 bi
EPS $ 0,50 $ 0,27

Infelizmente o relatório anual não está disponível para download até o momento, somente a divulgação dos balanços. Vamos ver quando a Microsoft vai livrar-se da nova tela azul.

emIndústria

Sony anuncia sensor Full Frame

Por em 30 de janeiro de 2008

Pára tudo, pára tudo!!! Hoje a Sony lançou uma bomba no mercado fotográfico. Isso, um dia antes do inicio da PMA 2008. A empresa acaba de liberar as especificações de um sensor CMOS de tamanho equivalente ao fotograma de 35 mm (película). O novo sensor tem uma resolução máxima de 24,8 megapixels em uma área de 24x36mm. A empresa garante que o novo sensor vai gerar imagens com um menor tempo de atraso , agilizando a captura de imagens em seqüência, e vai ter uma quantidade de ruído muito pequena, por conta de nova tecnologia empregada e do tamanho maior de cada pixel.

Todos esperavam que a companhia viesse a anunciar uma câmera profissional para sua linha de DSLRs (possivelmente batizada de Alpha 900) e que poderia ser equipada com um sensor Full Frame, mas eram apenas especulações. Esse novo sensor conseguiu ser desenvolvido sem nenhuma informação ter vazado para a imprensa especializada, o que é muito raro nos dias de hoje. Com esse novo item a Sony entra no grupo de empresas que produzem câmeras profissionais com sensores de tamanho 35mm. Antes apenas a Canon e Nikon tinham essa categoria em sua linha de equipamentos.

Existem várias vantagens em ter um sensor com esse tamanho. A primeira é a qualidade das imagens por conta da existência de um pixel maior. Em segundo as lentes passam a funcionar com a distância focal para que foram planejadas, não havendo mais o fator de corte (crop). Também é possível ter um melhor controle da profundidade de campo. Porém, nem tudo são flores, pois a densidade de pixels, em minha opinião, está um pouco alta. Poderia muito bem ter apenas 15 megapixels. Outro problema é que o sensor passa a aproveitar a borda das lentes (desprezada pelo sistema APS), o que vai gerar perda de nitidez em lentes mais baratas.

Mas, vamos aguardar o lançamento comercial desse sensor. Alguns dizem que antes das Olimpíadas a nova A900 vai estar no mercado e, provavelmente, vai vir equipada com esse sensor.

fonte: Dpreview.

 

emFotografia