Digital Drops Blog de Brinquedo

Sentindo na pele

Por em 2 de julho de 2007

Quem acompanha o Meio Bit já deve ter reparado que sou um apaixonado por videogames. Pra falar a verdade esta paixão já vem de longe. Me lembro de passar tardes inteiras com meu pai sentados em frente a televisão jogando partidas emocionantes de River Raid para ver quem fazia mais pontos.

Cresci trazendo comigo esta paixão e assim como muitos, vez ou outra acabo ouvindo uma piadinha do tipo: Você não acha que está muito velho para jogar videogame?

Acho engraçado o fato de as pessoas continuarem considerando os gamemaníacos como nerds, desocupados ou irresponsáveis. O preconceito para aqueles que admiram jogos eletrônicos é algo que parece estar inserido no subconsiente de alguns, que invariavelmente não possuem nenhum conhecimento de tecnologia. As mesmas pessoas que insistem em afirmar que fulano cometeu um ato violento graças aos “Dooms” da vida.

Não consigo entender por exemplo por que o ato de jogar videogames incomoda tanto algumas pessoas. A grosso modo, o sujeito senta em frente a sua televisão, liga seu console, joga seu game e não incomoda ninguém. Mas mesmo assim, passa o “intelectual” por perto e comenta: Você não acha que está muito velho para jogar videogame? Ou coisa do gênero.

Isso sem falar que ou os jogos eletrônicos são coisa de criança ou coisa de maníacos. Quem nasceu antes de 1990 e cresceu jogando videogames naturalmente hoje está procurando jogos “mais adultos” e isso não quer dizer que o sujeito seja um serial killer em potencial. Da mesma forma que hoje me interesso mais por quadrinhos do estilo de Preacher ao invés da Turma da Mônica, é natural que eu prefira a série Silent Hill a um jogo do Bob Esponja.

Outro fato interessante é o preconceito em relação as “garotas” que gostam de games. Basta vermos as revistas especializadas, feiras e até os próprios jogos. Raramente vemos um espaço dedicado às mulheres e quando me coloco no lugar delas fico ainda mais incomodado, pois o preconceito é duplo. Basta lembrarmos que raras vezes as heroínas dos jogos não são usadas apenas como símbolos sexuais.

Tá certo que a situação já melhorou muito, mas ainda fico imaginando o dia em que os videogames terão o mesmo tratamento que o cinema tem. O dia em que jogar videogame será considerado por todos como lazer da mesma forma que assistir a um filme é.

Eu acredito que o preconceito, seja lá da forma que for, é fruto da ignorância das pessoas e na maioria das vezes estas pessoas não são ignorantes por que querem e sim por situações que ocorreram em suas vidas, mas daí aceitar esse tipo de atitude já é outra história.

É uma pena, mas acho que enquanto o acesso à tecnologia continuar sendo limitado a apenas uma pequena parte da população brasileira, infelizmente nós gamers, continuaremos sendo considerados nerds, desocupados ou irresponsáveis.

emGames

Repositórios do Google

Por em 2 de julho de 2007

O Google criou 3 repositórios para facilitar a instalação de seus aplicativos desenvolvidos para o Linux.

Os repositórios são para:

  • Ubuntu 7.04
  • Debian 4.0
  • Suse 10.2

Na página dedicada aos repositórios, existem instruções visuais e por linha de comando para configurar estes repositórios.

Além dos repositórios acima, existem scripts para configuração do YUM, urpmi e RPM.

A iniciativa é bem interessante, pois torna muito mais fácil a instalação e atualização das ferramentas que o Google já desenvolveu, além das novidades que prometeu, recentemente.

Outra coisa interessante a ser observada é a preocupação com o usuário iniciante, disponibilizando tutoriais visuais, ao invés de exibir apenas tutoriais pela linha de comando.

Excelente movimento do Google.

Via: Br-Linux

emLinux

Notebook de bambu

Por em 2 de julho de 2007

Na nova onda de produtos ecologicamente corretos a Asus escolheu por lançar um notebook com parte dele feito em bambu. Apesar de ainda ser um conceito e não ter configuração e preço definido, pode-se dizer que serão produtos mais exclusivo (mais caros também). Para ainda mais exclusividade, haverá a possibilidade de se fazer desenho e entalhos a laser na tampa de madeira do notebook.

Fonte: Blog Info

emComputação móvel

UOL com links patrocinados e busca do Google

Por em 2 de julho de 2007

UOL fechou na semana passada uma parceria com o Google para utilizar alguns dos serviços do Google. A partir de ontem (01/07) os links patrocinados e o mecanismo de busca na internet, imagens e vídeos passam a estar vinculado ao gigante Google, que terá a receita gerada com os cliques dividida com o UOL. Até então este serviço era feito com o Yahoo Brasil, que não teve o contrato renovado com o UOL.

Fonte: Baguete

emInternet

iPhone direto do Apple Cube, na Quinta Avenida

Por em 1 de julho de 2007

Depois de um happy hour com amigos, resolvemos dar uma passada na Apple Store 5th Ave. A própria loja é um ponto turístico e não fecha nunca, aberta todos os dias do ano, 24 horas por dia, incluindo feriados e datas comemorativas.

Aproveitando a oportunidade, fui conferir de perto o iPhone. Fiz um vídeo, usando a câmera digital do post logo abaixo, mas está demorando uma eternidade para gravar no YouTube, via conexão wireless do hotel. Oh, sim. Ao invés de estar passeando no domingo ensolarado em Manhattan, estou aqui escrevendo um post para os leitores do MeioBit. Geeks…

Continue lendo o post para as imagens e vídeo.

Esse é o primeiro vídeo que eu faço, então, perdoem o amadorismo.


Para provar que sou eu mesmo, foto minha em frente à loja.

Fotos do ambiente. Um detalhe, já passava da meia noite e as compras não cessavam. A loja nunca fecha e ficamos até umas 2 da manhã por lá e nunca ficou mais vazio do que o que vocês estão vendo.

Essas são as melhores imagens. Passei novamente na Apple, ontem para comprar um iPod Video e havia, sem exagero, 5 vezes mais gente. É preciso andar pedindo licença. E muita gente saindo com iPhones na mão. A Apple, pelo visto, emplacou mais uma. E o mercado financeiro correspondeu com aumento das ações da AT&T, que possui exclusividade de serviços nos EUA e da Apple.

emApple e Mac Artigo Celular Destaque

Comprando uma câmera digital

Por em 1 de julho de 2007

Ao contrário do NoMínimo, o MeioBit vai tão bem financeiramente, que pagou uma viagem para NYC (New York City) para que eu pudesse fazer a cobertura do lançamento do iPhone. Fotos em breve.

Mas… eu não trouxe uma câmera e isso seria um problema, se não houvesse uma Best Buy no meu caminho.

Meus objetivos com a câmera eram: portabilidade, facilidade de uso e uma resolução boa. Conversando com o Leo, ele disse: Canon Powershot, o modelo fica a seu cargo.

Então, munido de 250 doletas, fui atrás de uma e acabei ficando com a Canon SD 1000, cartão SD de 2GB e uma capinha. Eletrônicos aqui são indecentemente mais baratos que no Brasil. Ou seriam os impostos brasileiros que são obscenos?

Até agora, a câmera não decepcionou: é pequena, menor que um maço de cigarros, leve, veio com 3 softwares para manipulação e organização de imagens, tem porta USB, tela de 2.5″ brilhante o suficiente para ser vista durante o dia, se não houver sol diretamente sobre ela. Os comandos são simples e de acordo com a CNet, essa linha da Canon está entre as melhores, dentro da faixa de preço.

Para saber mais sobre esse novo modelo, visite a página do produto.

emÁudio Vídeo Fotografia

Criando seus próprios pôsteres

Por em 1 de julho de 2007

9294.jpg

Há muitos anos, pedi a um amigo que digitalizasse a foto de uma namorada e imprimisse um pôster, no maior tamanho possível. Com a tecnologia da época, ele foi capaz de fazer ( com muitas folhas A4 e dois dias de micro rodando ), uma bela impressão de 1,80m x 1,60m. Não preciso dizer que, duas semanas depois, tive que arrancar a papelada da parede e queimar…

Enfim… hoje a tecnologia evoluiu e, se você quiser fazer uma loucura algo similar, basta apontar o navegador para o site Rasterbator ( o nome é esse mesmo, sem gracinhas ). Nele você pode fazer o “upload” de uma imagem de até 1MB, escolher o tamanho final ( fiz uma de 9 x 9 folhas, mas meu toner acabou no meio… ) e receber um arquivo pdf, prontinho para imprimir.

Também está disponível a versão “stand alone” do programa, sem limite de resolução e com apenas 866kB. Os pôsteres ficam muito melhores, mas o consumo de memória e tempo sobe exponencialmente. Vale o download.

PS: A imagem acima pertence ao site http://www.echelleinconnue.net/.

PS2: Não é que o Leo já tinha escrito sobre o site?

emÁudio Vídeo Fotografia Internet Miscelâneas