Digital Drops Blog de Brinquedo

Nokia 5500 Sport

Por em 20 de maio de 2006

5500.jpg

E por falar em Celulares Nokia.
A Nokia lança também um celular voltado para esportistas
O novo modelo é direcionado a praticantes de esportes e tenta melhorar sua oferta de aparelhos de preço médio. O novo celular 5500 começará a ser vendido no terceiro trimestre por cerca de 300 euros (US$ 380), sem incluir taxas e subsídios. O aparelho inclui uma ferramenta que pode ser usada para monitorar a distância percorrida em caminhadas e calorias consumidas durante exercícios.

emCelular

Já somos 90 milhões de assinantes de celular

Por em 18 de maio de 2006

As prestadoras do Serviço Móvel Pessoal (SMP) fecharam o mês de abril com 1.175.468 novas habilitações de celulares, acumulando um total de 90.584.187 acessos em serviço no País, contra os 89.408.187 acumulados até março. Os pré-pagos somam 72.934.857 acessos (ou 80,52% do total) e os pós-pagos, 17.649.330 (19,48%). Dos quatro meses deste ano, somente fevereiro teve adesão ao serviço inferior à registrada em abril.

Esse número deve aumentar com dia das mães significavelmente. :-)
Já que as operadoras fazer muitas promoções e não só as mães usufruem delas.

Embora o acumulado em 12 meses, de maio de 2005 a abril de 2006, comprove um ainda significativo crescimento de 27,96% (ou 19.793.882 novos acessos) na base de assinantes da telefonia móvel, as vendas nominais do quarto mês de 2006 são 45,46% inferiores ao mesmo mês do ano passado, quando se registrou adesão de mais de 2,1 milhão de novos assinantes.De janeiro a abril deste ano, 4.373.651 novos assinantes aderiram à telefonia móvel, número 18,53% inferior aos 5.184.728 de adesões do mesmo quadrimestre do ano passado. Mesmo em queda, o resultado de abril manteve a tendência de crescimento da teledensidade do serviço móvel no País – o índice avançou de 48,14 em março para 48,72 em abril, contra 46,58 em dezembro de 2005.

O indicador (teledensidade), que é utilizado internacionalmente para mostrar o número de telefones em serviço para cada grupo de 100 habitantes, cresceu 4,59% este ano no Brasil e 26,22% em 12 meses. A mais elevada teledensidade no País é do Distrito Federal, com índice de 118,5 – ou 1,18 telefone celular para cada habitante. E, a menor, é a do Maranhão (índice de 19,48 – ou 0,19 telefone celular para cada habitante).

A consolidação dos números mensais da telefonia móvel celular e teledensidade pela Superintendência de Serviços Privados (SPV) está disponível no endereço eletrônico da Anatel na Internet, nos atalhos ”Comunicação Móvel/Móvel Pessoal/Dados do SMC-SMP” e arquivos (em verde, na área central da página).

Estados e regiões

O Rio Grande do Sul permanece com a segunda melhor teledensidade entre as unidades da federação (índice de 64,67), seguido do Rio de Janeiro (64,15) e Mato Grosso do Sul (63,76). Goiás, com densidade de 57,92, continua em acelerado ritmo de expansão no indicador e acaba de superar Santa Catarina (57,26), que está à frente do Mato Grosso (55,81), São Paulo (54,51), Paraná (52,01) e Minas Gerais (48,78).

O Piauí detém a dianteira entre as unidades da federação quando o assunto é crescimento da teledensidade. O Estado registra avanço de 9,67% este ano e 49,12% em 12 meses – apesar de permanecer com a segunda mais baixa densidade nacional (índice de 23,71). O segundo maior crescimento no indicador em 2006 é do Rio Grande do Norte – 9,11%, seguido da Paraíba, (8,9%), Bahia (8,62%), Pernambuco (7,99%), Alagoas (7,93%), Ceará (7,66%) e Tocantins (7,48%).

A manutenção do bom desempenho dos estados do Nordeste mantém a recuperação da densidade na Região, que era de 21,32 em 2004, chegou a 30,52 dezembro de 2005 e agora está 33,02, índice que é ainda o menor entre todas as regiões brasileiras. O crescimento da densidade no Nordeste em 12 meses foi, no entanto, de 41,72%, um recorde entre as cinco regiões.

O Norte detém a segunda menor densidade (índice de 36,1) regional. A Região Sudeste, a mais rica do País, mantém a terceira posição no indicador (índice de 54,58), enquanto a Região Sul tem a segunda melhor densidade (índice de 58,24), atrás apenas do Centro-Oeste, líder no indicador com índice de 69,35.

Operadoras e tecnologias

A prestadora Vivo permanece na liderança entre as prestadoras brasileiras de telefonia móvel, :-(((, com 33,35% do mercado – uma pequena redução em relação aos 33,71% de março. Em abril do ano passado, mês em que a Anatel passou a disponibilizar a participação das prestadoras no mercado, a Vivo detinha 38,82% do mercado.

A TIM mantém a segunda colocação do mercado, com 23,58% (23,53% em março), seguida da Claro, com 22,02% (21,75% em março). A Oi (Telemar) tem 12,65% (12,55% em março); a Telemig/Amazônia Celular, 5,09% (5,18% em março); a BrasilTelecom GSM tem 2,78% (2,75% em março). A CTBC Telecom Celular tem 0,44%, enquanto a Sercomtel Celular continua com 0,09% do mercado.

A tecnologia GSM permanece em expansão e na liderança do mercado, com 50.098.252 acessos (eram 46.009.905 em janeiro), ou 55,31% do total. A tecnologia CDMA tem 24.450.591 acessos (26,99%) e a TDMA, 15.916.485 (17,57%). A Tecnologia analógica AMPS possui apenas 118.859 acessos (0,13% do total).

emCelular

Lei deve ser adaptada à TV digital

Por em 18 de maio de 2006

A legislação brasileira de telecomunicações precisa ser aperfeiçoada para acompanhar os avanços da tecnologia.

Foi o destaque do seminário ”TV Digital: Futuro e Cidadania – obstáculos e desafios para uma nova comunicação”, promovido pela Comissão de Ciência e Tecnologia e de Comunicação e Informática, em parceria com o Conselho de Altos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados.

A atual legislação falhou na definição de diretrizes e mecanismos para atender às demandas geradas pelas novas tecnologias. As condições de competição e de oportunidades para novos produtores independentes de TV e a obrigatoriedade de compartilhamento de infra-estrutura para a produção precisam ser previstos nas leis.

Novidade. :sAlém disso, a lei também deve garantir a compatibilidade entre os diferentes sistemas de TV, para que os benefícios da TV Digital não fiquem restritos a uma pequena parcela da população. Veremos….

A radiodifusão universal e aberta deve permanecer obrigatória para não permitir que novos serviços de radiodifusão sejam cobrados. O governo federal deveria, segundo Pinheiro, debater as possibilidades de ruptura da nova tecnologia com os oligopólios nas comunicações.

Novo marco

O superintendente de Serviços de Comunicação de Massa da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Ara Apkar Minassian, lembrou que, pelo fato de a legislação ter sido definida na década de 60, a implantação da TV Digital exige um novo marco legal para garantir os direitos dos consumidores.

Pela Lei Geral de Telecomunicações (5070/66), cabe à Anatel cuidar dos planos básicos de TV e rádio e levar em conta os aspectos tecnológicos e as inovações do setor. O superintendente informou que a Anatel já regulamentou as faixas que serão usadas pela TV Digital. No primeiro momento, ao lado de cada canal analógico haverá um Digital, mas a agência ainda estuda as possíveis interferências que os canais podem causar entre si.

O consultor nas áreas de telecomunicação e radiodifusão Renato Guerreiro também afirmou que a legislação de radiodifusão no Brasil está ultrapassada: ”A lei precisa ser reformulada para incluir as transformações tecnológicas que já ocorreram nas quatro últimas décadas”. Segundo Guerreiro, é fundamental que haja uma regulamentação para o País suportar a transição para a TV Digital antes de haver uma lei geral que trate da convergência tecnológica.

Padrão brasileiro

Diferentes visões sobre o padrão de TV Digital a ser adotado no Brasil – o japonês, o europeu ou o norte-americano – marcaram os debates desta terça-feira durante o seminário.

O coordenador do Laboratório TeleMídia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), Luiz Fernando Gomes Soares, foi aplaudido ao afirmar que ”a melhor solução para o Brasil é o padrão brasileiro”. ”O sistema brasileiro não vai reinventar a roda, mas vai aproveitar o que já existe nos outros padrões para codificação de áudio e de vídeo”, completou.

Ele observou que o padrão brasileiro ”leva em conta os outros modelos, sem negligenciar as condições topográficas e sociais ”. E citou algumas aplicações criadas pelos consórcios de pesquisadores brasileiros como inovações para qualquer um dos padrões já existentes.

Além disso, o professor afirmou que uma série de inovações tecnológicas dentro do terminal de acesso foram realizadas levando em conta as peculiaridades políticas e sociais do País.

Menor risco

O diretor de TV Digital do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) e representante do projeto Sistema Brasileiro de Televisão Digital (SBTVD), Ricardo Benetton, enfatizou que o CPqD ”não defende nenhum sistema”. De acordo com a análise realizada pela entidade, acrescentou, ”a alternativa de menor risco na implementação da TV Digital no Brasil é a incorporação das soluções encontradas pelos consórcios a algum dos padrões já existentes”.

O CPqD recomendou ao governo que o SBTVD priorize a flexibilidade na negociação para permitir a transferência de tecnologia, a existência de mais de um fornecedor e a universalidade do padrão, para tornar compatíveis os produtos exportados.

Fonte:
[Agencia Câmara]

emÁudio Vídeo Fotografia

Spoleto com hotspots wi-fi

Por em 12 de maio de 2006

20 unidades do Spoleto nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília passam a disponibilizar de tecnologia Wi-Fi (acesso à Internet sem fio de alta velocidade).
Aqui no Brascan Century Plaza Open Mall (Itaim Bibi – São Paulo) já funciona faz tempo. :D

A Vex , rede brasileira de infra-estrutura Wi-Fi, firma mais uma parceria. Dessa vez com a rede de fast-food Spoleto, especializada em culinária italiana.

Para o acesso basta que o usuário tenha assinatura de um provedor de Internet ou operadora de telecom conveniada à rede utilizada. O acesso também pode ser feito no modelo pré-pago, por meio da compra de cartões. Evidentemente que seu equipamento – notebooks, PDAs, etc – deve estar preparado para acesso a redes Wi-Fi.

emWireless e Redes

Google Co-op e Google Notebook

Por em 12 de maio de 2006

coop.gif

Ainda mais Google. Que não para.

O Google Co-op Beta é uma comunidade na qual usuários podem contribuir com seu conhecimento para melhorar a busca do Google para todos. Empresas e indivíduos podem marcar websites relevantes para suas áreas de conhecimento, ou criar links especializados dos quais os usuários podem participar.

Quando um usuário assina o conteúdo de um desses provedores, todas os rótulos de websites e links assinados do provedor são adicionados aos resultados de busca do usuário por pesquisas relevantes. Essas contribuições servem como metainformação que auxilia os algoritmos de busca do Google a conectar os usuários à informação mais relevante para uma pesquisa específica.

O Google Notebook (ainda não disponível – somente daqui duas semanas) é uma forma simples para os usuários salvarem e organizarem seus pensamentos enquanto fazem pesquisa online. Essa ferramenta para o browser permite a clipagem de texto, imagens e links das páginas visitadas, salvando essas informações para um ”caderno” online acessível de qualquer computador, e que pode ser compartilhado com outros. O que faziamos com o Rascunho do Gmail. ;-)
E ainda. Os usuários podem tornar público o Google Notebook, compartilhando as anotações. ;-)

emInternet

Eduwise – laptop de 400 dólares da Intel

Por em 11 de maio de 2006

Pelo menos nos EUA. Já que o tão esperado laptop de 100 dólares não vem. A gigante fabricante americana Intel resolveu lançar esse projeto de laptop de 400 dólares.

Batizado de Eduwise, o laptop permitirá acesso sem fio à internet, e poderá rodar sistemas operacionais livres, como Linux, ou da Microsoft e deverá usar chips de memória flash em lugar de discos rígidos (HDs).

A máquina terá um software especial desenvolvido para uso em sala de aula, que permitirá que os alunos vejam apresentações, façam provas e que seus professores monitorem como os alunos estão usando a internet. A expectativa da empresa é que o novo portátil seja lançado no começo de 2007.

O Eduwise faz parte de uma iniciativa da Intel chamada ‘World Ahead‘, cujo objetivo é promover a inclusão digital em países em desenvolvimento. A empresa prevê que o projeto receberá investimentos de 1 bilhão de dólares nos próximos cinco anos. O laptop foi desenvolvido pela Intel, mas será produzido por vários outros fabricantes de computadores já parceiros da empresa de processadores.

Essa iniciativa da Intel concorre diretamente com outros projetos de inclusão digital, como o laptop de 100 dólares desenvolvido pela organização OLPC (One Laptop Per Child), já comentada aqui, chefiada pelo pesquisador Nicholas Negroponte do MIT (Massachusetts Institute of Technology) e que tem sido acompanhado com interesse pelo governo brasileiro.

Será que agora vai?

emIndústria

Tecnologia de Salvação

Por em 9 de maio de 2006

Tecnologia como força de progresso e salvadora de vidas!

Afinal, não é para isso que a ciência existe. Para salvar vidas?
Quem não se lembra do Tsunamis, tornados, furacões e todas essas catástrofes que vimos nesses últimos 2 anos. Vidas foram perdidas, por falta de um simples aviso – no caso dos Tsumanis.
Imaginem toda Terra monitorada. Muitas pessoas seriam avidas de muitas coisas que a ‘mãe natureza’ anda aprontando. Não quero discutir aqui o aspecto ambiental eco-sistêmico. Sei que o que você faz de mal à natureza é revida, muitas vezes, em dobro.

Queimas, furacões, tsunamis, erupções vulcânicas e tudo mais, estarão sobre a vigia do homem nas próximas décadas.

Fica aqui o desafio para fabricantes, engenheiros, analistas, etc, de levar a salvação – nesses tipos de casos – mais próxima da realidade às pessoas.

emIndústria Segurança Software Wireless e Redes