Digital Drops Blog de Brinquedo

ONU define Astrofísica responsável por Primeiro Contato com alienígenas

Por em 28 de setembro de 2010 - 19 Comentários

A ficção nos dá a idéia de que todo contato envolvendo humanos e alienígenas envolverá pilotos bêbados, garotinhos ciclistas de subúrbio, cidades do interior dos EUA onde o xerife NUNCA acreditará no garoto que viu o disco voador ou um moleque quase-nerd que é mais fácil de nos convencer de que seu carro é um robô-guerreiro do espaço do que sua namorada é a Megan Fox.

A ONU entretanto não liga para ficção, exceto na hora de acharem que são relevantes, por isso estão levando a sério a possibilidade de estabelecermos contato com entidades inteligentes alienígenas, mesmo que via rádio.

Em um congresso indicaram inclusive a Doutora Mazlan Othman, chefe do Escritório para Assuntos de Espaço Profundo da ONU, Unoosa. Ela será em teoria responsável por toda a comunicação caso sejamos contactados.

Eu sei, na prática, como Arthur Clarke previu, todos os governos e entidades do planeta vão agir por conta própria, será no mínimo divertido, pois graças a Einstein estamos a uma distância segura e no máximo poderão nos xingar muito no Twitter Galáctico.

Pode parecer besteira dedicar tempo e dinheiro a esse tipo de projeto, é algo questionável mesmo sem usarmos aquela ridícula muleta “com tanta gente passando fome”, mas a Humanidade não avança com quem olha pra baixo, avança com quem olha pra cima.

Pensar em possibilidades como um contato extraterrestre, por mais ínfima que sejam, é algo inspirador, é algo que muda nossa perspectiva do Universo e faz com que nos vejamos como planeta, não como um saco de nações constantemente se matando.

Fonte: news.com.au

emMiscelâneas

Sai Apple, Japão lança o teclado mais edificante EVAR!

Por em 28 de setembro de 2010 - 12 Comentários

Embora estranhamente livre de tentáculos, é seguro afirmar pelo grau da bizarrice que a idéia é genuinamente nipônica. Mistério é não ser da Triumph, especialista nessas invenções questionáveis.

Criado pelo pessoal da lojinha Angel Kitty, é um sutiã-teclado completo de 85 teclas, USB compatível com Windows. Aparentemente usuários de Mac não gostaram do produto, fica complicado digitar com as mãos no próprio tórax.  Totalmente funcional, vem em vários números, com encaixes de silicone para proporcionar total conforto à usuária do lado de lá, mantendo a firmeza de digitação do usuário do lado de cá.

O sutiã-teclado custará US$137. Japinha not included.

Fonte: Newsweird

emHardware

mode con cp prep=((860,,865) EGA), de novo?

Por em 28 de setembro de 2010 - 8 Comentários


Você não lembra desses comandos? Não perdeu nada. Antigamente (e bota atigamente) tínhamos que definir no boot da máquina qual tabela de caracteres o computador iria utilizar. Existam umas 7437 tabelas, todas incompatíveis, isso significava que em CP (codepage) 837 o caracter era um “é”, em CP 470 era um “ž” e em CP728 colocava o NORAD em DEFCON 3.

Com o advento do Windows isso melhorou, MUITO. Posso dizer que com o Windows 98 codepage hell já era coisa do passado, exceto no serviço público, mas pelo visto como bom zumbi, essa praga se recusa a morrer. A culpa agora é dos DVRs, aqueles videocassetes 2.0 que surgiram com o TIVO, que toda quitanda nos EUA vende mas aqui no Brasil virou oligopólio das operadoras de cabo então custa uma fortuna.

A casa caiu com o lançamento da série “$#*! My Dad Says“, baseada no twitter @shitmydadsays. Isso já foi o suficiente pra um monte de gente dar piti, afinal OH! estão SUGERINDO um palavrão no nome da série, que absurdo! Só que esse nem é o maior problema da CBS, a shit acertou o ventilador neste post no fórum da série, quando alertam para o fato de um monte de DVRs não conseguir encontrar a série, pois se confundem com os caracteres usados para o eufemisto de shit, “$#*!”.

Aparentemente anos de evolução no software produziu sistemas que são uma grande merrrcadoria (se eles podem eu também posso) e só disponibilizam teclados para buscas alfanuméricas, sem possibilidade de caracteres de símbolos. A grande maioria desses sistemas é Linux, mas seria injusto culpar o pinguim por isso. Soube de fonte segura que baixando um patch do servidor pessoal do Stallman e recompilando o Kernel, o Ubuntu fica até com cedilha 😉

A culpa é da preguiça. Quanto menos variedade  a suportar, melhor pra quem tem que dar manutenção. Agora imaginem um DVR desses lidando com filmes estrangeiros. E nem falo de coisas simples como idiomas latinos e seus n com tils e interrogações invertidas, falo daquelas línguas escandinavas que parecem klingon.

Hoje vivemos a ilusão de que é possível copiar um texto de qualquer lugar para todo lugar e tudo automagicamente se resolve, mas não é assim que a banda toca. Quem teve que fazer migração de bancos de dados de fabricantes diferentes sabe o que é isso. Só digo uma palavra assustadora: COLLATION.

Manter integridade de dados é algo complicado, mas de nada adianta se a sua interface não permite ao usuário pesquisar por esses dados. Acha simples? Já vi sites que não indexavam palavras de menos de quatro letras, sendo que a minha busca tinha três letras. É preciso brigar contra essas limitações artificiais impostas pelo pessoal do marketing, pois quando a bomba estoura a culpa vai ser SEMPRE uma “limitação técnica”, mesmo que a área técnica tenha esperneado contra os atalhos, cortes e gambiarras.

Fonte: Gearlive

emIndústria Periféricos Software

Usuários consideram braço mecânico “fácil demais”

Por em 27 de setembro de 2010 - 20 Comentários

O projeto foi criado por pesquisadores da University of Central Florida, com a melhor das intenções: Um braço mecânico controlado por computador para auxiliar pessoas deficientes em suas atividades diárias. O sistema é inteligente, tem um modo automático com reconhecimento de objetos e ações. Aparentemente o sistema era muito eficiente, eficiente demais, como descobriram já na segunda fase de testes, com voluntários deficientes.

Eles preferiram ignorar o modo automático, passando a usar o modo manual, onde comandos verbais ou digitados eram necessários para coordenar o movimento do braço. O resultado era uma movimentação bem mais lenta, com um resultado final pior que o modo automático, mas era assim que os voluntários preferiam.

O motivo? Psicologia, algo que escapou aos pesquisadores.

Quando foi lançada no Brasil a mistura para bolo instantâneo o fracasso foi TOTAL, as vendas pífias. Estudos mostraram que as donas de casa se sentiam excluídas, não achavam que estavam cozinhando, ao usar a mistura pronta. O fabricante então alterou as instruções, mandou acrescentar um ovo. Não alterava em NADA o bolo, não mexeram em nada na mistura mas o ato de adicionar leite (ou água), ovo e misturar era próximo o suficiente da idéia de “fazer bolo”, assim a consumidora não se sentia excluída, e podia usar o produto.

No caso do braço mecânico, temos um aparelho que NÃO é uma prótese. Fica preso à cadeira de rodas, o usuário não o entende como parte de si. Ao comandar o braço com ordens simples, ele se exclui do processo. O robô que vai e pega o copo, coloca o canudo e leva à boca é muito parecido com a enfermeira ou o sobrinho ganancioso (UM MERGULHINHO!) que faz o mesmo. A sensação é de… invalidez, tudo que o sujeito não quer ser.

Quando o braço é controlado passo-a-passo há a sensação de realização, o usuário está fazendo algo, não sendo “carregado no colo”.

Notem que se o sujeito fosse um amputado e o braço estivesse preso ao ombro, as reações seriam diferentes, a percepção mental seria de “parte do corpo”, aí quanto menos esforço para movimentá-lo melhor.

Esse estudo foi um belo exemplo de como design de interface é algo complicado. Não adianta dar toda a facilidade do mundo, se você não entende como pensa seu usuário, e algumas vezes em nome da dignidade é preciso abrir mão dessa facilidade.

Fonte: Gizmag

emHardware Meio Bit

Bobby Tables foi ver o que é que a Sueca Tem

Por em 24 de setembro de 2010 - 10 Comentários

imagem meramente apelativa

A Vida Vive imitando xkcd, o que já é legal, mas quando a fonte da imitação é uma das melhores tirinhas da série, é tudo de bom. Falo da genial saga de Bobby Tables, o garoto batizado como um ataque de injeção de SQL.

Pelo visto ele cresceu e foi visitar os países frios no Norte da Europa. É o que dá para concluir, depois de ler este relato sobre as eleições na Suécia.

Aparentemente lá o precisa escrever o nome do candidato em uma cédula de papel, que é depois transcrita para um sistema eletrônico de totalização. Com isso vários engraçadinhos fazem a festa, inclusive um que votou em:

R;13;Hallands län;80;Halmstad;01;Halmstads västra valkrets;0904;Söndrum 4;pwn DROP TABLE VALJ;1

Houve gente mais cara-de-pau ainda, um tentou enfiar Javascript na cédula:

R;14;Västra Götalands län;80;Göteborg;03;Göteborg, Centrum;0722;Centrum, Övre Johanneberg;(Script src=http://hittepa.webs.com/x.txt);1

O TSE sueco (humm um TSE só de suecas seria uma bela evolução, mas divago…) publica a listagem dos candidatos online, mas como texto puro, assim nem o Javascript nem os vários outros votos que eram URLs são clicáveis ou ativos.

Quanto ao Bobby Tables, como a Suécia não convocou novas eleições é seguro dizer que nas faculdades de informática de lá ainda ensinam a fazer crítica de dados antes de jogar pro banco.

De resto, lá como cá há voto de protesto, mas ao contrário do Tiririca, com um milhão de votos os suecos protestaram votando no Pato Donald, só que mesmo sendo o mais votado entre os extra-oficiais, não passou de 120 (cento e vinte) votos.

PS: o Partido Pirata pelo visto é bancado pelo Opera. Para quem ia mudar o Mundo, estão bem fraquinhos. Conseguiram menos de 1% dos votos e não elegeram ninguém pro Parlamento.

Fonte: Slashdot

emSegurança

blablabla computação gráfica mimimi fim do cinema

Por em 22 de setembro de 2010 - 17 Comentários

Houve uma época em que todas as animações da Globo tinham coisas girando. A Computação Gráfica estava se tornando viável no mundo televisivo, Hans Donner, aquele austríaco maluco (temos um padrão?) colocava formas geométricas flutuando em todas as aberturas de novelas, vinhetas, chamadinhas e se tivesse acesso a holografia, em cima da mesa do Boni também.

Nos anos 50, quando o cinema 3D se popularizou pela primeira vez, todo maldito filme tinha coisas atiradas na tela dizendo “Ei, isso é 3D, veja, veja”.  Quando Matrix popularizou o bullet time, em 3 anos todo comercial de TV usava a tecnologia. Até o Garoto Bom-Brill deve ter aparecido flutuando no ar com a câmera girando em volta.

Os primeiros filmes coloridos usavam e abusavam de saturação, para mostrar que eram realmente coloridos.

Hoje a computação gráfica é usada de forma parcimoniosa pela Globo, quase não se vê filme com bullet time, a cor é usada com inteligência em filmes como Sin City e Lista de Schindler. Não posso ver uma garotinha de casaco vermelho que sinto um aperto no peito e vontade de gritar: “Ei, esqueceram uma!”. (ok, ok, desculpem, too soon?)

Todas essas tecnologias ampliaram a experiência cinematográfica, apesar dos alarmistas. Quando do cinema mudo houve muita gente decretando a morte do cinema como arte, com a chegada do som. Outros disseram ser uma moda passageira, outros previram a banalização, pois não era a forma “correta” de contar histórias.

continue lendo

emFotografia Meio Bit

TESTE

Por em 21 de setembro de 2010 - 4 Comentários

um dos milhões de gráficos de performance...

Achar gargalos em um site nem sempre é simples, ainda mais com a complexidade das páginas atuais, onde há centenas de chamadas diferentes, muitas para servidores espalhados pelo mundo.

Por isso o serviço do www.webpagetest.org é tão bom: permite que você veja detalhes individuais de cada chamada, inclusive tempo de resolução do DNS. Ah, dá para dizer de onde você quer que a consulta seja feita, para simular melhor uma conexão local. Assim não verá um tempo de carga louco da Islândia, quando sua audiência é toda de São Paulo.

O serviço vai mais além, dá uma checklist de otimização mostrando onde você está errando.

Sem mais delongas, coloque a URL de seu site lá, deixe-o mastigar e veja como você pode otimizar o acesso de seus usuários, ganhar mais visitas, deixar o servidor mais folgado ficar rico e dominar o mundo.

emDicas Internet Meio Bit