Digital Drops Blog de Brinquedo

O Lado Canalha do OpenSource

Por em 13 de novembro de 2009

Apesar da maioria dos freetards não tem capacidade para alcançar, nós no MeioBit não temos nenhuma prevenção contra OpenSource, ou mesmo seu braço armado, o Software Livre. Admiramos os bons projetos, somos usuários entusiasmados de várias soluções, como o Firefox, Apache e MySQL. O conceito de desenvolvimento colaborativo é uma idéia vencedora, tanto que está sendo adotado por todos os grandes players, vide Microsoft, Oracle, Novell (já faz tempo).

Entretanto há um Lado Negro, um grupelho que prega um “ninguém é de ninguém” que tira do desenvolvedor, do criador a ÚNICA coisa que nenhuma licença poderia tirar: A Autoria.

Quando fiz o popular vídeo “A Queda da UNIBAN“, ingenuamente não poluí o vídeo com logos ou nomes. O resultado é que vários espertões o baixaram, subiram para suas contas do YouTube e ganharam visitas, sem nunca dar qualquer pista da real autoria. Contatei um deles, e o discurso do cidadão foi patético. Usou o termo “plataforma de informação colaborativa”, para justificar seu roubo e sua ausência de referência ao autor.

No mundo OpenSource também existe esse tipo de parasita, que ofende qualquer um que já escreveu uma linha sequer de código e disponibilizou como GPL. Vejam este bando aqui:

Parece familiar? O nome do site é http://getchrome.eu e para todos os fins o produto é apresentado como… ChromeOS. Um monte de gente está baixando. O site é totalmente vazio de detalhes, mas na página de downloads vemos em letras minúsculas:

Chrome OS is not related to Google. Service provided by SUSE Studio. See the license.

Isso mesmo. Não tem NENHUMA relação com o Google. Estão usando o NOME e a LOGO do Chrome indevidamente. O que os picaretas fizeram foi roubar a propriedade intelectual do Google e empacotar, via SuseStudio, lançando como outro produto.

Isso é errado. Existe um motivo muito importante para você poder fazer o que quiser com o fonte do Firefox exceto mexer, compilar e chamar de Firefox: Da Mozilla é o furículo que está na reta. Se o sujeito tem uma experiência ruim com um Firefox compilado por 3os, a culpa será atribuída AO Firefox, queimando assim o filme do produto.

Ao utilizar o nome do Chrome os parasitas estão se aproveitando de uma tonelada de dinheiro E expertise que o Google colocou no projeto. Com isso corre o risco de uma publicação respeitável e idônea, digamos a PC World baixar uma cópia, testa, publica um artigo descascando, e aí? Quando Google gastará no Controle de Danos?

Esse tipo de atitude pirata e irresponsável é errada. É um desrespeito aos desenvolvedores, que Google ou não Google são o segredo por trás de qualquer projeto Open Source bem-sucedido.

Esperemos que o Google tire do ar essa besteira o mais rápido possível. Ainda mais por estarem hospedados -os caras de pau- no Google Sites.

Dica do Roniuj, baseado em um twitter do Adriano Lepper. E se você acha que ninguém da “cumunidade” seria mané o bastante pra cair nessa, veja este twit do Ubuntudicas

emAndroid e Linux Open-Source

YouTube Full HD 1080p – Haja Banda!

Por em 13 de novembro de 2009

O blog oficial do YouTube anunciou que já estão aceitando e reconvertendo o material antigo compatível para disponibilizarem vídeos em Alta Defiinição, 1920×1080 pixels.

Quem já tentou clicar no botão HD do YouTube sabe que não é assim que a banda toca. Aliás, toca, mas beeem lentamente. Talvez na civilização tenham banda pra isso, mas aqui aquele botão ainda é uma piada de mal gosto, exceto para o pessoal com aquele link de 100Mbits da GVT.

Full HD cai na categoria “grosseria”. Estamos falando de imagens de 2 Megabits passando a uma taxa (se seguido o padrão) de 60 quadros por segundo. Para ter uma idéia a banda sem compressão de um stream FullHD é de 1.485 Gbit/s. Fica evidente que os CODECs atuais são magia negra, coisa do Demo, Pura Treva. Nada da Luz conseguiria comprimir tanto, manter a qualidade e passar um vídeo desses em qualidade decente.

Veja um exemplo do que é FullHD: O fundo de tela que uso, uma imagem da Octomom:

Clique na imagem para a versão FullHD. Agora imagine seu pífio cabo (não aquele, o de Internet) tentando passar 50 ou 60 dessas por segundo. OK, em teoria será ótimo ver em 1920×1080 vídeos de cenas do Pânico gravadas de TV de 14 polegadas mal-sintonizada, com uma TekPix, a 320×240 segurada pelo Michael J. Fox durante um terremoto em uma montanha russa, mas na prática acho que a espera não vai compensar.

Aqui no mato ainda temos trauma da Buffering do RealVideo, e mesmo lá fora os primeiros 15 segundos de todo vídeo do YouTube são o máximo que a maioria vê. A atenção do tubonauta é muito dispersa, se começar a bufferizar mesmo no começo, o sujeito desistirá e clicará outra coisa.

Claro, continuarão existindo as versões em resolução realista, então não há problema. Mas saber que algo está disponível e eu não posso consumir por total falta de capacidade do meu lado é muito frustrante. (sim, vale pro TuboHD e pra Jolie)

emÁudio Vídeo Fotografia Internet

Da Série Ah Se Fosse Verdade…

Por em 12 de novembro de 2009

O software NUDE é uma versão daqueles antigos óculos de Raios-X que eram vendidos por reembolso postal, e funciona tão bem quanto eles. Durante a maior parte do vídeo eu achei que essa aplicação havia sido desenvolvida por alunos da UNIBAN, mas o final é mais redentor.



A graça MESMO é saber que há gente que ficará em dúvida, se é de verdade ou não. Mas que uma aplicação dessas me faria arrumar um iPhone AGORA, faria. Achado no PicturePhoning

emApple e Mac

Leadership TLG 810D – Pro que é tá bom

Por em 12 de novembro de 2009

Geeks chatos metidos e prepotentes temos mania de achar que tudo abaixo de um mega-hyper Alieware tunado não presta. Gamers assumem que que o processador não está perto do ponto de fusão do Silício, é equipamento subutilizado, mas convenhamos nem todo mundo precisa de um PC digno de rodar, sei lá, Crisys Mobile.

Mais ainda, nem todo mundo tem dinheiro pra um PC desses, e com a chegada da Nuvem aplicativos mais e mais online o essencial é que o PC tenha um desempenho capaz de rodar navegadores web, o grande uso hoje em dia.

Como o TLG 810D, da Leadership. Vejam as características:

  • CPU: Intel Atom 330 Dual Core 1.60Ghz 1MB Cache
  • Hard Disk: 160GB 7200RPM SATA II 3Gbps
  • Memória: 1GB DDR2 800Mhz
  • Chipset: Intel 945
  • Vídeo: Intel GMA3100 224MB 
  • Áudio: Realtek 5.1 HD 
  • Rede: Realtek 10/100
  • Drive: Leitor de Cartão de Memória Universal
  • Gabinete: Midi ATX Black piano (que é muito mais chique do que preto)
  • Teclado: ABNT multimídia Black Piano
  • Mouse: Ótico, 3 botões Black piano
  • Caixa de som: USB 3 w RMS Black piano

 
Monitor não está incluso, e “por conceito este equipamento não acompanha drive ótico”, entenda como quiser. Agora, o ponto realmente bom: O preço sugerido é de R$549,00.

É o que você está pensando, um netbook em um gabinete feio. E não há nada de errado nisso. Esqueça seu emulador de PS3, pense escola, micro-empresa, servidor de torrent/arquivos.

O que vai determinar se esse pczinho pobre porém honesto qual viúvas de Nelson Rodrigues é viável é sua capacidade de expansão. Se tiver slots PCI e/ou SATAs será uma boa opção.

Ah sim, último detalhe: Ao contrário da auto-sabotagem que fizeram com o Computador Para Todos, o 810D não vem com os Satux Linuxes da vida, vem com um SO decente: Ubuntu.

Mais informações: Site do Produto

emHardware

iPhones e Crianças

Por em 12 de novembro de 2009

A idéia é absolutamente genial. Linda. O melhor conceito de mash-up que já vi envolvendo novas e velhas mídias.

Embora eu não tenha filhos e não seja fã de crianças pequenas, a idéia de paternidade me agrada, tanto que estou dando entrada na adoção de uma coreana de 16 anos, mas reconheço o efeito lúdico da idéia abaixo.

Veja, admire-se, depois agradeça ao Dori pela dica.

emApple e Mac

É hoje, MobileMonday Rio

Por em 9 de novembro de 2009

Com o tema Inovações Mobile, serão duas apresentações:

  • Luis Valente, do VisionLab da PUC-Rio e Forum Nokia Champion falará sobre o trabalho desenvolvido junto à Forum Nokia e apresentará cases de inovação mobile.
  • Vagner Diniz, gerente geral do escritório W3C no Brasil, falará sobre o papel do Consortium na inovação da Web Mobile.

(yes, copy/paste. Me processem)

No site oficial do evento falam que “as palestras serão seguidas de uma sessão networking”, o que no mínimo é curioso. Institucionalizaram o bate-papo, pelo visto. Tudo bem, o networking é sempre a melhor parte de qualquer evento.

O MeioBit estará por lá, e você também pode ir, a entrada é franca, basta se inscrever no site oficial.

O Mobile Monday será dia 9/11/2009, começando 18:30, na ESPM: Rua do Rosário, 90 – Centro – Rio de Janeiro. Do lado do Devassa, se alguém precisa de mais incentivo pra ir.

Fonte: Twitter do Mestre C@T

emCelular Mercado Mobile

Quem diria, OpenOffice Mouse não é tão inovador

Por em 7 de novembro de 2009

Por mais que o MeioBit apóie iniciativas criativas, não podemos ficar calados quando vemos injustiças. Por isso quando o OpenOffice Mouse apareceu, mostrando-se como inovação revolucionária, fruto da sinergia inédita entre Editores de Texto e Mouses, tivemos que defender os Esquecidos, Os Oprimidos, aqueles pioneiros tal qual o Líder de Civilization enterrados nas Areias do Tempo.

O OpenOffice Mouse NÃO É o pioneiro na associação de mouses com editores de texto. Na verdade eles estão apenas kibando um relacionamento que surgiu muito tempo atrás, com o Microsoft Word 1.0:

Isso mesmo! Você comprava o programa, e na caixa vinha um Mouse. Era DOS, mas funcionava. Claro, são dois botões, não é competição para 18 do OpenOffice Mouse, correto?

Então vejam este magnífico produto, chamado ProMouse. Ele tem DEZ botões, mais um botão Funcion, produzindo assim VINTE variações de comandos. Isso tudo com software e driver de apenas 10.3KB.

O ProMouse foi anunciado na revista InfoWorld, de Treze de Janeiro de 1992.

Isso quer dizer que levou apenas 18 anos para os GÊNIOS Open Source copiarem uma idéia que já era idiota em seu nascimento. Quer podemos dizer? Parabéns…

emHardware