Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Nokia N900 – É como a Luciana Vendramini, japinha, rodando Linux

Por em 1 de setembro de 2009

Os sei-lá-o-quê da série N sempre foram soluções a procura de um problema, mas ninguém nunca entendeu a lógica da Nokia em NÃO incluir suporte a… telefonia. Mesmo assim eram um magneto de geeks, qualquer um que saiba de cor as 3 Leis da Robótica olhava um N810, pegava, fuçava, não tinha nenhuma utilidade específica mas se sentia compelido a ter um.

Agora a Nokia chutou o pau da barraca e FEIO. O N900 é o primeiro gadget que para um geek pode ser considerado iPhone Killer. Vejam que coisa linda:

Fale a verdade, depois de anos de TuxPhones e interfaces marrom-cocô do Ubuntu, nem parece que é Linux. Mas é. O que é vantagem, quando é o caso, Linux feito direito.

Na parte do Hardware ele tem… tudo. Vejamos:

  • Processador ARM Cortex A8 600MHz
  • 1GB de memória (256MB EAM + 768 memória virtual)
  • Navegador baseado no Mozilla, com Flash AJAX, etc
  • Tela de 3,5 polegadas, 800×480
  • Touchscreen
  • WIFI 802.11b/g
  • Bluetooth 2.1 A2DP Estéreo
  • Câmera 5Megapixels com lentes Carl Zeiss
  • LEDs duplos para flash e iluminação de vídeo
  • Filma em 800×480 a 25fps
  • GPS + A-GPS
  • Geotagging automático de fotos
  • Transmissor FM
  • Saída de vídeo
  • porta MicroUSB
  • Cartão microSD de até 16GB
  • 32GB de armazenamento Onboard
  • 3G Quadriband WCDMA/EGSM
  • Autonomia de 2-4 dias com WIFI ligado
  • 5h de conversação 3G, 9h GSM
  • Autonomia de uso ativo, +1 dia
  • 110,9mm x 59,8mm x 18mm
  • 181 gramas
  • Teclado QWERTY
  • Skype, Messengers, MSN, etc, etc
  • etc etc e… já deu pra entender

Com a introdução (epa!) do 3G aconteceu uma mudança de paradigma importante, estratégica, eu diria. O N900 deixou de ser um brinquedo para geeks e se transformou em um… smartphone para geeks. Na verdade ele é um PDA que Fala, com as facilidades de desenvolvimento das plataformas abertas.

Eu quero, eu PRECISO de um. O Maemo está com cara de ser tudo que a Nokia queria fazer com o Symbian mas nunca teve tempo, coragem de reescrever do zero ou inclinação de abandonar a base legada. Não sou adepto de convergência mas no caso mandaram muito, muito bem.

Agora é tentar conseguir um para testes. Alguém tem pra emprestar? :)

Ah sim, antes que perguntem: O preço estimado semi-oficial é de 500 Euros. Sim, uma facada. Achou que ser livre era barato?

emAndroid e Linux Computação móvel Mercado Mobile

Experimento: Vamos botar o Bing na mesa

Por em 29 de agosto de 2009

Sejamos realistas: Por mais que o Windows 7 esteja excelente, o IE8 seja mais estável e menos fominha de recursos que o Firefox (e com um pr0n mode melhor também) e a Microsoft tenha feito até os filhos de Richard Dawkins ansiarem pelo Natal (explicadores de piada, ALT+F4) na área de buscas a turminha do barulho do Ballmer consegue fazer a equipe de desenvolvimento do Satux Linux parecer… bem, o Hanna Montana Linux é melhor que o Satux, esqueça.

Só que com isso as novas iniciativas sofrem. O Bing é um site de buscas bem melhor que o antigo Live. O Google teve que se coçar na área de imagens, por exemplo, para acompanhar as novidades. Mas e daí? Será que é justo não usar o Bing apenas porque a Microsoft nunca fez um site de busca que prestasse e todo mundo cansou de experimentar?

Eu acho que é, mas não posso me dar ao luxo de apenas ignorar. O MeioBit tem que pular na frente da bala. Por isso preparei um experimento. De agora até domingo de noite usarei o BING como site de busca principal. Anotarei o posicionamento dos artigos realmente úteis, o que foi buscado (exceto conteúdo educativo, claro) e como a mesma busca funcionou no Google e no Yahoo Search. Veremos o que diz o uso na prática.

Sugestões para o experimento são bem-vindas.

emInternet

Complementando o fanfarrão do Tonhobohn: BOPE na TechEd

Por em 28 de agosto de 2009

Finalmente as clássicas gracinhas nas apresentações da Microsoft chegaram ao Brasil. Nossa cultura latina costuma ser séria demais pra esse tipo de coisa. Não dessa vez. Vejam o trecho gravado. Destaque para o 012 com os recursos avançados do BR-Office:

Agradecimentos ao Vinícius por ter entubado o vídeo.

emIndústria

Mininova e o Analfabeto Político Digital

Por em 27 de agosto de 2009

Primeiro eles vieram atrás do Gnutella.

E eu não protestei, pois nao usava o Gnutella.

Depois vieram pelos criadores de legendas

e eu nada disse, pois não usava legendas.

Mais tarde, eles vieram atrás dos usuários de Linux

e eu me calei pois não era usuário Linux

Então, foi a vez do Pirate Bay

E eu permaneci em silêncio porque não usava o Pirate Bay

Finalmente, escolhi uma música para baixar.

E já não havia aonde procurar.

(com as devidas desculpas a Martin Niemöller)

Ou, para quem não entendeu: MiniNova recebe ordem da Justiça Dinamarquesa e tem 30 dias para remover todos os links para material protegido por copyright.

emInternet

Japão confirma a Regra 34

Por em 26 de agosto de 2009

Existe uma enorme listagem de regras não-escrita da Internet. A 34 diz que se algo existe, há uma versão pornô e quem a consuma. Deve haver adendo a regra 34 dizendo que se algo existe e já foi criada uma versão pornô, isso aconteceu no Japão.

Robôs voltados pra sacanagem não são novidade desde Blade Runner, embora a Tyrell Corp AINDA não tenha entregue a Pris 2.0 que encomendei. O campo da sacanagem computadorizada tem até nome, “teledildônica”, mas desta vez se superaram.

Os japas criaram nada menos que o primeiro beijo entre robôs, que infelizmente não foi entre a Boomer e a Caprica 6, e sim entre um “casal” de monstruosidades. Curioso é que uma parte da indústria japonesa cria bonecas “recreativas” lindas (orient doll, Google é seu amigo) mas os roboticistas nipônicos ficam tanto tempo nos laboratórios que são incapazes de visualizar uma japinha apresentável. Vejam e apavorem-se. Quero minha T-X de volta!

Fonte: DesTecnologia via Twitter do Buchecha

emHardware

Palm is Dead, Baby (ou pelo menos OS Palms)

Por em 26 de agosto de 2009

O OX X Snow Leopard, que diga-se de passagem será inevitavelmente chamado de SLOW Leopard traz entre toneladas de novidades o iSync 3.1.0. A parte ruim é que dentro das novidades do iSync está o fim da compatibilidade com o HotSync da Palm.

Basicamente tudo que é PalmMOR-REU pra Apple, e Windows Mobile só com o Missing Sync, que diga-se de passagem é pago. A Apple deu uma banana para os usuários de palms velhinhos, pois quer vender iPhones, e a Palm deu uma banana para os mesmos usuários pois quer vender Pres.

Os Appletards dirão “bem-feito, quem mandou ainda continuar com essa agendinha?” mas será mesmo que foi uma medida necessária? Não seria melhor manter a funcionalidade online, a um download de distância caso algum usuário precisasse dela?

Obsolescência programada é uma realidade. Ninguém falou que precisava ser bonita mas também não precisava ser tão feia. São atitudes como essa que dão má-fama justificada ao software comercial.

Fonte: Crunchgear

emApple e Mac Computação móvel Internet

Pirate Bay: ☆2003 – †2009

Por em 25 de agosto de 2009

De todos os sites de torrent o Pirate Bay foi o com mais personalidade. Embora o Suprnova tenha sido mais querido, nenhum conseguiu tanta notoriedade quanto o tracker criado por hackers (no real sentido do termo) suecos, com suas deliciosas e desaforadas cartas desafiando advogados de empresas do mundo inteiro que os ameaçavam com suas leis locais.

O problema é que a idéia de que a Suécia era uma terra sem lei não se sustenta. Era óbvio que mais cedo ou mais tarde a farra iria acabar. Não sejamos hipócritas, a desculpa de que não eram eles que colocavam os links nunca colou, é tão frágil quanto os beneméritos e caridosos usuários que disponibilizam programas em sites e dizem “baixe apenas para testar, apague em seguida. Se gostar compre”.

Com a pressão da indústria (por pressão entenda-se esses caras estão distribuindo nosso conteúdo, vamos contratar advogados e lobbystas na Suécia pra tentar dar um jeito) a Justiça Sueca viu que não estavam avançados, na verdade não tinham nenhuma legislação a respeito.

Em Abril de 2009 após um julgamento que durou nove dias, foram condenados por violação de copyright, a indenização ficou em $MILF30.000.000,00 (trinta milhões de coroas suecas, ou aproximadamente 3,6 milhões de dólares, além de um ano de prisão para os 4 sócios.

Como aconteceu com o hoje irrelevante Napster, uma empresa com mais dinheiro que juízo ou memória ofereceu comprar o Pirate Bay por US$8,3 milhões. Isso daria dinheiro para cobrir a multa, sobraria um trocado e o Pirate Bay renasceria como um site legítimo, com conteúdo pago, legalizado, controlado, bonitinho correto e inútil para quem quer baixar o último episódio do Colbert Report.

Agora nem isso. Uma ordem judicial mandou fechar tudo. Cai o pano. A Black Internet, provedor de hospedagem do Pirate Bay cumpriu a solicitação e tirou-o do ar. 

Juram os caras que estão prestes a voltar, mas com a perspectiva da venda, da mudança de postura e da atenção gerada junto a mídia, não volta. Eu conheço um tracker morto quando vejo um, e estou olhando pra um agora. O Pirate Bay já era, cessou de existir, foi encontrar seu criador, é um ex-tracker.

Se voltar será algo digno do Pet Cemetery, de Stephen King.

Fonte: Mashable, via Twitter da Tia Cora

emInternet