Digital Drops Blog de Brinquedo

Monitor Verde LG E2350V – Não que ecochatos curtam a japinha

Por em 4 de janeiro de 2010

Relembrando a velha piada, se ecochatos forem para trás da moita com a japinha e este monitor, passarão a noite abraçados no monitor (sorte da moita). O LG E2350V é o primeiro monitor eco-friendly certificado pela Underwriters Laboratories e atendendo o padrão IEEE 1680, e apresenta diversas características interessantes. São 23 polegadas de tela, em míseros 17,5mm de espesssura. Contraste de 5.000.000:1 e produzido sem uso de materiais perigosos ou proibidos.

90% do monitor pode ser reciclado após sua vida útil, e a embalagem é feita de 90% de materiais recicláveis. Curioso. Eu jurava que papelão era 100% reciclável.

Se você se preocupa com o planeta, e quer que seus filhos cresçam em um mundo sem Mel Gibson e Tina Turner, está disposto a pagar um preço premium.

Sim, essa é a lógica por traz dos produtos Verdes, ou você acha REALMENTE que acionistas ligam para o planeta? Aliás se você ligasse compraria um usado, não estaria babando no brinquedo da japinha.

Disclaimer: Para fins de transparência informo que alguns meses atrás recebi um W2353V da LG, mas não vou dizer que o monitor é maravilhoso e esquenta menos que meu AOC de 19″, pois cometeram a gafe de não incluir uma japinha.

Fonte: Yahoo

emHardware

Cuidado Pirata, que o Bono te Pega

Por em 4 de janeiro de 2010

Que o Bono é chato™, todo mundo sabe, mas quando abre a boca pra cantar, o sucesso é inegável. Infelizmente ele resolve falar também, e quando não está aporrinhando alguém para salvar as foquinhas malhadas albinas de Springfield, ou mudando a sede da U2 Enterprises pra fugir do fisco, ele fala sobre downloads ilegais.

Em sua coluna no New York Times ele soltou o verbo contra a pirataria. Afirmou com todas as letras que a única coisa que impede a TV e indústria cinematográfica de sofrer o mesmo destino da mídia impressa e da música é o tamanho dos arquivos.

Ele vai além, diz que uma década de compartilhamento de arquivos deixou claro que os maiores prejudicados são os criadores do conteúdo, “no caso os jovens compositores que não podem viver de shows e venda de camisetas”, como os artistas já estabelecidos.

Os grandes beneficiados para ele são os provedores de acesso, cujos “lucros inchados espelham perfeitamente a perda de receita da indústria musical”.

Até aí, é verdade, a venda eletrônica tem crescido mas nem de longe compensa a perda de receita com a virtual morte dos CDs, e qualquer camelô de centro de cidade sabe o quanto ficou difícil vender um DVD original. Só que a alternativa sugerida por Bono não é das melhores.

Ele cita a China como exemplo de como é possível coibir acesso a sites e conteúdo ilegal. Diz que temos a tecnologia para rastrear conteúdo online (e depois o quê, Mr Bono? Fuzilar?) e espera que os grandes executivos de Hollywood consigam “defender a economia mais criativa
do mundo”. Logo a China, Bono?

Eu sou contra o discurso “artista tem que viver de show”, isso não é algo que o Herbert Vianna ou o Marcelo Yuka mereçam ouvir, acho que artista tem que viver do que ele achar melhor, é função da indústria viabilizar isso, criando modelos não-intrusivos onde as pessoas possam adquirir o conteúdo pagando com dinheiro e/ou atenção (publicidade é o que banca a TV aberta, lembram?).

O que não vai durar é o modelo atual, que claramente não atende mais as expectativas do público NEM dos novos artistas que tentam tirar dele seu sustento. Por isso ele tem seus dias contados, não importa as atitudes repressoras da Indústria ou, vergonhosamente, do Bono.

Fonte: CBC News

emÁudio Vídeo Fotografia Indústria

VSF, IBM, Patentear LOL? WTF?

Por em 4 de janeiro de 2010

O Universo Real costuma ser muito mais bizarro que o Universo Inventado, assim quando os freetards começaram a dar pitis histéricos com a notícia do Onion de que a Microsoft havia patenteado 0s e 1s, ao mesmo tempo que senti pena deles por sua incapacidade em reconhecer uma piada, sabia que a Realidade Real um dia superaria a bizarrice da Realidade Inventada por um site de humor.

A superação, diria eu, vem desta patente da IBM, que registra um método chamado “resolução de texto abreviado em um sistema de comunicação eletrônica”.

Em resumo, eles propõe um sistema que receba textos com netspeak, como LOL, RTFM, STFU, ESAD, GFY, FYAH, KMA, IMHO, OMGWTFBBQ, GBTW e os traduza para versões por extenso, como Read The Fine Manual, entre outras.

Se você sabe programar (e até aspeiros contam, no caso) já imaginou o algoritmo básico para isso. Três ou Quatro linhas, se tanto. Ou uma, em Perl (mas impossível de dar manutenção).

Fazendo isso você estará violando a patente da IBM, e sujeito a processo.

Portanto, se alguém duvidava agora está mais que evidente que o modelo de patentes americano precisa de uma revisão urgente. Patentes de conceitos óbvios e simples não podem mais ser concedidas, do contrário a única coisa que mantém a economia rodando, a Inovação, deixará de existir.

Não sou contra patentes de algoritmos complexos como CODECs de vídeo e compressão de arquivos, coisas que demandam expertise, tempo e dinheiro para desenvolver. Mas pombas, identificar abreviações e expandi-las não é algo que mereça constar nem em provas de estagiários.

emSoftware

IDKFA para Windows 7

Por em 4 de janeiro de 2010

Se eu der somente UMA dica em 2010 e for esta, já terá valido o ano.

É uma espécie de ovo de páscoa ÚTIL, escondido pela Microsoft e que facilita muito a vida de um usuário do Windows 7: God Mode. Não tem dá munição infinita e todas as armas, mas fora isso…

O truque é simples: Crie um folder, em qualquer lugar. Renomeie para:

GodMode.{ED7BA470-8E54-465E-825C-99712043E01C}

Pronto. Você passa a ter um ícone que abre uma lista de todas as ações de administração e manutenção de seu computador, em uma única, simples e objetiva listagem. Posso calcular JÁ que isso irá me economizar horas e horas até o final do ano.

Fonte: Mobility Site

emSoftware

Imagine seu chefe pelado

Por em 31 de dezembro de 2009

Uma pesquisa da British Telecom examinou os hábitos das empresas britânicas relacionados com Conference Calls. Por um lado a economia é gritante. Em 2008 na Inglaterra foram 700 MIL reuniões presenciais que deixaram de acontecer, mesmo pra quem não é ecochato, o benefício ambiental é evidente.

Por outro lado Conferences sempre carecem de dedicação exclusiva. A gente sempre está fazendo outra coisa, e com um monte de gente falando no nosso ouvido fica complicado se concentrar e acertar um headshot no Modern Warfare, ainda mais sem som.


Não é sua chefe e você sabe disso.

A maioria das conferences, aliás, nem sequer é feita do escritório do sujeito em casa. O ponto de origem mais popular segundo a pesquisa é o quarto de dormir, seguido do banheiro. Isso explica os sons que os entrevistados ouviram, como cachorros latindo, bebês chorando e descarga.

Também identificaram que muita gente participa de pijama, roupa de baixo ou peladões.

Explicado porque o VideoFone nunca pegou?

Fonte: Ananova

emMiscelâneas

Americanas.com? MOR-REU!

Por em 27 de dezembro de 2009

Acontece nas melhores famílias, mas isso não é justificativa para continuar acontecendo. Gerenciamento de domínios é algo muito simples, pouco burocrático e que só precisa ser feito uma vez por ano.

Mesmo assim as Lojas Americanas conseguiram: O domínio Americanas.com expirou, na melhor época do ano pra isso: Natal. Mais precisamente dia 20 de Dezembro.

O que irrita é que esse tipo de cancelamento é a ÚLTIMA atitude tomada pela empresa responsável, antes mandam uma penca de emails avisando. Emails que foram devidamente rejeitados, ignorados, desconsiderados.

Agora? Senta e chora.

Fonte: Twitter da Madrasta do Texto Ruim

emInternet

Microsoft Mobicast

Por em 27 de dezembro de 2009

É mais uma daquelas tecnologias que parecem saídas de um seriado policial moderno, onde imagens e vídeos são manipulados de forma quase obscena, até prover a informação essencial para dar prosseguimento à história.

Só que assim como o Photosynth, o Mobicast é de verdade. Foi criado por Ayman Kaheel e Motaz El-Saban, pesquisadores da Microsoft Research, laboratório do Cairo. (sim, eles tem um laboratório no Egito)

A idéia é “simples”: unir streamings de vídeo de um mesmo local, capturadas por dispositivos diferentes e construir uma imagem única. Como um mosaico, ou foto panorâmica. Só que -repetindo- em vídeo, em tempo real, com streaming.

É fazer de forma instantânea ou quase o que programas de composição de imagem levam vários minutos.

Imagine agora um sistema que pegue informações de geolocalização, una dezenas de streamings de um evento como 11 de Setembro, e monte em tempo real um mega-painel em alta definição dando uma visão global da situação. Ficção científica? Não mais. É só questão de esperar alguns meses.

Fonte: New Scientist

emSoftware