Digital Drops Blog de Brinquedo

Osama Bin Laden–Até a tecnologia é coisa de filme

Por em 6 de maio de 2011 - 65 Comentários

sealteam6

A captura de Osama Bin Laden foi uma operação genial do SEAL TEAM 6, aquela tropa de elite dos SEALs que fez Força em Alerta parecer totalmente plausível, mas é preciso mais do que supersoldados que dariam uma coça no Gibbs, no Ryback e nos Expendables ao mesmo tempo para capturar o maior supervilão da década.

É preciso inteligência e tecnologia.

Inteligência, pois o mundo é um lugar muito grande e muito hostil. Não dá para estar em todos os lugares ao mesmo tempo, e se uma pessoa não quer ser achada, não será. Não facilmente. Anos de dados interceptados mostraram que Osama não usava comunicação eletrônica, isso inviabiliza toda a estrutura de aquisição de informações como o Echelon.

Seus principais contatos também não o faziam.

A Inteligência foi identificar vários correios da Organização, ainda em “começo de carreira”. Nessa hora você tem que avisar às outras agências de inteligência, como o MOSSAD, para marcar o sujeito como intocável. Feito isso acompanharam o crescimento do cara, eliminando alguns superiores e direcionando a “carreira”. Não duvido NADA que uma ou outra operação terrorista tenha sido permitida, para não comprometer a posição do mensageiro.

Quando ficou evidente que ele tinha acesso direto a Bin Laden, foi hora de começar a vigiar 24/7 a casa do cidadão. Provavelmente usando GlobalHawks, que contam com sistemas ópticos melhores, voam mais rápido que Predadores, são mais furtivos e podem fugir com maior velocidade, se identificados.

continue lendo

emHardware Miscelâneas

Semana Star Wars: A Estética da Sujeira

Por em 5 de maio de 2011 - 9 Comentários

dark-helmetOntem foi Star Wars Day, ao menos um deles (tudo por causa de um trocadilho) e um monte de gente celebrou, dos nerds de raiz às marias-nerdeiras, afinal está na moda ser geek. Thanks, Grisson. Pensei em fazer um dia especial de posts, mas Star Wars merece mais, então está declarada a Semana Star Wars, onde teremos posts temáticos envolvendo a maior saga de aventura espacial (sorry, ficção científica é Star Trek) de todos os tempos e tecnologia, tema principal do MeioBit.

É Sujo, Né?

Até 1977 toda nave espacial era algo imaculado, limpo como se um bando de estagiários virasse a noite esfregando uma maquete com flanelas. Como resultado as naves de verdade, como as do Projeto Apollo quando retornavam, chamuscadas, sujas, não se pareciam com o cinema. Havia uma quebra de realidade ali.

Quando Lucas começou a fazer Star Wars percebeu que não teria dinheiro para manter uma frota de maquetes E naves em tamanho real limpinhas e reluzentes, sem contar que também não fazia sentido (ao menos para ele) que uma força de rebeldes esfarrapados perdesse tempo pintando e esfregando naves só por ficar bonitinho na mira dos TIE Fighters Imperiais.

Ele ousou e decidiu adotar uma estética suja,  com falhas nas pinturas, marcas de botas nas asas, fuligem nas turbinas. Pela primeira vez nem tudo funcionava perfeitamente, a Alluminum Millenium Falcon era toda remendada, com peças expostas e fios soltos.

Isso criou uma distinção total dos cenários e naves do Império, mas principalmente deu ao espectador uma sensação de realidade muito maior. Nós estamos acostumados a ver sujeira, poeira, pequenas mossas nas latarias, pinturas descascando em pontos estratégicos. Ao mostrar um dia-a-dia assim, Lucas tornou sua realidade… real.

sts121-s-079

O efeito mais interessante disso tudo é que algumas pessoas criticavam as naves espaciais de verdade por serem… sujas. Lembro que quando a Columbia fez seu vôo inaugural, em 1981 após o pouso, com as câmeras dando closes na espaçonave alguém perto de mim reclamou que o casco estava chamuscado, sujo. Eu respondi indignado, com toda a sabedoria adquirida 4 anos antes em Star Wars, que era assim mesmo, que toda nave ficava daquele jeito por causa da reentrada.

Para um garoto de 12 anos, George Lucas havia moldado a realidade.

Hoje a estética suja é universal. Seja Battlestar Galactica, seja Matrix ou Avatar as naves “realistas” sempre tem o mesmo visual de coisa usada. E quem mais gosta é a NASA, pense em quantos milhões de dólares em flanela, pano de chão e Veja eles economizaram nas últimas décadas.

emMiscelâneas

NASA poderá provar existência de Universos Paralelos

Por em 28 de abril de 2011 - 60 Comentários

Se tudo correr bem (o velho mantra da exploração espacial) amanhã, sexta-feira, às 14 h 47 min, Horário de Brasília decolará da Flórida a Endeavor, em sua última missão. Será o vigésimo-quinto vôo da nave lançada em 1992, ano em que muita gente aqui nem era nascida (eu não incluso).

Fora as missões “rotineiras” de reabastecer a Estação Espacial Internacional, a Endeavour colocará em órbita um instrumento científico de 2 bilhões de dólares, que parece muito dinheiro para gastar em Ciência mas é o gasto em uma semana de guerra no Iraque.
continue lendo

emAstronomia Estatística Hardware Indústria

14-x –Aeronave Hipersônica… Brasileira

Por em 19 de abril de 2011 - 18 Comentários

14-X

Yes, crianças, é projeto do Instituto de Estudos Avançados da FAB, mais precisamente do Laboratório de Aerotermodinâmica e Hipersônica Prof. Henry T. Nagamatsu.

O 14-X é um veículo de demonstração que deverá voar em 2013. Com 2 metros de comprimento, passará por três testes principais:

No primeiro será lançado em um foguete VSB-30. Ao atingir 100 mil pés o primeiro estágio será ejetado, o segundo acionado e o conjunto atingirá Mach 6 (sorry, Speed) sem que o 14-X seja desacoplado ou tenha os motores ligados. Isso permitirá que sejam colhidas informações de performance aerodinâmica e da câmara de combustão dos motores.

No segundo teste os motores serão ligados brevemente, com a aeronave acoplada.

Somente no terceiro teste o 14-X será ejetado e seus três motores scramjet entrarão em ação, levando o veículo a pelo menos Mach 10.

O Scramjet é um tipo de motor a jato sem partes móveis. A grande complexidade das turbinas está no compressor, necessário para que o ar seja (obviamente) comprimido. Esse ar, misturado com combustível e inflamado é que gera a propulsão. Um Scramjet não tem compressor.

Ele utiliza o ar externo em velocidade supersônica, que é comprimido pela própria forma interna das paredes do motor. O resultado é uma potência muito maior em relação ao peso, velocidade acima de qualquer coisa com partes móveis e manutenção mínima.

A parte ruim é que não pode ser acionado no solo, ou em baixa velocidade. Daí os foguetes para acelerarem o 14-X.

O protótipo Scramjet mais bem-sucedido é o X-43A, da NASA, que atingiu Mach 9.8 e 2004.

X-43A_technicians

Depois disso o programa caiu em desgraça política, hoje o mais modesto Boeing X-51 segue como projeto mais promissor.

Não é uma tecnologia que vá melhorar a Ponte Aérea, mas em um mundo cada vez menor, o tempo de vôo ainda é um incômodo e um empecilho. O avião comercial mais rápido do mundo, o Concorde, fazia Londres-Nova York em 3h30min. Um vôo comercial normal leva entre 7 e 8 horas. O lendário SR-71 Blackbird fez o percurso em 1h54min.

Pense na economia de tempo, o Blackbird tinha velocidade máxima de Mach 3.2, um Scramjet comercial poderia fazer a maior parte do percurso em Mach 10. Descontando detalhes como preço, seria possível morar em um continente e trabalhar em outro.

Em um país onde ciência só aparece na TV para brigar com astrólogo e homeopata no Superpop, dá gosto, dá esperança ver uma pesquisa de ponta (MESMO!) sendo feita, visto que não é uma área exatamente abundante de recursos e verbas.

Fonte: FlightGlobal

emCiência Hardware

Como apagar um CD

Por em 19 de abril de 2011 - 39 Comentários

As técnicas forenses de recuperação de dados são incríveis, mesmo diante dos mais danificados arquivos os especialistas apertam várias vezes em voz alta o botão ENHANCE e ampliam qualquer fragmento de imagem. Em último caso eles criam até uma GUI em Visual Basic, comandam um OVERRIDE e as informações antes sigilosas ou perdidas surgem na tela como mágica.

Por isso não adianta riscar CDs, apagar e formatar CDs-RW ou outras técnicas alternativas. Existem somente dois métodos para que uma informação NUNCA MAIS seja recuperada de um CD-R:

Método 1: Grave nele uma informação MUITO importante, algo que você realmente precise. Não faça backup, não tenha nenhuma versão antiga. Tenha certeza que a cópia em CD é a ÚNICA existente. O Efeito Murphy-Heisenberg garantirá que quando você tentar ler, o CD não funcionará.

Método 2: Mande a camada de gravação para o inferno, mas mande de jeito. Qual a forma mais divertida? Alta Voltagem, claro.

fonte: GAS

emHardware Segurança

Mesa de Pé: Ferramenta de produtividade?

Por em 18 de abril de 2011 - 26 Comentários

chloe

Nesta matéria do BoingBoing o autor descreve o processo de criação de uma “mesa de pé”, uma bancada de trabalho para ser usada… de pé.

Não é tão absurdo assim, cientistas trabalham de pé, no máximo usam banquinhos mas quando você está misturando enzimas teratogênicas que podem transformar você em um mutante superpoderoso ou te causar um câncer fulminante (adivinhe as chances de cada um) é melhor ficar de pé do que equilibrado em pedaços de madeira.

Quem trabalha em bancada trabalha de pé, é um hábito bem antigo. Nesta entrevista o Ex-Secretário de Defesa dos EUA, Douglas Rumsfeld dá um esporro no entrevistador que diz “é estranho”. O fato do entrevistado de 78 anos gostar de trabalhar de pé é demais para ele, que acabou tomando um esporro. “estranho é você, sentado aí”.

A idéia nunca me atraiu, mas pensando bem foi apenas por… nunca ter pensado nisso. Quem tem hyperatividade e falta de concentração pode se beneficiar bastante, o esforço cerebral para manter o equilíbrio e ficar de pé pode dar a ilusão de “multitarefa” que o cérebro precisa, permitindo que nos concentremos em uma única tarefa.

Ficar de pé também é mais saudável que ficar sentado, TVB é um problema sério. Vários estudos corroboram que mesmo levantar de vez em quando é mais saudável que ficar sentado direto (adivinha quem fica sentado direto: \o/”

O simples ato de estar de pé demanda processamento cerebral E músculos em uso constante. O resultado é que são pelo menos 50 calorias a mais por hora, comparado com o mesmo período sentado.

A perspectiva me parece muito promissora, irei experimentar por uma semana e postarei os resultados. Acho que pode resolver meu problema de PTSD, digo, ADD.

emProdutividade

Sai Mr Bond, entre Mr Bean

Por em 18 de abril de 2011 - 19 Comentários

Vazaram informações secretas sobre a segurança dos reatores nucleares navais ingleses, e como esses reatores estão potencialmente vulneráveis a acidentes fatais. Também foram tornadas públicas de forma indevida informações sobre procedimentos da Marinha dos EUA para proteger seus submarinos lança-mísseis classe Trident.

O caso está causando vergonha no Ministério da Defesa de Sua Majestade. Uma fonte senior declarou:

“Isso foi muito embaraçoso. Quem for responsável deve ser demitido. Os americanos ficarão furiosos por seus procedimentos terem sido expostos”

O pior de tudo é que o vazamento não envolveu hackers malignos do nível do Neo e da Trinity, não envolveu invasões estilo James Bond nem um adolescente azarado tentando entrar no computador de uma empresa de jogos.

A informação vazou por causa de uma mula, um energúmeno, um atolado, um verme desprezível condenado ao extermínio, o proverbial… estagiário.

O documento em questão, escrito em 2009 é este aqui. Como você pode ver, há partes um taaaanto censuradas:

Snap159

Como então os hackers do Daily Star conseguiram acessar essas informações?

Fácil. O estagiário em questão recebeu por incumbência censurar o documento antes de divulgação para o Parlamento. Inteligente como todo estagiário, ele achou que a forma mais simples seria… marcar fundo preto e letra preta.

Isso mesmo que você leu.

O VERME protegeu informação sigilosa internacional fazendo a cor de fundo igual à cor da fonte, e mandou o documento na íntegra.

Os repórteres fuxiqueiros só tiveram o trabalho de experimentar um Copy/Paste.

O documento foi corrigido, mas a informação já vazou.

Graham Cluely, expert em segurança consultado pelo Daily Star chama o ato de “estúpido”, atribui a um “membro júnior do staff” e teme pela quantidade de documentos em situação semelhante que deve existir nos arquivos públicos do Parlamento, esperando por um Espião de Sofá.

Fonte: Defense Tech

emInternet Segurança