Fotografia
Fotografia
Digital Drops Blog de Brinquedo

Além de estradas, no futuro também não precisaremos de fotógrafos

Por em 29 de junho de 2015 - 44 Comentários

static

A imagem acima é bem legal. Sou eu, em um Aston Martin DB9, a meu lado a Luciana Vendramini. Ao fundo o belo hotel Il San Pietro di Positano, na Itália. Essa imagem existe, ao menos matematicamente. Podemos chegar nela variando aleatoriamente o valor de cada pixel ou buscando pelo arquivo JPEG completo por exemplo dentro de π. Há até um trabalho de um artista que se propõe a produzir todas as fotografias possíveis.
continue lendo

emDestaques Fotografia Manipulação digital

Depois do Y2K, o bug agora é o Y2Gay

Por em 29 de junho de 2015 - 114 Comentários
jessica-brooke-real-lesbian-wedding-orlando-florida-alternative-life-photography-design-first-kiss

Nice…

Enquanto milhões de pessoas sensatas celebravam a decisão da Suprema Corte dos EUA, que invalidou as ações proibindo casamento igualitário em vários Estados, um problema se escondia, e nem é o risco alertado por alguns que se o casamento gay for aprovado seremos invadidos por nazistas montados em dinossauros.
continue lendo

emDestaques Software

“Robôs vão nos dominar e usar como pets” — Woz

Por em 29 de junho de 2015 - 64 Comentários

vlcsnap-00001

Nos primórdios da Ficção Científica robôs malvados eram apenas ferramentas, programadas e comandadas por homens malvados. Não tinham vontade própria. Com o tempo foram ganhando mais autonomia, e inteligência artificial vilã se tornou padrão. Filmes como Colossus, séries como Dr Who mostravam máquinas malvadas e implacáveis.

Do outro lado autores como Clarke e Asimov trabalhavam a idéia de robôs neutros, ou malvados com motivo. HAL 9000 estava apenas cumprindo ordens contraditórias. Joshua só queria rodar jogos de guerra, como foi programado pra fazer. 
continue lendo

emDestaque Destaques Miscelâneas Robótica

BREAKING NEWS: Falcon 9 levando uma Dragon explode após lançamento

Por em 28 de junho de 2015 - 71 Comentários

spacex

É, não foi dessa vez. Ou melhor, foi. Em algum momento algo iria dar errado, acontece com todo mundo que é pioneiro e inovador, e dessa vez foi com a SpaceX.

Aos 139 segundos de vôo, o Falcon 9 levando uma cápsula Dragon com 2 toneladas de suprimentos para a ISS sofreu uma falha catastrófica, ou na terminologia da NASA, vôo não-nominal. Dados preliminares, vindos da boca do Homem revelam que um dos tanques de oxigênio líquido do segundo estágio sofreu pressão excessiva.
continue lendo

emDestaque Destaques Engenharia Espaço Hardware

Microsoft agora abusou: HoloLens vai ser testada no espaço

Por em 25 de junho de 2015 - 51 Comentários

chupasilmar

A gente sempre acha que tudo que a NASA faz é futurista, mas até por colocar o fiofó dos astronautas na reta, são extremamente conservadores, se algo funciona, não mudam. Os russos idem. Muito a contra-gosto atualizaram a Soyuz uma ou duas vezes.

Por causa disso a tecnologia usada em órbita é, para quem está em terra, jurássica. A ISS não tem nada de Enterprise do JJ, parece mais o Departamento de TI de uma empresa, cheia de Thinkpads IBM pé-de-boi.
continue lendo

emDestaques Espaço Hardware Microsoft

SpaceX: onde até o fracasso é fantástico

Por em 25 de junho de 2015 - 53 Comentários

falconarrrrrghh

O pessoal do marketing não gosta muito, mas Elon Musk não tem muito problema em falar quando seus experimentos não são exatamente bem-sucedidos, até por ser algo bem raro. O que a SpaceX faz é estudar o material, com paciência e só então liberar, afinal se é pra fracassar, que seja em estilo, Full HD.

Eles divulgam esse material desde o tempo do primeiro foguete da SpaceX, o Falcon 1, tão antigo que dá pra ver a tenda do datilógrafo sendo soprada longe.
continue lendo

emEngenharia Vídeo

F-35 faz a primeira decolagem de rampa

Por em 25 de junho de 2015 - 81 Comentários

maxresdefault

Houve um tempo em que os EUA tinham dezenas de modelos de aviões, cada um especializado em uma tarefa. Havia até a categoria bombardeiro noturno. Caças cuidavam da superioridade aérea enquanto caças-bombardeiros amaciavam as defesas de solo, precedidos por aviões de guerra eletrônica passiva (ui!) e ativa. No final, vinham os B52.

Isso ficou muito caro, então partiram pra aviões multifunção, como o F14, que era excelente mas vivia na oficina, alta performance tem seu preço. A solução foi partir pro Joint Strike Fighter, um conceito de avião que seria um pato: faria um monte de coisas, todas razoáveis, seria vendido para aliados, o custo de desenvolvimento dividido entre Força Aérea, Marinha e Fuzileiros, perfeito.
continue lendo

emEngenharia Hardware