Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Review: Moto Maxx ou “essa bateria é realmente necessária?”

Por em 24 de novembro de 2014

moto-maxx-001

Devo dizer que estou impressionado com o que a Motorola vem realizando nos últimos tempos, embora é preciso convir que o mérito não é inteiramente dela: ela foi completamente remodelada pela quando foi adquirida pelo Google em 2011, indo de uma fabricante de aparelhos medianos e um pós-venda terrível a um sério player no mercado de Androids, graças aos excelentes aparelhos que vem lançando nos últimos dois anos.

Os novos Moto X e Moto G, bem como o Moto E são produtos destinados a perfis bem distintos de usuários: o primeiro é para o que gosta de funcionalidades e design (um que provavelmente compraria um iPhone), o segundo é para quem quer um aparelho de meio-termo que não faça feio, e o último é o modelo de entrada mas bem eficiente. Com o Moto Maxx, a Motorola resolveu mirar no power user, aquele que usa seu smartphone como um verdadeiro computador de bolso e precisa de uma máquina parruda. E nisso ele não decepciona.

continue lendo

emCelular Destaque Destaques Google Resenha

Review: Sony Xperia Z3

Por em 17 de novembro de 2014

XperiaZ3

O Xperia Z3 é o atual smartphone flagship da Sony. Ele conta com tela de 5,2″; proteção à prova d’agua e uma bateria de 3.100 mAh que a Sony promete durar até 2 dias.

Além da bateria, outro diferencial do Xperia Z3 está nos modelos vendidos: um traz TV Digital embutida e outro tem suporte a dois chips, um 4G e outro 2G. E com wearables em alta, uma SmartBand acompanha o aparelho.

Só que com tantos concorrentes bem parecidos — alguns bem mais baratos, inclusive — isso basta para o Z3 se destacar?
continue lendo

emCelular Computação móvel Destaque Resenha

[Hands-on] Primeiras impressões do iPhone 6 e do iPhone 6 Plus

Por em 15 de novembro de 2014

iphone_6

A Apple lançou sexta passada no Brasil o iPhone 6 e o iPhone 6 Plus, seus novos smartphones. Estou testando os dois aparelhos desde quinta-feira, e este texto é para falar sobre as minhas primeiras impressões sobre cada um, mas vocês podem aguardar dois reviews completos, assim que tiver testado eles por mais tempo. A primeira que chama a atenção nos dois é como eles são redondos, e como o iPhone 6 se encaixa bem na mão. A segunda coisa é a espessura, os dois são realmente muito finos, o 6 com apenas 6,9 mm e o iPhone 6 Plus com 7,1 mm; contra 7,6 mm do iPhone 5s.

O iPhone 6 tem tela de 4,7 polegadas que é bem maior do que a do iPhone 5s, mas nada que se compare aos 5,5 do modelo maior, que realmente parece um pequeno tablet. Olhando os dois lado a lado, todas as atenções se voltam para a imensa tela do 6 Plus. A resolução da tela do iPhone 6 Plus é Full HD, e apesar da concorrência já ter telas com resolução Quad HD, na prática isto não faz diferença. Já testei o LG G3, e posso dizer que a tela do iPhone não faz feio na comparação.

Se levarmos em conta o tamanho das telas, os novos iPhones são relativamente leves, o iPhone 6 pesa 129 gramas, enquanto o iPhone 6 Plus, 172 gramas. Como o 6 Plus é maior e mais pesado, e tem uma superfície reta e lisa de alumínio, é preciso ter cuidado e atenção para (horror dos horrores) não derrubá-lo no chão. O uso de uma capa é altamente recomendável nos dois aparelhos, mas no maior é quase uma necessidade.

Indo direto ao ponto, se você está disposto a comprar um iPhone, qual dos dois deve escolher? Bem, isto depende do seu gosto pessoal. Eu gostei muito dos dois smartphones, mas ando numa fase de telas grandes, então realmente aprecio todo o potencial de espaço que o 6 Plus oferece, além da possibilidade de usar apps adaptados para o uso na horizontal, como acontece com os iPads. Também é impossível não pensar em como seria um iPhone intermediário, com digamos 5 ou até 5,2 polegadas; como o Moto X modelo 2014. Outra razão para a minha preferência pessoal é a câmera.

continue lendo

emAnálise Apple e Mac Celular Computação móvel Destaque Destaques Hardware Resenha

Review: Microsoft Band, um smartwatch escondido em uma pulseira fitness!

Por em 3 de novembro de 2014

IMG_20141030_141657_640

Há alguns dias o Cardoso mostrou pra gente a Microsoft Band. Todas as especificações técnicas estão lá no post dele, disponível através deste link. Hoje vamos falar da experiência de uso do gadget.

Recebi da Microsoft o kit com a pulseira inteligente e desde o primeiro instante estou usando — ou seria melhor dizer “vestindo”? — o produto, comparando com algumas outras pulseiras e relógios que eu costumo utilizar no dia-a-dia. O meu objetivo aqui é trazer pra vocês um review sincero e o mais abrangente possível.
continue lendo

emAcessórios Computação móvel Destaque Destaques Microsoft Planeta Sem Fio Resenha

Review: iPad Mini 2, será que ainda vale a pena comprar?

Por em 3 de novembro de 2014

ipad-mini-2_1

O iPad Mini 3 já foi anunciado pela Apple, mas trouxe poucas diferenças em relação ao iPad Mini 2, modelo do ano passado e que ainda segue a venda no Brasil. Testei o iPad Mini 2 na versão preta por mais de um mês no dia a dia, deixando o iPad Air totalmente de lado, e este post vai mostrar as minhas impressões sobre o aparelho, e tentar responder a pergunta, vale a pena comprar o iPad Mini 2 agora, ou é melhor esperar pelo novo modelo com Touch ID ou até mesmo pelo novo iPhone 6 Plus, que já é praticamente um tablet?

A resposta é simples, mas depende do caso. Se você não aguenta esperar, vá em frente, mas é provável que ele baixe de preço com o lançamento do novo iPad Mini 3. O Mini 2 não tem Touch ID, mas fora isto é absolutamente idêntico ao novo modelo, a não ser por não ter uma versão com acabamento dourado e 128 GB de capacidade. Seu processador A7 dual-core (1,3 GHz) de 64 bits dá conta do recado e funciona muito bem inclusive com o novo iOS 8.1, lançado dia 20/10 pela Apple. Se você está acostumado com o Mini original, a diferença com processador A7 e o processador M7 é realmente bem grande.

ipad-mini-2_3

Desde a sua primeira versão, o iPad Mini é um ótimo companheiro para viagens, e também para andar na mochila ou até mesmo no bolso de trás, algo que não recomendamos para não causar acidentes. O Mini 2 tem exatamente com o mesmo formato da primeira versão, mas é um pouco mais pesado com 23 ou 29 gramas a mais nas versões Wi-Fi e 4G. Ele também é um pouco menos fino que o original, com 7,5 mm de espessura contra 7,2 mm; mas isto é compensado e muito pela tela Retina. Com a mesma resolução do iPad Air em 7,9 polegadas, a tela oferece a melhor taxa de densidade de toda a linha iPad, com 326 pixels por polegada, e é a grande vantagem do Mini 2 em relação ao modelo original, pois ela é perfeita para ler textos, ver fotos e navegar pela web. Quando você olha de longe, a tela Retina pode até não fazer muita diferença, mas de perto é outra história, além das cores serem mais nítidas e fiéis do que as do Mini original.

O grande trunfo da linha iPad é a App Store, e suas opções de aplicativos de alto nível criados especialmente para tablets. Eu poderia citar uma infinidade de aplicativos que uso no dia a dia, mas vou ficar com o mais importante deles, o app Notability, eu gravo palestras e apresentações fazendo anotações em palavras chave, e posso ouvir tudo depois, ou apenas as frases que realmente quero usar no texto. Qualquer dono de iPad certamente teria uma resposta diferente, mas garanto que seria algum aplicativo tão interessante ou útil quanto este. Outra razão para optar pela Apple são os programas iWork e que merecem aplausos, especialmente o iMovie, Garage Band e o Keynote.

Com o iPad Mini 2, jogar é uma diversão, já que a tela e o processador fazem bonito até com os jogos mais recentes, e ele é bem mais leve que o iPad Air. Para filmes e séries, o formato 4:3 não ajuda muito, mas como a tela tem resolução suficiente para ficar bem perto dos olhos, dá pra assistir muito bem.

continue lendo

emAnálise Apple e Mac Resenha

Review: LG G3, o smart com uma tela que é um desbunde

Por em 17 de outubro de 2014

g3-002

O LG G3 chegou ao mercado com a promessa de pelo segundo ano consecutivo, superar todos os seus concorrentes top de linha e se posicionar como o mais moderno smartphone disponível. Após duas semanas de testes com ele, venho aqui e digo o seguinte: eles conseguiram. O aparelho realmente é incrível (com alguns probleminhas), e aqui estão nossas impressões.

continue lendo

emAnálise Celular Destaque Destaques Hardware Resenha

Poki — cliente Pocket para Windows Phone

Por em 15 de outubro de 2014

poki

O Pocket é uma daquelas aplicações multiplataformas essenciais, desde quando se chamava Read It Later. Permite que mesmo gente beirando níveis patológicos de déficit de atenção consiga coletar e organizar informação sem parar de se dispersar, que é quando estamos realmente felizes.

Ele é ferramenta auxiliar essencial de aplicações como o Flipboard e o Feedly. Você vê uma notícia, passa os olhos, acha que há mérito e marca para leitura posterior. Se quiser acrescenta uma tag organizacional. Quando o depois chegar, seus links estarão todos lá.

Presente em todas as principais plataformas, o Pocket fazia falta no Windows Phone, mas aí surge outro fenômeno curioso: o WP já chegou a um ponto onde é interessante desenvolver para ele, então se o autor do software original não quer, tem quem queira. No caso do Pocket, surgiu o Poki, tanto para Windows Phone quanto para Windows Windows.
continue lendo

emCelular Computação móvel Resenha Software