Digital Drops Blog de Brinquedo

Heartbleed foi introduzido por acidente: falha também afeta roteadores

Por em 11 de abril de 2014

xkcd-heartbleed-explained

O Heartbleed, o bug catastrófico que tornou 66% da internet vulnerável a qualquer um que consiga invadir um servidor, conseguir copiar as chaves e acessar informações cruciais de praticamente tudo que deveria estar criptografado está tirando o sono de todo mundo. dos administradores de sites e serviços, que estão decidindo entre revogar e reenviar os certificados digitais; já os usuários serão obrigados a mudar quase que a totalidade de todas as senhas que utilizam, desde que os serviços utilizem OpenSSL e tenham sido listados como vulneráveis.

A pergunta que muita gente está fazendo é: como uma falha tão grotesca apareceu? O desenvolvedor alemão Robin Seggelmann respondeu em uma entrevista ao Sydney Monday Herald: ela foi introduzida por acidente através de um erro de programação que não foi revisado antes de entrar no ar.

continue lendo

emInternet Segurança Web 2.0 Wireless e Redes

Gogo vai disponibilizar Wi-Fi 70 Mb/s em vôos transatlânticos. PÔ, AGORA?

Por em 9 de abril de 2014

proof5-3

Pra quem vive na ponte aérea Rio-São Paulo ficar uma hora sem conectividade não é o fim do mundo, ainda mais com os preços das empresas que oferecem internet a bordo. Já quem viaja para o exterior, e absolutamente positivamente precisa consultar e-mail mandar uma DM ou acessar o servidor doméstico e apagar a pasta Best of Traci Lords antes que a esposa descubra, conectividade é essencial.

A Gogo oferece esse serviço. Utilizada por oito empresas dos EUA e Canadá, são mais de 2.000 aviões comerciais e 6.300 jatos particulares e cargueiros conectados. Uma antena de 4,5 polegadas conecta o avião a satélites de comunicação, conseguindo uma velocidade de 9,8 Mb/s.

O ping é uma droga mas aí a culpa é de Einstein.

Um hotspot Wi-Fi distribui a conexão para aparelhos dentro do avião, e o usuário pode se conectar com vários planos, que vão de um passe de 1 h por US$ 5,00 a um pacote mensal ilimitado de US$ 49,95; que dá acesso geral em qualquer vôo de qualquer uma das empresas participantes. Parece muito mas pra quem viaja a sério é uma pechincha.

Agora a Gogo anunciou que em meados do ano que vem disponibilizará links com velocidade de 70 Mb/s. Isso mesmo. Praticamente um cabo Ethernet sendo arrastado pelo avião. E isso no mundo todo.

O futuro se torna cada vez menos misterioso e cada vez mais conectado.

Fonte: EG.

emComunicação Digital Planeta Sem Fio Wireless e Redes

Thunderbolt Networking permite transferir dados entre Macs e PCs a 10 Gb/s

Por em 8 de abril de 2014

thunderbolt-networking

Até o momento apenas poucos privilegiados possuem dispositivos com as portas Thunderbolt 2, a mais recente evolução para seu conector que permite transferência de dados em altíssimas velocidades, além de poder encadear monitores, NAS e outros dispositivos, possibilitando transferência de dados e execução de vídeo ao mesmo tempo. Por enquanto apenas a linha Macbook Pro de 2013, o novo Mac Pro e novas placas de ponta da ASUS contam com a interface.

Só que isso não basta. Para editores de vídeo, som e música que precisam transferir dados de um computador para outro rapidamente, a Intel anunciou na NAB 2014 uma atualização do padrão de conectividade. Chamado de Thunderbolt Networking, ele vai permitir que dois computadores com a porta possam trocar dados via cabo, em uma rede de dados numa velocidade de até 10 Gb/s.

continue lendo

emApple e Mac Computação móvel Comunicação Digital Hardware Internet Microsoft Wireless e Redes

Google defende que é Legal monitorar Wi-Fi de usuários que dão mole

Por em 3 de abril de 2014
google-dr-evil

Lembrem-se crianças, Don’t Be Evil

Em 2010 Alemanha e Irlanda ficaram em pé de guerra contra o Google, quando descobriram que os carros do Street View faziam mais do que fotografar inocentemente a vizinhança. Eles também monitoravam redes Wi-Fi.

Tecnicamente não há nada de errado nisso, é uma forma de aumentar a precisão do GPS. Guardando a identificação de um roteador E a localização geográfica dele, você já sabe mais ou menos aonde está mesmo que o GPS não tenha ainda fixado sua posição.

Só que foi descoberto que o sistema do Google ia além. Capturava, via packet sniffing, tráfego de todas as redes Wi-Fi abertas que encontrava. O Google havia engajado sua frota em um esforço mundial de Wardriving, de envergonhar a NSA.
continue lendo

emGoogle Internet Segurança Wireless e Redes

Marco Civil da Internet: conversamos com Flávia Lefèvre Guimarães, ex-integrante do conselho consultivo da ANATEL

Por em 26 de março de 2014

marco_civil_aprovado

Conversamos com sobre o Marco Civil da Internet com Flávia Lefèvre Guimarães, ex-coordenadora jurídica do IDEC e ex-membro do conselho consultivo da ANATEL de 2006 a 2009. Flávia também é integrante da diretoria de infra-estrutura de Telecom da FIESP, Mestre em processo civil pela PUC-SP e participa do Conselho Consultivo da PROTESTE, onde está desde a sua fundação em 2001. Em sua página em uma rede social, Flávia cita Pierre Lévy: “O Brasil está na vanguarda. O Marco Civil da Internet é muito bom e o melhor é que ele foi feito de forma colaborativa”.

MB: Em primeiro lugar, por qual motivo a aprovação do Marco Civil da Internet era tão importante? O que estava realmente em jogo?

Flávia: O PL 2126/2010 pretende estabelecer princípios para a convivência dos mais diversos interesses na internet. E estabelecer esses princípios e regras é fundamental. Primeiro porque a internet é um ambiente com um enorme potencial econômico, o que significa que grandes grupos tendem a se apoderar deste espaço e se não tivermos regras, o caráter público e a finalidade social das redes pode ser solapado de modo que a internet se transforme num negócio simplesmente.

Ocorre que a internet é um espaço público onde devem ser preservados os direitos fundamentais das pessoas, tais como o direito de se comunicar, de se informar, de se educar e buscar cultura e de exercer manifestações políticas. Além disso, tem papel preponderante para os estados, na medida em que os Poderes Públicos atuam em grande medida na internet como, por exemplo, na emissão de documentos, na atividade tributária, no sistema financeiro, nos sistemas previdenciários, no sistema eleitoral, entre outros.

Sem regras de convivência na internet estamos sujeitos aos interesses privados daqueles com mais força para fazer prevalecer suas posições, deixando os cidadãos em situação de extrema vulnerabilidade.

Costumo dar como exemplo a Floresta Amazônica, que é um patrimônio difuso. O que restaria da floresta se não tivéssemos o Código Florestal?

O MCI é que vai garantir que governos e empresas não se apropriem de um espaço público comprometendo a democracia e a inclusão digital. Estamos tratando de um direito fundamental reconhecido como tal pela ONU e que está na pauta de regulamentação tanto na Europa quanto nos EUA.

MB: Por que as empresas telefônicas estavam posicionadas contra a neutralidade da rede?
continue lendo

emDestaque Destaques Entrevista Especial Internet Web 2.0 Wireless e Redes

Titanfall e o 3º mundo: caro no Brasil, cancelado na África do Sul por infraestrutura online ruim

Por em 9 de março de 2014

Laguna_Titanfall_SouthAfrica_Flag

Nem preciso falar muito sobre o Lucro Brasil, que encarece nossos desejados eletrônicos com a desculpa esfarrapada de que os varejistas sofrem com os altos impostos (não deixa de ser em parte verdade), mas a situação dos recentes jogos vendidos no país merece atenção. Dá até para colocar a culpa na Copa do Mundo no caso do preço cobrado pelos jogos de futebol, mas o que dizer de Titanfall?

O aguardado jogo de tiro multiplayer em primeira pessoa da Respawn Entertainment, exclusivo para os consoles da Microsoft, já entrou em pré-venda e terá a versão física vendida por R$ 250 (versão XBox One) nos principais varejistas brasileiros. Por um valor menos caro, R$ 200, você pode levar a versão XBox 360 do Titanfall.

E temos mais um porém aqui: além de caras, as mídias físicas do Titanfall serão lançadas no Brasil com atraso de algumas semanas em relação ao lançamento norte-americano, que será depois de amanhã, terça-feira, no caso das versões XBox One e PC. Quem optar pelo XBox 360, provavelmente só verá o jogo desenvolvido pela Bluepoint Games numa prateleira brasileira em abril. Agradeça à Warner Bros., distribuidora de Titanfall em mídia física no Brasil.

Quem quiser jogar Titanfall logo no lançamento, terá de comprar a versão PC direto por download: exclusivo do Origin, o jogo que é somente multiplayer custa R$ 99,90 (versão padrão, adicione na conta mais R$ 50 pelo Season Pass da versão Deluxe) e já está em contagem regressiva. Compre e baixe agora mesmo, comece a jogar no lançamento, dia 11 de março.

Se você, brasileiro, acha ruim pagar caro pela versão física ou ter que aturar a loja digital da Electronic Arts, saiba que ainda está com sorte: se você morasse na África do Sul, saberia que a EA simplesmente cancelou o lançamento de Titanfall por lá graças ao péssimo desempenho da conexão aos servidores. Isso mesmo, alguém consegue ter piores conexões à internet que o Brasil.
continue lendo

emComputadores Destaques Microsoft Wireless e Redes

ARK, um carregador sem fio bonitinho e portátil

Por em 20 de janeiro de 2014

ark-qi-charger

Com a evolução de nossos gadgets de bolso para computadores cada vez mais eficientes, a performance energética obviamente caiu consideravelmente. Claro que um Lumia 1020 faz muito mais do que os antigos celulares de adamantium da empresa, e por conta disso o consumo de energia é maior. Uma bateria padrão de smartphone funciona malemá por um dia se você espremer até a última gota, e dependendo da situação nem sempre contamos com uma tomada por perto.

As baterias portáteis como as da Mophie são muito úteis, mas ainda esbarram no inconveniente dos cabos. A tecnologia Qi, homologada em julho de 2010 por diversas companhias para padronizar o carregamento por indução já vem sendo implantado em uma série de dispositivos, mas nem todos são compatíveis diretamente. Para ao menos atenuar esse cenário Bezalel Corp. lançou no Kickstarter a campanha do ARK, um carregador sem fio que promete beneficiar até os iPhones.

continue lendo

emComputação móvel Hardware Mercado Planeta Sem Fio Wireless e Redes