Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Quer testar o SteamOS sem formatar o HD? VirtualBox nele!

Por em 17 de dezembro de 2013

steamos

Na última sexta-feira a Valve despachou para 300 sortudos dos Estados Unidos as unidades de testes das Steam Machines, os consoles que prometem uma verdadeira revolução ao finalmente colocar os games de PC na sala de uma forma simples. Para quem ficou de fora e gostaria de testar pelo menos o sistema operacional, a empresa também disponibilizou de forma não muito ordeira o SteamOS, embora era não tenha facilitado em nada para quem quiser instalar por conta própria.

A Valve preferiu dificultar as coisas, distribuindo apenas os arquivos de instalação. Não dá para montar uma ISO e usar o Universal USB Installer. Claro que para quem já é macaco velho de Linux fazê-lo rodar não é nenhum problema, mas o problema principal é outro: como a Valve pretende que as Steam Machines sejam PCs dedicados para jogos, a instalação não possui opções de particionamento: ela formata o HD sem dó.

Como não há um modo simples de utilizar o sistema em Dual Boot, quem quiser testar a interface será obrigado a partir para a virtualização, e nessa hora o VirtualBox quebra um galho e tanto.

continue lendo

emComputadores Cultura Gamer Dicas Linux Linux Software Tutorial

Google remove função do Android que controlava apps individualmente

Por em 16 de dezembro de 2013

android-app-ops

Quando o Android 4.3 foi lançado, foi descoberta uma função muito útil e secreta que o Google adicionou ao sistema operacional, e por causa disso mesmo ela foi de certa forma bem escondida: chamada App Ops, ela entregava nas mãos dos usuários um controle fino das permissões dos aplicativos, informando o que cada um acessa e dando opções do que elas poderiam usar ou não.

A maioria dos usuários não tem o menor costume de verificar o que um app acessa quando o instala em seus smartphones ou tablets, e não raras as aplicações que fazem uso de um sem número de recursos. Pior, o Android até então não dispunha de uma ferramenta útil para visualização posterior. Com o App Ops isso muda: se você não quiser que um aplicativo acesse o GPS, Agenda, procure redes Wi-Fi, compartilhe sua localização e muito mais, era só determinar o que não deveria ser usado. Claro, como o recurso não era acessível diretamente, um app de terceiros era necessário para utilizá-lo.

Na época eu desconfiava que o Google não entregaria o acesso nativamente aos usuários, mas a verdade é que o App Ops nem deveria ter sido incluído em primeiro lugar, pelo menos não agora. A última atualização para o Android 4.4.2 KitKat capou o recurso, sob a alegação de que o feature era experimental, e que o uso contínuo poderia gerar erros em alguns apps. Se levarmos em conta que para acessá-lo era preciso um app não-nativo é compreensível a preocupação. Entretanto muita gente não engoliu essa desculpa – principalmente Peter Eckersley do EFF, que foi o primeiro a contatar o Google e não se convenceu, dizendo que “nada que a empresa disser justifica o ato”. Afinal o Google vive de coletar dados.

O Google não disse quando ou se o recurso voltará ao Android; é possível, mas eu não esperaria por ele tão cedo.

Fonte: Reuters e EFF.

emComputação móvel Google Planeta Sem Fio Software

Instagram lança recurso de mensagens diretas, mirando suas armas no WhatsApp e Snapchat

Por em 12 de dezembro de 2013

instagram-direct

Quando o Instagram introduziu há alguns meses a possibilidade de gravar vídeos, o uso do Vine caiu vertiginosamente, além do mais o app outrora “exclusivo” de uma minoria de mais de 10 milhões de usuários de iPhones permite realizar uma gravação de até quinze segundos, contra quatro do concorrente desenvolvido pelo Twitter.

Quando o Snapchat surgiu, veio com ele a possibilidade de compartilhar fotos com um número limitadíssimo de pessoas e apenas por um curto espaço de tempo. Ainda que não seja exatamente a mesma coisa, muitos usuários do Instagram sempre tiveram a vontade de postar seus compartilhamentos de uma forma mais direcionada, enviando uma ou outra foto para apenas um amigo, ou para um grupo seleto.

continue lendo

emApple e Mac Áudio Vídeo Fotografia Computação móvel Comunicação Digital Destaques Google Planeta Sem Fio Software

Duolingo para iOS agora conta com personal trainer

Por em 12 de dezembro de 2013

duolingo-personal-trainer

Vamos admitir uma coisa aqui: a língua ainda é um grande empecilho para muita gente. Pode parecer estranho, mas quando entrei no curso de Análise de Sistemas, onde o entendimento de inglês ao menos instrumental é obrigatório, haviam alunos que simplesmente não sabiam nada do idioma. Transfira isso para o cenário cotidiano e você terá uma boa ideia do que acontece por aqui.

É por isso que cursos online gratuitos como os oferecidos pelo Duolingo (aquele projeto do pai do CAPTCHA Luis von Ahn que pretende traduzir toda a web e que lançou uma incubadora de idiomas) são tão legais. A bem da verdade ele não é simplesmente um curso de idiomas, mas um jogo que recompensa o aluno com prêmios após cada etapa cumprida. Ele permite o acesso aos cursos tanto pelo site quanto pelos apps para iOS e Android. E hoje a versão para dispositivos Apple recebeu uma grande atualização, introduzindo dois novos recursos: o Treinador de Idiomas e a loja online.

continue lendo

emComputação móvel Comunicação Digital Planeta Sem Fio Software

Google finalmente libera app do Gerenciador de Dispositivos Android na Play Store

Por em 12 de dezembro de 2013

android-device-manager

Enquanto o Google algumas vezes impressiona o público com projetos como o Loon, que promete levar internet de graça aos recônditos da Terra através de balões, por outro algumas vezes ela tropeça e feio no básico. Uma das maiores reclamações dos usuários do Android era o fato de que o sistema não contava até bem pouco tempo atrás com uma ferramenta nativa de localização de dispositivos, como o iOS fez há um bom tempo com o Find My iPhone.

Somente em agosto a empresa resolveu fazer a lição de casa e disponibilizou o Gerenciador de Dispositivos Android, que faz basicamente a mesma coisa que sua contraparte para os iGadgets e um monte de apps de terceiros como o Cerberus e o Droid Finder: caso seu smartphone ou tablet seja roubado ou você o esqueça em algum lugar, basta acessar este site aqui, que tentará rastreá-lo, informando o endereço em que ele se encontra (caso a opção de compartilhamento de posição esteja habilitada); a partir daí é possível fazê-lo tocar por até cinco minutos no último volume, bloqueá-lo e só liberar o aparelho mediante entrada de uma senha ou, caso ele tenha se perdido de vez e não haja mais esperanças de recuperá-lo, selecionar “Apagar” e fazer um wipe completo. Obviamente que o site não realiza backup dos arquivos, mas para quem já perdeu o aparelho…

Só que mesmo essa opção não era perfeita, já que um app dedicado ainda não havia sido lançado e exigia o uso de um PC, e o tempo para acessar um numa situação de roubo pode ser fatal. Hoje o Google corrigiu a falha, liberando o Gerenciador de Dispositivos Android na Play Store, obviamente de graça e compatível com todos os aparelhos a partir do Android 2.3 Gingerbread. Com isso agora não é mais preciso depender de um desktop para localizar ou desativar seus gadgets, desde que você possua um segundo dispositivo Android.

É cópia? Pode até ser, mas é uma cópia muito bem-vinda e é imprescindível que o app venha pré-instalado em todos os Androids daqui pra frente: é preciso pensar grande, o sistema equipa desde o aparelho top de linha ao pé-de-boi, e muitos usuários sequer tem a cultura de instalar apps. E já que a Apple copiou a área de notificações, pode-se dizer que estão quites e todo mundo sai ganhando.

Fonte: Google Play.

emComputação móvel Comunicação Digital Google Planeta Sem Fio Software

Normandy seria projeto da Nokia de aparelho de baixo custo com… Android?!?

Por em 11 de dezembro de 2013

nokia-normandy

Antes da Nokia ser comprada pela Microsoft neste ano, já era de conhecimento que a empresa finlandesa andou experimentando outros sistemas em seus produtos, para ser mais preciso, o Android. Ainda que a parceria fixada em 2011 com Redmond tenha salvo a companhia da irrelevância, internamente a Nokia ainda mantinha o Symbian e um modelo de Lumia com o robozinho seria mais uma opção, já que o contrato para utilizar o Windows Phone terminaria no fim de 2014.

Um desses projetos apareceu em novembro através do informante oficial @evleaks, e seria conhecido pelo codinome “Normandy”. Segundo divulgado pelo perfil, ele seria um meio-termo entre a linha Asha de celulares baratos e a marca Lumia, entretanto fontes internas começaram a divulgar que o tal smartphone rodaria um fork do Android, assim como a Amazon fez com o KindleOS e que o lançamento estaria programado para o início do ano que vem.

O problema é que as coisas mudaram nos últimos meses. O dito “cavalo-de-troia” que a Microsoft implantou na Nokia, mais conhecido como o ex-CEO Stephen Elop fez de tudo na empresa para em teoria preparar o terreno para a aquisição pela Microsoft, como por exemplo o fim do Symbian e Meego. Há quem diga que a compra foi apressada quando as informações de que a Nokia pretendia também lançar um Android começaram a circular internamente.

Fontes dizem que a Nokia ainda pretende lançá-lo, muito provavelmente antes da conclusão da aquisição pela Microsoft e que ele entraria na faixa de preço da linha Asha. Eu não creio. Pode ter sido um projeto interessante antes do acordo, mas agora ele simplesmente não tem lugar. O hardware parece interessante, como ele não tem botões físicos na parte da frente poderia muito bem ser um Lumia de entrada com botões virtuais, recurso já prometido para o Windows Phone 8.1.

Fonte: The Verge.

emComputação móvel Comunicação Digital Hardware Mercado Planeta Sem Fio Software

Confirmado: LG G Pad 8.3 e Sony Xperia Ultra Z são os dois novos produtos com Android puro

Por em 11 de dezembro de 2013

lg-g-pad-8-3-google-play-edition

Até ontem diversas informações circulavam a respeito do que o Google pretendia com o misterioso tablet LG V510, se ele seria uma variante do LG G Pad 8.3 mas repaginado como um Nexus ou o próprio aparelho simplesmente com Android puro, como a própria LG deixou escapar.

Pouco tempo depois da pequena gafe da empresa coreana, o Google confirmou que realmente se trata de um novo tablet equipado com o Android puro e livre de qualquer customização, como já faz com o Galaxy S4 e o HTC One e em breve com o Moto X. A única novidade nessa história é que ele não vem sozinho, já que o smartphone Sony Xperia Ultra Z também entrou na brincadeira.

continue lendo

emComputação móvel Comunicação Digital Google Hardware Mercado Planeta Sem Fio Software