Mobile
Mobile
Digital Drops Blog de Brinquedo

Facebook for Work, nova rede social para uso corporativo

Por em 15 de janeiro de 2015

facebook-for-work

Circulavam rumores há algum tempo de que o Facebook estava trabalhando em uma versão de sua rede social com uso mais voltado para o ambiente de trabalho, e nesta quarta-feira a empresa confirmou as suspeitas: o Facebook for Work, nome dado ao projeto é a tentativa de Mark Zuckerberg de expandir seu território para o mercado corporativo.

continue lendo

emComputação móvel Destaques Internet Planeta Sem Fio Produtividade Software Web 2.0

Procrastinação? Não mais, Facebook agora quer ser produtivo no ambiente de trabalho

Por em 17 de novembro de 2014
Laguna_Facebook_in_bed

Home Office 2.0 (Crédito: Engadget)

Convenhamos que Facebook e produtividade não combinem muito: você tem trabalho a fazer, dá aquela espiadinha nas fotos da linda amiga e lê um textão qualquer sobre o assunto polêmico de anteontem e pronto, lá se vai uma manhã inteira. Se entrar em treta com o amigo da onça, aí lá vai a tarde.

O tio Laguna pode usar a desculpa de que atualiza a página do MeioBit para estar conectado na tal rede social, mas e quem não trabalha com o Facebook, como justificar a procrastinação?
continue lendo

emProdutividade Software Web 2.0

É usuário de Office no iPad? Você pode ter direito a uma grana

Por em 10 de novembro de 2014

office-ipad-003

Quando o Office para iPad foi introduzido há alguns meses, foi decisão da Microsoft que ele seria a única plataforma que ainda exigiria uma assinatura do Office 365 para que os apps fossem utilizados nele: quando de seu lançamento as versões para iPhone e Android foram libertadas, e muito se questionou se um dia as versões para o tablet da Apple também teriam o mesmo destino.

Pois bem, bastaram oito meses e o fato se concretizou: desde a última semana usuários de dispositivos móveis em geral têma acesso a todas as funcionalidades do Office sem ter que enfiar a mão no bolso, fazendo a cobrança exclusiva dos usuários de desktop. Só que há um detalhe: há a possibilidade de os usuários de iPads receberem um reembolso parcial caso não queiram mais manter a assinatura do serviço, se atenderem algumas exigências.

continue lendo

emApple e Mac Destaques Microsoft Planeta Sem Fio Produtividade Software Web 2.0

Parceria entre Dropbox e Microsoft trará integração com Office

Por em 5 de novembro de 2014

dropbox-plus-office

O Dropbox tentou, tentou, bateu cabeça mas não teve como manter sua decisão tacanha de não cortar seus preços, quando seus principais concorrentes ofereciam mais espaço por um menor valor. Isso fez com que o serviço perdesse tração frente ao Google Drive e ao OneDrive, e agora para recuperar um pouco do velho prestígio não só se adequou à oferta de armazenamento como fechou uma parceria inusitada com a Microsoft, a fim de que o serviço possa se integrar com o Office em smartphones, tablets e em sua versão para web.

continue lendo

emComputação móvel Internet Microsoft Planeta Sem Fio Produtividade Software Web 2.0

Assinantes do Office 365 terão espaço ilimitado no OneDrive

Por em 28 de outubro de 2014

onedrive-unlimited

A guerra do armazenamento na nuvem continua. Google, Dropbox e Microsoft fazem de tudo para conquistar o consumidor, sendo que a primeira e a última forçaram a concorrente a rever suas políticas como forma de evitar sua morte prematura. Só que agora Redmond dá um golpe certeiro em ambas rivais: a partir de agora e de forma gradual, todos os assinantes do Office 365 passarão a contar com armazenamento ILIMITADO no OneDrive.

continue lendo

emComputação móvel Internet Mercado Microsoft Planeta Sem Fio Produtividade Software Web 2.0

Seu cérebro sabe que aquilo é altamente calórico

Por em 25 de outubro de 2014

brain-food1

Alguém aí já se perguntou como é determinado o valor calórico dos alimentos?

Era uma dúvida que eu sempre tive até que um dia, lá em meados do quinto ano da faculdade de química, tivemos essa prática laboratorial em uma disciplina de química analítica. Sabemos que os alimentos são compostos de várias classes alimentícias, como carboidratos, fibras (um tipo de carboidrato não digerível por nós), lipídios e proteínas.

Cada uma dessas classes contribui com uma informação calórica diferente. A ideia é, então, separá-las e calcular a quantidade que há de cada uma. Depois de diversos processos de extração e algumas reações, determinamos as quantidades de cada espécie e com alguns cálculos simples conseguimos encontrar o valor calórico de um alimento.

É importante lembrar que as calorias não estão relacionadas se um alimento é ou não saudável, e sim com a quantidade de energia que ele consegue fornecer, que é equivalente ao calor trocado quando a massa de um grama de água passa de 14,5 °C para 15,5 °C. Mas é fato que alimentos industrializados, mais saborosos e aquela batata frita são altamente calóricos.

Desta vez, foi realizado um estudo sobre o que seu cérebro acha disso tudo. Quando você olha um cardápio ou anda entre os corredores em um supermercado, você pode estar pensando em como é o sabor de cada alimento, se ele é nutritivo, ou você pode apenas estar tentando decidir o que você pode comer que combine com seu humor naquele momento. No entanto, uma nova pesquisa com neuroimagens sugere que, enquanto você está pensando todas essas coisas, um “contador de calorias interno” no seu cérebro também está avaliando cada alimento com base na sua densidade calórica. Os resultados foram publicados na Psychological Science, uma revista da Association for Psychological Science.
continue lendo

emDestaque Destaques Medicina Produtividade

Agora o café faz bem: beber café pode ser bom para o fígado

Por em 18 de outubro de 2014
café

Amor pelo Café

Volta e meia aparecem pesquisas sugerindo benefícios e outras os malefícios de se tomar um cafezinho. A bola da vez é uma boa notícia para os amantes do líquido negro.

Pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer revelaram que beber café descafeinado pode beneficiar a saúde do fígado. Os resultados do estudo publicado na revista Hepatology, um jornal da Associação Americana para o Estudo das Doenças do Fígado, mostram que o alto consumo de café, independentemente do teor de cafeína, foi associada à níveis mais baixos de enzimas hepáticas anormais. Isto sugere que os compostos químicos presentes no café, sendo a cafeína indiferente, podem ajudar a proteger o fígado.

O consumo de café é altíssimo: mais de metade de todos os norte-americanos com mais de 18 anos bebem, em média, três xícaras por dia, segundo um relatório de 2010 da Associação Nacional do Café dos EUA. Além disso, a Associação Internacional do Café relata que o consumo aumentou um por cento a cada ano desde a década de 1980 e está aumentando para 2% nos últimos anos. Segundo eles, há estudos anteriores que descobriram que o consumo de café pode ajudar a diminuir o risco de desenvolver diabetes, doença cardiovascular, doença hepática gordurosa não alcoólica, cirrose e câncer de fígado.
continue lendo

emDestaque Destaques Medicina Produtividade