Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Se você acha XBox um nome estranho, descubra as opções descartadas pela Microsoft

Por em 8 de julho de 2013

gogoni-xbox-classic

Hoje em dia há quem ache o nome XBox estranho, sem considerar que ele é a abreviação da intenção da Microsoft ao lançar um console de mesa: que ele fosse um DirectX Box. Por isso há toda a controvérsia em como escrever o nome, com B maiúsculo ou minúsculo. Como é uma junção de duas palavras, a grafia XBox é a correta, mas a informal Xbox acabou se popularizando, sendo que a própria Microsoft a utiliza.

Mas se você acha Xbox estranho, Seamus Blackley, ex-agente da Creative Artists Agency e ex-Microsoft disse em recente entrevista que a empresa considerou cerca de 35 nomes para o console, e a lista contém opções que variam do ridículo ao constrangedor.

Blackley, que na época trabalhava no desenvolvimento do DirectX e posteriormente foi movido para o time do primeiro Xbox (que era conhecido por esse codinome e por outros dois: WEP – Windows Entertainment Project e Midway, baseado na batalha da WWII), recebeu uma lista de sugestões internas que parecem ter surgido numa esquete no Monty Python, tais como XON (Experience Optimised Network), R&R (Reality and Revolution), M-PAC (Microsoft Play and Action Center), CPG (CyberPlayGround) e AIO (All In One, olha aí o embrião do One).

Blackley sabiamente recusou todas as sugestões, e depois a equipe decidiu seguir com Xbox mesmo, já que todo mundo na Microsoft o chamava assim, ainda que alguns insistissem em chamado de 11-X or Eleven-X. A partir daí foi decidir a grafia: xBox, XBox, XboX, X-Box…

Ainda que a Microsoft tenha se decidido por usar o nome provisório (para você ter ideia de quão ruins eram as opções), é divertido imaginar como seriam as coisas caso alguém tivesse dado uma de louco e escolhido um nome diferente. ;)

Siga o link para a lista completa.

Fonte: EDGE.

emMicrosoft Museu

Super amarelão

Por em 5 de julho de 2013

O envelhecimento e o consequente amarelamento de alguns plásticos usados na carcaça não é exclusivo dos consoles de videogames, eles também acontecem muito com computadores e outros tipos de eletrônicos, principalmente os que usam o plástico ABS na sua composição. O ABS é um composto com baixa taxa de abrasividade e grande estabilidade dimensional, por isso é largamente usando na indústria, tanto na construção, como na fabricação de objetos do cotidiano.

Só que nem tudo são flores. Apesar da alta resistência térmica, por razões de segurança, os fabricantes incluem na fórmula um componente químico chamado retardante de chamas, que pelo próprio nome indica tem a função de atrasar o ponto de ignição do composto para que este demore mais a incendiar-se. Em quase todos os artigos técnicos da indústria de plásticos que eu li, este componente é o que mais apresenta chance de degradação através da exposição a radiação UV e ao oxigênio. Portanto, apresento-lhes nosso supervilão de hoje, a Bromina.

Super Nintendo Amarelo

Então, por que a porcaria do console ficou assim?

Isso ainda não explica por que alguns consoles e gabinetes ficam amarelos apenas em alguns pontos e em outros não e a resposta correta é digamos, difícil de precisar.
continue lendo

emCultura Gamer Museu Nintendo

Final Fantasy VII chega ao Steam

Por em 4 de julho de 2013

Final Fantasy VII

Após a Square-Enix confirmar que Final Fantasy VII estava a caminho dos PCs (e posteriormente, para o Steam, assim como FFVIII), os fãs estavam esperando quando o game daria as caras. Pois bem, a espera acabou: a partir de hoje e por apenas R$ 20, você poderá adquirir o game que levou a franquia para o 3D e que muitos consideram o melhor capítulo de toda a série.

continue lendo

emComputadores Museu

Outro dia, outro game de fã do Mega Man em 8 bits. Dessa vez, baseado em MM Legends 3

Por em 2 de julho de 2013

gogoni-mml3-prototype

Eu sei, eu sei, eu gosto de falar de Mega Man porque sou fã do robozinho azul além de gostar de retrogames, apesar de não ter curtido a direção que a Capcom tomou em Mega Man 9 e 10. Após bons títulos em 2,5D como Mega Man Powered Up e Mega Man Maverick Hunter X, a decisão de voltar para o visual de 8 bits era um tanto estranha, se não preguiçosa ao invés de fazer um bom game de plataforma aproveitando os recursos de hoje.

Mas quando falamos de fan games, a conversa é outra. Nós já vimos Street Fighter X Mega Man e Mega Man Unlimited, e agora o novo projeto veio da turma que se recusa a deixar Mega Man Legends 3 morrer, ao contrário do que a Capcom deseja.

continue lendo

emComputadores Cultura Gamer Museu

Samurai Shodown II chega cortando tudo nas plataformas mobile

Por em 1 de julho de 2013

gogoni-samurai-shodown-ii

Na época em que foi lançado, Samurai Shodown II era de longe um dos games mais bonitos dos arcades (e que foi incrivelmente superado pelo terceiro e quarto títulos da série, que são lindos até hoje). Lançado em 1994, o sucessor do game que possui uma pequena trollada que levou um tempão até ser descoberta impressionava não só pela beleza dos gráficos e som exuberante (culpa por ser um dos jogos da série 100 Mega Shock! da Neo Geo), mas também por possuir personagens cativantes (dentre eles um dos meus favoritos estreou nesse game, o rival de Haohmaru Genjuro Kibagami).

Agora os gamers saudosistas podem levar esse jogo de luta para qualquer lugar, dentro de seus smartphones: Samurai Shodown II foi lançado hoje para iOS e Android. O game suporta modos widescreen e janela (para os botões não atrapalharem a visualização da tela), além dos inputs poderem ser customizados, desde o que cada  botão virtual (de quatro até seis, sendo os extras faz até o tamanho deles. Além disso o jogo suporta modo versus via Bluetooth.

O game conta com dois modos de jogo: original e casual, onde neste último o jogador poderá configurar um botão para desferir um golpe especial, além de usar um toque na barra de energia para desferir os poderosos especiais capazes de causar alto dano e destruir a arma do adversário por alguns momentos.

Custando US$ 8,99, é só seguir os links para a App Store ou para a Google Play, e se preparar para altos combates à moda antiga. :)

continue lendo

emCelulares Museu

Você nunca jogou nada da série Metal Gear? Kojima recomenda começar por MGS3

Por em 1 de julho de 2013

Metal Gear Solid 3: Snake Eater

A série Metal Gear é além de ser uma das mais longevas da indústria dos games, é de longe uma das mais confusas em termos de história (talvez não tão maluca quanto Kingdom Hearts, mas divago). A cronologia da franquia envolve fatos reais e fictícios durante 54 anos (entre 1964, com os eventos de Metal Gear Solid 3: Snake Eater até 2018, com Metal Gear Rising: Revengeance).

Muitos jogadores que gostariam de jogar os games da série mas nunca o fizeram se sentem um tanto inibidos a começar por este ou aquele título com medo de não conseguir entender todo o enredo, e Hideo Kojima, sempre preocupado com sua obra e como os jogadores a consomem, resolveu dar um pitaco.

continue lendo

emCultura Gamer Miscelâneas Museu

Que tal comprar essa linda reprodução do cartucho de Earthbound Zero para NES que nunca existiu?

Por em 1 de julho de 2013

gogoni-earthbound-zero

Tanto a Nintendo quanto o criador da série Shigesato Itoi não pretendem dar continuidade à série Mother, nem tampouco localizar o primeiro e terceiro jogos. Para se ter uma ideia o lançamento de Earthbound para o Wii U só se deu porque os fãs do ocidente encheram o saco da companhia. Sobre Mother 4 Itoi foi seco e categórico: “muri” (impossível).

Se a Nintendo não apóia, os fãs se mexem. Tanto a coletânea Mother 1+2 quanto Mother 3, títulos do Game Boy Advance foram traduzidos pelos fãs, assim como a ROM do jogo original do Famicom, conhecido por aqui informalmente como Earthbound Zero. É com base nesse game que a Rose Colored Gaming lançou um kit simplesmente lindo contendo a ROM traduzida, que vem num sensacional cartucho falso do NES e um estojo característico.

O cartucho possui o globo símbolo da série na frente e atrás que pode ser pressionado, além do título talhado na carcaça. O kit no momento está esgotado e não há informação de preços, mas a Rose Colored Gaming prometer “produzir quantos e pelo tempo que for possível”.

Eu particularmente fiquei emocionado pelo capricho que esses artistas tiveram ao criar o cartucho, o que demonstra uma atenção aos fãs ocidentais da série Mother que a Nintendo vem negligenciando há anos, infelizmente. Quando disponível eu diria que mesmo não sendo oficial, é um item que merece estar na prateleira de qualquer gamer que se preze, de preferência ao lado desse lindo Nintendinho em homenagem ao Mega Man.

gogoni-earthbound-zero-nes-cartridgegogoni-earthbound-zero-nes-cartridge-003gogoni-earthbound-zero-nes-cartridge-002

Fonte: Joystiq.

emCultura Gamer Museu Nintendo