Digital Drops Blog de Brinquedo

iPod–iParece que foi ontem

Por em 24 de outubro de 2011
emApple e Mac Áudio Vídeo Fotografia Computação móvel
Mais textos de:

Site | Twitter
  • Rafael Vasconcelos

    “onde qualquer idiota tenho um Mac”

    KKKKKKKKKKKKKKKK!!! Eu queria ser idiota pra ter um Mac. :(

  • Daniel Almeida

    “qualquer idiota tenho um Mac.”
    To rindo dessa porra até agora! Falado isso então geraria tomates na sua cabeça hahaha!!

    Será que o sucesso da Apple é ouvir o que os fanboys dizem e fazer o contrário?

    • http://www.flickr.com/stuffbox DuduMaroja

      ia quotar a mesma coisa ahahahaha!

  • http://www.twitter.com/RaptorHawk Hawk

    A cada novo lançamento da Apple, vejo que os comentários não mudaram muito em 10 anos.

  • Maicon Faria

    “Esse iPod é para garotos ricos mimados com pais insanos ou fãs da Apple fanáticos como Talibãs. Ele tem boas caracteristicas mas esqueça comprar um por US$399!!! Nunca, quem comprar essa coisa é uma pessoa muito estúpida!” Até que ele tem uma certa razão !

    O produto é absolutamente irrelevante, na verdade ele lançou uma grife relevante !

    • http://contraditorium.com Carlos Cardoso

      Uma grife que atinge 78% do mercado? Muito chique e exclusiva, heim?

      • http://pulse.yahoo.com/_5MVRZROLIPZQVH5FWF5QM5HIOM Juan Losada

        O pobre diabo acabou de comprar seu MP3 iOrange em Madureira, dê um refresco.. ele está empolgado, só isso…

      • http://twitter.com/rodrigofante Rodrigo Fante

        Praticamente a Dolce & Cabana dos mp3 players, afinal quem não veste Dolce & Cabana hoje em dia.. só roupa barata. :P

        • Maicon Faria

          sugiro passeares em um shopping e observares as camisas polo com brasões de clubes: rugby, golfe, diabo a quatro. Símbolos que não significam nada para quem veste. Esse non-sense é a substância do mercado da Apple. Mesmo com bons produtos, a mediocridade do consumo me causa náuseas !

          • http://nsgobbi.blogspot.com Newton Sgobbi

            Tocou num ponto legal. Em breve serão barrados na portaria dos shoppings quem não estiver vestindo uma ridicula camiseta (pior que hering) com os logos abreacombi ou ólister costurados por indianas. Todos iguais, todos babacas.

      • Maicon Faria

        Essa é a mágica, produtos de penetração popular (essa ficou estranha)com padrões de qualidade razoáveis e uma aura de chique e exclusivo

  • http://pulse.yahoo.com/_LI4VVLYQMA5LTDGZIPR3YVM63U Hollander

    Só um acerto ali no texto, Cardoso:
    “Um dos principais segredos do sucesso do iPad (…).” leia-se IPod.

    De resto é interessante notar que desde aquela época, os “fanboys” já pensavam em ter um tablet. Algo que demorou nove anos para se tornar realidade e que, quando surgiu, diziam não ter utilidade.

    • http://contraditorium.com Carlos Cardoso

      Corrigido, grato.

    • http://www.facebook.com/joao.nadal Joao Gustavo Nadal

      “Só viria a aparecer 7 anos depois, e 23/10/2001.”

      O ipod é posterior aos ataques terroristas em 12 dias, confere?

      • http://ceticismo.net André

        Ele está se referindo ao Forrest Gump.

  • Robson André Costa da Costa

    Nessas horas que eu sempre lembro daquela frase do filme dos smurfs que ainda há de se tornar clássica: “você fez o que eu pedi, não o que eu queria”
    Bom, no caso da Apple fizeram o contrário.

  • Anônimo

    O pior é que realmente é estranho!

    No caso do iPad, tudo bem, é o tipo de produto que no “mundo real” as pessoas acham “bacana” e acabam comprando mesmo sem saber pra que. Elas visualizam como solução para problemas que elas nunca haviam imaginado solucionar daquela forma. E a maior sorte de Jobs é que quem compra esses produtos na verdade não visita nem comenta em tais blogs ou coisa assim. Meu tio comprou um iPad só de entrar na loja e achar ele bonito, nunca tinha lido nada a respeito. Se tivesse capaz de ter ido na onda dos “isso não serve para nada”, “é muito caro”, ou qualquer outra coisa assim.

    Já no caso do iPod era algo relativamente comum, o iPad tinha um diferencial enorme de todos os tablets anteriores, principalmente no Design. Já o iPod, bem… Admito que foi uma surpresa, pois tirando a capacidade, não consigo ver (sim até hoje) vantagens em relação aos modelos mais baratos. Na época eu tinha um da Creative muito bom, era pequeno cabia bem no meu bolso, dava para levar musicas para ouvir o dia todo, era fácil de usar, custava umas 10x menos. Como MP3 player era suficiente para mim.

    Acho, (só acho) que o iPod ganhou fama porque cabia musica bagarai, não vejo outro motivo, pois os controles não era tãoooo diferentes assim do resto, o a beleza bem.. Essa é bem subjetiva, o iPod parecia um xingling para mim.

    • Gabriel Arruda

      O único diferencial matador do iPod, para meu uso, era a (click|touch)-wheel dele. De 600 músicas para cima, eu achava essa interface muito superior a qualquer controle existente.

      Isso não justifica todo o sucesso, mas é um diferencial como o trackpad dos MacBooks. Era mais hype que qualquer coisa o sucesso dele, tinha a injusta separação “iPod vs Resto”

      • http://pulse.yahoo.com/_5MVRZROLIPZQVH5FWF5QM5HIOM Juan Losada

        Visão MUITO curta essa sua, sobre os iPods…

        Só pra ampliar um pouco o entendimento acerca do sucesso do iPod:

        Em uma época onde era um caos transformar uma música de CD para um arquivo digital, lidar com trocentos codecs, e o mundo sombrio dos torrents de música, os usuários comuns podiam, com o iPod/iTunes, simplesmente comprar, baixar e ouvir música. Simples desse jeito.

        E isso fez MUITA diferença.

        Há mais coisa pra falar desse case de sucesso, mas só esse basta por enquanto.

        • Gabriel Arruda

          Pode ser, eu tenho 20 anos, meu primeiro iPod foi uma Nano da terceira geração que comprei em 2007-2008 e, para essa época no meu contexto, a diferença era basicamente a interface.

          Eu acabei perdendo o Nano e comprei um MP4 Sony original. A integração com o Media Player era perfeita e tinha a vantagem de não ficar preso a UM iTunes, ligava ele no PC e ele sincronizava minha biblioteca rapidamente. Como ninguém que eu conhecia comprava música legalmente em 2007, essa vantagem que você citou era irrelevante.

          As pessoas compravam porque ouviam falar que é muito bom, mas TODO MUNDO reclamava do iTunes, era bem menos cômodo que copiar sua pasta do eMule como se podia fazer com qualquer MP3.

          Isso para mim em 2007, pode ser que em 2001 tenha sido uma revolução, mas posteriormente os produtos concorrentes pareciam estar no mesmo nível e o hype que ficou. Assim como o iPhone foi inigualável quando saiu e já está nivelado com a concorrência mas continua a “lenda”.

          • http://www.facebook.com/pauloaguirra Paulo Aguirra

            eu posso estar muito errado, mas essa é a linda visão do brasileiro com seu pensamento brasileiro.

            O brasileiro não esta acostumado a comprar coisas, grande motivo que leva as empresas de game a rejeitarem o nosso mercado.
            A pirataria rola solta aqui, onde você vai em uma loja real com CNPJ e o diabo e o cara vende jogo pirata dentro dela.

            Nos eua, que é o mercado original deles, ou vocês não se lembram que isso é um produto importado? A cultura simplista de download deles foi linda, começando com todas as músicas dos beatles (que foram removidas), as brigas e acordos com gravadoras, e várias outras coisas.

            Eu sequer tenho um mac, sou obrigado a dizer que a apple vem fazendo produtos muito melhores para usuário final padrão (que não sou eu, nem você, nem ninguem que esta lendo esse site).

          • Gabriel Arruda

            Até onde eu sei, pirataria é um problema mundial e europeus/americanos tem bastante participação. Não estou dizendo que não é importante esse aspecto da praticidade, mas muitos que compraram o iPod pelo “hype” mais se prejudicaram do que se beneficiaram do esquema “iTunes + iPod” por causa das músicas piratas. Aliás, acho que é um estorvo para qualquer pessoa que não vive fechado em um casulo da Apple.

            A iTunes Store é uma maravilha, o pareamento iPod + iTunes não. Eu não tenho música pirata, tenho somente um disco que não achei a venda em nenhum lugar (Johnny Winter And). Tenho música em disco físico, na 7Digital e também na iTunes Store e olha como funcionava:

            1 – Tem que importar TUDO no iTunes para colocar no iPod.

            2 – Você só pode ter um computador para parear o iPod, senão é uma gambiarra ridícula de “Compartilhamento Familiar” que simplesmente apagava todo o device a cada vez que você pareva com um iTunes diferente. Ele simplesmente sincronizava a biblioteca entre computadores pela rede, mas o iPod não ficava sabendo. Antes disso, perdeu, tinha que organizar minha biblioteca manualmente em dois computadores.

            3 – Comprava a música e tinha que levar em um pen-drive para o trabalho porque eu não consigo acessar a música através do iPod Touch e colocar no disco do PC. Aliás, nem com iTunes instalado eu conseguia fazer isso já que a sincronização é iTunes -> iPod e não ao contrário.

            Essa praticidade não é tão mágica assim, mesmo para quem tem tudo original. Adoro comprar música na iTunes Store, odeio sincronização da Apple, só é pratico para quem tem um PC e um iPod e só.

            Depois de 2007, acho que iPod era fama mesmo pelo MEU uso. Design e interface que era arrebatador.

          • http://www.facebook.com/pauloaguirra Paulo Aguirra

            A pirataria continua sendo um problema como era antes.
            O grande lance é como diabos você vai vender músicas num mercado que dizem estar em decadência e vingar?
            A store se tornou a maior vendedora.
            Ignorou o besteirol que é o grupo dos donos da música, lançou um produto que é vendido através de uma experiência de uso. Até hoje as gravadoras não conseguiram entender isso.

            E eu vou continuar batendo na tecla, você não é usuário comum.
            A interface é capada para você, que tem necessidades que o usuário comum não tem.

        • Anônimo

          Até porque hoje ninguem coloca musica pirata no iPod, né?

          Claro que a loja online faz diferença, mas não sei sei se naquela epoca (onde todos já tinham uma coleção enorme de mp3) isso seria o diferencial “matador”.

          A cultura de comprar musica online foi crescendo muito mais lentamente.

        • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

          Caos ripar um CD para MP3 em 2001 ? Já existia o CDex naquela epoca e com suporte a CDDB.
          Trocentos codecs ? Naquela epoca o MP3 ja dominava totalmente.Todo mundo tinha uma bela coleção de MP3, mania que hoje não existe mais. As pessoas escutam as musicas no youtube.

          As explicações do sucesso do Ipod só podem ser explicados pelo lendario e campo de distorção da realidade.

          • http://ceticismo.net André

            Sem falar no Napster, AudioGalaxy, eMule etc. Achar música digrátis era fácil, fácil.

            Em 1997 comprei o CD da Fernanda Abreu (Raio-X), o qual foi devidamente ripado pelo CDex.

          • http://pt-br.facebook.com/people/Andre-Kenji-De-Sousa/731129656 André Kenji De Sousa

            Na época era comum se baixar MP3 para ouvir no computador mesmo ou para se gravar em CD. Os Xing-Lings viáveis mesmo viriam depois. Ao menos no Brasil não se via CD player de MP3.

            Na verdade, parte do ponto que ninguém notou na época é que MP3 não era só uma forma de se piratear música, mas uma forma de se portabilizá-la.

  • http://www.facebook.com/people/Caetano-Júlio-Neto/1801574629 Caetano Júlio Neto

    “A percepção geral é que o iPod é algo que sempre existiu”. Isso pras pessoas de que faixa etária?

    • http://pulse.yahoo.com/_5MVRZROLIPZQVH5FWF5QM5HIOM Juan Losada

      Concordo. Excesso de acidez as vezes estraga o texto…

  • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

    Sinceramente até hoje não consegui entender o sucesso do Ipod.

    O Ipad tudo bem, embora caro eu comprei pois na época estava a procura de netbook e um e-reader com tela grande e o ipad acabou servindo para as duas coisas.

    Embora se fosse hoje ficaria bem mais inclinado a um tablet android para não ficar preso ao pesado itunes para fazer praticamente qq interação com o ipad e tb o fato do ipad ser um produto tão artificialmente capado.

    É um saco ter que abrir o itunes, fazer um monte de coisas apenas para abrir um simples pdf. É um saco o Ipad não ter uma porta USB ou um leitor de cartão SD onde eu possa simplesmente arrastar e colar o que eu bem entender.

    Mas o Ipod é algo surreal, ele não fazia nada que um mp3 player da época não fazia por uma pequena parcela do preço.

    Já tive alguns mp3 players, que não eram xing ling, de variados tamanho desde o discman sony com suporte a mp3 até os pequenos que cabem no bolso (sandisk) e nunca me passou pela cabeça gastar uma fortuna por um Ipod. É um sucesso onde não se encontra explicação lógica, a não ser o fanatismo por uma grife. E como se não fosse o suficiente lançam o ipod nano, um produto quase indistinguível de um mp3 genérico e vende que nem água.

    Os produtos da Apple causam um fanatismo meio difícil de entender quando se tem mais de 30 anos ou não se tem dinheiro nascendo em arvores. O sujeito tendo a querer comprar tudo da Apple sem se importar se existe produtos melhores/mais baratos de outras marcas. Exemplo pratico, o airport, pq diabos comprar um elefante branco caríssimo desses com tantos roteadores no mercado? Sera que as pessoas acham que aquilo não é um simples roteador superfaturado e sim um produto mágico ?

    • http://www.facebook.com/pauloaguirra Paulo Aguirra

      Você conhece alguém que não entenda nada de bulhufas de computador?
      Alguém que não tem idéia de como copiar coisas para um flashdrive?
      imagina uma série de pessoas que são beneficiadas ao instalarem um programa com interface simples que permite você baixar músicas (cagando e andando se é lega ou legal, ele não sabe a diferença), e elas vão automaticamente para uma caixa que funciona com uma mão só?

      tudo isso num sistema fechado, quase que a prova de erros, sem problemas com codecs, tipos de gravação, conflitos de players?

      só eu lembro a zona que era os arquivos no começo dos anos 2000? um milhão de codecs, a scene ainda tentando exercer força para padronizar a pirataria, não existia torrent, mirc ainda era jeito normal de se baixar músicas, servidores FTP mundo a fora?

      Simplicidade, todos os seus argumentos são apenas extensões dos quotes do cardoso. Porque não tem isso, não tem aquilo. Era justamente isso. Não ter. Ele só toca música, que vem de um único programa, que por acaso é a loja, que por acaso é barata, que por acaso tudo isso esta a um click de distância do outro.

      • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

        O que pode ser mais facil e intuitivo do que arrastar e colar ?

        • http://twitter.com/rodriguesigor Igor Rodrigues

          Pra gente é intuitivo, mas pro meu pai não. Sofri um inferno tentando ensiná-lo a a copiar músicas pro MP3 dele (aliás, mais de um modelo de diversas marcas) e a mexer na interface.

          Resolvi o problema dando um iPod de presente. Expliquei meia vez e ele nunca mais me perturbou o plantão, já trocou de modelo e faz tudo sozinho. Idem minha mãe que mal sabe logar no skype, mas sabe comprar na iTunes store.

          • Emanoel Cunha

            Eu ainda sofro tentando mostrar como copiar músicas pro pendrive e ouvir no som do carro.

          • Anônimo

            Ai ele tenta fazer isso no computador do trabalho e percebe que todas as musicas sumiram…

            Agora vai explicar que tem que ele está preso em um só computador…. Tão simples quando explicar o copiar e colar.

          • http://ceticismo.net André

            Adoro estes exemplos de “meu não sabe nada disso, mas faz isso e aquilo e recompila kernell e blábláblá”. Meu pai tem um iPod e ele só jogou todas as músicas dele UMA VEZ lá (com assessoria) e nunca mais se importou.

            É um excelente player, mas dizer que iTunes é facilzinho, não é não. Isso sem falar que aquela bosta é pesada, feia e tosca, mas aí entramos em caracteres estéticos e gostos pessoais.

        • http://ceticismo.net André

          Eu conheço professoras que acham que um pendrive é muito complicado e preferem disquetes (sério!). Este tipo de gente, de qq forma, se enrolaria (e se enrola!) com o lixo do iTunes.

          • http://www.facebook.com/pauloaguirra Paulo Aguirra

            Claro, é por isso que a curva de aprendizado de Ipad e Iphone é tão lenta… como pude esquecer….

          • http://ceticismo.net André

            Assim como a curva de aprendizado de colocar um pendrive na droga da porta USB requer nível de pós-doutorado em mecatrônica.

          • http://www.facebook.com/pauloaguirra Paulo Aguirra

            eu não vejo como exigir um pós-doc em mecatrônica facilitaria as coisas, na verdade acho que só complicaria.

            não é só colocar o pen drive, é ter que lidar com uma gama de programas não padronizados, que fazem muito mais do que o sujeito quer, ou esta disposto a aprender. um bilhão de mp3 players no próprio computador, com alguns codecs, lidar com rippers, ou baixar a musica de X programas, cada um com suas caracteristicas, e que mudam de semana em semana.

            isso é muito mais complicado do que entrar na appstore, comprar a música e ela ir para o seu player.
            simples assim.
            e nem precisa de pós-doc em mecatrônica.

          • http://ceticismo.net André

            Engraçado vc escrever tudo isso após não ter ENTENDIDO o que escrevi. Vou repetir: conheço professoras que não sabem usar um PENDRIVE. Olha, eu não sei no seu computador do século XVII AEC, mas no meu, basta espetá-lo e aparece um aviso perguntando o que vc quer fazer.

            Achar que disquete é mais simples que um pendrive está no mesmo pé de igualdade do que aprender a usar uma gama de programas não padronizados é a coisa mais estúpida que já ouvi.

            Outra coisa: Público médio não entra na app store. Adolescentes entram, ou ficam fuçando como fazer jailbreak para baixar programa de 99 cents pirata.

            No Brasil, as pessoas ainda têm receio de comprar coisas pela internet ou usar Internet Banking. Faz uma pesquisinha básica com seus amigos e me diga quantas músicas eles compram no decorrer deste ano na App Store. Mas, EI! Eu estava falando de pessoas que ainda sentem dificuldade de usar um reles pendrive. Não sei vc, mas não tenho só amigos nerds (geek é nerd metido a besta).

            By the way: iTunes é uma bosta. O Android Market conseguiu fazer algo melhor do que a Apple. Um clique no site, o smart sincroniza. Nada de programa pesado, nada de complicação. Plugo o smart na USB, jogo as músicas lá dentro. Simples assim (sim, eu tb tenho um iPod Touch, o qual eu uso para meu trabalho, j´pa que o tinha antes do smartphone. Os dois se complementam). De qq forma, isso não tem nada a ver com o que eu estava falando. Foque-se no que eu disse, sem o que eu chamo de Argumentum ad Leão da Montanha..

        • http://www.facebook.com/pauloaguirra Paulo Aguirra

          comprar algo e entrar direto no seu mp3 player?

    • http://nsgobbi.blogspot.com Newton Sgobbi

      Amigo, tente entender e respeitar as diferenças. Eu não sou Apple-maníaco, pelo contrário, nunca me emocionei com o design da Apple, com as frases de Steve Jobs, etc. PORÈM, quando eu vi pela primeira vez um iPod (classic) e a qualidade do som, e depois um iPod Touch, com o charme do CoverFlow e tal, pensei: ISSO SIM É ALGO UTIL feito pela Apple. e comprei. Até hoje é o unico produto da Apple que eu tenho, como milhões de outras pessoas. Quanto ao iPad, diametralmente oposto de você, não vejo NENHUMA razão para ter. Para mim, é o tipico aparelho PATO (voa-nada-anda, mas voa mal, anda mal e nada mal). Não substitui um notebook, não é um celular e não serve como player (quem vai correr com uma tralha daquele tamanho ?) Então, o meu propósito não é endeusar nem achincalhar nada da Apple, mas simplesmente dizer que os aparelhos têm consumidores e os consumidores decidem o que é melhor para eles. Aliás, em termos de qualidade, se você comparar um Galaxy da Samsung com um iPhone……..dá pra pensar qual é o melhor. Um abraço.

  • http://www.facebook.com/people/Paulo-Torres/100001458301965 Paulo Torres

    Mas eu não pagaria 400U$S nem ferrando! Esperaria baixar o preço o máximo possível, ai talvez quem sabe.

  • http://www.facebook.com/people/Paulo-Torres/100001458301965 Paulo Torres

    E olhando para um lado, fazem 10 anos que o iPod foi lançado…. em Supernatural, série, é esse o tempo de vida de quem faz pacto com o diabo!!!! heehehehehe

    • http://www.facebook.com/people/Marcelo-Eiras/1567301419 Marcelo Eiras

      É um prato cheio para as teorias de conspiração. O simbolo é uma maça, “simbolo do pecado”. E o valor do Apple 1 era exatamente US$ 666,66.

  • Anônimo

    O pior que iPod virou sinônimo de MP3 player mesmo, vai em qualquer buraco o cara tira do bolso um xingling e outro vem falar: Nossa que iPod diferente esse seu.

    A Apple é mestre em criar esse efeito bombril.

    MacBook não é notebook, é MacBook….. Ela consegue fazer com TODOS os seus produtos o que 99% dos publicitários/marketeiros gostariam de fazer apenas com um.

  • http://www.facebook.com/profile.php?id=702460795 Fabian Umpierre

    O episódio do carro do Homer explica muita coisa, pena que muitos ainda não conseguem entender e seguem fazendo produtos com buzina que toca “la cucaracha”.

  • http://www.facebook.com/YanHeavyMetal Yan Vianna

    Eu tenhho um ipod nano da 1ª geração e eu olho ele hoje em dia e seu design ainda não parece velho, isso é o bom design, não dá aquela ideia de obsolecência. E não a nenhum mp3 player melhor que ele. Não quero a porra de um mp100, eu quero só ouvir música. É simples passar as músicas para ele é simples criar playlists inteligentes. Just… Wokrs.

  • Anônimo

    Acho que não dá para culpar tanto às pessoas que não acharam um bom negócio a Apple vender um Mp3 portátil por $400. Sejamos francos. Foi e ainda é bem caro para um gadget portátil.