Os sistemas operacionais estão “emburrecendo”?

MacBook Air rodando Lion.

Launchpad, no Lion: recurso importado do iOS.

Chegou o Lion, novo felino da família OS X. A última versão do sistema operacional para computadores Apple traz diversas características do irmão menor para telas sensíveis, o iOS, e divide opiniões.

A Apple diz que o Lion aproxima as duas experiências, o que, de fato, se confirma com a inclusão de alguns recursos tais como rolagem “natural” (invertida), Launchpad e outros detalhes que remetem imediatamente ao iPhone/iPad. Se é um ponto positivo ou negativo? Difícil dizer, mas acredito que é um passo adiante em vez de retrocesso.

De fora, a sensação é a de que o Lion é o “beta” de uma nova mentalidade para sistemas desktop. Não só pelos toques a la iOS; existem outros pontos, como a supressão do salvamento manual de trabalhos, que reforçam essa ideia. O sistema operacional fica mais simples para o usuário final, não só o da Apple; o próximo Windows também trará uma experiência de uso mais amena, com detalhes herdados do Windows Phone 7.

Start screen do Windows 8.

Start screen do Windows 8.

Quem trabalha com computadores a tempo suficiente para saber o que é um endereço IRQ tende a torcer o nariz para essa simplificação, a tachá-la de “emburrecimento” até. Embora eu discorde dessa visão, entendo o motivo da discórdia. Nessa transição há uma espécie de troca: pela facilidade, abdicamos de algumas liberdades.

Tais liberdades não dizem muito à maioria que só quer ligar o PC, ouvir uma música, atualizar o Facebook e escrever o trabalho da faculdade. A liberdade perdida é, no grosso, importante apenas para heavy users e quem, por qualquer motivo que seja, não consegue ou não quer se livrar de velhos hábitos.

Quem gosta de escovar bits tem e sempre terá opções. Pode mexer com alguma distro Linux obscura, ou partir para atividades mais hardcore/úteis, como automação, robótica ou mesmo programação. Sempre há espaço para quem quer ir além do arroz e feijão. O que a Apple começou e a Microsoft começará a fazer é melhorar o sabor e dar pratos e talheres mais refinados para quem se contenta com o básico. E nisso, meus amigos, não há mal algum.

Relacionados: , ,

Autor: Rodrigo Ghedin

Blogger, bacharel em Direito e acadêmico de Sistemas de Informação.

Compartilhar
  • thiagovrsant

    Dois comentários distintos mas possivelmente ligados:

    1) Já é mais que sabido que, quanto mais simples algo é, mais limitado ele tende a ser. Às vezes a ‘birra’ de heavy users não se dá pela ausência de libertade, e sim pela ausência de possibilidades, o que é bem diferente. =o)

    2) Até hoje o Windows XP é o sistema operacional mais usado (to usando exatamente agora), o que me faz pensar que uma mudança brusca atrapalha mais do que ajuda, por mais ‘intuitivo’ que possa ser o novo sistema, e isso talvez seja outro fator que leve às pessoas a torcerem o nariz para o ‘novo’.

    • Alvaro

      @thiagovrsant, Amg, realmente para vc que usa o XP, esses novos OS´s realmente é uma mudança brusca, mas para quem foi passando pelo vista, (sim eu sei eh lerdo) e agora esta no win7, essa transição é muito mais suave, hj em dia o windows7 esta sendo largamente adotado, ate nos aeroportos eu já reparei que estão usando o windows7 em terminais de embarque, eu ate entendo quem não tem um computador mais novo, ou uma uma empresa, mas ficar parado no tempo usando um os de mais 10 anos sei la… é no mínimo retrogrado, eu lembro de um tempo quando saiu o XP e todo mundo ainda insistia em ficar no windows 98, ficavam reclamando que era “pesado”, difícil de mexer, no meu ponto de vista so mudou a “maquiagem” e facilitou a configuração de vários recursos, sou to tempo da IRQ tb, da época que se editava no autoexec o “set blaster=220” para por te som nos jogos, e cara, NÃO TENHO a minima saudade dessa época… os sistemas “burros” de hj estão é voltados para o seu publico alvo usuários comuns, e não gênios de laboratório que constroem robôs, para eles existem varias distros linux/unix para suas necessidades…

      • thiagovrsant

        Eu tava falando de mode geral, disse que estava usando o XP pois em casa tenho um 7 e um Mac (SL). Mas pra empresa é inviável ficar trocando o sitema de todo o parque, mesmo porque temos softs feitos sob medida, e acredito que seja o caso de diversos lugarea.

    • Não é bem assim não. As interface do Windows é mais limitada em termos de customização do que as do Linux. Mas no caso do Linux você pode fazer customizações para torná-la mais simples.

      Por outro lado o Ubuntu tem um recurso a mais que é a central de programas que permite procurar aplicativos de maneira extremamente simples.

      • thiagovrsant

        Mas foi isso que disse, quanto mais simples, mais limitado.

        • Não, não foi isso que você disse. A interface do Windows é mais limitada (devido a falta de customização) e a do Linux é menos limitada (Pela facilidade de customização). No entanto, o Linux (menos limitado) pode ser mais simples do que o Windows (mais limitado), após ser customizado.

  • baomgama

    Excelente texto!!! Eu tinha esse “conceito” na cabeça sob outra perspectiva: a dos celulares. Os primeiros, claro. Lembra do Siemens A50? Com ele dava pra personalizar tecla por tecla do teclado numérico com praticamente qualquer função oferecida pelo telefone. Nos modelos seguintes isso se simplificou, limitando o uso das teclas a discagem rápida, sem atalhos de aplicativos/funções. E isso está claro nos SOs, inclusive no linux [nossa, que saudade do linuxconf e iniciar alguma interface gráfica DEPOIS de fazer login em modo texto]. Mas a vantagem é clara: os nossos clientes, que antes ligavam às 8h da manhã de um sábado desesperados porque apareceu uma mesagem “Insira o cd do windows 98”, provavelmente nos darão um pouco mais de paz, justamente por serem mais “amigos” do computador.

    • baomgama

      @baomgama, esclarecendo: siemens a50 foi um dos primeiros GSM, e não um dos primeiros em geral 😉

  • E eu dei Graças à Deus quando eu finalmente não tive mais que ajustar dip-switches nas diversas placas controladoras para evitar conflitos de IRQ e Endereçamento 😛
    Também dei Graças à Deus por não mais precisar ficar ajustando manualmente arquivos texto obscuros como o config.sys e o autoexec.bat 😀
    Esse povo reclama demais. Não é à toa que devem adorar Linux… e em modo console-only 😛

    • antoniogu

      @Marcio Neves, eu lembro que nos idos de 1997, eu ‘jampiava’ um modem ISA 33,600 na COM 2 IRQ 3″ para poder usar no Linux Conectiva , existiam modens plugplay e pci, mais não funcinavam no Linux.

      • thunder_geo

        @antoniogu, kkkkkkkk eu tinha um UsRobotics que tambem tinha “tesão” em seus jumper, bons tempos, as vezes tenho impressão de que ele era mais rapido que speedy kkkkkkkkkkkk

      • @antoniogu, eu lembro que os únicos winmodens que funcionavam no Linux eram os Lucent. Sem contar que eram os “melhores”, da época: sempre que precisava comprar um modem novo para um computador, a pedida era sempre por um Lucent 🙂

  • Eu fiz upgrade do meu Mac OS para o Lion ontem e não notei MUITA diferença.
    O que mais impactou foi a rolagem das páginas e alguns “gestos naturais” que pararam de funcionar.

    Eu já possuo a Time Capsule que fazia o versionamento dos documentos para mim, mas realmente estão tentando “introduzir” a cultura do backup e versionamento aos usuários finais.

    O modo de tela cheia (que funciona) para todos os aplicativos e o Launchpad são pontos positivos.
    A rolagem invertida e a sensação que todos os softwares estão sendo aberto quanto o Mac inicia são pontos negativos.

    Caso alguém daqui for migrar, faça backup da pasta Transferência e da “Mesa”, não aconteceu comigo, mas li muitos relatos de pessoas que perderam tudo.

    • fisico

      @Vinicius Santoros Candido Corrêa, A rolagem invertida eu não gostei, mas dá para configurar do outro jeito: maçã -> System Preferences -> Trackpad. Clica em scrool & zoom e desmarca a primeira opção.

  • randomtoor

    Sim, os MacOS está mais “emburrecido” no sentido de que é “a prova de burrices”. Por exemplo, a idéia de salvar os arquivos automaticamente (e manter versões) evita o problema de perder trabalho feito, sem ter que lembrar de salvar a todo momento.

    Mas quem gosta de interfaces mais simples (ou complicadas, depende do ponto de vista) ainda pode usar o terminal/console no Mac. Muitas das configurações ainda são acessiveis por la, inclusive eles atualizaram esse ambiente: http://www.apple.com/macosx/whats-new/features.html#unix

    Eu por exemplo, só não atualizei ainda, pq parece q tem gente tendo problemas com o MacPorts…

    • Por outro lado salva alterações indesejadas… o que pode causar a perda de trabalho feito.

      Vamos supor que seu gato anda pelo teclado e deleta acidentalmente parte de um texto que levou semanas para fazer, ai a alteração é salva e você fecha o aplicativo. Comofaz?

      • Versões. Tanto Mac, quanto Windows, salvam versões dos seus arquivos, como um CVS.

        []’s!

        • Depois que você enviou o trabalho errado pro professor e recebeu o zero não adianta achar a versão.

  • fisico

    Desde quando simplificar a interface com usuário é emburrecer? Eu diria que é torná-lo mais inteligente, próximo da naturalidade que é se comunicar. Para quem gosta de algo mais “intimo” com a máquina, como eu, ainda existe o bom e velho shell, terminal, prompt de comando, seja lá como as pessoas gostam de chamar isso.

    • @fisico, a interface ideal para o usuário típico consistiria de um imenso botão na tela chamado “Faz”. O usuário apertaria e ele automagicamente faria o que o usuário pede, como procurar a prima nua na web ou preparar café enquanto o download de “Atrozes e Curiosos 9” não termina.

      A Apple está trabalhando no protótipo de rede neural necessário para tornar isso uma realidade e consta que uma vez pronta nem precisará do tal botão. Acompanha uma papinha.

  • Quando o Ubuntu adotou o Unity muita gente esperneou,mas o Unity veio justamente para aumentar a usabilidade do usuário.Eu não gostei porque adoro uma linha de comando,mas minha esposa adorou e finalmente passou a usar Linux.Devemos esquecer que nem tudo é feito para geeks e sim para usuários finais.”Emburrecer” o sistema é útil sim,acho válido.

    • @r0t3ch, Eu não sou guíqui, mas tb não sou burro. Acho que há uma sutil diferença. Eu vi o Unity. Não achei lá essas coisas. Não sei pq temos que necessariamente festejar tudo o que colocam na nossa frente.

      • @Pryderi, mas você é um cético por natureza e profissão. 🙂

      • @Pryderi, Concordo,como eu mesmo disse também não gostei do Unity.Para mim perdeu usabilidade,fiz diversas alterações e acabei desistindo e deixei para minha esposa usar e ela usa facilmente,gostou e usa mais do que antes.Eu pessoalmente estou usando o ElementaryOS que é show,cumpre seu papel no que eu preciso.Não festejo tudo que aparece na minha frente,quando conheci o Linux instalava uma distro por dia,versão do Ubuntu nova?Já botava o beta como sistema principal,hoje já procuro estabilidade.Eu por exemplo acho completamente desnecessário o Windows 8 agora,como fica as empresas que nem migraram para o Windows 7?Será que irá valer a pena?Como ficam as equipes de TI?

      • “Não sei pq temos que necessariamente festejar tudo o que colocam na nossa frente.”

        Exato! É o novo pelo novo, a mudança pela mudança. É como se existisse um destino determinado e se você não se adaptar a ele (por ser desnecessário, por exemplo) você é rotulado como dinossauro, retrógrado, aquele que se nega a evoluir, etc.

        • André Luis Pereira dos Santos

          Quando o “novo” é uma demanda da maioria do mercado, quem não se adapta à ele corre sim o risco de virar dinossauro.

          E sabemos o que aconteceu com os dinossauros no final.

          • A Unity não é uma novidade necessária e não é uma demanda da maioria do mercado. Até porque Linux no desktop não é…

            E quer dizer que um profissional que tem necessidades específicas e demanda por sintonia fina é um dinossauro? Alguém que tem mais habilidade que um retardado é ultrapassado porque não quer ser nivelado por baixo?

            Se você colocasse um velociraptor e um ser humano juntos quem teria maior chance de sobreviver?

            A gente também sabe o que aconteceu com os passaros dodôs, mais novos que os dinossauros…

          • Olá.

            É uma demanda do mercado de usuários Linux. Ponto.

            Fora o mimimi esperado sempre, não só o Ubuntu reteve a base instalada anterior como também agregou mais usuários à ela.

            Sobre “necessidades específicas”, em geral quem as têm vai procurar algo que lhe atenda melhor. Se o Unity não atende, vai procurar outra coisa. Profissional não fica reclamando.

          • “É uma demanda do mercado de usuários Linux. Ponto.”

            Só falta provar que é da maioria. Reticências.

            “Fora o mimimi esperado sempre, não só o Ubuntu reteve a base instalada anterior como também agregou mais usuários à ela.”

            E quem disse o contrário?

            “Sobre “necessidades específicas”, em geral quem as têm vai procurar algo que lhe atenda melhor. Se o Unity não atende, vai procurar outra coisa. Profissional não fica reclamando. ”

            E aquela história de dinossauro?

          • Prova de que o mercado possui demanda por algo assemelhado ao Unity é o fato de a base instalada do Ubuntu não ter recuado e sim aumentado, como você mesmo fez questão de não contrariar.

            Sobre dinossauros, a certeza da extinção aparece quando o ser vivo não só não consegue adaptar-se às mudanças como também é incapaz de buscar outro ambiente para se estabelecer.

            Extinção.

    • Eu uso Gnome porque o Unity é muito difícil de usar…

  • antoniogu

    Quando eu usa o Windows 95 com um Office 97, o mandamento :sempre salve o que vc estava fazendo para não perder” era uma verdade obsoluta um dogma, a famosa tela azul da morte para um sistema que era um híbrido que rodava em 16 bit (legado do DOS) e 32 bits era algo comum, inclusive o pessoal falava que o Windows travar uma 1 vez no dia era normal, só quando os travamentos focem freqüente tipo hora em hora ai vc estava com problema.

    Hoje quem passou a usar o Windows apartir do XP não tem tanto esse cuidado apesar de terem problemas é mais devido a virus e malwares e não congelamento do sistema mesmo que ainda exista não são o suficiente para dar ao usuário a percepção que tem que salvar seu projetos de 5 em 5 minutos

    • @antoniogu, Uma vez, eu perdi um trabalho porque faltou luz. Nem sempre é problema do SO. Ficar sem cuidado em salvar periodicamente porque o sistema melhorou equivale dizer que não se preocupa em olhar pros lados antes de atravessar a rua só porque colocaram um semáforo. É interessante como na frente do computador as pessoas agem de uma maneira e no mundo lá fora agem de outra.

      • Editores de texto, pelo menos o BROffice, têm a opção de recuperação de arquivo em caso de falha. Existe um save automático, mas é distinto do arquivo que você salva manualmente.

    • thunder_geo

      @antoniogu, kkkkkk era verdade, um crash por dia ta bom, isso sempre acontecia na troca de win.
      do 3.11 pro 95, era bsd em combo, do 95 pro 98 a mesma coisa e era normal sofrer dias ou semanas por causa de um driver, guardava meus disquetes no cofre pra nenhum idiota formatar mas sempre desmagnetizava ou o driver era obsoleto. Não existia beta na pratica, lançavam e depois viam e corrigiam as merdas.
      E isso de salvar de 5 min em 5 min era em tudo.

  • xtreme

    nhe nhe neh…

    antes tacavam o pau .. na tela azul..etc e tals…

    agora tacam o pau porq. funciona e funciona bem… oxigenio faz bem pessoal…respirem..rsrsrsrrs

  • Ticão

    Imagine no painel do seu carro 2 “registros” para fazer a sintonia fina do seu carburador. Um para a gasolina e o outro para o ar. Super bacana, né?

    Odeio IRC. Sempre odiei. Desde o meu primeiro PC em 1991. Com o Windows 3.1

    Passei noites e noites tentando resolver problemas de conflito de IRC. E eu não entendia nada de computadores. E continuo não entendendo. Só o básico para identificar os momentos em que devo sair correndo para bem longe.

    Mas adorei o link para o Guia do Hardware com a explicação sobre IRC. É a melhor que já li. E acho que só agora, 20 anos depois, é que entendi esse “maldito” IRC.

  • Sim, eu vejo como emburrecimento. Quando você tenta unificar modus operandi de um celular e um computador desktop, sim, vc está limitando. Eu nem vou pelo quesito “estética”, postoque isso é algo particular; a questão é que estão simplificando não o sistema, mas o modo de pensar. Eu lamento ter que dizer, mas um PC (e todo Mac é um computador pessoal também) não é um celular. Então, o que está havendo? Simples: não é o sistema que está emburrecendo per se e sim porque precisa atender a pessoas burras, que quando aparece uma mensagem do tipo “Clique OK para finalizar”, elas não sabem o que fazer.

    Entendam, não estou falando de comandos arcanos, IRQ conflituosas ou liberar memória para rodar Quake. Estou falando de uma tendência das pessoas de serem tão burras e incapazes de usar um dicionário direito ou fazer contas simples. A Informática e o Mercado seguem a tendência, pois estas pessoas são maioria. Como o texto disse: Ligam o computador, ouvem música, atualizam o facebook (com uma escrita sofrível), xingam no twitter e/ou baixam pornografia (jutamente com uma tonelada de virus, bactérias e outros seres malévolos). Não vi nenhuma referência no texto ao quesito segurança, só que ficou mais fácil, para atender a pessoas incapazes de ler um manual de instruções sem ter cefaleias. Mas quem sou eu, senão um chato que só porque me perguntaram a hora eu disse “Vc está com a cara na frente do computador, olhe o reloginho embaixo”, sou tido como mal-humorado.

    Sim, há um emburrecimento claro e muito pior é ouvir dizerem “quer complicação, vá pro Linux XYZ”. Não é questão de ter coisas complicadas, mesmo porque não estamos falando só de Sistemas Operacionais, mas dos programas que usamos no quotidiano.

    — UAU! Com o Lion, vc não precisa se preocupar em salvar seus documentos!

    Se você trabalha em algo e não se preocupa em salvar, vc é burro e merece perder todo o seu trabalho. Se vc não sabe configurar seu Word para salvamento automático, vc é burro. Se vc deixa tudo para ser gerenciado por uma máquina, vc não é só burro, é um burro que terá uma grave decepção mais cedo ou mais tarde.

    Eu defendo que sim, haja uma gama de Sistemas Operacionais prontos para pessoas assim. Eu chamaria esta versão do Windows de Windows MD (mentalmente deficiente).

    • @Pryderi, seu comentário me faz lembrar o quanto as pessoas são desatentas, e como eu fico frustrado, ou puto mesmo, quando alguém me pergunta o que fazer na tela X do computador e eu respondo: Apenas leia as opções que você tem e pense no que você quer fazer.

      Realmente o PC e o “Efeito Google” está fazendo com que algumas pessoas fiquem com o cerebro atrofiado.

    • kotter

      @Pryderi, acho que um OS é a união de várias coisas, como a segurança, que você citou. mas a interface tem papel fundamental. o fato de simplificar a interface pra atender pessoas “burras” não deve ser visto de forma ruim. o que o sistema deve fazer é oferecer, ALÉM da interface simples, meios de você controlar tudo que precisa, de forma mais avançada.
      se as pessoas burras são maioria, façam um sistema que simplifique a vida delas.
      se uma pessoa for inteligente, ela vai saber aproveitar o sistema da melhor forma possível, usando a simplicidade para seu benefício, e usando recursos avançados sempre que precisar.
      o que não pode é “capar” os recursos avançados de personalização do sistema: enfiar salvamento automático goela abaixo sem avisar e sem opção de desabilitar isso, enfiar drivers sugeridos goela abaixo sem avisar e sem opção de desabilitar isso.
      no windows, tive um problema sério com meus drivers de áudio! o windows insistia em instalar a versão que ele achava correta sem me avisar, e sempre dava pau. eu desinstalava os drivers errados, instalava o driver certo, e mesmo assim o windows continuava me zuando sempre que eu reiniciava o sistema. não lembro como resolvi o problema, mas sei que demorei muito pra resolver. nesse tipo de “auxílio” para burros os sistemas operacionais estão errados. na hora de simplificar uma interface, eles estão super certos.

      • “se as pessoas burras são maioria, façam um sistema que simplifique a vida delas.
        se uma pessoa for inteligente, ela vai saber aproveitar o sistema da melhor forma possível, usando a simplicidade para seu benefício, e usando recursos avançados sempre que precisar.”

        Não, é melhor obrigá-las a pensarem.

      • Se uma pessoa for burra e fizermos de tudo para ele “se sentir melhor” e escordemos a sua burrice, ela vai continuar burra.

        Agora se ela for burra e dermos uma direção para o aprendizado, em algum momento ela deixará de ser burra.

        O fato é que estamos acabando com a evolução buscando uma simplicidade feudal, afinal se o cara não tem competência para usar um computador que então não compre um, afinal eu não tenho brevê e por isso não compro um avião, mas seguindo a lógica dos OS atuais, as fábricas teriam que “inventar” um avião simples de pilotar, mesmo que para isso ele fosse pior que os aviões atuais.

        Completamente sem sentido isso.

    • kharstagir

      @Pryderi,

      Eu gostaria de te agradecer, cara! Você escreveu algo que a muito tempo eu percebo, mas não tinha ainda traduzido em palavras!

      Só acrescento que me espanta ver tanta gente, “do meio”, festejando estas simplificações e limitações sem perceber que estão festejando a crescente falta do exercício do pensar, que elas representam.

    • Perfeito! E não adianta simplificar as coisas ao nível de um celular porque mais cedo ou mais tarde a maioria achará usar um SO de celular difícil, se é que já não acham…

      • Arsbnl

        Já acham, conheço vários….

      • Arsbnl

        Já acham, conheço vários….

    • Moisés Robles

      André, não vejo motivo para tanta revolta, estou cada vez mais me acostumando com os produtos da maçã, estou usando o Lion e vejo que se ganha muita praticidade no dia-a-dia, as vezes você sente falta de ter um controle ou outro mas você ganha em produtividade.

      Acho que dizer que quem quer algo mais simples é “mentalmente deficiente” é um exagero, qual o problema se eu quero estar editando um documento no meu computador e ele salvar sozinho? O Lion não é tão mágico como os fanáticos dizem, o iPad não é tão mágico quanto os fanáticos dizem, mas ambos não são a bosta completa como os que nunca colocaram a mão em um dizem.

      Concordo com você que existem pessoas que tem preguiça de pensar, não tem capacidade de clicar num OK, não conseguem ler um manual e etc, mas qual a real razão de tantas criticas?

      Eu posso gastar aqui 2 horas e montar um script em bash que faça um backup diferencial do meu Mac toda vez que eu espetar um HD externo na USB, mas pra que eu vou perder essas duas horas (e depois mais 20 consertando os erros) sendo que já gastaram esse tempo desenvolvendo o TimeMachine? Talvez eu pudesse gastar meia hora baixando, instalando e configurando o Cobian, mas volto a perguntar, pra que se em 2 minutos eu coloco o TimeMachine pra funcionar?

      Com relação a segurança, os usuários <- VEJA USUÁRIOS! não tem preocupação nenhuma, seja windows, linux, unix ou mac os. A Microsoft se matou pra fazer o UAC que é um avanço gigantesco em segurança no Windows e a primeira coisa que o usuário faz é procurar um meio ou pedir pra alguém desabilitar essa função.

      Eu entendo em partes suas colocações em cima do texto do Ghedin, que levanta a bandeira do "emburrecimento", mas qual o problema do cara querer ter um computador que salva seus documentos automaticamente sem ele ter que saber ativar isso como recurso adicional?

      Acho que a gente tem que se preocupar com o emburrecimento que está sendo proposto nos livros estudantis que tem sido duramente criticados ultimamente por algumas falhas.

      Pega leve meu amigo, você sabe que não é um iPad ou um OSX Lion que vai fazer AlguEm IxCreVer AxxXimm…

    • Arsbnl

      Concordo totalmente com o Prydery, computador não é celular, não é só uma questão de “simplificar” o sistema, é uma questão de estupidficação generalizada das pessoas. E não é uma questão de não saber, não saber não é crime (ou é dependendo do ponto de vista), é não querer saber. As pessoas em geral não querem mais se dar ao trabalho de aprender nada, querem tudo prontinho, mastigadinho, na boquinha. E qualquer coisa que saia daquela zona de conforto elas “travam” e não sabem o que fazer. E nem falo só de SO, a coisa é bem mais generalizada, olhem por exemplo músicas, não se fazem mais letras praticamente, basta uma repetição de duas ou três palavrase tá pronto, as pessoas ficam repetindo aquela ladainha, de novo e de novo, como macacos, sem nem pensar no que estão dizendo. Entrem em fóruns, blogs, redes sociais e afins, tirando uma meia dúzia que se salva, na grande maioria qualquer comentário com mais de suas sentenças já recebe respostas do tipo “muito longo, nem li” ou “cara, você escreve demais”, isso quando dá pra decifrar o que te respondem. Uma criatura que acha que ler duas sentenças corridas é ler demais não merecia nem ter computador. Me sinto cada vez mais dentro da Idiocracia.

      • André Mendonça Bastos

        Uau, isso é que tenho notado, a tecnologia não está evoluindo em prol da pessoas necessariamente, ela está evoluindo mais em prol dela mesma. Não tenho a menor dúvida, nos últimos dois anos, eu e as pessoas que observo(e sou bom observador) emburreceram demais!! Elas viraram o complemento da máquina e não o contrário. Uma divisão está criada, por um lado a mente mecânica simplesmente pensa em termos de resultado, por outro o sentimento que pesa mais para o lado humano. O segundo está desaparecendo… Claro que um monte de gente prefere fingir, especialmente que tem a perder na área. O problema para mim é que as empresas, governo no geral pensam no resultado final e o que isso acarreta. Miséria existencial e riqueza material. Riqueza material é fácil medir, uma planilha um software, uma mente hábil matematicamente, pode fazer isso facilmente, mas o outro… Exemplo, já ouvi vários. Algumas empresas estão produzindo automaticamente independente de precisar ou não!! Ai criam estratégias para “empurrar” esses produtos. Barateando, sorteando, venda casada, etc. Como uma frase de um mestre: “Vocês tem tudo, menos a si mesmos”. A vida está se resumindo em ganhar dinheiro e gastar.

    • Ao ler Facebook, favor trocar por Orkut.

      E depois ainda vamos reclamar da inclusão digital, em vez de nivelar toda uma população por baixo não era mais viável (em termos de médio e longo prazo) a educação digital das pessoas?

      Daqui a pouco computador vai até escolher que sites eu vou poder ou não entrar e o dia que isso acontecer teremos liberado a Skynet.

  • Sempre teremos opções para escovadores de bits, mas acho que é uma questão de orgulho mesmo dos usuários avançados de se incomodar com esse “emburrecimento”.

    Antigamente, alguém que realmente entendia de computador era diferenciado dos “sobrinhos”, mas com esse avanço dos softwares/hardwares, esse conhecimento aprofundado faz cada vez menos diferença para o dia-a-dia.

    É parecido com o que ocorre em programação. Em 1960, ser um gênio programador era muito mais relevante que hoje em dia.

  • Luiz Felipe

    Depois de 10 anos na area, voce se cansa de ter que mexer manualmente em configurações para funcionar e não se importa mais.
    Computador tem que ser como carro com cambio automatico, quando voce pegua o primeiro carro com cambio automatico, voce fica trocando manualmente as marchas, mas depois nem se importa mais e deixa a maquina fazer o serviço.
    Incrivel que o windows tinha o problema de não funcionar. Agora ele tem o problema de funcionar, perde toda a graça. Para quem ainda perde seu tempo com isso, existe o linux para os que gostam de microgerenciar seu computador.
    Eu simplesmente não me importo mais. Prefiro usar meu tempo para jogar videogame que é mais divertido do que mexer nos botões do sistema operacional.
    Tanto o OSX como o Windows já são quase transparentes, não ficam na frente do seu trabalho, simplesmente funcionam e pronto. Claro que gasta mais hardware, mas quem se importa, meu tempo vale mais do que uns gigabytes de memoria ram ou uns terabytes de hd.

    • thunder_geo

      @Luiz Felipe, ouvi dizer que cambio automático deixa broxa!!!

    • Mas quem está reclamando são parte da pequena elite de power users, não a grande massa consumidora de games e cliques.

      • A grande massa consumidora de games e cliques sempre procura alguém da elite power user para resolver os problemas que ela mesmo criou.

        E nem se dá ao trabalho de tentar aprender para superar seus próprios erros sozinha.

        E seguindo a lógica, com o tempo a elite power user irá acabar e o caos estará instalado, quando PC a PC deixar de funcionar…. apocalipse now…

  • kotter

    eu particularmente gosto dessa mudança, fiquei impressionado quando vi o primeiro vídeo do novo windows, pois eu acho a interface do windows phone muito elegante e funcional, foi legal ver funcionando num desktop. mas me decepcionei quando vi que, por detrás daquela interface bacana, existe o mesmo windows, sem nenhuma “maquiagem” sequer.

    é claro que um OS não pode ter só uma interface bonitinha com efeitinhos legais, qualquer pessoa (não precisa ser heavy user) precisa de um sistema completo e “padrão”, quando vai realizar tarefas que não estão pré-programadas na tela inicial. mas, se for pra mudar, que se mude tudo de uma vez.

    explico meu ponto de vista: no caso do windows, uma coisa não combina com a outra. existe uma interface bonita quando você inicia o computador, elegante e minimalista, mas por trás existe uma interface de windows velho, cheio de brilhos, efeitos, sombras, contornos. não é homogêneo. de início as pessoas vão achar legal a interface inicial, mas depois vão ver que ela não faz tudo que precisam. vão ter que ficar alternando para a interface do velho windows, pra procurar arquivos, abrir documentos de texto, planilhas, mexer em configurações etc. vão usar o computador como sempre estiveram acostumados a usar, e vão achar a interface nova desnecessária, chata, “intrusa”.

    eles deveriam pensar em integrar melhor as duas interfaces, mudar um pouco o visual do antigo windows que se esconde por trás, para que fique mais relacionado ao novo conceito. talvez até mudar um pouco o paradigma de interface. seria arriscado, todo mundo teria que se acostumar, a curva de aprendizado seria mais lenta, você teria que iniciar quase do zero, deixando de lado tudo que se acostumou a fazer desde o windows 95. mas, a experiência do usuário seria mais completa, mais homogênea, menos confusa. parece que eles tão tentando misturar o novo com o antigo de um jeito improvisado, só pra ver se cola. se for assim, não cola.

  • Wallacy

    Existe uma diferença em simplificar e limitar.

    Entretanto é comum uma forma mais “simples” ser também uma forma mais limitada. E para superar tais limitações temos que fazer as coisas de outras formas, as vezes muito mais burocráticas que o problema original.

    É a velha questão de resolver um problema que não existia antes.

    Por exemplo, com o autosave se eu quiser dar um commit no git de uma versão já salva porém não em andamento, vou ter não vou conseguir. Até posso conseguir, usando um scrip ou algo que torne possível usar uma versão anterior….

    Em fim, ganha-se de uma lado e perde se outro. No caso, quem perde geralmente é quem já é capaz de superar esses problemas… Mas que é desagradável ter que ficar contornando esses “features” é.

    Muitos usam Linux por isso, não só porque acham “cool”, mas porque desejam mais controle do que estão fazendo.

    Posso dar outro exemplo, o instalador automático de drivers do Win7, no PC do meu colega ele sempre escolhe uma versão errada do drivers, ele disse que demorou 2 meses para solucionar o problema, ele instalava a versão “certa” e o Windows na inicialização já trocava… Era um recurso para facilitar, que no caso atrapalhou ele. No geral facilitou a vida de muitos… Mas… Bem… É o que acontece quando nivelamos por baixo, deixamos de lado algumas funcionalidades que nos permitiram mais controle, no caso uma forma nativa de evitar que o instalador automático condicionavelmente não funcionasse em alguns casos. É uma feature “avançada” que os sistemas estão deixando de incluir.

  • kotter

    acho que o windows ainda tem muitas coisas que precisam ser totalmente revistas na interface. ontem mesmo, eu estava fazendo um tutorial para configuração de teclados de notebook, para a loja virtual de um amigo meu, e fiquei impressionado com a tosquice do windows.

    no windows 7:
    – primeiro você precisa entrar em “Painel de controle”.
    – depois clicar em “Região e idioma”… irá abrir uma nova janela.
    – na nova janela você clica na aba “Teclados e idiomas” > “Alterar teclados…” abre OUTRA janela.
    – aí você clica em adicionar, abre OUTRA janela.

    jã são QUATRO janelas abertas, pra alterar o idioma de um teclado.

    é esse o tipo de coisa que vem se mantendo desde os primórdios do windows que precisava ser alterado. no Mac as coisas funcionam melhor, em uma janela você quase sempre resolve todas as configurações.

    qualquer mané que estudou alguma coisa de usabilidade sabe que menus muito profundos e excesso de elementos surgindo na tela não são uma coisa boa.
    parece até aqueles sites que, pra você navegar, fica tudo abrindo em popup.
    – “clique aqui para mais detalhes” (abre um popup)
    – “clique aqui para ver fotos” (abre popup com minuaturas)
    – clica na foto, abre a foto grande em outro popup.
    isso é feio gente! não pode 😛

    • Ticão

      @kotter, concordo com você. E dou um exemplo.

      Tenho um PC com W7 e um iPhone. No final do ano passado percebi que o APP Remote do iPhone/iTunes parou de funcionar em casa. Ou seja, funcionava no escritório e não funcionava em casa. Depois de algumas tentativas esparsas, um belo dia resolvi resolver o problema com mais afinco.

      Muita pesquisa. A solução sempre era reinstalar o iTunes, mas sem muita certeza de que resolveria.

      Várias páginas da internet depois consegui chegar num blog que descreveu o problema e a solução com mais consistência. Com um passo a passo.

      Consegui chegar numa janela de configuração do W7 depois de umas 10 outras janelas. Era alista dos serviços permitidos e proibidos no tipo de conexão. Se Home ou Pública.

      Hoje já não conseguiria chegar. Teria que refazer a pesquisa e gastaria 80% do tempo que gastei na primeira vez. De fato a Microsoft tem uma “filosofia” meia esquisita nessa questão. As coisas sempre são em cascata com muitas instâncias. Até parece que é de propósito para dificultar. O sistema obedece a lógica do programador e não a do usuário. As coisas ficam escondidas.

      • @Ticão, o problema da Microsoft é um só: software legado. É o que sustenta o Windows na liderança dos sistemas operacionais mas, ao mesmo tempo, é o que prende a Microsoft a soluções e pensamentos bem retrógrados.

        Não digo que não dê para mudar essas coisas de usabilidade sem quebrar a retrocompatibilidade com versões anteriores do sistema, mas dá trabalho, um trabalhão. E, para o usuário final e corporativo, é mais chamativo um recurso totalmente novo (útil ou não) do que consertar janelas de configuração que a maioria, quando muito, vê/precisa uma vez na vida.

        Hoje, eu diria que no “Windows 9” haverá algo grande na plataforma Windows. O Windows 8 desponta como uma experiência, como o verdadeiro Windows “XP”. Se der certo, aí a Microsoft vai com tudo para convergir seu sistema principal em algo mais fácil de usar e melhor acabado.

        []’s!

        • kotter

          @Rodrigo Ghedin, espero mesmo que o windows 8 seja a experiência, para um possível windows 9 totalmente inovador. mas sobre mudar a usabilidade sem quebrar a retrocompatibilidade ser algo MUITO trabalhoso, eu acredito que não. não estamos falando de mudar a forma como as coisas “funcionam”, e sim a forma como elas são “apresentadas” através da UI. como o @Ticão disse, “o sistema obedece a lógica do programador e não a do usuário”. parece que a microsoft não sabe “organizar as informações” de um jeito otimizado e intuitivo.

          me preocupa essa nova interface com a velha UI do windows por trás, conforme eu falei em outra mensagem. o que eles chamam de “start” (que vai ser a grande inovação) vai se confundir com o antigo “start”, que sempre foi utilizado no windows (que continua presente nesta versão). eles querem inovar mas estão errando nesse aspecto, podendo confundir o usuário com 2 opções de “menu iniciar”. é tudo uma questão de organizar as informações e apresentá-las ao usuário com mais clareza, mais homogeneidade e menos ambiguidade.

          nem sei se dá pra chamar o novo recurso de “nova interface”, parece mais um dashboard bonitinho sem integração decente com o coração do OS.

          • @kotter, concordo contigo que falta um pouco de criatividade/vontade da Microsoft em mudar. A Microsoft está saindo de uma fase de receio, sei lá… Parece que depois do fiasco do Vista eles ficaram com medo de mudar as coisas. Está passando, mas nada, nada, foram no mínimo três anos parada.

            E sobre a confusão com a tela inicial, não se preocupe. Acredito que você não tenha visto a demo do Windows 8, então lá vai: nesse sistema não tem menu Iniciar. Quando você está na interface clássica e clica na Windows orb (a “bolinha”), ela abre a tela inicial (a que está no post).

            []’s!

  • Marcus Pessoa

    Faltou dizer de que “liberdades” abdicamos ao abraçar esses sistemas.

  • Marcelo13

    A facilidade de uso é proporcional a limitação de uso. Se as empresas querem fazer interfaces para oligofrênicos elas poderiam dar a opção do usuário com qi acima de 90 escolher entre ficar limitadíssimo ao que a interface bonitinha permite usar ou fazer o que ele realmente quer.

  • GatoDescabelado

    O Lion é uma experiência estranha.

    Em todos esses anos, eu nunca ví um sistema que tenha sofrido tantas mudanças de useabilidade de uma versão para outra.
    Estava acostumado à utilizar o Snow Leopard, e na atualização para o Lion, todos os trackpads gestures que estava acostumado a utilizar se foram. Tentei por dois dias usar o que a Apple convencionou como “natural” e percebi que coisas simples como mover uma janela ou selecionar arquivos se tornaram movimentos nada naturais onde precisava utilizar 3 dedos. E obviamente, é difícil ter precisão em qualquer coisa que utilize mais de um (1) dedo no trackpad. Como resultado, reconfigurei tudo para que funcionasse da mesma maneira que era no Snow Leopard.

    O Lauchpad é interessante, mas parece um rascunho. E recursos que anteriormente utilizava e que me garantiam produtividade no Spaces e no Expose simplesmente sumiram/mudaram.

    O Auto Save ainda me é estranho, e muitas vezes inconveniente. Hoje por exemplo ao abrir uma imagem relacionada ao trabalho, o Preview abriu junto a ultima imagem que tinha visto nele ontem, jogando na tela algo completamente NSFW; ainda bem que estava sozinho.

    No final o Lion é um conjunto de coisas que gostei e que não gostei. Tenho realmente minhas dúvidas se ele torna o uso mais fácil pra usuários finais. Eu sinceramente acredito que não.

    • Anônimo

      Então dá pra manter o rolar e os gestos do Snow Leopard? Taí, por que não dar a opção de ter o sistema simplificado e o sistema mais “a moda antiga” para o usuário decidir?

      Tá, eu já sei a resposta, mas tinha que perguntar.

  • Thiago Pacheco

    Só pra ser chato: IRQ não é endereço, é número, o que chamávamos de endereço era o IO address. 😛

  • Danielcraig

    wtf? cade os comentários?!

    • @Danielcraig, OFF TOPIC: Estamos a migrar o sistema de comentários para o DISQUS, então levará um tempinho para importar os mais de 400 mil comentários. ;¬)

      • Danielcraig

        Eu entendi depois que vi o post do Ghedin. Mas valeu pelo feedback! =o)

      • Danielcraig

        Eu entendi depois que vi o post do Ghedin. Mas valeu pelo feedback! =o)

  • Anônimo

    Desde que o Windows tirou o acesso direto ao hardware ele perdeu liberdade e ganhou segurança, confiabilidade.
    Eu nunca mais tive uma tela azul sem ser por problemas de hardware, no máximo por driver mal feito, ou inacabado.
    Talvez a abstração do software, agora, nos leve até um sistema mais seguro de vírus e outras ameaças parecidas. É esperar pra ver.

  • Texto excelente, totalmente imparcial.
    Concordo com você Rodrigo, quando eu fiquei incomodado com .net 3.0 migrei para o PHP.Quando não gostei do Windows ista fui de vez para o Slackware, logo sempre existe uma outra opção.

    • Riser

      Só que o Slackware não chega nem perto de ser “obscuro”, nem o Arch Linux.

      • André Luis Pereira dos Santos

        Quer algo realmente hardcore?

        Use o OpenBSD e monte o desktop do zero.

        É uma experiência fascinante.

        Não chamo o OS de obscuro, mas ele é dentro do opensource o que mais se aproxima de um UNIX puro sangue.

        Simples ao extremos, rápido como uma bala e seguro como poucas coisas na vida.

  • Texto excelente, totalmente imparcial.
    Concordo com você Rodrigo, quando eu fiquei incomodado com .net 3.0 migrei para o PHP.Quando não gostei do Windows ista fui de vez para o Slackware, logo sempre existe uma outra opção.

  • Sou um heavy user. Desenvolvo meus softwares e tudo mais, mas além disso eu também ensino informática para terceira idade e vejo com bons olhos essas mudanças no SOs.

    Quando a gente sai do nosso mundinho acostumado com computadores e passamos a observar aquelas pessoas que nunca mexeram com um, você descobre o quando é complicada a UI de um SOs atual.

    Irão reclamar, mas ela não é intuitiva. As pessoas que querem apenas usar, precisam passar por várias etapas até chegarem aonde desejam. Vejo isso com as minhas alunas (cuja a mais nova tem 70).

    Para nós pode ser óbvio demais, mas se a home de um SO mostra um ícone gigante chamado INTERNET, CALENDÁRIO, NOTÍCIAS, etc., a pessoa apenas tem que se preocupar em apertar aquele desenho e fruir do conteúdo – e é isso que realmente importa.

    Essa facilidade é ponto forte dos tablets: eles são feitos para as pessoas que querem apenas consumir informação de qualquer tipo que seja. Nós que criamos esse conteúdo teremos pensamos e fazemos as coisas de forma diferente e não vai ser uma interface mais limpinha que vai nos impedir de criar! X)

    Um super abraço,

    tio .faso

  • Ótimo texto.
    Realmente o Lion veio para simplificar a vida dos usuários.

  • Exatamente os lancamentos da apple (>2002) focam na usabilidade e no consumidor eventual. Que não sabem o que é Chipset, Drivers, Memoria Virtual quanto mais IRQ, Buffer, I/O e Memory Range. Antigamente quem usava Apple era rotulado como Criativo, hoje o rotulo que percebo é de Leigos. O que é ótimo ver velhinhos e bebes mexendo em Ipads, e logo migrando para o Lion e Win8

  • Exatamente os lancamentos da apple (>2002) focam na usabilidade e no consumidor eventual. Que não sabem o que é Chipset, Drivers, Memoria Virtual quanto mais IRQ, Buffer, I/O e Memory Range. Antigamente quem usava Apple era rotulado como Criativo, hoje o rotulo que percebo é de Leigos. O que é ótimo ver velhinhos e bebes mexendo em Ipads, e logo migrando para o Lion e Win8

  • Anônimo

    Devo admitir que sou do time que não está gostando dessas mudanças. Daqui a pouco nem a opção de escolher onde salvar alguma coisa teremos.

    To ficando velho mesmo…

  • Anônimo

    Devo admitir que sou do time que não está gostando dessas mudanças. Daqui a pouco nem a opção de escolher onde salvar alguma coisa teremos.

    To ficando velho mesmo…

  • Kleverson Paixão

    Não acho que mudar as interfaces seja um emburrecimento, não sou exatamente um usuário heavy, mas acho que muitas mudanças subitas são ruins a qualquer usuário. Lógico, você se adapta ao novo sistema, mas se perde muito.

    A interface do Lion OS X é muito mais clara que a do windows 8, simplicidade nem sempre significa usabilidade. Aprender a usar uma nova interface no geral não é bem aceita aos usuário. Mudanças tem que ser feitas aos poucos, eu aprovo o novo OS X, mas achei muito exagerada as mudanças do windows 8. Até mesmo, por que interfaces móveis ainda não são tão “amigáveis” quanto se queria.

    Não sou usuario heavy, mas trabalho com desenvolvimento de sistemas, e recentemente na nova versão da distro do Ubuntu, as mudanças apesar de aperecer que iriam ajudar atrapalharam. Muitas funções simples que eu gostaria de usar, tive trabalho de encontrar. E a experiência conta neste processo, você tem menos “medo” de revirar o sistema em busca do que você procura. Usuários casuais tem mais dificuldade em se adaptar.

    Para alguem que nunca usou computador ou começou a utilizar agora, estas novas interfaces podem ser muito úteis, mas para os antigos não. Eles acabam se perdendo nesta nova forma de interação.

    • André Luis Pereira dos Santos

      As interfaces de sistemas operacionais estão mudando. Fato.

      Todos os grandes estão fazendo isso. Não adianta resistir.

      É uma resposta às novas demandas da maioria do mercado.

      Usuários de computador, se não quiserem ficar para trás, terão de contrariar o antigo ditado: “a raposa velha perde os dentes mas não perde o vício”.

      Apple, Microsoft e Canonical não irão parar as mudanças por conta de usuários antigos com dificuldade de adaptação, sendo que uma enxurrada de novos se dá muito bem com elas.

      Claro que equívocos acontecem, bugs aparecem etc. Mas no geral, os OSs vão continuar mudando bastante. Cabe escolhermos aquele que nos atende melhor.

      Aliás, ao contrário de alguns, eu não só não tive problemas com o Unity do Ubuntu como dei um passo adiante e em minhas máquinas pessoais uso agora somente o 11.10 que está em beta. Fora alguns bugzinhos (ele é beta afinal já que será lançado em outubro) o Unity parece ter atingido a maturidade.

      Minha produtividade teve um salto nada desprezível com ele em relação ao antigo paradigma.

  • Podemos sim dizer que os sistemas estão emburrecendo. O que acontece é que os SO vão passar a serem feitos para os usuários comuns(que são a maioria) e não mais para os heavy users. E pro SO ficar fácil de usar para os usuários comuns eles precisam ficar mais simples, o que pode ser considerado emburrecimento.

    No entanto as empresas precisam se lembrar que cada tipo de SO tem seu objetivo e maneira de usar. Uma interface de iOS num iMac não vai ficar legal. O mesmo pra Microsoft(quero saber o que eles vão inventar com o Windows 8). Elas vão precisar saber que elementos portar de uma interface para outra.

  • Rafael Carvalho

    Meu primeiro modem de 2400 bps era COM 4 – IRQ 5. Foram 2 meses até descobri isso 🙁
    E foram mais 2 até configurar o meu programa de bbs para suportar telas ANSI (fiquei maravilhado com os desenhos!).

    Sim, está emburrecendo. Conheço diversos “técnicús” e “ANAListas” que carregam esse título mas n sabem digitar uma linha de comando shell.

  • Danilo Araujo Luiz

    Concordo com os pontos demonstrados abaixo. Não vou me delongar muito, pois já acabou a hora do almoço. Gostaria de dizer que de fato os novos OS estão ficando mais user-friendly, o problema é que na hora de fazer a manutenção desses sistemas ou na hora que der pau – mesmo em sistemas limitados os usuários comuns sempre conseguem fazê-los travar de maneiras que ninguém imagina – a coisa tem ficado complicado.

    Para usuários mais avançados é um saco ficar lidando com sistemas standards. Até pouco tempo atrás o negócio era permitir customização. Hoje em dia parece que está tudo ficando fixo e você escolhe entre 10 cores diferentes.

    Acho que é aí que o Windows Home e o Windows Ultimate poderiam fazer diferença, se cada sistema fosse personalizado para um grupo. Podia rolar Win8 Versão Dummies e Win8 Versão Heavy-Users.

    Outro problema da standarização é que você acaba perdendo a concorrência. Por exemplo, hoje em dia quase tudo que tem no iPhone tem para Android, a diferença é que para Android é de graça (hehehe). Se o Win7, o Lion e o Ubuntu ficarem todos iguais você perde a sua identidade.

    Geralmente quero só ligar o computador, ouvir uns podcasts, assistir séries e filmes, jogar algum FPS, baixar alguma coisa de interesse. Mas eu quero escolher se vou usar o Chrome ou o Firefox ou o Opera, se vou usar o Winamp ou o Music Bee, se vou usar o K-Lite ou o Media Player, etc.

    Bem, para concluir, acho que computadores, smartphones, notebooks, tablets e gadgets em geral precisam ter um propósito próprio. Eu não consigo me imaginar jogando sem teclado e mouse, ainda mais porque gosto mais de FPS, não consigo ver precisão de tiro num controle. Ainda assim, smartphones servem para guardar notas, tirar fotos e fazer vídeos curtos / notebooks servem para trabalhar longe de casa ou do escritório / tablets servem para consumir mídia fora de casa / computadores servem para fazer tudo aquilo que você faz com seus gadgets mas dentro de casa e com o poder máximo!

  • Arllen Alves

    O que eu vou dizer não é novidade pois já vem sendo discutido nos comentários. Só vou reforçar que QUANTO MAIS AUTOMATIZADO SEJA O SISTEMA, MAIOR A PROBABILIDADE DE ERROS.

    Sim, já experimentou dar uma de heavy user no Ubuntu, por exemplo? Cara, é terrível. Diante de cada atualização BUM!! lá se foi aquela configuração perfeita que você elaborou “na unha”.

    Como será que faremos agora para organizar nossos arquivos com o nome que desejarmos, nos diretórios que quisermos, separados do jeito que gostamos?

    Concordo que facilitar é ótimo, mas vai “emburrecer” as pessoas com certeza.

    Ouço e leio muito a respeito de “TABLETS: SUBSTITUTOS OU NÃO DOS NETBOOKS?”

    Agora, com o rumo que os Sistemas Operacionais estão tomando, em breve virão com a pergunta “SUPER/SMARTPHONES: SUBSTITUTOS OU NÃO DOS PCS?”.

    O PC vai se tornar um gigantesco SUPERPHONE com suporte a gravação de CDs/DVDs/BDs com capacidade para games pesados e armazenamento em massa de fotos, musicas, videos, etc.

    Sem querer xiita, ou troll, seja lá o que for, estou super insatisfeito e desconfortável com a mudança, MAS COMO PROFISSIONAL terei que me adaptar e saber lidar com essa novidade.

    “Já era” a era PC! 🙁

  • Arllen Alves

    O que eu vou dizer não é novidade pois já vem sendo discutido nos comentários. Só vou reforçar que QUANTO MAIS AUTOMATIZADO SEJA O SISTEMA, MAIOR A PROBABILIDADE DE ERROS.

    Sim, já experimentou dar uma de heavy user no Ubuntu, por exemplo? Cara, é terrível. Diante de cada atualização BUM!! lá se foi aquela configuração perfeita que você elaborou “na unha”.

    Como será que faremos agora para organizar nossos arquivos com o nome que desejarmos, nos diretórios que quisermos, separados do jeito que gostamos?

    Concordo que facilitar é ótimo, mas vai “emburrecer” as pessoas com certeza.

    Ouço e leio muito a respeito de “TABLETS: SUBSTITUTOS OU NÃO DOS NETBOOKS?”

    Agora, com o rumo que os Sistemas Operacionais estão tomando, em breve virão com a pergunta “SUPER/SMARTPHONES: SUBSTITUTOS OU NÃO DOS PCS?”.

    O PC vai se tornar um gigantesco SUPERPHONE com suporte a gravação de CDs/DVDs/BDs com capacidade para games pesados e armazenamento em massa de fotos, musicas, videos, etc.

    Sem querer xiita, ou troll, seja lá o que for, estou super insatisfeito e desconfortável com a mudança, MAS COMO PROFISSIONAL terei que me adaptar e saber lidar com essa novidade.

    “Já era” a era PC! 🙁

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis