Devaneios sobre uma coleção

dori_ff3_31.01.11

Quem conhece o meu blog sabe o quanto sou viciado em comprar jogos e ao longo dos anos, de pouco em pouco tenho aumentado minha pequena coleção. Nesse tempo consegui adquirir alguns títulos que eram um sonho de consumo, como minha edição completa do Flashback ou o The Legend of Zelda: A Link to the Past (infelizmente só o cartucho), mas existe muitos outros que mesmo já tendo visto para vender, nunca tive coragem de pagar o valor pedido pelos vendedores e isso sempre me deixou com uma certa dúvida.

Qualquer pessoa que colecione sempre desejou obter algum produto raro, mas como os videogames existem para serem jogados e não apenas ficarem expostos numa estante, vale a pena investir pequenas fortunas num game que muitas vezes pode ser adquirido de maneiras alternativas? Não estou falando aqui sobre pirataria, mas veja o meu exemplo com o Chrono Trigger. Por ser um dos principais jogos do Super Nintendo, é quase impossível achá-lo aqui no Brasil com caixa e manual por menos de R$ 100 e mesmo nos Estados Unidos seu valor passa fácil dos US$ 70, US$ 80. Como eu estava querendo muito jogá-lo e adoraria tê-lo na minha prateleira, acabei optando pelo bundle Final Fantasy Chronicles, que além do quarto Final Fantasy, ainda traz o RPG sobre viagens no tempo e que virou um clássico.

Outro detalhe que tem me feito pensar ultimamente é, ao comprar a versão digital de um jogo, como fiz recentemente com o Alundra, ele merece ser inserido na minha lista de jogos que possuo, como a que mantenho no Playfire? Eu sou um defensor convicto das versões físicas e acho fantástico ter o jogo completo, com caixa e manual, mas se paguei por ele, mesmo que digitalmente, ele não merece ser considero parte da coleção? Ou seja, os meus jogos comprados no Steam não devem ser considerados tão importantes para minha coleção quanto o Dragon Age: Origins (Collector’s Edition) que possuo em versão física?

Algumas vezes eu disse que me achava mais um colecionador de games do que um jogador, pois não conseguia encontrar tempo para aproveitar tudo o que comprava, mas hoje acredito que minhas aquisições são sempre feitas levando-se em consideração principalmente a vontade que tenho de jogar aquele título e não apenas o quão raro ele é. Isso provavelmente deixa minha coleção mais pobre, mas entre pagar US$ 100, US$ 150 num Final Fantasy III ou poder jogá-lo no Final Fantasy Anthology pagando US$ 13 e investir a diferença em outro três, quatro jogos, não tenho vergonha de admitir que minha preferência será a quantidade e não a raridade, mas será que isso me desqualifica como um colecionador?

Relacionados: , , , , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • http://prazersemsentido.wordpress.com Krash Destrutor

    Eu tenho o mesmo problema, nem sempre estou disposto a desembolsar um valor extra só pra ter uma versão mais rara do jogo.
    Quanto a isso desqualificar como colecionador, creio que não. Pense assim, se você tivesse dinheiro sobrando, mas muito, muito dinheiro sobrando, você não compraria a versão rara, só para dizer que a tem? Se a resposta for sim, o espírito de colecionador está aí, só o que falta é dinheiro.

    • brunopalaoro

      @Krash Destrutor, Bem colocado sobre o espirito de colecionador. E no final do dia temos que comprar o leite das crianças, ehehehe, então é dificil gastar muita grana em games.

  • brunopalaoro

    Eu também coleciono jogos, mas já coloquei os pés no chão, nunca vou ter nem metade do que gostaria. É simplesmente inviavel, jogos raros são muito caros e não tenho grana pra bancar, então já desencanei, se o jogo ta muito caro simplesmente não compro e bola pra frente. Também tive essa dilema com o FFIII, e até hoje não o tenho (e o pior é que só vai aumentar o preço, ehehe). No caso do Chrono Trigger, claro que jogar no SNES seria mais legal, pelo fator nostalgia, mas no fim o jogo que você experimentará no PS é o mesmo, a não ser que você seja muito xiita.
    Só compro jogos que realmente pretendo jogar, mas conheço pessoas que compram só pelo valor colecionavel. Não sou a favor dessa atitude, já que basicamente você só está acumulando objetos, mas cada um pensa de um jeito.
    Quanto a comprar digitalmente e por na coleção, na minha opinião deve estar numa categoria separada. Na playfire por exemplo tem a categoria Wii Virtual Console, que é onde coloco os jogos que comprei por lá, e não em SNES, por exemplo.

  • http://hudell.com Brian_Hudell

    Eu nunca fui muito de comprar jogos apenas para colecionar, mas na última semana eu tive que sair do padrão um pouco.
    Estava lendo minha timeline no twitter quando vi um tweet da eStarland, falando que estavam com Xenogears, Chrono Trigger, The legend of zelda e Final Fantasy III em estoque.
    Corri para o site e comprei o xenogears sem nem me preocupar com o preço. Se tivesse dinheiro sobrando, teria comprado todos, mas o xenogears é pra mim o melhor jogo de todos os tempos, não tinha como eu não comprá-lo.

    Na época que eu joguei xenogears no PSX, eu nem sabia diferenciar um cd original de um pirata. Nunca tinha visto um jogo original na vida. Gastar 140 reais com o jogo agora foi a minha forma de retribuir pela diversão do passado :)

  • Pedro Calumbi

    Não me considero colecionador, mas não vendo um jogo de jeito nenhum depois de zerar vai pra estante ficar enfeitando e compro o proximo da lista, não posso dizer se um jogo sem a midia é valido pra coleção, mas nunca consegui comprar um jogo pela psn por exemplo, apesar de mais barato acho muito sem graça não poder olhar o encarte

    • http://www.playfire.com/cgasparetto cgasparetto

      @Pedro Calumbi, Eu sou exatamente assim. Não me considero um colecionador. Simplesmente compro o que eu acho q vou gostar, jogo e não vendo de jeito nenhum… fica na estante para a posteridade. =)

      Depois do Steam, tbm desencanei com essa história de jogo de caixa ou não. O importante é dar os créditos ($$$) aos criadores, e sendo mais barato comprar por download, vai ser assim mesmo. Aliás, tem jogo q só sai em download agora… então nem tem escapatória.

      PS.: Pedro, vc não compra na PSN? Então pq usa o avatar do Freekscape? Hehehe. Q eu saiba só tem lá.

  • Manuel

    Eu acho que simplesmente sair comprando vários jogos pra encher a coleção é algo meio artificial, é uma coleção talvez mais ligada a vaidade pessoal. MINHA OPINIÃO PESSOAL, não estou julgando a atitude de ninguém.
    Acho mais legal aquela idéia de comprar os jogos que realmente vai curtir, guardar, e daqui a uns 20 anos, ver a história de games que você já curtiu, aí você vai ter uma coleção respeitável, mesmo comprando poucos jogos por ano. Montar uma super coleção no “brute force”, acho menos interessante. Imagine o seguinte. Se ninguém no mundo puder saber da sua coleção, se ninguém puder ver quantos jogos você tem e quais são, ainda assim essa coleção vai significar alguma coisa, vai ter alguma utilidade? Se a resposta for assim, então isso é uma coleção bacana.
    Mas acho que existe uma idéia de coleção que é muito pouco feita, uma coleção coletiva. Uma espécie de museu ou clube de video-game em que vários amigos contribuem pra formar um acervo que todos podem compartilhar, com eles e ainda até com outras pessoas. Sei que é meio utópico mas acho a idéia interessante. Isso existe com obras de arte e livros. Acho que a chave é ver o video-game como expressão da cultura e não apenas como item de distinção.

  • Darkus

    Eu uns anos atrás comecei a colecionar jogos originais de NES em bom estado, cheguei a importar o Batman: Return of the Joker para poder complestar a “trilogia” dos games para o NES.

    parei com isso quando comecei a pensar em comprar um Mega e um Snes e ví que era uma maluquice foda, pois custaria uma grana considerável e precisaria de espaço (coisa que em meu apertamento eu não disponho), assim sendo resolví privilegiar o JOGANTE em vez do MONTANTE e tenho namorado um PS3 Slim e seus mais novos (e PERFEITOS) emuladores. OU comprar os novos flashcards de Mega e Snes (Everdrive e Super Everdrive) e o flashcard de NES (o PowerPak) e assim ter o melhor dos dois mundos, games em seu console original sem gastar demais, assim bastaria comprar alguns poucos jogos que eu REALMENTE gosto ou que não funcionam nos flashcards!

  • garoa

    huhuhu, tenho esse FF “3” aí com essa mesma box. Comprei ainda na época que saiu, usado de locadora. Também tenho Alttp, mas infelizmente deixei CT passar em branco… :/

  • http://frankcastiglione.wordpress.com/ FrankCastle

    Caramba, estou mais tranquilo agora! Pensava que só eu estava nesse dilema do Final Fantasy III!
    Tenho muita vontade de pegá-lo, pensava que agora com cartão internacional, Mercado Livre e Ebay conseguiria pegar… ledo engano, quando vi os preços, deixei pra lá!

    Mas por sorte consegui pegar um Chrono Trigger completo de um amigo que comprou no Ebay e não curtiu, paguei R$ 130,00, mas achei que valeu muito a pena. Pois me recuso a jogá-lo em emulador ou outra plataforma que não seja o meu SNES!

    Eu até me considero um colecionador, mas sou bem soft, heheh, não sou de ficar montando estantes, geralmente meus jogos ficam guardados, longe da vista. Mas gosto sim de ter a versão física. Quanto aos digitais, não considero como coleção, mas considero como propriedade, pois você pegou o jogo legalmente.