Google apresenta The WebM Project

Abaixo da briga entre Flash e HTML5 na área de vídeos online, uma outra se desenrola: a do CODEC dominante. Até ontem, dois brigavam mortalmente para se tornar padrão: H.264 e Ogg Theora.

O CODEC H.264 está na dianteira, com mais parceiros de peso, incluindo Microsoft e Apple. Do lado do Ogg Theora, apenas a Mozilla. O ponto de discórdia para a dona do Firefox é que o H.264, propriedade do consórcio MPEG-LA, embora atualmente isente usuários do pagamento de royalties, muito provavelmente passará a cobrá-los a partir de 2015.

The WebM Project.

The WebM Project.

No meio dessa batalha, ontem o Google meteu o bedelho no meio e, num movimento já esperado, ontem anunciou o The WebM Project no Google I/O, um novo formato de vídeo para a Web baseado nos CODECs VP8 (fruto da tecnologia da On2, comprada pelo Google alguns meses atrás), Vorbis (áudio), extensões de arquivos e novos mime types, tudo dentro de um container baseado no Matroska. Detalhe: o formato é aberto, livre da cobrança de royalties.

O projeto não só é tecnicamente superior aos concorrentes, como já nasce com o apoio de mais de quarenta empresas, incluindo Mozilla, Google, Opera e Adobe. Sim: o Flash usufruirá dos benefícios do WebM. E o YouTube, que desde ontem já codifica todos os vídeos em alta definição (720p) no novo formato, paralelamente ao H.264. Mais um nome de peso? A Microsoft já anunciou que, embora o IE9 seja fundado no H.264, não fará objeções à utilização do VP8 no navegador desde que o CODEC esteja instalado no Windows.

As nighly builds do Firefox e Chromium já dão suporte ao WebM, bem como as versões de testes do Opera. Já tem gente dizendo que a guerra do CODEC dominante acabou. E você, o que acha?

Fonte: TechCrunch.

Relacionados: , , , , , , , ,

Autor: Rodrigo Ghedin

Blogger, bacharel em Direito e acadêmico de Sistemas de Informação.

Compartilhar
  • Vou baixar uma versão de testes do Firefox e ver o resultado. Sempre desconfiei que o Google uma hora ia se meter nessa disputa.

  • gutokiske

    Eu acho que essa guerra vai ter muito mimimimimimi , mas o Google tem tudo pra novamente por seu plano de dominação mundial em prática!

  • google cada vez mais perto da dominação… pelo menos é open source.

  • gabriel_

    “Já tem gente dizendo que a guerra do CODEC dominante acabou. E você, o que acha?”

    Sim, a guerra dos codecs acabou.

    E aí, qualquer um que acompanhe isso um pouco mais de perto levanta a plaquinha: “Eu já sabia”.

    Desde que o Google comprou o VP8, já era esperado que fosse liberado como um padrão aberto. Simplesmente porque parece ser a coisa mais interessante que o Google poderia fazer com o VP8, dados seus interesses com o Chrome e Chrome OS.

    É lógico que o google iria preferir que o seu formato ganhasse a guerra dos codecs:
    1) pra não ter que pagar royalties
    2) pra ter não ficar subserviente às diretrizes do consórcio MPEG-LA

    E como vencer o h.264, que já estava se estabelecendo entre as grandes empresas?
    Oferecendo um codec que se equipare em qualidade, mas que faça as tais empresas economizarem uma grana.

    ======

    ps: Mas vale dizer que ainda há tempo para uma milagrosa reviravolta por parte da MPEG-LA. E a única maneira de isso acontecer seria uma reformulação de última hora do h.264 que mostrasse uma superioridade inalcançável pelo VP8 há tempo da migração em massa dos sites em flash (próximos 2 ou 3 anos).

    A minha aposta é que isso não vai acontecer.

    • GalileoBR

      Ghedin, só realmente discordo em dois pontos.

      1. Roylaty Free – isso ainda vai dar rolo. Ninguém nunca se interessou por investigar se o VP8 viola alguma patente existente. Com o nome do Google por trás dele, pode ter certeza que alguém vai investigar mais a fundo e algo vai surgir.

      2. Tecnicamente superior – forte a afirmação hein? 🙂 Primeiro que você está entrando numa seara tão cabeluda quanto a da questão legal acima. Aposto que vários técnicos de áudio-vídeo podem “comprovar” ambos lados do argumento. Mas dizer que é tecnicamente superior é exagero demais. Eles mencionaram 1080p ou proteção de conteúdo em algum lugar no anúnciuo do WebM? Nem aceleração de HW tem ainda e isso é fundamental para vídeos em HD. Então vamos com calma.

      Acho que para vídeo de UGC ou produção de baixo custo, pode sim ter um grande impacto na Web. Agora para vídeos de alta-qualidade/produção, não vai ser adotado nessa versão atual.

  • hamacker

    Olha, ví alguns sites em inglês e realmente se tudo estiver correto sobre o que lí então o VP8 é realmente superior aos demais, logo, será apenas questão de tempo os demais codecs sucumbirem como codec de vídeo para Web, o codec de audio Vorbis já foi incorporado.

    Agora, o h264 não vai morrer nunca, ele tá em vários produtos multimedia, blu-ray e até nos setup-box de DTV.

    • Edu Lacerda

      @hamacker, Não eé bem assim. Se quiser uma análise tecnica feita por um dos desenvolvedores do x264 http://x264dev.multimedia.cx/?p=377

      • hamacker

        @Edu Lacerda,
        Lí o artigo e ache a analise interessante, embora opiniões pessoais sejam a maioria, coisas como :
        “3. How likely is VP8 to actually be free of patents? Even if VP8 is worse than H.264, being patent-free is still a useful attribute for obvious reasons. But as noted in my previous post, merely being published by Google doesn’t guarantee that it is. ”
        Tá de sacanagem, a licença é BSD. Até a microsoft usa BSD em seus produtos.

        ou coisas muito pessoais como :
        “I’m not quite sure why Google chose to rebrand Matroska; “WebM” is a stupid name.”

        Há coisas que são confirmadas por ele, como por exemplo a velocidade superior do VP8, mas em seguida ele joga a pergunta “e a qualidade ?” sem responder se a qualidade do h264 é melhor ou não.

        O restante são criticas ao spec do formato VP8, que é puramente burocrático, lançaram ontém e esperar documentação, specs e todo resto do dia para noite não é razoável.

        Não apenas eu achei isso, mas outros também. Existe os comentários que fizeram desse artigo que me passou em :
        http://lwn.net/Articles/388334/

        • Edu Lacerda

          @hamacker,
          A questão das patentes não é quanto a licenciamento, mas quanto a uma possível guerra de patentes futuras. Considerando o quão aparentemente estão próximos os dois codecs é bem possível que possa haver isso. Não é FUD, apenas uma constatação.

          Eu lembro de ter lido no artigo (ou me confundi foi em outro) que o profile mais básico do h.264 é superado pelo VP8, mas que nos outros perfis não. E provavelmente deve ser verdade, já que H.264 foi pensado para ser escalável.

          E sim, há críticas pessoais sim. Mas toda crítica a tem em maior ou menor grau. Mas não deixa de ser um bom contraponto ao exagerado entusiasmo de alguns.

          Pessoalmente eu só quero me livrar o máximo possível de plugins, e pouco importa qual vai ser o codec dominante desde que haja suporte a aceleração de hardware e que apresente boa qualidade. Na verdade para mim os navegadores deveriam suportar todo vídeo que os sistemas suportam via GStreamer, DirectShow (?) e QuickTime, bem melhor para o usuário.

          • Overlord

            @Edu Lacerda, não acredito que uma empresa como a Google, com um ótimo setor jurídico, não tenha analisado todas as nuances de licenciamento em questão.
            Ou, pelo menos, grande parte delas.

            Quanto à questão da patente: uma coisa é o consórcio MPEG-LA ir atrás de Mozilla e da comunidade do Ogg Theora… outra é arranjar briga contra uma empresa como a Google.
            Ok, o H.264 é “gratuito” até 2016. Mas e depois?
            Parece aquela velha política de traficante: a primeira dose é gratuita…
            É tudo uma questão de licença… algo que pode mudar de uma hora para outra.
            Vide a licença da Apple na App ou na iTunes Store.

            E, sinceramente, esta página do desenvolvedor do x264 está parecendo mais uma questão de “dor de cotovelo” do que algo sério. Afinal, todo o trabalho do x264 é em cima do H.264/MPEG-4 AVC. É praticamente óbvio que o desenvolvedor TENDA para o H.264. 🙂
            É como se todo o trabalho que ele teve perca praticamente grande parte da importância de um dia para o outro. Detalhe que o tal “artigo” do cara foi postado no mesmo dia do anúncio do WebM.

            Para mim, o que realmente importa:
            – é open source e, portanto, pode ser melhorado no futuro… ainda mais com o apoio da Google por trás.

            – licenciamento, questões jurídicas? Deixa a Google cuidar disto. Pelo menos, ficasse livre da Apple e Microsoft (e demais empresas do MPEG-LA).

            – Os vídeos do YouTube já estão sendo migrados (o resto, com certeza, irá atrás).
            http://www.youtube.com/results?search_query=trailers&aq=f&webm=1

  • É minha!

    -> Google sobre “internet”.

  • Frank_W

    Mas já lançaram um padrao! Nao esperaram nem o fork do firefox!

    http://br-linux.org/2010/wildfox-suporte-a-h-264-no-firefox/

  • DSousa

    Será que o W3C vai adotá-lo como padrão?

    Mesmo que ele seja tecnicamente um pouco inferior ao h.264, o Google ainda terá uma carta na manga de alto naipe pra empurrar o formato como padrão: o Youtube. É só encerrar a disponibilidade de vídeos em h.264 no Youtube, que então usuários Apple vão ficar chupando dedo até que ela adote o formato.

  • Já comprei meu ingresso para assistir essa briga. E você?

    • gopher

      Briga? Ganha o que der mais lucro[ou menos custos] para as empresas e maior facilidade para os usuários.

  • Não é sempre que o melhor ganha. Ganha o que for mais fácil de adquirir, mais barato e de preferência que venha embarcado já. Ajuda muito também se um player gigante exige ele (por exemplo o Google por meio do Youtube)

    O VP8 via WebM tem tudo pra ferrar com o H264. Nenhum outro codec teve tantas chances.

  • jnascimento

    Obrigado Google por existir, criando um projeto superior de free com crzta ganhará essa disputa até pq ele é o player mais forte!

  • O Google como na maioria das vezes aparecendo como apaziguador da história

  • Interessante. Usar o ogg como áudio e o Matroska como container é um grande passo para finalizar essa briga sobre padrões áudio e vídeo no HTML5. Penso que a solução vai ser igual à tag . Com vídeos em 264 e vp8 (acho que a Apple vai ser obrigada a aceitar). Com o audio ogg no vp8 não vai me surpreender se o ogg se tornar um dos padrões de áudio. Na verdade é o que mais quero! rsrsrs

  • tcelestino

    Agora eu quero ver a Apple e Microsoft em qual lado vão ficar.

  • Estou usando usando o último beta do Opera e já deu para testar o WebM no Youtube, o formato realmente parece ser mais leve.

  • 1bertorc

    Ninguém dá conta de analisar todas as patentes, nem o google nem a Microsoft,
    a esperança dessas empresas é ter um arsenal grande para guerrear contra
    concorrentes em uma eventual batalha jurídica.
    O problema é a possibilidade de uma empresa que só tenha patentes e não
    distribua produtos (na prática) que pode atirar e não pode ser acertada…
    Dado o campo minado que são as patentes eu se inventasse algo ia preferir
    patentear, ‘deixar quieto’ e esperar uma empresa grande fazer algo parecido…
    E depois tentar ganhar dinheiro em cima, hehehehehe.
    É o mesmo caso do Youtube, lembro de um grande executivo que disse que
    comprar o youtube era suicídio por causa dos processos pela pirataria…
    Nem sei se dá lucro (acho q sim), mas o google comprou e até agora vem
    sobrevivendo.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis