nVidia — “And the Oscar goes to Intel”

No fantástico mundo tecnológico e empresarial da indústria dos processadores gráficos, sempre imaginamos que as maiores rivais são a nVidia e a ATi. Estas duas sempre concorreram pela coroa da performance em GPUs dedicadas. E isso desde o finalzinho do século passado, quando então a ATi colocou as Rage para tentarem bater as TNT da nVidia.

Naquela época, a Intel apenas concorria com o i740, uma GPU dedicada a não rodar jogo algum promover a interface AGP dentre os chipsets alheios nas placas-mãe, estas voltadas aos processadores centrais x86 da Intel e que cujos fabricantes de tais placas preferiam oferecer conexões PCI adicionais, mais baratas e simples de serem implementadas.

Laguna_aIntelOscarN_17mar2010

Após inúmeras “vitórias” contra a forte concorrência de outras GPUs dedicadas, a Intel preferiu evoluir o i740 para a gloriosa série de GPUs integradas (também incompatível com o Vista) Intel Extreme Low Graphics, mãe das atuais GMAs.

É graças à dedicação da Intel no mercado de IGPs, que hoje temos a fenomenal dupla férrica Clarkdale/Arrandale, plena sucessora da ‘vitoriosa’ GMA 4500M HD, no mesmo encapsulamento dos Core i3 e i5, embora não na mesma pastilha de silício (aka die), como nos Atom “Pineview”.

Só para vocês sentirem o “poder colossal” da dupla Ironlake: a Intel conseguiu colocar, nesse novo hardware, a renderização seletiva de objetos em função de sua profundidade no eixo Z, um recurso digno das GPUs dedicadas lançadas durante a famosa odisséia espacial das Radeon8x00/GeForce3: o clássico DirectX 8.1 via hardware.

Tio Laguna, nós, os jogadores, estamos cansados em saber que o hardware gráfico vindo da Intel não consegue nos entregar bons gráficos, tridimensionais fotorrealísticos, em tempo real. Qual a novidade?

Em uma entrevista, o vice-presidente executivo da Intel declarou o seguinte:

Quando as pessoas imaginam [melhores] gráficos [nos PCs], logo os associam aos jogos tridimensionais de guerra e mais realismo. Não desconsidero isso, mas [tal nicho] atrai um público muito menor, relativamente falando.

Penso que uma porção significativa dos consumidores busca, realmente, a multimídia.

Não acho que [poder renderizar] melhores gráficos faça[m] uma enorme diferença… [Pois] a funcionalidade por trás da interface gráfica é o que importa.

Sendo justo, nos últimos anos, à exceção do presente ano [2010, o ano em que faremos contato com algum Fusion], a AMD+ATi tinha uma melhor solução de gráficos integrados que a Intel.

David ‘Dadi’ Perlmutter

Bom, e o que tal declaração significaria, além de ser, obviamente, uma pesada crítica à busca incessante por melhores e mais fotorrealísticos gráficos tridimensionais nos jogos?

Laguna_LarrabeeFAIL_06dez2009

O primeiro aspecto do contexto de tal mercado, que devemos levar em conta, é que a Intel não possui, atualmente, qualquer GPU dedicada com um nível de desempenho que possa concorrer contra o Cypress (Radeon HD 58×0) ou contra os Gráficos Fermi 100 (GeForce 11 / GTX 4xx).

Como dizia a fábula: quem tanto despreza o que não tem, é porque cobiça tal coisa.

Só a título de exemplo: a Intel até participou do projeto de um dos principais componentes do primeiro console XBox (logo o processador central), mas a Microsoft preferiu não continuar tal parceria no XBox 360. Foi o mais próximo que a Intel chegou de uma plataforma dedicada a jogos. E o hardware gráfico era da nVidia.

O segundo aspecto: a Intel é líder no setor de IGPs, com suas GMAs e, apesar de o rendimento em jogos ser notoriamente ruim, quando comparado ao AMD890 (Radeon HD4200) ou nForce900/ION (GeForce 9400), tal produto (mais encontrado nos laptops, onde o preço das soluções dedicadas pode ser proibitivo) normalmente não é voltado para jogar e sim para lidar mais com multimídia, ou seja, assistir a vídeos, ouvir músicas, acessar a internê e, de vez em quando, trabalhar.

Laguna_nVidiasIntel_17mar2010

Dadi Perlmutter estava a sugerir que, pelo menos para a multimídia, as GPUs integradas da Intel eram suficientes, sendo até ‘humilde’ ao considerar a AMD+ATi como “esforçada” concorrente. E por que ele nem citou a nVidia?

O tio Laguna considera ser difícil querer citar alguém de quem você simplesmente quer distância: o presidente da nVidia, Jen-Hsun Huang, afirmou, numa entrevista em vídeo, que não negociará com a Intel, pelo menos não antes do início do julgamento de dois dos vários processos que a nVidia levantou contra a Intel, por esta bloquear qualquer concorrência no ramo de chipsets em suas plataformas desktop e mobile.

Ao contrário da AMD+ATi, que recebeu, caladinha, US$ 1,25 bilhão da Intel, a nVidia preferiu não só levar os processos adiante, como também abriu uma página, exclusivamente voltada à explicar os motivos que levaram a empresa a se mostrar tão confiante nos julgamentos do FTC e Comissão Européia, sobre as práticas anti-competitivas da Intel.

Agora pergunto: os (sub)notebooks ainda são uma opção viável, em custo-benefício, para jogos, com gráficos tridimensionais robustos, ante os microcomputadores dedicados para tal fim (os consoles) ou mesmo comparados aos desktops com hardware atualizável? Se o mercado dependesse exclusivamente da Intel, não.

Fonte: Fórum PCs.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Emanuel Laguna

O “tio Laguna” nasceu no Siará em meio à Fortaleza de 1984. Sempre gostou de brincar de médico com os aparelhos eletrônicos e entender como um hardware dedicado a jogos funciona, mas pretende formar-se como Engenheiro Eletricista qualquer dia. Antes apaixonado pelos processadores gráficos desktop, vê nos smartphones, tablets e outras geringonças mobile o futuro da computação.

Compartilhar
  • garoa

    Mas é um nicho mesmo.  Usuário só quer saber de ver pr0n em alta-definição, com seios rolando pela tela suavemente.  E que tal jogos casuais, sociais?  Algum 3D em FarmVille?  Faria alguma diferença?  Faz alguma diferença na visão isométrica de The Sims?  3D serve pra alguma coisa na interface homem-máquina?  Aquela interface de sistema operacional que aparece em Jurassic Park pode ter parecido futurista, mas também parecia igualmente complicada e não-intuitiva, bem diferente da interface gráfica usual.  Diacho, até interface de configurações de jogos é 2D.

    3D só serve mesmo para gamers mais fanáticos e para produção de gráficos para filmes.  A Intel fez como a Nintendo, passou por cima dessa corrida em busca de um público maior.

  • Diavolul

    ha, existe sim um nicho de gamers hardcore modafucka que exige e muito das players de processamento gráfico desempenhos cada vez maiores e em menos espaço de tempo, e ainda bem que eles existem porque eles são a F1 do mercado: são uma elite que demanda equipamento também de elite, equipamento este que mais cedo ou mais tarde vai ter seu desenvolvimento tecnológico levado às camadas inferiores dessa pirâmide ajudando o desenvolvimento da indústria como um todo.

    E pra vergonha e desespero da Intel ela não conseguiu competir com suas rivais dessa elite, hieiaehaieiaeiaieaiehaiehiaeiaieaieiaeaheiaheihihiaaiiaiiieieieaeaieaieaieaieaiai

  • leocavadas

    No ditado popular, diz-se que “em bar que não tem bebida eu a levo”. Pois é, se o Brasil tem tanta dificuldade(simplesmente por causa da velocidade de upgrade dos chipsets) para produzir placas de video decentes. Porque não deixa que tragam para o País com impostos baratos ou sem impostos? Sim o PIB sairia prejudicado, mas a questão é competência.

    • ovtbqr

      Toda vez que você usa “governo” e “competência” na mesma sentença um burocrata sobe de nível no world of uncraft.

    • kakaroto_BR

      Se saísse a reforma tributária e as taxas de importação não fossem tão malucas – by Steve Jobs – já ficaria contente mesmo pagando mais imposto que um cidadão de primeiro mundo. (39% do PIB vs 36 % nos EUA e 30% média da Europa).

      • Muitos cidadãos do primeiro mundo pagam mais imposto que você, como na escandinávia por exemplo. Não estou defendendo o imposto não, ele pelo menos deveria ser bem utilizado como acontece em alguns países.

        • Diavolul

          Eu defendo o imposto sim.

          Sem impostos não existe Estado e sem Estado não existe país.

          O problema do Estado brasileiro não é seus impostos, mas a forma como são criados, cobrados e utilizadas as receitas deles advindas.

          Imposto é o melhor instrumento para gerar bem estar social e reduzir desigualdades, só precisa ser bem utilizado, mas isto o Estado brasileiro nunca fez.

          abcs

          • Até concordo, na medida que o Estado possa ser fiscalizado pelo cidadão e não apenas o oposto (URSS outra vez não, obrigado). Não quiz dizer que não deve haver imposto, mas que deve ser bem aplicado pelo menos (saúde, educação, etc…).

        • kakaroto_BR

          Foi o que quiz dizer. Até concordo que quem tem mais tem que pagar mais imposto, imposto de renda etc, o que me dá raiva é pagar imposto sobre imposto ou ser tributado ao longo de uma cadeia de tarifa sem controle nessa bagunça de sistema tributário. 

      • 1berto

        A carga tributária americana não é 39% NUNCA, é verdade que a taxa de alguns países ricos da Europa é elevada, próxima dos números brasileiros, mas se você somar nosso déficit (que teremos que pagar no futuro usando impostos futuros) ninguém nos alcança. Uma coisa é um país rico ter impostos ‘altos’, eu não acho necessário mas tem economias que aguentam o tranco, outra coisa é um país pobre, que não tem escolha exceto o crescimento. É só ver o exemplo do Chile onde a carga não chega a 20% é só procurar no globo, que país tem carga similar a brasileira e mantem um crescimento considerável (acima de 7%)?

        A carga americana além de ser menor que a brasileira é muito mais organizada, dizer que o Brasil tem sistema tributário é uma piada de mau gosto. Pela forma que os impostos americanos se distribuem o peso recai sobre o consumo e desonera a produção, já no Brasil é o contrário. Nos EUA você paga imposto de renda (que onera mais a produção, é verdade), mas as deduções são muito mais racionais.

  • O começo do texto me fez lembrar da minha Voodoo 4500 e seus assombrosos 32MB =)

    • Confesso que minha primeira placa de vídeo para jogos era uma MSI AGP, com GPU TNT2 e também 32 MiB. Isso num PC cuja memória principal era apenas o dobro da de vídeo.

      [Emoticon sorridente][Emoticon de óculos]

      • garoa

        🙂 8)

         

        Laguna desesperado com a falta de emoticons!  Por que tiraram?  Tiraram por que? :))

        ^^;

         

  • Krash Destrutor

    Ele não deixa de ter razão, mas o discurso me soou meio “Não podemos fazer melhor, então vamos fingir que estamos fazendo pior de propósito”.

  • Resumindo a nVidia cansou da briga de gato e rato, para ver qual placa tem o clock maior, renderiza melhor e por ai vai. Prefere focar o multimídia, não que deixe de produzir as placas high end, mas não terá o foco somente para elas

    • Mackanov

      Acho que você não entendeu o texto, mas ele está difícil de entender mesmo…

      • Peço-lhes desculpas pela complexidade do texto. Farei, abaixo, um spoiler sobre o conteúdo dele, de forma um pouco mais aprofundada que o colocado no twitter:

        Introduzo o texto com um breve histórico sarcástico sobre o inabalável fracasso estrondoso que as GPUs Intel tiveram em jogos, desde 1998, com os i740, até 2010, onde a Intel integra os Ironlake nos Core i3 e i5, com uma potência tão ridícula quanto às conseguidas nas GPUs do começo do século, lá em 2001.

        Fiz tal introdução para mostrar que a declaração do Dadi Perlmutter foi feita pela incapacidade de a empresa ainda não ter conseguido uma GPU competitiva, em termos de desempenho gráfico, ante as GPUs dedicadas da AMD+ATi e nVidia. O estranho é que ele reconheceu que a AMD+ATi é uma boa concorrente à Intel no ramo das GPUs integradas, mas preferiu ficar calado sobre a nVdia, pois esta move diversos processos contra a Intel, além de manter um site claramente anti-Intel.

        Espero que o texto tenha ficado compreensível pela maioria, com o spoiler acima.

        [Emoticon dando piscada com o zóio]

        • Diavolul

          Laguna, não se preocupe em ser entendido por todo mundo.Pra que todo mundo te entenda voce vai ter que escrever como a tia Juju da turma de alfabetização, e se voce escrever assim vão te chamar de idiota. Quer dizer, motivo pra te criticar nunca vai faltar. [emoticon piscando]

          • Mackanov

            Eu entendi perfeitamente o texto. O que eu quis dizer (aparementemente não quiseram me entender) é que seu texto não é claro, conciso nem direto. Se você estivesse escrevendo um romance, ok, mas é um artigo noticioso. Não vou mostrar como você poderia ter escrito o texto todo, pois seus artigos tendem a ser bastante longos, mas uma dica que dou é diminuir a extensão das suas sentenças. Por exemplo:

            [quote]Naquela época, a Intel apenas concorria com o i740, uma GPU dedicada a não rodar jogo algum promover a interface AGP dentre os chipsets alheios nas placas-mãe, estas voltadas aos processadores centrais x86 da Intel e que cujos fabricantes de tais placas preferiam oferecer conexões PCI adicionais, mais baratas e simples de serem implementadas. [/quote]

             Naquela época, a Intel concorria com a i740, uma GPU dedicada a promover a interface AGP em chipsets de fabricantes que não davam suporte ao barramento, que era caro e de difícil implementação comparado ao PCI.

            Menor e mais fácil de entender, e sem um aposto dentro do outro.

            Não fiz suas piadinhas (aliás, uma por artigo está de bom tamanho), mas você deve ter entendido o espírito da coisa.

            Eu sei que corro o risco de ser tachado de troll, mas não faço essa crítica apenas por ter uma certa birra sua (e tenho mesmo, como já devem ter percebido), mas para tentar te ajudar a melhorar seus textos.

            Discordo do seu uso de termos não-correntes (mesmo que corretos), seu estilo geral não me agrada, e várias outras coisinhas, mas o principal problema que eu vejo em seus artigos é a falta de concisão e clareza.

            Desculpas por arrastar essa discussão, mas se eu tivesse tido alguém pra me dizer isso antes da faculdade de jornalismo eu tinha me dado melhor.

          • Troll? Pelo contrário, muito bem colocado sua crítica construtiva. Eu é que havia escrito meu comentário de maneira equivocada 😉

          • Agradeço sua crítica, caro Mackanov, à qual julgo construtiva. Tentarei evitar o meu característico “abuso” de apostos, embora eu goste de detalhar ainda mais as minhas longas sentenças.

            Só gostaria de reforçar que o presente texto tem a intenção de ser uma análise pessoal e opinativa minha sobre uma série de acontecimentos que têm todo um histórico passado, que influenciou os relacionamentos entre a competência das empresas citadas, no ramo dos processadores gráficos (Intel, apenas presente no tier low-end; AMD+ATi e nVidia, em todos os segmentos, inclusive os high-end). [Emoticon pensativo]

            Não queria fazer dele um artigo puramente noticioso, afinal notícias são lidas e replicadas em muitos lugares. Opiniões, nem tanto.

            Sobre a terminologia, não uso os termos mais leigos como “placa de vídeo” ou “placa aceleradora de gráficos tridimensionais”, além de estrangeirismos grosseiros e mal-traduzidos como “placas gráficas(muito utilizado em serigrafia, tendo outro significado, inclusive), justamente para não criar confusões: os leigos costumam confundir as GPUs dedicadas de alto desempenho, em constante obsolescência por conta da concorrência entre AMD+ATi e nVidia, com o vídeo onboard, caracterizado pelo uso das GPUs integradas em chipset de baixo custo não atualizável. [Emoticon tristinho]

            Tomo tal cuidado com os termos, pois sempre tem algum que afirma que o notebook possui “placa de vídeo Intel”, sendo que a última placa aceleradora gráfica, com GPU dedicada da tal empresa, data de 1998.

            [Emoticon dando piscada com o zóio]

      • Porque diz isso? Talvez eu não tenha sido claro o suficiente.

        Mas o que comentei acima pode ser confirmado pelo comentário do vice-presidente executivo da intel. Se acha que não entendi o texto, me explique 😉

        • Caro Raizer, parece-me que você trocou a Intel pela nVidia, em seu comentário anterior, dando a entender (para o Mackanov…), que você não compreendera o texto.

          [Emoticon dando piscada com o zóio]

          • Entendi, realmente relendo da para entender isso. Sem drama ^^

          • Diavolul

            demorou, hein, fio? [emoticon gargalhando]

          • O Teco havia ganhado um round com o Tico aqui dentro da minha cabeça, o que justifica muito bem o comentário ^^

  • Ruminante

    Amaldiçoei-me com uma Intel 9600 Express com enganadores 384 mb que não rodam nem paciência fluentemente. Chips gráficos da intel, tenham 100 petabytes de memória disponivel para eles, continuam sendo uma grande bost…

    ++

    As pessoas (e empresas) pensam que ninguém mais tem o direito de critica-las, quando elas se criticam….

  • tonywalker

    Uai! Meu EEE PC 701 roda Zelda OOT no Project 64 com o dobro da resolução original (640X480).
    E nem fica lento!!!!!11 🙂

    • garoa

      tecnologia realmente me assombra.  E ainda tem gente que chora com todos esses confortos…

  • Gostei do site da Nvidia contando sobre seus casos contra a Intel. Engraçado e pensar em ver as suas tão juntinhas anos atrás… Porque a Intel não desiste de mexer com GPU’s? Desde que entendo um mínimo de informática a Intel é ridicularizada pelo seu desempenho pífio nas GPU’s e suas mobo’s. E pior ainda é as duas gigantes batendo de frente, a que vende mais CPU’s  e a outra mais GPU’s…

    • kharstagir

      Simples. Porque, mesmo não tendo uma GPU para bater de frente, em qualidade, com a ATI ou nVidea, ela continua vendendo mais que estas duas e “ganhando dinheiro”.

  • Eu gosto dos textos do Laguna porquê eles te dão uma atualizada sobre o que está acontecendo no mundo. Mais ou menos como ouvir falar de um tal de PS3 sendo você nem lembrava do N64 ter sido lançado.

    Ficou engraçado este post em particular porquê parece que ele começou com 4 linhas e então o Laguna começou a beber café de mais.

    • Mackanov

      [quote=magno]

      Ficou engraçado este post em particular porquê parece que ele começou com 4 linhas e então o Laguna começou a beber café de mais.

      [/quote]

       

      Ditto.

    • that

  • Pingback: AMD Fusion: amostras da APU Llano são enviadas para parceiros OEM « Meio Bit()

  • Pingback: Nasce a ‘2ª geração’ de GPUs DX11 da AMD: Radeon HD 6870 e 6850 são postas à prova « Meio Bit()

  • Pingback: AMD espera que as APUs (inclusive as da Intel) matem o mais lucrativo mercado de placas de vídeo da nVidia? « Meio Bit()

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Walmart, Cupom de desconto Ricardo Eletro, Cupom de desconto Extra, Cupom de desconto Adidas, Cupom de desconto Submarino, Cupom de desconto Americanas, Cupom de desconto Casas Bahia