Telegram é bloqueado na Rússia por não entregar chaves criptográficas

telegram-russia

A sorte do Telegram na Rússia acabou. Um tribunal de Moscou decidiu pelo bloqueio do mensageiro instantâneo em todo o país, após a empresa continuar se negando a entregar as chaves criptográficas de seus usuários, conforme a Suprema Corte já havia exigido.

A empresa e especificamente o CEO Pavel Durov batem cabeça com o Kremlin há anos: em 2014, quando o executivo ainda era CEO do VKontakte, mais conhecido como VK (o Telegram entrou em operação um ano antes), ele teria sido pressionado pelo governo do presidente Vladimir Putin a entregar dados de membros da oposição; ele acabou saindo da Rússia e sendo desligado da empresa, que posteriormente foi absorvida por completo pela Mail.Ru Group.

No caso específico do Telegram, a startup vinha enfrentando dificuldades no país depois que implementou a criptografia ponta a ponta no software, protegendo totalmente as conversas de seus usuários (não só lá e não só ela; vide os rolos do WhatsApp com a justiça brasileira, pelo mesmo motivo). O FSB, Serviço Federal de Segurança (o órgão que sucedeu a KGBexigiu que a plataforma entregasse as chaves criptográficas e se adequasse às leis anti-terrorismo locais, com a alegação de que era necessário para investigar criminosos e potenciais terroristas (bem como dissidentes, opositores e outros infratores, because reasons).

O Telegram resistiu o quento pôde, inclusive à determinação da Suprema Corte russa de que deveria entregar as chaves de uma vez e buscava recorrer da decisão, quando outra corte de Moscou julgou em tempo recorde (menos de 30 minutos) o mérito da ação que determinou o bloqueio imediato do aplicativo em todo o país. O julgamento não contou com a presença de nenhum advogado do Telegram e para todos os efeitos, a ação foi uma farsa montada para barrar o software de vez e obrigar Durov a tomar uma decisão: ou abaixar a cabeça e abrir a criptografia, ou se recusar a fazê-lo e e aguardar o software ser definitivamente banido.

A Roskomnadzor, a agência de telecomunicações russa informa que o bloqueio tem efeito imediato mas o Telegram tem até 30 dias para recorrer da decisão. A companhia comemorou em março a marca de 200 milhões de usuários ativos por mês em todo o mundo e para ela, tal desdobramento é um golpe e tanto; pesquisas recentes apontaram que a base instalada no país estava crescendo, provavelmente pelo desejo de não querer utilizar uma ferramenta monitorada pelo governo, como… o VK.

Através de seu canal no Telegram, Durov reafirmou o compromisso com a privacidade e que ela não está à venda, criticando diretamente a Apple; a maçã recentemente decidiu instalar servidores na China e mover as chaves criptográficas do iCloud de usuários locais para lá, algo que até a Anistia Internacional criticou duramente; o CEO do Telegram completa dizendo que “os direitos humanos não devem ser comprometidos por medo ou ganância”, o que para bom entendedor significa que a empresa não vai ceder e continuará brigando com o governo russo.

Claro, pelo menos até o Putin inevitavelmente chutar o app para fora da Mãe Rússia.

Fonte: Bloomberg.

Relacionados: , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples