Agora vai: Fundação, de Isaac Asimov é a mais nova série exclusiva da Apple

Demorou uma eternidade, mas finalmente a obra-prima de Isaac Asimov será adaptada para fora dos livros: a Apple anunciou nesta terça-feira (10) que assegurou os direitos exclusivos junto ao produtor David S. Goyer, o roteirista Josh Friedman e a Skydance Television para a produção de uma série baseada na Trilogia da Fundação, uma das séries literárias de ficção científica mais importantes e influentes de todos os tempos.

O rolo envolvendo a adaptação de Fundação levou anos. Primeiramente foi cogitado uma série cinematográfica, depois a ideia foi migrada para a TV (a meu ver, a opção mais acertada) e diversas emissoras namoraram a ideia, inclusive com a HBO anunciando em 2015 que iria tocar o projeto, com Jonathan Nolan como showrunner. No fim das contas, a ideia não foi para a frente e a emissora se resolveu com Westworld.

Recentemente a Skydance garantiu os direitos e recrutou Goyer (trilogia O Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan, Cidade das Sombras, O Homem de Aço, Batman vs. Superman: A Origem da Justiça), que pulou da fora do Development Hell do remake de Mestres do Universo e Friedman, que escreveu o roteiro de Terminator: The Sarah Connor Chronicles e a versão recente de Guerra dos Mundos, de Steven Spielberg para adaptarem os livros para a TV.

Entra então a Apple, que está entrando no mercado de conteúdo televisivo original. Depois de testar a recepção do público com sua própria versão de Carpool Karaoke e outras atrações voltadas à música because reasons, a companhis busca parcerias com diretores, produtores e roteiristas de renome para atrair massa crítica e a atenção do público e crítica, e Goyer envolvido com Fundação era algo suculento demais para deixar Netflix, Amazon ou qualquer outra pegar primeiro. Já chega ter perdido a próxima obra de JJ Abrams para a HBO.

O primeiro volume da trilogia original, Fundação foi lançado em 1951, baseado em uma série de oito histórias curtas que Isaac Asimov publicou entre 1942 e 1950. Ele e os seguintes (Fundação e Império, de 1952 e Segunda Fundação, de 1953) narram a odisseia da espécie humana por milênios, após terem conquistado o espaço e se estabelecido como o grande Império Galático. O matemático Hari Seldon, que dedicou toda a sua vida a uma nova ciência chamada Psicohistória, que busca através de conceitos de sociologia e cálculos apurados prever o comportamento de sociedades inteiras durante séculos e milênios vindouros.

Seldon chega à conclusão de que o Império irá inevitavelmente ruir e todo o seu conhecimento será perdido, e a única maneira de evitar tal catástrofe é compilar e catalogar toda a história e saber da humanidade em um único compêndio, a Enciclopédia Galática (sim, a própria citada em O Guia do Mochileiro das Galáxias com Douglas Adams a definindo como “muito chata”) e todos os dados viriam a ser cuidados e administrados por uma sociedade das melhores mentes do império estabelecida em um ponto remoto da galáxia, que viria a ser conhecida como a Fundação.

A trilogia original recebeu uma série de prêmios, inclusive um Hugo especial que a intitula “a melhor série literária de todos os tempos” tendo destronado até mesmo a Trilogia do Anel de Tolkien; isso sem contar que a obra influenciou diversos autores, produtores e cineastas nas décadas seguintes. Curiosamente, Asimov é um dos dois entre os quatro principais autores de ficção científica que até hoje nunca teve uma adaptação para cinema ou TV à altura das obras originais, sendo o outro Robert A. Heinlein (Planeta Vermelho e Tropas Estelares, este sendo excelente pelos motivos errados; a adaptação de Um Estranho Numa Terra Estranha, prometida pelo canal SyFy em 2016 ainda não deu as caras); já Ray Bradbury (que apesar dos pesares, gostou da versão de Fahrenheit 451) e Arthur C. Clarke tiveram muito mais sorte.

A Skydance, por sua vez só comemora: além da Trilogia da Fundação para a Apple, a produtora é responsável por Grace and Frankie e Altered Carbon para a Netflix, Jack Ryan para a Amazon Prime, Condor para a AT&T Audience Network e Dietland para a AMC; logo, não é como se faltassem oportunidades ou clientes interessados nas marcas que ela detém.

Já A Apple está jogando pesado para entrar no mercado de conteúdo original por streaming com os dois pés na porta, como é de praxe: além de garantir a Trilogia da Fundação, a maçã conta com conteúdos produzidos por alguns pesos pesados:

Há de fato algumas coisas a serem consideradas, como a exigência de que nenhuma das produções pode conter sexo, violência, palavrões ou mesmo temáticas mais sombrias; Fuller teria deixado o projeto de Amazing Stories exatamente por querer dar à série um toque a lá Black Mirror e Twilight Zone, enquanto a maçã insistiu que a obra, como todas as outras deve ter um tom otimista e “para toda a família”, sendo a empresa mais Disney-like nesse aspecto do que a própria Disney. Ainda que isso limite e bastante as obras que o serviço poderá vir a exibir, é fato que ninguém quer deixar de ganhar muito dinheiro com Cupertino.

A previsão é de que Apple lance a primeira leva de atrações exclusivas no segundo semestre. Até lá, só resta esperar para ver no que isso tudo vai dar.

Fonte: Deadline.

Relacionados: , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples