Agora a Comissão Européia quer regular seu MP3 Player

Se a imagem que você tem da Comissão Européia é de um monte de velhos ranzinzas em cadeiras de rodas, com cobertores xadrez dando bengaladas no mordomo dizendo “não desperdice meu açúcar!”, não se culpe. Deve ser isso mesmo.

Depois de legislar de forma interminável sobre queijo, depois de se meter na vida dos usuários de computador ao ponto de decidir que seus Windows não podem tocar nativamente multimídia (não que alguém tenha comprado a versão sem o Media Player) agora resolveram legislar sobre…

Volume dos players de MP3.

Isso mesmo. Um estudo do ano passado teria revelado que 10 milhões de pessoas sofrem problemas auditivos por ouvir música alta, e a conclusão óbvia (para eles) é que os players MP3 são culpados.

Por isso estudam legislação para limitar o volume a um teto de 85 Decibéis, algo como um floco de neve caindo em uma pena de ganso em gravidade lunar. Ouvido pelo telefone. Pela Marlee Matlin.

Desde 1955, quando Chuck Berry inventou o Rock, graças a uma dica de seu primo Marvin, “especialistas” já alertam sobre esses “riscos”. Antes disso, todo novo gênero musical apreciado pela juventude foi taxado de degenerado, barulhento e danoso à audição.

Agora a história se repete, mas não considere uma grande mudança mirarem a tecnologia ao invés do gênero musical. Também não é novidade. Nos anos 70 discotecas eram antros de perdição onde a música insuportavelmente alta iria destruir a audição de uma geração. Nos anos 80 o perigo eram os “LASERS” (Dr Evil feelings) que cegariam todos os jovens incautos que se atrevessem a ir a uma danceteria.

Hoje as Raves são o foco das atenções e Origem de Todo o Mal.

O que os “senhores”a da comissão européia não percebem é que nem tudo que é novo é maligno. Nem todo mundo com menos de 30 anos é um completo imbecil, e acima de tudo nosso mundo é barulhento. E que quando eles ouviam o novo LP de Mozart, ou seja lá quem fosse o ídolo pop quando eram jovens, os pais já reclamavam do som alto.

Diante de tudo isso, posso fazer uma previsão: Em breve a Comissão Européia estipulará regras para que as crianças não assistam televisão de perto, para que não fiquem com problemas de visão.

PS: Nem tente pedir manga com leite, por lá.

Fonte: BBC

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar
  • E dá-lhe Marty McFly!

    • douglas_martins

      Chicken Mcfly!

      • “Nobody calls me chicken, Needles. Nobody!”

  • A U.E. quer monopolizar o fim do monopólio 😛

  • liszt

    Eu não seria contra mp3 players com volume um pouco limitado, desde que eles usassem normalização, isto é, todas as músicas, independente do volume original, ficassem aos tais 85 decibéis, caso fosse colocado no máximo.

    quando comprei meu ultimo celular, tive que achar um hack na internet para turbinar o volume, pois quando eu ouvia minhas músicas do mozart (calma, eu não tenho 130 anos 8) ), elas ficavam muito baixas, que mesmo no máximo eu não ouvia quase nada. 

    😉

    • thE Masterkey Blaster

         Acredite isso acontece até no meu winamp.

         Músicas clássicas normalmente estão numa escala de volume que é muito variada, vai desde o baixo como respirar muito sutilmente ao muito alto quase ensurdecedor 😀 , fones de ouvido não são os melhores para escutar esse tipo de música.

         Minha “Piano Sonata No. 9 – 2nd Movement” de Beethovem que o diga… XD

      • E que dirá então do Bolero, de Ravel? Começa tão baixo que dependendo do volume do som parece até que a música ainda não começou 😛

      • EuTambem

        Sua… preferida?

        [quote=thE Masterkey Blaster]

           Acredite isso acontece até no meu winamp.

           Músicas clássicas normalmente estão numa escala de volume que é muito variada, vai desde o baixo como respirar muito sutilmente ao muito alto quase ensurdecedor 😀 , fones de ouvido não são os melhores para escutar esse tipo de música.

           Minha “Piano Sonata No. 9 – 2nd Movement” de Beethovem que o diga… XD

        [/quote]

        • thE Masterkey Blaster

           Não, não é minha preferida não. Foi só expressão. Mas na verdade devia ter usado um outro exemplo como disse o colega acima. Bolero de Ravel seria mais apropriado.

           Tem uma outra, que não me lembro agora, de Mozart, que bem no meio até parece que a música parou caso esteja ouvindo de fone. Fica uns 15 segundos mais ou menos tocando muito baixo, depois tem um aumento doido. Ou talvez o segundo movimento da Sinfonia número 7 de Beethovem mesmo. 😀

           O problema é que eu tenho na mesma playlist isso daí acima junto com Eric Clapton, Phill Colins, Scorpions, Mandy Moore, Marisa Monte e por aí vai… 😀 É uma doideira só 😛

          ____/|___ o|_/ ____________<- Wett floor! =)

          • Nada supera a Cavalgada das Valquírias.

          • A. Percy

            Night on a Bald Montain 🙂

  • Adivinhem qual a nacionalidade do presidente da comissão européia?

    Falando em piada pronta, Procurem na mesma página e vejam por qual setor Olli Rehn é responsável.

     

     

    • Joaquim Uchôa

      [quote=arnoanderson]

      Adivinhem qual a nacionalidade do presidente da comissão européia?

      Falando em piada pronta, Procurem na mesma página e vejam por qual setor Olli Rehn é responsável.

      [/quote]

       

      Mais infame, impossível :jawdrop:

  • 85db já é o bastante, equivale a uma pessoa gritando, a tempos que se sabe que exposição prolongada a altos volumes é um dos fatores que leva a surdes. O problema é que muita gente não tem esse tipo de pensamento a longo prazo e o processo é gradual e acontece sem que você perceba.

  • GuZ

    [quote]
    Por isso estudam legislação para limitar o volume a um teto de 85 Decibéis, algo como um floco de neve caindo em uma pena de ganso em gravidade lunar. Ouvido pelo telefone. Pela Marlee Matlin.[/quote] 😀

    Dizem que se a lei pegar, toda a UE Vai aceitar, menos na Russia, pois na russia o Mp3 escuta você.

  • Ainda bem que tenho meu home 5.1 ^^

  • Exposição prolongada ao som acima de 90db já prejudica de forma irreparável a audição. É fato.

    • Se estiver utilizando fone de ouvido, problema de quem ouve. Todo tocador de mp3 decente vem avisos de segurança.

      • Simiano

        Cinto de segurança é problema de quem usa também, né?

        • Se você compara a utilização de cinto de segurança num objeto de mais de meia tonelada que atinge uma velocidade superior a 100 km/h com música proveniente de um fone auricular, realmente essa lei é necessária pra você.

          • xzerorj

            OWNED

          • GuZ

            Nem tanto.

            Veja: Tanto os carros quanto os aparelhos de som tem avisos dizendo para você usar. Motos tem um selo “Pilote sempre equipado” “use capacete”. O cara não usa e morre então merece um “Eu Avisei”

            Pode ver que com o Cigarro, Alcool, Remédios controlados, motocicletas, venenos para baratas, pesticidas, urânio, Alguns computadores, filmes eróticos, Skates, filmes JackAss, Motosserras, carros, motos, barcos, lampadas elétricas, explosivos e outros itens. todos eles vem com avisos dizendo que tem algo que pode prejudicar sua saúde. Se o povo usa de forma errada, bom o problema é dele.

            Cada um que cuide de sua segurança e ergonomia…

          • Helivander

            [quote=GuZ]Nem tanto. Veja: Tanto os carros quanto os aparelhos de som tem avisos dizendo para você usar. Motos tem um selo “Pilote sempre equipado” “use capacete”. O cara não usa e morre então merece um “Eu Avisei” Pode ver que com o Cigarro, Alcool, Remédios controlados, motocicletas, venenos para baratas, pesticidas, urânio, Alguns computadores, filmes eróticos, Skates, filmes JackAss, Motosserras, carros, motos, barcos, lampadas elétricas, explosivos e outros itens. todos eles vem com avisos dizendo que tem algo que pode prejudicar sua saúde. Se o povo usa de forma errada, bom o problema é dele. Cada um que cuide de sua segurança e ergonomia…[/quote]

            E tem mais, se alguem discorda que certas leis ajudam a proteger a vida de idiotas, usem linux, sejam livres. E que tal virar RIP?   😉

          • Simiano

            Não comparo a gravidade. Comparo o conceito, é o mesmo: uma lei que te obriga a algo para te proteger.

            Eu sou surdo o suficiente para saber os danos, não é tão urgente assim a lei dos fones pra mim.

  • emrezende

    Na mão de incompetentes qualquer tecnologia pode causar danos:

    Rússia: laser cega quase trinta jovens durante festival
    http://diario.iol.pt/internacional/laser-festival-russia-cegueira-iol-moscovo/971843-4073.html

  • tiago_s

    Então eu estou lascado, sou dj e produtor, vivo em um home estudio com monitores de audio em um volume bem agradavel eu diria!

    =(

     

  • Mr Karate

    Eu só queria saber de uma coisa.

    Se a “Prepotência Européia” se mete a besta com alguém, pra quem esse alguém pode apelar?

  • Fritche

    Não vejo como pode fazer bem à alguém ouvir música em um volume que eu estando próximo a pessoa consigo escutar claramente a letra da mesma. Sendo que ela esta com fones de ouvido!

    Nada contra quem queira escutar música neste volume, mas que não esteja perto de mim, afinal de contas, uma das utilidades do fone de ouvido é vc escutar música de forma que não importune o próximo.

     

    <ironic>

     – Tem gente dizendo por ai que escutar música alta no mp3 causa surdez, estes caras estão loucos…

     – Maz é verdade, tem estudos que comprovam que …blá blá blá

     – O quê? Pode falar mais alto? Cara vc fala muito baixo!

    </ironic>

  • rodrigo_rox

    Deveriam deixar os fones de ouvido de fora da discussão e limitar o volume dos altos falantes dos celulares. }:)

     

    Falando sério agora.

    Acredito que a maior preocupação deles é de quanto terão que gastar para atender estas pessoas que estão perdendo a audição tão cedo.

    É fato que som alto faz mal a audição e que a maioria esmagadora das pessoas que utilizam fones de ouvido sempre estão com o som em pelo menos 80% da capacidade máxima. :O

    *pausa para a comemoração dos fabricantes de aparelhos auditivos*

    Não acho que seja necessário limitar o som. Colocando um aviso de que ouvir música em um volume superior ao recomendado pode causar danos a saúde no menu do volume dos aparelhos já quebra um galho, alias, a maioria dos fabricantes já utiliza esse tipo de alerta mas eles sempre estão impressos em letras miudas no manual. 🙁

     

     

    • Acho que bastaria emitir algum tipo de sinal quando voce ultrapassasse o limite saudavel do volume, assim como alguns carros fazem quando voce ultrapassa o limite de velocidade das estradas.

       

      Algo como no meio da musica soltar:

      “O ministerio da saude adverte, ouvir musica alta pode causar danos a sua audicao”

       

      😛

  • alexkrycek

    Não vejo nenhum problema em fazer isso, aliás, o volume alto ao utilizar fone de ouvido é realmente um problema sério.

    • Heishiromitsurugi

         Principalmente quando a música escutada no fone for de pagode, direto acontece acontece este fato desagradável no Metrô. 🙁

  • As ruas hoje em dia são tão, mas tão barulhentas, que para andar por aí escutendo um podcast tenho que colocar o volume do meu celular no máximo. E mesmo assim, tem vezes que ainda preciso pressionar o fonte contre o ouvido para conseguir entender o que estão dizendo (nem sempre com sucesso). Imagino então que lá pelas “oropas” as ruas devem ser um silêncio que só, né? Então para quê essa molecada precisa ouvir música acima de 85dB? Até parece 😛

  •  

    O que me espanta são várias pessoas concordarem com essa imposição. De repente não precisamos mais de bom senso. Basta criar leis para nos proteger das escolhas e tá tudo certo.

    Ah:

    [quote=Jeorane] São leis que apesar de irem contra a liberdade do cidadão, ajudam a protegê-los.[/quote]

    Cara, isso é tão 1984…

     

     

    • Jeorane

       

      [quote=arnoanderson] De repente não precisamos mais de bom senso. Basta criar leis para nos proteger das escolhas e tá tudo certo. [/quote]

      O “bom senso” é um artigo inexistente há muito tempo, principalmente entre os mais jovens.

      Veja o trabalho que foi e que é para obrigar os cidadãos a usar o cinto de segurança. E a e lei-seca nas estradas que já ajudou salvar milhares de vidas? Diariamente vemos notícias de cidadãos bêbados que causaram acidentes, muitos fatais.

      Se os governos fossem confiar unicamente no “bom senso” da população, a espécie humana se extinguiria.

        • Jeorane

          E quem disse isso?

          O governo deve fazer o trabalho para qual ele é pago.

          Quando ele faz direito não deve ser criticado.

          • ovtbqr

            VOCÊ QUIS DIZER “DESU”.

            Note a ausência de diferença significativa, e chore como uma menininha.

        • [quote=Stupid Law]Committing suicide is classified as a capital crime. [/quote]

          – Você foi pego tentando se suicidar!

          – Sim, mas….

          – Decreto morte por enforcamento.

          – NÃO! NÃO! SOU MUITO NOVO PRA MORRER!!!!!!!!!!

      • felipels

        Não se extinguiria não…

        Lembre-se: Darwin salva!  😉

    • kakaroto_BR

      Esse é o ponto, tratar todo mundo como idiota é dose.

      • ovtbqr

        Dose solução divina.

  • Jeorane

    Pisou na bola mister Cardoso.

    85 db é um valor bem alto.

    Aqui no Brasil somos obrigados a usar cinto de segurança, a velocidade nas estradas é limitada por lei, tem a lei seca,  etc.

    Vai dizer que você é contra essas leis também? Se for é um direito seu.

    São leis que apesar de irem contra a liberdade do cidadão, ajudam a protegê-los.

    • kakaroto_BR

      85 dB é alto em um campo longe da civilização. Na vida real isso é o barulho de uma rua com trânsito moderado. 

    • euthanatos

      Se acordo com a constituição a vida é um bem INALIENÁVEL. Mas nada se diz da audição e em outro artigo da mesma carta magna é dito TUDO aquilo que não for expressamente proibido em conhecimento público (leia-se diário oficial) é PERMITIDO!

       

      Long Live to Brazilian Maga Letter (aquela que é a ode à dupla interpretação e que enche de brechas o senso comum de justiça)

       

  • Krash Destrutor

    Eles poderiam aproveitar e proibir veículos de produzirem mais de 85dB. E proibir que pessoas falem acima de 85dB. E poderiam proibir que trovões soassem a mais de 85dB. Acho que qualquer som que passasse de 85dB deveria ser banido da Terra.

    • Jeorane

      O que causa a surdez é o volume alto por um longo período de tempo.

      Trovões duram segundos.

      Sou contra proibirem os trovões, pois dessa forma teriam que ser proibidos os raios e relâmpagos também.  😀

      Apesar de raios matarem alguns poucos, eles tem um importante papel na formação do gás ozônio na atmosfera.

       

       

      • ovtbqr

        RECUE MAR, SÃO ORDENS DO REI.

  • Simiano

    “Tudo que existe quando você nasceu é absolutamente normal” – Douglas Adams

    Isso é um processo natural, assim como dizer “no meu tempo isso era melhor” ou “jogos de antigamente são sempre melhores”.

  • orisso

    huM…

     

    Já que você falou em manga com leite….

    Eu tomo vitamina de manga, que é feita com leite…

    Por sinal, muito boa… Vocês deveriam experimentar… :sick:

  • Leis absurdas, estranhas e até mesmo abusivas existem em toda parte do mundo. Não são privilégio da comissão européia.

    Olha essas aqui dos EUA:

    http://www.englishclub.com/esl-forums/viewtopic.php?f=146&t=49751

     

  • mano_lima

    Esse debate é interessante. Até onde a lei pode ir para proteger o cidadão de sua própria estupidez? Lembrei do cigarro. Ao mesmo tempo que proibem o cidadão de prejudicar o ouvido, permitem que ele compre um maço no bar e acabe com seus pulmões. Qual a lógica disso?

    No caso específico do MP3 Player, concordo com a lei. Primeiro porque 85 Dbs já é alto pra caramba. Segundo porque, se foi bem estudado o limite, acabará com o “vazamento” de som que obriga alguém perto a escutar o mesmo que o cara do MP3 está escutando. E, terceiro e principal motivo: .

    Na Europa é como no Brasil, onde o cidadão usufrui da assistência médica financiada pelo Estado. Ora, o cara detona a audição escutando por anos música muito acima do máximo suportado pelo ouvido humano, e depois vai se encostar na previdência para que a GENTE pague a conta? Não me agrada essa ideia!

    Para dar ampla liberdade, a Comissão Europeia deveria estimular o uso de aparelhos que emitissem no máximo 85 dbs. Quem comprasse um mais potente, deveria assinar um termo assumindo a responsabilidade (e a conta) pelo dano a audição que ocorrerá no futuro.

    • Só Darwin salva 😉

      • Diniz

        [quote=Doc Was]

        Só Darwin salva 😉

        [/quote]

         

        E o INSS sustenta até la… 😛

         

        ( eu sei que cada país tem seu instituto social e de aposentadoria)

         

        falando sério agora.

         

        É obvio q o motivo dessa lei é puramente econõmico ( como tudo no mundo, aliás). Esses pessoal que ouve música no fone “na última barra”, como ja disseram antes, VAI ter problemas auditivos e de onde vai sair o dinheiro para o tratamento de boa parte dels???

        Dos cofres públicos.

        Além do mais todo o “velho continente” esta sofrendo de um problema dos dias modernos, sua população esta envelhecendo, há mais idosos do que jovens, ou seja muita gente aposentada ou se aposentando e pouca gente pagando ao instituto.

        Junte essa população idosa com os que se aposentam precocemente por problemas de saúde e temos uma manada mamando nos cofres públicos e pouquíssimos para restituir esse gasto.

        Para controlar isso a UE tinha duas escolhas:

        1 – campanhas educativas mostrando os maleficios de se ouvir o som acima do limite saudável – que envolveria gasto com propaganda, material de divulgação, etc, e teria um retorno mínimo pois apesar das campanhas anti-fumo e “se dirigir, não beba” as pessoas continuam a fumar e beber dirigindo.

         

        2 – aprovar uma lei que obrigue os fabricantes a só produzirem fones dentro da especificação. Se livrando assim do gasto da propaganda e outras coisas e jogando a batata para os fabricantes e diminuindo essa faixa de possíveis futuros gastos do sistema de assitencia social e saúde públca.

         

        Dessa vez concordo com a UE. Se os fabricantes não ligam para a saúde dos seu consumidores, o governo é que não vai pagar a conta do desleicho deles e da burrice dos usuários.

  • marsjomm

    E isso que eles ainda não resolveram proibir os malditos videogaymes que destróem o tubo da tv.

    • Acabei de falar isso no Twitter!

       

      • marsjomm

        Foi transmimento de pensação. Eu ainda não consegui me acostumar com o twitter, por isso não fiquei sabendo.

        • Pelo horário você inclusive escreveu primeiro, mas só vi bem depois. Acontece.

  • Bom, o problema é o que já disseram ai.

    Álbuns antigos possuem baixo volume e a gente sempre tem que aumentar o volume mais que o normal..

    Deviam é proibir a compressão de áudio exagerada que tem sido aplicadas nos álbuns novos.

    • felipels

      Pois é, Metallica e seus malditos “clippings” que o digam!  😉

  • alsimoes

    Bom, iPods, Zunes, Creatives e celulares em geral devem aderir essa legislação porque os produtos devem estar adequados às leis. Deus salve a China!!!!

  • Wallacy

    Aposto que um dia até um Livro foi alvo de critica. Afinal, onde já se viu não escrever na pedra!

    • kakaroto_BR

      Aqueles velhos estão precisando se atualizar.

    • mano_lima

      Livros! Taí algo que a Comissão Européia podia começar a mexer também. Não estou falando em proibir livros de papel, mas sim em estimular o uso e baratear o valor de compra dos leitores como o Nook e o KindleDX. Enfim, começar a tornar o paperless uma realidade.

       

      Afinal de contas, as moto-serras emitem bem mais do que 85 decibéis!

    • Pois é 😀 (se não me engano, essa dica de vídeo veio do Cardoso 🙂 )

    • Na Scientific American tem uma “seção” que mostra reportagens da revista de 50 ou 100 anos atrás. Em uma revista deste ano era citada uma matéria de muito tempo atrás, que criticava os malefícios de um jogo que se proliferava em muitos lugares da Inglaterra: o Xadrez.

      O artigo chamava o Xadrez de perda de tempo, dizia que poderia levar ao sedentarismo e que estava afastando as pessoas do esporte. Criticava o jogo como muita gente já criticou o Rock ou o Funk.

    • Vamos proibir a leitura em ambientes onde a luz nao esteja adequada a leitura pois danifica a visao.

  • Proibir é foda. Insenção fiscal pra quem aderir a regra seria mais bacana… Assim, se você quer foder seu ouvido, que pague caro por isso. 🙂

  • Sebastiao coelho

    é isso que dá viver em paises civilizados de 1º mundo. se esses políticos vivessem aqui eles estavam atras de arranjar maneiras novas de roubar.

  • Esse é um volume bem alto e eles tem toda a razão de proibir. O capricho pessoal de uns não pode prevalecer sobre o interesse coletivo. O contribuinte não pode pagar a conta, a nação não pode ter sua força produtiva prejudicada e o “cidadão sem noção da realidade” deve ser protegido de sua estupidez. Além do mais, o corpo (e a saúde) é indisponível, como tal a pessoa não tem direito de “fazer o que quiser” com ele. Esse é o mesmo princípio do pq usar cinto de segurança, obrigar a tomar certas vacinas, existir produtos de consumo proibido, etc, etc, etc (ah! uns não são, como o cigarro, que alguém falou, pq existe lobby de empresas e das próprias pessoas que consomem, que são de número muito alto [no Brasil, pra ter um ídeia, são mais de 1/3, quase indo pra metade, da população]).

    Isso ainda será motivo pra fazer produtos com melhor isolamento, para não ter perda para o ambiente externo e filtrar os ruídos externos.

  • GuZ

    Refletindo sobre essa lei eu cheguei a conclusao que alguns eurodeputados devem ter vindo ao Brasil e visto o povo no Metrô ouvindo Calypso em seus mp4 no autofalante.

     

    Olhando por esse lado, essa lei não é tão ruim assim 😛

  • Aquela música é de 1958, acho. O filme e a dica do Marvin que foram em 55  😉 #bttf

    • Você é chato assim mesmo ou fez algum curso de especialização?

  • Acho essas comparações com cigarro e bebidas meio descabidas.

    Cigarro é simples, você fuma e imediatamente se expõe ao perigo. Beber e dirigir também.

    Ouvir música no fone acima de 90db é algo bem mais difícil de perceber. Não é simplesmente usar o fone. É usar num determinado volume (que o aparelho não consegue quantificar), por um determinado tempo, por uma determinada frequência.

    Mesmo pessoas cuidadosas podem acabar passando do limite sem perceber.

    Por isso o uso é perigoso. E por isso acho a lei válida.

    Inclusive, muitos países por lá possuem leis rígidas contra o barulho. Existem estudos que associam nível de ruído com desempenho escolar e nível de stress. Isso soa óbvio, mas por aqui ninguém se preocupa tanto.

    • GuZ

      é.

      Toda vez que você fuma você percebe que seu pulmão está sendo manchado.

       

      Alias gente burra me estresa. Deviam proibir pessoas burras de viverem?  Computadores causam LER. Deviam proibir computadores? Chefes causam Stress. Deviam proibir o trabalho.

       

       

       

      • Pelo menos a Responsabilidade Pessoal foi muito bem proibida… 🙁

      • Realmente “estresa”.

        Mas vamos lá…

        Você não percebe que seu pulmão está sendo manchado. Mas você SABE que fumar prejudica o pulmão. Não é fumar X cigarros por dia, X vezes por semana, tragando por X tempo. É SIMPLESMENTE fumar. Basta um cigarro e você já se expôs aos riscos que o cigarro proporciona. Aliás, nem precisa. O fumo passivo é perigoso também.

        Diferente de estragar o ouvido quando usamos fones. Não é simplesmente ouvir, mas ouvir ACIMA de X decibéis. Não há como saber se você está ultrapassando o nível máximo de segurança. Saber quantos decibéis sai do seu fone de ouvido não é questão de inteligência. Tem gente que acha que está ouvindo num nível médio, mas já ultrapassou o nível considerado perigoso. Isso não tem nada a ver com burrice.

        Se você se acha inteligente e acha que isso influencia, então coloca um fone aí no ouvido, liga uma música num volume que considera agradável e me responda quantos decibéis está saindo dele.

        • euthanatos

          De novo:

          vida = bem inalienável

          audição <> vida

          Constituição não versa sobre audição

          o que não é proibido é permitido

          então caso não haja uma lei ou uma forma de interpretação que criminalize o uso de fones qualquer atitude nesse sentido pode ser interpretado como anticonstitucional.

          (a não ser que algum juiz abra precedente de interpretação associando vida = qualidade de vida)

          mas aí ia dar uma discução muito longa….

          Sou à favor dessa lei [pasmem!!!!]. Mas apenas porque ia economizar milhões do dinheiro público gasto com tratamento auditivo de quem escuta axé no último volume no ônibus porque esses não merecem um centavo do meu imposto.

          • Wallacy

            Você está se lembrando de que essa lei não é daqui não é?

          • nadal

            “De novo:

            vida = bem inalienável

            audição <> vida

            Constituição não versa sobre audição”

             

            ERRADO. CF/88, art. 196.

             

            “o que não é proibido é permitido

            então caso não haja uma lei ou uma forma de interpretação que criminalize o uso de fones qualquer atitude nesse sentido pode ser interpretado como anticonstitucional.”

             

            Uma proibição não é necessariamente criminal, campeão. Cuidado ao simplificar demais o Direito.

        • GuZ

          Tá.. então tipo: Atingiu 85 decibéis ele emite um ruído no som que avisa o cara que ele pode estar estrapolando.

           

          Bom, Já que vc se acha inteligente, vá pro seu trabalho e tente medir o nível de Stress que vc sofre.

          • Basta gravar a seguinte frase e soltar no meio da musica quando ultrapassar o limite:

            “O Ministério da Saúde Adverte ouvir musica alta causa impotência auditiva.”

          • Você faz o tipo nervozinho só para ser polêmico? Só pode… hehe

            Não me acho inteligente, só que eu falei que saber se o som que você está ouvindo ultrapassa 90db não é uma questão de inteligência.

            E não adianta dar uma de espertinho rebatendo meu comentário com “medir o nível de Stress” porque eu não falei do stress, e sim do cigarro.

            OK?

            Aliás, voltando ao stress… só falei do stress, no outro texto, porque aqui no Brasil a legislação contra barulho em geral, se já existe, não é aplicada. E isso prejudica a saúde dos outros. Não apenas de quem gera o barulho.

          • GuZ

            Xiu.. Não conta pra ninguém..

             

            Bom.. O Brasil tem ótimas leis. Se fossem aplicadas o Brasil seria um país perfeito.

             

            Saiu uma pesquisa uma vez (google This) dizendo que andar nas grandes cidades era como ingerir fumaça de cigarro. E aí?

            Acho que a União Européia tem que se preocupar com coisas mais importantesdo que as responsabilidades que todos nós devemos ter com nossa saúde. Um aviso basta. É como criar um computador que morda o usuário que digitar por mais de duas horas seguidas e obriga-lo a levantar da cadeira para fazer exercícios.

             

             

            [off]

            Quando o Meiobit vai ganhar um “Responder” na própria página, com Ajax? Até meu blog que não é bosta nenhuma comparado ao meiobit tem isso!

  • Arnie

    Cardoso não entedeu bem a notícia da BBC. O teto de 85dB é por defeito, e pode ser ultrapassado, como se fala na noticia que ele cita como fonte:
    EU experts want the default maximum setting to be 85 decibels,according to BBC One’s Politics Show.
    Users would be able to override this setting to reach a top limit of 100 decibels.

    Cito a página da comissão européia:
    Safe exposure levels shall be the “default” settings on products(…)Higher exposure levels can be permitted, provided that they have been intentionally selected by the user and the product incorporates a reliable means to inform the user of the risks.
    Ou seja, os usuários poderão escutar música com o volume que eles quiserem, a mudança é que superem certo umbral serão avisados do perigo.

    • juanpla

      O texto da BBC realmente diverge do resumo veiculado neste blog. Parece que os “velhos em cadeiras de rodas” não são tão ranzinzas assim. Na parte final do artigo da BBC, também tem “adultos” defendendo a liberdade e a educação como formas mais racionais de prevenção de problemas auditivos. Isso é a parte boa de viver em uma democracia, todos podem ter opiniões, inclusive divergentes, e expressá-las sem ter medo do bicho papão.

  • EmanuelSan

    [quote=Cardoso]Agora a comissão Européia quer regular seu MP3 player[/quote]

    Não sabia que tinha tanto europeu lendo este blog!  }:)

    Mas para nós que vivemos no mato, seria bem interessante ter políticos assim, que não se deixam comprar (os daqui vão querer ganhar meias maiores nesse natal), que tomam as decisões para o bem da população, mesmo que contrariem os interesses de alguma empresa que tenha muito caixa ou de blogueiros ranzinzas sem assunto.

     

    • Isso me lembra as pessoas nos EUA saindo às ruas propestando contra o governo que quer dar saúde gratuita. Os caras não querem saúde de graça e de qualidade, como acontece na Europa, querem é pagar, mesmo não tendo dinheiro 🙂

      • Arnie

        Mas não é exatamente gratuito, evidentemente, isto derivará numa subida de impostos(algo que não é bem recebido nos EUA). Apesar disso, eu também estou a favor de sistema de saúde “gratuito”, acho que é melhor isso que o sistema atual deles.

        • mano_lima

          Não conheço o atual sistema americano, portanto, não opinarei sobre se o “de graça” é melhor que o atual. Porém, você disse tudo: não existe De Graça. Quando o Estado paga alguma conta, com certeza está pegando dinheiro de algum lugar para bancar. Na maioria dos casos, esse dinheiro sai dos impostos, ou seja, adivinha quem está pagando?

          Acho que essa consciência é que falta no Brasil: “o Estado NÃO tem uma árvore que dá dinheiro”.

          • Cazu

            E quando o estado pega o dinheiro, mas não paga alguma coisa?

            O vice-versa não funciona?

          • Ah, sim, o “de graça” que me referi é pagando impostos, claro. Mas não tem nada de mais pagar impostos quando há retorno social. No Brasil se reclama muito de impostos pq justamente não há retorno esperado. Na Europa existem países onde a taxa de impostos é altíssima, as maiores do mundo, mas o retorno é imenso.

            Na Suécia, por exemplo, quem tem dinheiro paga até um certo valor (que não é alto), depois disso o governo paga pra você e até mesmo compra remédios. As farmácias no país até são estatais e sem fins lucrativos.

            Na França o sistema de saúde é universal e gratuito, até os medicamentos (na verdade na França vc paga mas o governo dá o reembolso total). Na Itália é a mesma coisa (é só fazer a carteira de saúde) e na Inglaterra também tem um sistema único (Naticional Health Service), assim como na Alemanha (GKV), que tem uma das maiores estruturas de saúde pública do mundo.

            Mas pense assim, experimente ficar doente nos EUA e ser classe média (que são a maioria das pessoas), onde sua renda é baixa pra pagar exames e tratamentos caros mas é alta pra entrar nos programas de assistência médica do governo. Geralmente quando isso acontece vc vai a falência e vc leva sua família junto.

            Como eu disse, o dinheiro vem de impostos, que não é muito se ver o quanto cada um paga, exclusivamente pra saúde, por ano. O custo-benefício é imenso pra todos.

            Ah! mas vou parar por aqui senão vai desvirtuar totalmente os comentário em relação ao assunto da notícia  😛

          • mano_lima

            Eu entendo, dá para resumir assim: No Brasil, pagamos impostos suecos e recebemos serviços paraguaios.

            Falando como advogado do diabo: os defensores do modelo americano gostam de lembrar que 90% das inovações em medicina (técnicas de tratamento e, sobretudo, novos medicamentos) saem de lá para o mundo. Portanto, aquele modelo parece não ser de todo ruim…

          • Mas sobre o modelo americano, isso é verdade e não deixaria de ser, pq o investimento em pesquisas deles são enormes. Na Alemanha, que tem um sistema universal e gratuito, também tem grandes laboratórios (junto com os do EUA os maiores do mundo) e grandes centros de pesquisas (como o Fraunhofer e o Max Planck).

            Além do mais, o sistema dos EUA não tem alternativa, ou vc paga (paga até o que não tem) ou vc morre. Na UE o sistema privada não desapareceu, até ficou melhor e mais eficiente, e muitos preferem pagar pq com a com a concorrência do “grátis”, eles te tratam muito bem em qualquer hospital paga. Minha amiga que mora na Suécia até fala isso, que as vezes as pessoas preferem pagar pq tem serviços “VIP” e o tempo de espera pra atendimento é muito mais rápido.

            O problema disso tudo é como vc falou, pagamos impostos suecos e recebemos um serviço paraguaio (melhor dizer brasileiro =P). Daí dá a impressão que um sistema universal e gratuito seria ruim e até sucatearia a saúde. Mas só mesmo no Brasil q acontece isso.

      • E essa qualidade a que voce se refere na Europa e gratuita tambem eh bem relativa, depois de 4 anos de Europa sei bem como funciona isso aqui.

        Obvio muito melhor que o Brasil na media, mas esta longe de ser bom.

         

        • Arnie

          Levo morando 9 anos e meio na Europa. Morei a maior parte do tempo na Espanha, e agora levo três meses morando na Alemanha. Acho que isso me da direito também a opinar sobre o sistema de saúde europeu.

          • Portanto creio que ira confirmar que de perfeito nao tem nada, melhor? com certeza, mas longe de ser bom, no maximo decente, sendo pouco exigente.


            Bom, falando entao do que tenho conhecimento.

            Italiano: 3 meses esperando por uma consulta para descobrir no dia da consulta que nao fazia a tal consulta, cobrado 50 euros para fazer outro tipo de consulta, no sistema publico.

            Ingles, 45 dias para conseguir agendar a primeira ultrasonografia da minha esposa, 2 meses apos descoberta para conseguir falar com um medico especialista, apos nascido, pediatras atendem criancas apos os 3 anos a menos que tenha algum problema grave, prevencao nem pensar.

             

            No Brasil, precisei de 2 consultas, ambas feitas com bom atendimento e qualidade em menos de 15 dias.  Sei bem que a realidade do Brasil na media nao eh essa, assim como sei que a realidade inglesa e italiana ou em outros paises da Europa podem variar de cidade para cidade.

          • criscmaia

            Gravidez aqui em Londres é realmente uma opção delicada. A começar pelos fatos de eles só fazerem a cesária em último caso, e quando digo último, é último mesmo. Tenho uma amiga que ficou dois dias em trabalho de parto, teve complicações no nascimento e não poderá ter mais filho, o que teria muito menos chances de ter ocorrido se fosse uma cesária logo no começo.

             

            A ultrasonografia também é complicado, as grávidas só tem direito a 2 se a gravidez estiver ok. A 1a para ver o desenvolvimento do feto, e a 2a para o sexo e demais detalhes da saúde. Se por acaso ele(a) esconder o órgao genital e você quiser outra chance pra ver, £150.

            Mas claro que há sim as partes boas, filas menores que a do SUS, e coisas do tipo…

          • duplicado

  • Felipe Correa

    Os iPods vendidos lá sempre tiveram um limite na intensidade sonora, não sei se já era de 85dB, mas sempre teve.

    • Lembro de ter lido há alguns anos que um limite seria estabelecido para fones. Mas não sei se era nos EUA ou na UE. E se não me engano o limite era justamente de 100db (the evil limit }:) ). Mas é claro que se o limite é 100db, é possível obter algo ligeiramente maior dependendo da música ou de algum método alternativo.

  • Vô Pinsava

    Pelo menos eu fico feliz em saber, que não só no Brasil existe leis sem o mínimo de bom senso. Assim não me sinto excluído.

    • EmanuelSan

      [quote=Vô Pinsava]Pelo menos eu fico feliz em saber, que não só no Brasil existe leis sem o mínimo de bom senso. Assim não me sinto excluído.[/quote]

      Veja as diversas opiniões sensatas de vários comentaristas que foram contra essa opinião do Cardoso, ele quer distorcer as coisas que fazer parecer que foram insensatas (e até cometeu vários erros no post) para poder zonar com a comissão européia.

      Ele têm um certo preconceito contra a UE pois ela peitou a toda poderosa MS, vc sabe que o cara é o maior paga-pau dessa empresa, pq será?

      Reveja, por exemplo, os 3 últimos posts do Cardoso sobre produtos de uma empresa chamada Positivo, no último o pessoal já começou a achar que tava estranho, eu já achei isso no 1o.

      Quais serão os motivos que ele têm para ser tão parcial às vezes?

      Não sei exatamente qual o motivo, mas acho que a justificativa vai ser: “filosofia não paga as contas no fim do mês”.

      • EuTambem

        Post sendo trancado em 9… 8… 7… 6… 5…

      • Banido. Cansei.

  • JLExcor

    Será que isso afetará os MP3 Players Xing Ling vendidos na DealExtreme?

  • Comentários encerrados, usuário EmanuelSan banido até comprovar as acusações que tão alegremente gosta de proferir.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis