Tristezas e injustiças da venda de fotos on-line

Em tempos de internet, uma possibilidade de ganhar um dinheiro com fotografia está nos grandes bancos de imagens que temos espalhados pela rede. Antigamente o fotógrafo poderia vender suas imagens nas agências. Mas, não era todo mundo que era aceito e você tinha que ter um material bem bacana para ser oferecido pelas empresas. Hoje, nos bancos de imagens, qualquer um pode criar uma conta e colocar suas imagens à venda. Os cliente para essas imagens também podem ser qualquer pessoa. Uma grande agência de publicidade, uma revista de moda ou, simplesmente, um mortal querendo uma imagem para a página de abertura de seu blog.

O valor pago por essas imagens costuma variar segundo o seu uso. Se o cliente quer exclusividade então o valor é alto, mas para usos e resoluções mais baixas os valores pagos costumam ser bem humildes. Lembrando que parte dessa grana fica com o banco de imagens. Essa semana tivemos duas histórias bem interessantes em relação a esses bancos de imagens mostrando que as vezes uma alegria se transforma em uma grande tristeza, e que também existem algumas discrepâncias muito grandes entre os valores de imagens vendidas para o mesmo fim (algumas vezes por culpa do próprio fotógrafo).

A primeira notícia, que se mostrou frustrante, envolve o fotógrafo Mike Martin. No dia 22 de dezembro ele recebeu um e-mail do 500px dizendo que havia feito duas vendas de uma imagem totalizando US$ 2.700,00. Claro que o fotógrafo ficou feliz, pois esse tipo de montante é muito raro em um banco de imagens. Ele entrou em contato com a empresa para perguntar sobre o pagamento e a resposta era que esse tipo de montante levaria até 45 dias para ser pago. Porém, a alegria durou pouco. Na manhã do dia 26 de dezembro Martin recebeu um e-mail da empresa dizendo que o sistema havia errado a pontuação e que na verdade o valor da venda era de US$ 27,00 e, já que eles só fazem depósitos de no mínimo US$ 30,00, o valor ficaria retido até que outra venda fosse efetuada. Relatos de outros usuários dizem que foi uma pane geral no sistema e todos que venderam fotos nessa semana passaram pelo mesmo erro de multiplicação. Alegria de fotógrafo dura pouco.

O segundo caso é apenas uma curiosidade de algo que aconteceu há muito tempo. Algum tempo atrás falei aqui sobre Charles O’Rear, o fotógrafo que fez a foto que era o papel de parede do Windows XP. A foto dele é considerada a mais visualizada do mundo e muita gente ainda reconhece o sistema operacional da Microsoft pela imagem. Pois bem, estima-se que a Microsoft pagou algo em torno de US$ 100 mil pelo uso exclusivo da imagem. Se hoje isso é muita grana, imaginem na época de lançamento do Windows XP. Em 1999 Peter Burian estava testando um conjunto de lentes para publicação de um review em uma revista de fotografia. Das imagens produzidas por ele nesse dia estava a fotografia abaixo, batizada simplesmente de outono.

Peter mandou a imagem para o banco de imagens Corbis como uma foto livre de royalties. Dentro dessa categoria a Microsoft comprou a fotografia pagando o preço básico de uma imagem para uso comercial. Na época o fotógrafo recebeu pela compra da imagem US$ 45,00. Outono pode não ser a foto mais vista da história, mas é muito famosa para os usuários do Widnows XP. Fotos igualmente belíssimas, mas que renderam valores bem diferentes para seus autores.

Relacionados: , , , ,

Autor: Gilson Lorenti

Geógrafo de formação e fotógrafo de coração, comecei a fotografar com 18 anos de idade (antes disso nunca tinha pegado uma câmera na mão). Depois de muito estudo veio a carreira profissional que passou por várias modalidades da fotografia até realmente descobrir o que gosto de fazer. Hoje me dedico ao ensino de fotografia, fotografia Fine Art e Books Fotográficos (gestante, moda, sensual). Tomando emprestado as famosas palavras de Ansel Adams "Quando as fotografias não forem mais suficientes, me contentarei com o silêncio".

Compartilhar
  • Jeorgelis

    Não sei se é bem uma injustiça. Pagaram o preço que pediram.

    Mesmo caso quando a CD Projekt Red comprou os direitos de reprodução da série de livros de Andrzej Sapkowski (The Witcher), a desenvolvedora pagou menos de US$ 10 mil. Sapkowski achou que sua ideia não era boa comercialmente e vendeu por essa bagatela. Hoje sabemos o sucesso estrondoso que a franquia The Witcher é. Sapkowski deveria ter vendido 90% dos direitos autorais, pelo menos hoje ele seria um “acionista”.

    • joao_lima

      Correto, apesar da discrepância de valores absurdas.

    • Ivan

      Pelo que li ele tava se cagando pra jogos e falou que não ia vender nada e por isso cobrou barato.

      • Vinicius Zucareli

        Ele achou que ELE estava faturando muito. E que não ia dar em nada. Ofereceram pra ele contrato com % das vendas, mas ele quis a parte dele adiantado e garantido.

        Mas ele vendeu muito livro depois, então saiu ganhando do mesmo jeito.

        • Macedo

          e é ingrato até hj à CD Projekt Red que pôs o cara no mapa mundial…

    • Lui Spin

      É o que eu sempre digo. Se eu fosse vender qualquer coisa pra uma grande corporação, eu ficaria com pelo menos de 1 a 10%.

      • A CD nem era GRANDE na época. Até hoje perto de outras ela ainda é bem modesta em tamanho de mercado 😀

        • Lui Spin

          Então, mas era a obra dele neh.

          Parece que foi lhe oferecido um contrato de % e ele não aceitou.

          Sei lá, se eu tirasse uma foto, fizesse uma música, tivesse uma empresa, escrevesse um livro, qualquer coisa, iria querer ficar com pelo menos 1% algo do tipo.

          Ou ia colocar uma clausura no contrato de venda, que se o negócio desse um lucro X vezes a mais do que eu vendo nos próximos 30 anos, eu teria direito de receber algo.

          Enfim, conversaria com o meu advogado.

          • Aí Inês é Morta, azar do cara em não levar fé no investimento sobre sua obra XD

    • Paulo Teixeira

      Depois que ele viu o primeiro jogo , teve certeza que tinha feito um bom negócio … Oh joguinho esquisito aquele

  • Alvaro Carneiro

    – “Na manhã do dia 26 de dezembro Martin recebeu um e-mail da empresa dizendo que o sistema havia errado a pontuação ”

    É por essas e por outras que eu, nunca, jamais, conto com ovo no fiofó da galinha.

    O dinheiro só existe se estiver na minha posse. Por inocência já me lasquei em contar com a grana, antes de receber.

    • Lui Spin

      Exatamente. Só com o dinheiro na conta. Ou melhor, só depois que você conseguiu sacar ele.

  • Cérebro

    22/12: ESTOU RICO!!! 😀🤣🎉🎈🎊
    26/12: Estou pobre… 😔😭💸📉🔫

    • Macedo

      dia 05 de qualquer mês: ESTOU POBRE!
      dia 06 de qualquer mês: estou mais pobre…..

  • Aproveitando o post, gostaria de fazer uma pergunta para o Gilson e para os demais amigos fotógrafos. Qual vocês consideram hoje o melhor banco de imagem para vender fotos?

    Eu larguei a fotografia de eventos uns anos atrás para mudar de área mas continuo com o meu equipamento. Seria legal aproveitar pra voltar a fotografar focado nisso. Meio que usar o tempo livre sem depender do dinheiro pra viver, se vender algo to no lucro.

    • Lui Spin

      getty images

    • Gilson Lorenti Fotografia

      o getty imagens e tem o o banco de imagens da Adobe também.

      • Paulo Teixeira

        Já ouvi muita reclamação do sistema da Adobe

  • Vilmar Lentz

    Olá, alguém poderia informar um site bom onde poderia expor fotos para vender?

  • Jarbas Coqueiro

    ” Os cliente para essas imagens também podem ser qualquer pessoa. Uma grande agência de publicidade, uma revista de moda ou, simplesmente, um mortal querendo uma imagem para a página de abertura de seu blog.”

    Ou algum desavisado que vai pagar alguns milhares de dólares de direitos autorais via Processinho.

  • Vin Diesel

    No caso de imagens para serem usadas em blogs, com funciona?

  • Microsoft mão de vaca!!

    • Por quê? Uma coisa é uma foto encomendada ou com venda especial que ela vai lá e compra “porque sim”. Outra coisa é o cara tirar a foto, colocar num banco livre do tipo ‘usem aí’, a MS ir lá e usar, uai. Está tudo dentro dos termos esperados 😀

      • Mas é chinelagem né !!
        Não tem nada errado, não houve injustiça nenhuma.

        Mas que [email protected]@ chinelagem ! A empresa fatura bilhões e vai me pegar uma foto aberta de site de fotos pra o acervo seleto de fotos do background do sistema operacional dela…

        Mas é muita chinelagem… Por toda relevância do produto, a importância para a empresa, de tudo que o Windows impacta, é muito desleixo… Faz um chalálá, contrata um cara famoso, paga 100.000 dólares, faz um marketing, explora ao extremo toda a situação. Faz um negócio de empresa gigante e não um negócio de microempresa……….. pqp………..

        • Lui Spin

          Spoiler: Toda empresa faz isso.

          • Lui Spin, tu é muito original nas tuas respostas, incrível 😀

        • Leonardo

          Mas pagaram bem caro na foto principal (Bliss é o nome da foto se não me engano), e essa outra aí também é uma puta foto bonita, se pagaram só U$27 bom pra eles.

          • Isso é verdade, fizeram jus ao tamanho da empresa.

            Essa outra foto (que eu usava direto de background) que apelaram pra chinelagem 😀
            Não tem nada errado, mas podiam garantir uma exclusividade nesse acervo seleto dos papéis de parede do Windows.

        • ESouza

          Eles melhoraram rs, depois veja como foi a producao para o wallpaper do Windows 10, aquela da janela com “fumaça” dos lados..

      • Lui Spin

        Não alimente os trolls mano.

        • Já perdeu o verniz de tanto esfregar esse clichê de generalizar qualquer comentário que alguém não concorda, como sendo essa frescura de trolls.

          Tu é fresco, argumenta se não concorda.

  • AHH, agora lendo a matéria certifiquei porque já conhecia a imagem. Usei essa por muito tempo como papel de parede no XP 😀

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples