Violência infantil no Detroit: Become Human vira alvo do governo britânico

detroit-become-human

Além de entregar experiências cinematográficas, os jogos de David Cage costumam abordar temas delicados e quando a Quantic Dream apresentou um trailer do Detroit: Become Human na Paris Game Week em outubro, algumas pessoas ficaram incomodadas com o que viram. Para mostrar como as ações do jogador poderão influenciar a história, o estúdio mostrou uma cena em que um androide presenciava a relação abusiva de um pai com a filha, inclusive mostrando a menina morta após ser espancada.

Era de se imaginar que algumas pessoas, especialmente aquelas envolvidas com a política, se posicionassem contra o jogo e agora o jornal The Daily Mail noticia que isso já aconteceu. A campanha foi encabeçada pelo Membro do Parlamento Damian Collins, que atua como presidente do Comitê de Cultura, Mídia e Esportes do governo britânico. Ele disse:

É completamente errado a violência doméstica fazer parte de um videogame, independentemente da motivação. A violência doméstica não é um jogo e isso simplesmente a trivializa.

 

Me preocupo com as pessoas que jogarão e que tenham sofrido abuso usem este jogo para moldar a maneira como lidarão com abusadores. É perigoso plantar a semente na cabeça das pessoas de que a maneira para lidar com os abusadores é usando a violência contra eles. É contraprodutivo e pode colocá-las em maior perigo.

A crítica foi compartilhada por Esther Rantzen, fundadora da instituição Childline e que comparou a cena final mostrada no trailer a uma execução pública. Segundo ela, jamais uma criança ser espancada até a morte poderá ser visto como entretenimento, o que a fez entrar em contato com a Sony Interactive Entertainment para pedir que o jogo seja cancelado ou pelo menos esta cena seja removida.

Já da parte de David Cage, recentemente ele deu sua opinião sobre a polêmica em uma entrevista, dizendo o seguinte:

Tento contar uma história que importe para mim, que considere comovente, interessante e empolgante, e o meu papel como um criador é de talvez entregar algo que as pessoas não esperem. A regra que imponho a mim mesmo é de nunca glorificar a violência, de nunca fazer algo gratuito. Precisa ter um propósito, um significado e criar algo que, espero, tenha um significado para as pessoas.

 

Para mim, esta é uma cena muito forte e comovente, e eu estava interessado em colocar o jogador na posição daquela mulher. Escolhi o seu ponto de vista. Se tivesse escolhido o ponto de vista do homem, poderia ter sido uma história totalmente diferente e com emoções totalmente diferentes.

O assunto sem dúvida é bastante polêmico e ainda deverá gerar muitas discussões sobre o que deve ou não ser reproduzido em um jogo. Por acreditar no poder da mídia para contar boas histórias e até fazer com que as pessoas reflitam sobre determinados assuntos, não consigo entender porque o tema poderia ser abordado em um filme, mas não em um jogo. Logo, desde que o enredo não sirva para glorificar ou justificar a violência doméstica (o que não parece ser o caso), fico com a impressão de que os opositores ao Detroit: Become Human estão criticando sem nem ao menos conhecer o contexto.


PlayStation — Detroit: Become Human – PGW 2017 Gameplay Trailer | PS4

Relacionados: , , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples