Review — Alcatel A3 XL: um grandão básico

O que você busca num smartphone? Performance? Autonomia? Uma tela grande? Se o último for o seu caso convém dar uma olhada no Alcatel A3 XL, o dispositivo básico extra-grande da chinesa TCL que pode não ser a faca mais afiada de sua gaveta, mas ao menos no display eles capricharam.

Eu o testei por duas semanas e estas são as minhas impressões.

Design

Não tem conversa, a primeira coisa que chama a atenção ao tirar o Alcatel A3 XL da caixa é seu tamanho avantajado, com 165 x 82,5 x 7,9 mm. No entanto, mesmo sendo tão grande ele é extremamente leve, pesando apenas 159 g e para quem possui mãos grandes (meu caso) ele não chega a ser desengonçado ao ser manuseado; já os demais terão que levar seu tamanho em consideração. Com um corpo totalmente em plástico (básico, lembra?) e traseira texturizada o A3 XL possui uma pegada firme, que não vai escorregar da sua mão mas por outro lado propicia o acúmulo de sujeira.

A segunda coisa que enche os olhos é obviamente a tela, um display IPS LCD de 6 polegadas com resolução HD (245 ppi) que apesar do tamanho, possui bons ajustes de brilho e contraste e cores bem equilibradas, e não possui uma definição baixa a ponto de gerar reclamações. Por não ser Full HD espera-se inclusive que ela não seja comilona, mas há ressalvas quanto a esse aspecto do dispositivo a seguir.

Você pode até tentar mas não vai ver pixels individuais, e isso é bom.

 

O Alcatel A3 XL conta com Dual-SIM e slot dedicado para Micro-SD (do lado oposto ao da foto), com todos os três protegidos por uma portinha que deve ser pressionada para liberar a entrada e que dispensa acessórios adicionais ou decisões de design questionáveis. Isso é bom principalmente para evitar a perda do abridor ou mesmo da porta, que é fixa e facilmente manuseável. A Sony já utilizou tal solução anteriormente e seria interessante se mais fabricantes pensassem em algo do tipo para seus dispositivos.

Performance

O aparelho avaliado conta com um SoC Mediatek MT8735B, quad-core Cortex-A53 com clock de 1,1 GHz e GPU Mali-T720MP2, 2 GB de RAM e 16 GB de espaço interno, o que em tese deveria se reverter em uma performance satisfatória mas nada excepcional, mas não é o que testemunhei. Diferente do Moto E4 Plus, que também possui um chip MediaTek e a mesma quantidade de memória o Alcatel A3 XL engasga frequentemente, mesmo executando as tarefas mais triviais. Multitarefa então ele chora na rampa, e nem ouse rodar games pesados.

Abrir apps do cotidiano como Twitter, Instagram, WhatsApp e Telegram faz com que o smartphone pare, pense e olhe para o dia que já vem, e isso leva tempo. Alternar entre eles também consome mais tempo do que deveria, mesmo em um smartphone de entrada que é o caso.

Pensando calmamente a única conclusão possível é que a TCL é péssima em otimização. Há uma percepção de que os chips da MediaTek são fracos e inferiores mas a Motorola conseguiu extrair bem mais deles com a linha Moto E4 e com a mesma RAM, o que levanta a hipótese de que talvez a companhia chinesa (que também detém direitos sobre as marcas BlackBerry e Palm) só consiga fazer um bom trabalho com a plataforma Snapdragon da Qualcomm; vide o Idol 4, que possuía uma boa performance.

O som do A3 XL, emitido por uma saída na parte traseira é satisfatório, o conector é um Micro-USB padrão e há a entrada P2 para fones de ouvido, como se espera de um dispositivo de entrada. A ausência mais sentida no entanto é o leitor de impressões digitais, presente na versão internacional mas por algum motivo bizarro acabou limado na edição brasileira, talvez para cortar custos. É uma pena, hoje mesmo os modelos mais simples já contam com a funcionalidade.

Já sobre a bateria devo esclarecer uma coisa: eu provavelmente fui premiado com um aparelho “viciado” para realizar os testes. Digo isso porque de todos os reviews e análises que verifiquei, o meu caso foi o único em que a autonomia do aparelho foi simplesmente risível e incompatível com o que se espera de uma bateria de 3.000 mAh. Em situações normais ela deveria durar cerca de 24 horas, e mesmo com uso intenso o A3 XL seria em tese capaz de resistir o dia inteiro.

Não no meu caso. O aparelho que testei não dá conta do recado, se usado moderadamente a carga se esgota em cerca de 12-13 horas, e em uso intenso (consumo de mídia, jogos leves, uso de fones de ouvido Bluetooth, redes sociais) o que se viu foi…

Isso aí: do momento em que foi tirado da tomada às 8:00 até às 14:35 a bateria zerou. São 6,5 horas, é impossível que um smartphone sadio entregue uma performance energética tão ridícula.

Ainda assim resolvi conduzir o meu teste padrão utilizando o VLC, um notório devorador de recursos de hardware fazendo o Alcatel A3 XL rodar um filme de 2h16m em Full HD (sim, resolução superior e eu geralmente faço isso, because reasons).

Resultado: ao fim da reprodução o indicador cravou 50%, uma marca que nunca testemunhei em dispositivo móvel algum. Isso posto eu me abstenho de avaliar a autonomia do aparelho em si porque obviamente eu fui sorteado, ao receber um gadget provavelmente com problemas e que não representa a performance energética real.

No mais o carregador, que curiosamente possui um cabo embutido (o aparelho vem com um cabo USB adicional) não é ultrarrápido, e uma carga total leva em torno de três horas.

Câmera

Serei direto: não espere tirar boas fotos com o Alcatel A3 XL. A câmera principal possui um sensor de 8 megapixels e uma abertura de diafragma minúscula de apenas f/2,4. Logo, a menos que esteja em ambientes MUITO iluminados ou a céu aberto com o Sol a pino você terá muito ruído nas fotos, e mesmo em situações ideais o resultado final fica aquém do desejado.

Sem HDR

Com HDR

Em ambientes abertos o pós-processamento tenta melhorar o aspecto geral das imagens e acaba escurecendo demais áreas com pouca iluminação, um problema no alcance dinâmico. Com menos luz você terá mais trabalho, e o modo HDR pode dar uma mãozinha para melhorar alguns detalhes ou corrigir cores.

Já em ambientes internos o Alcatel A3 XL até consegue capturar alguns detalhes dependendo da proximidade do sensor, embora aumente muito a quantidade de ruído e perca informações não colocadas em primeiro plano. De novo, O HDR pode ajudar a realçar algumas imperfeições mas a tendência é sofrer com algumas aberrações cromáticas, principalmente puxando para tons amarelados mesmo em ambientes com lâmpadas fluorescentes.

A câmera selfie é igualmente básica, com sensor de 5 MP e Flash LED que tenta, mas não consegue compensar a deficiência do conjunto utilizado. O pós-processamento é pesado, em ambientes internos o nível de ruído é intenso e o melhor a fazer é utiliza-la apenas em ambientes externos e com boa iluminação, ou o resultado final irá invariavelmente frustra-lo.

Como sempre, você confere as fotos originais no Flickr.

Conclusão

O Alcatel A3 XL é um aparelho básico em sua essência, com o diferencial de contar com uma enorme tela HD de boa qualidade, o que claramente foi o foco da fabricante além da bateria (que me abstenho de comentar). No entanto o hardware é deveras limitado, com o aparelho engasgando em tarefas simples e as câmeras sendo bem fracas mesmo para sua categoria; a ausência do leitor de digitais na versão nacional também é um ponto negativo, visto que a Motorola o incluiu até em seus gadgets mais modestos.

Isso posto o preço sugerido no lançamento de R$ 849 não se justificava, porém hoje já é possível encontra-lo por valores muito mais camaradas: certas redes já o oferecem por até R$ 469 no boleto bancário, o que faz dele uma opção para quem definitivamente não quer gastar muito e deseja um aparelho com tela grande apenas para funções mais básicas.

Pontos fortes:

  • tela grande de boa qualidade;
  • design confortável, com boa pegada (para mãos grandes);
  • Dual-SIM e slot dedicado para Micro-SD;
  • preço atual bem em conta.

Pontos fracos:

  • hardware deixa a desejar, aparelho engasga com frequência;
  • câmeras fracas;
  • versão brasileira não conta com leitor de digitais.

Agradecimentos à Alcatel por gentilmente nos ceder o aparelho para testes.

Relacionados: , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar
  • Marcelo Carvalho

    uma bomba!

  • Germano

    Da-lhe + Mediatek…

  • Felipe Braz

    No passado comprei um celular só pelo tamanho da tela, um LG P705F, se arrependimento matasse pqp.
    O troço era lento de dar vontade de atirar na parede, o que me motivava a não fazer isso era o carnê da prestação… =P
    Hoje ainda sofro com ele, pois ficou uns dois anos na mão da minha mãe e agora está nas mãos do meu pai, ou seja, frequentemente tenho que dar suporte.

  • Bruno Costa

    Sei que é horrível dizer isso, mas perdi o total interesse no review assim que li Mediatek. Como as fabricantes tem coragem de ainda usar esses chips safados nos aparelhos?

    • Michael Loeps™

      Custo.

      • phso

        Já tive uns 3 smartphones com mediatek (octa e quad), nunca tive do que reclamar. Talvez no passado os processadores dela podem ter sido ruins, mas atualmente não acho que essa fama se justifique.

        • Michael Loeps™

          rapaz, eu realmente não sei como a mediatek anda das pernas, mas assumo, no meu caso é puro preconceito, talvez essa ma impressão se deva aos processadores mediatek serem majoritariamente usados em Low-End, o que não facilita em nada a experiencia. Tipo comprar um galaxy young e por isso ter medo do S8

          • phso

            A mediatek não produz, o supra-sumo da performance, mas não é essa decepção que tudo mundo diz. Eu vejo ela no mundo ARM, como vejo a AMD no mundo x86-x64. Não é a mais avançada tecnologicamente, mas faz produtos bons sim. E ela aparece não só no low end, mas no mid tbm, e ela se sai muito bem na minha opinião. A única ressalva, é que ela não é muito indicada pra quem é fissurado por atualizações, pois tende e demorar pra liberar os drivers de suas CPU’s, e celulares com seus chips geralmente demoram pra atualizar. Logo pra maioria das pessoas (que são leigas, não exigem demais do hardware, e não são tão ligadas em atualizações) é uma opção muito viável e mais barata.

      • Cássio Amaral

        /thread.

  • evefavretto

    A tela aparentemente é melhor que a do antecessor, o Pixi4 6″, que eu vi esses dias numa loja e achei bem meh(aliás, a Alcatel adora manter aparelhos antigos a venda, né?, ainda se acha Pixi3 por aí). A tela grande, se não fosse os problemas de bateria, faria dele um candidato interessante a “vó-phone”, bota as letras grandes e tal pra gente mais velha enxergar melhor.

    Agora, esses problema de bateria tem cara de gerenciamento do SoC ruim, (provavelmente ele não tá indo pra stand-by ou pra clocks mais baixos quando devia, dá pra ver na screenshot da tela de bateria) e/ou a tela ser realmentente muito gastona(é grande, afinal). Aposto nos dois. Talvez possam resolver com um update, já que pelo menos parte do gerenciamento disso ainda é feito por software em Androids.

    Sei que os Galaxy J1 mini(que usam SoC Spreadtrum) tem bateria em stand-by horrível, a menos que tu use o “modo de ultra economia”, que meio que mina o ponto de ter um smartphone.

    • evefavretto

      Btw, não sei se usar VLC no Android pra vídeo H.264 seja um teste justo já que a maioria dos aparelhos de vários anos pra cá tem capacidade de decodificar por hardware, pelo menos usando o player nativo(ou algum outro que use as APIs nativas, afaik).

      • Dou uma e se for bom dou mais

        Realmente, pra testar autonomia eu uso o MXPLAYER em modo SW apenas. Ai sim eu consigo um teste decente.

      • Abraão Caldas

        Acho que o objetivo é realmente stressar o aparelho.

    • Mesmo que fosse, não há a menor possibilidade de mau gerenciamento levar a tais resultados. Pode comparar com outros reviews do aparelho, todo mundo elogiou a bateria; por isso sustento a possibilidade que esta unidade que chegou às minhas mãos já estava com problemas.

      • evefavretto

        É possível. Ou algum aplicativo mantendo o aparelho acordado(provavelmente por algum bug ou mal programado).

  • Jarbas Coqueiro

    A bateria ainda é melhor que a do meu Zenfone 5

  • zé garruchada

    Pago 200tão

  • jairo

    Pelo review , não vale a pena.

  • bruno torrente

    Dá-lhe praça do forro ;).

    • Rodrigo Gomes

      onde fica?

      • bruno torrente

        São miguel paulista ZL/SP, sendo mais especifico Capela de São Miguel Arcanjo construção de quase 500 anos ( 1580 ), a praça em si eh muito conhecida na região ( praça do forro ).

        A região entre São miguel paulista e Guarulhos tem algumas construções nessa faixa de idade principalmente capelas.

  • Willguevara

    Rapaz, espero que seja problema no aparelho que mandaram pra você mesmo porque olha, nunca pensei que ia conhecer um aparelho com autonomia pior que o do meu Zenfone 2.

  • Cássio Amaral

    Parei de ler em “resolução HD”. Se a baixa resolução já fica visível em um tela de 5″, imagine em uma de 6″.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples