Sem desculpa: serviço de VOD que vende filmes editados ainda infringe copyrights

Espertinhos existem em várias formas, e um deles acaba de tomar um sacode nos tribunais dos Estados Unidos. A Corte de Apelações do 9º Distrito de San Francisco decidiu que VidAngel, uma empresa de video-on-demand infringe as leis de direitos autorais ao vender cópias alteradas de filmes, oferecendo opções de remoção de cenas controversas.

O negócio da VidAngel se baseia numa lei de 2005 chamada Family Movie Act (FMA), que permite a quebra dos algoritmos de proteção de filmes de modo a criar cópias dos mesmos sem cenas inapropriadas para o consumo familiar como sexo, consumo de drogas e álcool, violência, palavrões e outras coisas. A empresa compra cópias físicas das obras, quebra a proteção deles mas oferece um serviço diferente, permitindo que o usuário decida quais partes ele deseja deletar através de seu serviço de streaming. Basicamente ele seria um Netflix da vida, com um catálogo de cerca de 2.500 filmes integrais e os pais e mães que criam suas próprias versões de acordo com seus valores morais e éticos. E lógico, pagam por elas.

Desnecessário dizer que os grandes estúdios nunca gostaram dessa prática. Em dezembro uma junta formada por Disney, Lucalfilm, 20th Century Fox e Warner Bros. venceram o primeiro round, forçando a VidAngel a pagar US$ 10 milhões de indenização e interromper o serviço. A empresa apelou e agora ela perdeu de novo. De acordo com a opinião do juiz “Star Wars é Star Wars, com ou sem Slave Leia”; a remoção de conteúdo questionável não exime a VidAngel de pagar direitos autorais pelos filmes que comercializa.

Em suma: não interessa se você cria uma uma versão para a família de Logan ou um curta baseado em O Retorno de Jedi apenas com a Leia de biquíni, não pode e pronto.

O argumento da VidAngel que se apoiava na Family Movie Act também não se sustentou por dois motivos: primeiro, mesmo que seja por uma causa considerada nobre (evitar que crianças consumam material impróprio) os filmes alterados ainda são passíveis de copyright; segundo, a VidAngel nunca teve direitos assegurados de oferecer o processo de edição a seus clientes, ela simplesmente comprava as obras no varejo e não repassava um tostão aos estúdios. Logo, pirataria pura e simples.

A decisão da corte visa impedir a criação de uma brecha gigante nas leis de direitos autorais, em que as pessoas poderiam inserir edições ou remover trechos e alegar que as obras deixam de ser passíveis de copyright. A verdade é que não interessa se o filme foi estendido para quatro horas ou ficou com apenas três minutos, ainda é um produto protegido e quem o distribui sem pagar os direitos aos detentores será visitado pelo Processinho, sem exceções.

Fonte: Ars Technica.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples