Google financia agência de notícias que contará com jornalistas robôs

Não é segredo para ninguém que os robôs vão nos substituir em diversas tarefas, principalmente as que demandam menos especialização mas mesmo algumas que exigem um pouco mais de qualificação estão sendo automatizadas. Temos por exemplo o caso do IBM Watson, que substituiu diversos salarymen no Japão em suas funções de calcular pagamentos de seguradoras. Já empresas de entregas expressa da China estão se robotizando, com os autômatos cuidando de tarefas que o pequeno Ping era responsável no passado.

Uma área que muita gente defende que um robô jamais será capaz de se enfiar é o jornalismo, mas mesmo ele já foi infiltrado em 2015: a AP, junto com a Automated Insights apresentou uma inteligência artificial plenamente capaz de redigir informes econômicos, a área mais burocrática, maçante e engessada da imprensa. Tudo ali é puramente mecânico e o sistema especialista se saiu muito bem, analisando as flutuações de mercado e publicando postagens e informes bem precisos. Hoje a IA sequer depende de monitoramento.

Só que a Press Association do Reino Unido quer ir além: ela deseja de fato automatizar até mesmo as notícias menos elaboradas, aquelas publicadas por outlets menores, redações independentes e até mesmo… blogueiros. O projeto, chamado Reporters and Data and Robots ou simplesmente RADAR envolve um sistema especialista capaz de redigir cerca de 30 mil histórias por mês. E o programa é tão promissor que chamou a atenção do Google: este realizou um investimento de £ 622.000 (cerca de R$ 2,6 milhões em valores de hoje, 10/07/2017) no RADAR, de modo a torna-lo realidade.

A ideia da associação de imprensa estatal é fechar parcerias com publishers para que estes venham a utilizar os serviços do RADAR em notas de menor importância, do nível clássico dos informes dos estagiários do G1, Folha, Estado e etc. com a diferença que os robôs escrevem melhor. Isso não significa entretanto que os jornalistas vão perder seus empregos: segundo o editor-chefe da PA Peter Clifton, os tradicionais ainda serão vitais para a imprensa na forma de artigos e notícias embasados, com opinião e mais elaborados. A IA ficará encarregada de automatizar publicações de menor impacto e mais gerais como das colunas de saúde, emprego, segurança e outras que provém pouca variação e interação direta. Em suma o RADAR será o “foca” encarregado das piores matérias, os press releases, os “Caetano Veloso atravessa a rua” e etc.

A PA pretende colocar o RADAR em funcionamento em 2018, e este dependerá de uma base de dados aberta para gerar as notícias, este administrado por cinco pessoas que se encarregarão de alimenta-lo com informações vindas do governo, autoridades locais, serviços de saúde, instituições financeiras e outros; os robôs utilizarão Processamento de Linguagem Natural para redigir as matérias de modo que o resultado fique minimamente decente e fluído, e não algo saído do Google Tradutor.

Fonte: BBC.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis