Preservação de games antigos: necessidade ou pirataria?

Embora todos concordem que a emulação é um assunto espinhoso por conta de sua natureza ilegal, muitas vezes é por causa dela que ainda podemos apreciar pérolas esquecidas pelo tempo, por um ou outro motivo. Muitos entusiastas se esforçam para manter vivos títulos que não foram revisitados ou preservados pelos desenvolvedores originais, o que às vezes é visto de forma positiva e outras não. A Nintendo, por exemplo detesta emulação e a condena em todas as formas.

A Capcom, por outro lado acabou se beneficiando da emulação em seu mais novo produto, a coletânea The Disney Afternoon Collection que reúne seis clássicos do Nintendo 8 bits. Culpa do desenvolvedor Frank Cifaldi da Digital Eclipse, responsável pelo game e que é conhecido há tempos por seus feitos em preservar games antigos.

Para quem não ligou o nome à pessoa Cifaldi é o responsável pelo site Lost Levels, advogando há muito tempo pela proteção e preservação de games antigos que foram abandonados pelas desenvolvedoras por diversos motivos: seja falência, perda de dados, desinteresse em relança-los para as atuais gerações de consoles e etc. Esses são alguns dos principais argumentos que justificam a defesa da emulação pelo desenvolvedor, tendo ele mesmo contribuído com as ROMs de games como o jamais lançado BioForce Ape, para o NES.

Com a Digital Eclipse (que faz parte da Backbone Entertainment) Cifaldi e sua equipe se concentraram ao longo dos anos em se encarregar dos ports de diversos títulos da era 8 e 16 bits para as plataformas mais novas, principalmente para a Xbox Live Arcade. Seus mais recentes esforços resultaram em Mega Man Legacy Collection e The Disney Afternoon Collection, ambos coletâneas de games para o NES distribuídos pela Capcom.

Diferente do que aconteceu com Mega Man, onde foram utilizadas informações presentes na já antiga coletânea para o PSOne Rockman Complete Works, de 1999 (que nunca veio para o ocidente), para o pack de games da Disney algumas coisas foram recuperadas pela equipe da Digital Eclipse, em especial pelo próprio Cifaldi.

A galeria de arte de The Disney Afternoon Collection conta com designs originais recuperados no acervo da Capcom e restaurados, caixas de games escaneadas e incluídas por Cifaldi e dados de ROMs que ele próprio compartilhou. O resultado final são versões preservadas de DuckTales 1 e 2, Chip ‘n Dale: Rescue Rangers 1 e 2, Darkwing Duck e TaleSpin com uma qualidade altíssima, principalmente porque a Digital Eclipse sabia onde procurar os recursos necessários para montar tudo.

 

O grande problema é a dificuldade em preservar games antigos quando os donos das propriedades intelectuais não demonstram interesse, e/ou colocam empecilhos na empreitada independente da comunidade. A Nintendo é campeã nesse quesito, ao defender que “revisita constantemente suas IPs com novos títulos” de modo a “mantê-los vivos”. O problema dessa abordagem é que isso preserva a marca, não os games. Ao não disponibiliza-los em nenhuma plataforma atual e impedir quem deseja fazê-lo, acabam por prestar um enorme desserviço à memória dos games. E nem é preciso ir tão longe, basta lembrar de casos recentes como Scott Pilgrim vs. The World: The Game, título da Ubisoft que nunca teve lançamento físico e que ao ser retirado das lojas digitais, acabou por morrer de vez. O mesmo se aplica à Konami, que sumiu com as versões de The Simpsons e X-Men para Arcade presentes na PSN e Xbox Live.

Na Game Developers Conference 2016, Cifaldi lembrou que games estão morrendo “em um ritmo alarmante” e aqueles que buscam evitar o sumiço desses títulos acabam sendo perseguidos e processados pelos detentores dos direitos autorais, mesmo que eles não tenham o menor interesse em explorar tais títulos. Claro que do ponto de vista legal elas estão no direito, o conceito de “abandonware” é uma falácia. Porém, é inegável que estamos aos poucos perdendo parte da memória e da história dos games por pura mesquinharia.

Iniciativas em preservar títulos clássicos para as novas gerações como as de Frank Cifaldi devem ser defendidas e endossadas, abraçadas pelas desenvolvedoras de modo que ao mesmo tempo em que ganharão uma grana fácil, estarão contribuindo para a preservação da história dos games. Da mesma forma a questão da emulação como resgate da memória precisa ser discutida e avaliada, antes que acabemos com uma mídia sem passado.

The Disney Afternoon Collection está disponível para PS4, Xbox One e Steam (apenas Windows).

Fonte: Polygon.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar
  • Germano

    Esse e um quesito onde o PC ganha com folga dos consoles e outras plataformas: um jogo antigo de PC frequentemente ainda funciona nas maquinas atuais. E.. tambem e no PC onde a emulacao de outras plataformas esta mais madura.

    • Ed. Blake

      Acho que o único quesito real onde o PC não ganha dos consoles é o investimento inicial para se começar a jogar.
      Não consigo agora pensar em nem um outro quesito onde o console ganha de um PC.

      • Thiago Bachi Rehbein

        Jogos multiplayer com a tela dividida???

        • tuneman

          até em consoles isso já é raro. eu ainda tenho uns titulos de PS3 que possuem esse recurso.

      • Just a Gamer

        O dia em que eu puder jogar Bloodborne no PC ou jogar Diablo 3 com controle, posso até pensar em começar a olhar para o PC como plataforma de jogos

        Antes disso fico de boa no console mesmo

        • Crístofer Ribeiro

          Um dia que eu puder jogar qualquer coisa que necessite de precisão num console (jogo de tiro, RTS, MOBA, etc.) ou puder escolher qual controle vou usar ou puder fazer meus próprios servidores de vários jogos sem depender de terceiros vou considerar o console uma plataforma de jogos.

          Que lógica furada… O PC é uma plataforma multitarefa (inclusive de jogos), coisa que os consoles vem tentando ser desde a geração do PS3, X360, quando começaram a englobar outras tarefas além de serem somente máquinas de jogos (na verdade começou lá no PS1 com tocador de CD, PS2 com tocador de DVD…). Que pensamento de nível baixo.

          • Just a Gamer

            Lógica furada eu querer jogar um game que não existe na plataforma PC e não querer jogar com teclado e mouse por ser incômodo para mim e me causar dores nas mãos

            Tá serto champs

          • Daniel

            Eu já sou o contrário, parti pro controle de xbox 360 no pc justamente para dar um descanso ao tendões e nervos usando teclado e mouse, mas não abro mão de PC como plataforma de jogos de maneira alguma. Embora entenda que há pessoas que acham mais prático/melhor consoles que pc, e não vejo problema nisso. Já passei do tempo de defender vorazmente uma plataforma. Prefiro que coexistam varias, e preferia que todos os jogos fossem multiplataforma via emuladores ou não. Condenar quem joga em pc ou console é o mesmo que dizer que se deve jogar apenas em smart fones jogos AAA porque é a evolução…

          • Yskar

            Sem falar que jogos AAA atualmente estão uma bosta rala do caraio… Mais do mesmo até a morte (e a tendência é piorar agora que a modinha é 4K, o crash se aproxima, meus caros).

      • Germano

        Sim, isso conta muito. Ja fui adepto dos PCs, hoje estou mais nos consoles, mas não tenho favoritismos, pego aquilo que achar mais conveniente para jogar os jogos que quero jogar – e o que posso pagar claro. Afinal jogos são o fim para o qual a plataforma, apenas um meio.

      • Daniel

        Eu consigo, facilidade e praticidade. A gente pode não gostar de consoles, mas há quem não goste de PC, defender que um emulador é fácil e bom depois de configurado, me lembra o povo defendendo linux no Desktop…. Funciona, talvez seja prático mas pra mim o bom e velho windows vai prevalecer por muito tempo…

      • Yskar

        Tem gente que prefere simplicidade a sistemas expansíveis, e colecionismo (já que jogos físicos standalone basicamente já sumiram no pc).
        É o mesmo motivo de pessoas preferirem comprar um console antigo e uma TV de tubo do que tentar simular uma TV de tubo no retroarch, é mais simples.

        Tem também o fator círculo social e jogos exclusivos “da moda”, pessoas costumam querer jogar online com amigos próximos, então eles acabam comprando o que a maioria compra, e quem só joga em console acaba achando que PC não tem exclusivos, pelo grosso do mercado AAA ter migrado pros consoles desde a época do X360, os exclusivos de PC e PC gaming em geral se tornou algo bem de nicho no ocidente, então os jogos exclusivos de PC não gastam com propaganda como os que produzem jogos de console gastam.

        Fora que a maior parte do público é imediatista, assim quem prefere PC acaba ficando nele por ser entusiasta da plataforma, trabalhar na área de informática e ser entusiasta de tecnologia de ponta.

        Sem falar que o invertimento inicial nos consoles é ILUSÓRIO, pois os jogos são 2~3x mais caros em média, para um hardware mais fraco. Então para consoles valerem a pena as pessoas tem de vender seus jogos ou usar “contas fantasmas” para atingir o mesmo CxB dos PCs, mas o principal é realmente amigos e “comodidade”, sem falar que existe uma DESINFORMAÇÃO massiva de como é jogar no PC, como se PCs de 2 mil não comessem o rabo de um PS4/xone com areia, no quesito potência (muito consolista acha que por que galhofamos que PC suporta 4K nós preferimos 4K, em vez de no real preferirmos 1080p com framerate alto e monitores de qualidade com tempo de resposta que TV nenhuma tem).

        Ao meu ver consoles são bem mais caros que PC.

    • Tanto que estou jogando Starcraft I de graça….. corre que ainda dá tempo….

      http://kotaku.com/you-can-now-get-starcraft-for-free-1794432700

      • Felipe Braz

        Não rodou no mac, mesmo usando o instalador oficial =(

        • Use Windows.

        • Daniel Belini

          Deixa testar aqui.

        • Daniel Belini

          @felipe_braz:disqusestou instalando aqui no Mac Mini 2011 com o Sierra

          • Felipe Braz

            Estranho estou com o sierra também, mas o meu mac é mais antigo… macbook white late 2009

          • Daniel Belini

            Talvez seja por isso.

        • Yskar

          Instala um windows 7 no virtualbox.

          • Felipe Braz

            É uma solução. Mas o que eu gostaria era rodar sem gambiarra =T
            De repente catar algum forum de suporte da blizzard (se é que existe) pra ver se tem alguma solução.

          • Yskar

            Tente a versão de windows via WineBottler, é capaz de funcionar.

          • Felipe Braz

            Jogo antigo costuma funcionar bem no wine, de repente funcione mesmo =)

          • Yskar

            Vida de jogador em Mac é complicado, ainda bem que a tendência com a crescente adoção do Vulkan é melhorar! =D

          • Felipe Braz

            Fato. Vulkan deve ajudar nesse ponto. A verdade é que uso esse Mac só pra desenvolver, rodar starcraft seria um plus. Pra jogar uso console mesmo =)

          • Yskar

            Normal, geralmente quem tem Mac joga em console.
            Até eu tenho pensado em pegar aqueles notebooks fininhos da apple pra programar, mas provavelmente eu colocaria linux, não curti o MacOS.

          • Felipe Braz

            O processo pra instalar linux num mac é uma gambiarra enorme, mas funciona. Sobre o macos, depois que se acostuma a usar os gestos no trackpad se torna bem produtivo. Já a siri é só uma curiosidade pra mostrar pros amigos leigos uhauHA.

          • Yskar

            Como a Cortana, inclusive até já arranquei ela fora de meu W10, inútil.

          • Felipe Braz

            Consegui fazer rodar no mac, entrei no diretório do app via linha de comando e apliquei chmod +x no executável! O.o

      • OverlordBR

        É até quando, Epic?

        • Acho que dessa vez, é pra sempre….

          • OverlordBR

            Ah, o Saint Row 2 também está gratuito… mas lá no GOG 🙂

            Vale a pena baixar.

          • AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHH MOLEEEEEEEEQUE!!!!!

          • No Steam também está de graça por tempo limitado

          • Yskar

            O tempo limitado é só para você adicionar a sua conta, depois é para sempre.

          • Eu achei que tivesse deixado claro, isso O.o

    • OverlordBR

      Isto quando não liberam o jogo antigo para ser gratuito.

      Como a Blizzara acabou de fazer com o Starcraft.

    • ochateador

      Para ficar melhor ainda, só quando os programas de virtualização (virtualbox, vmware, etc) conseguirem utilizar a VGA de forma decente.
      O que vai ter de jogo antigo sendo ressucitado não é brincadeira.

  • No artigo fala que a Capcom abraça a emulação e a nintendo a condena. Mas na verdade ambas ganham dinheiro com titulos antigos sendo emulados, virtual console da nintendo existe que eu me lembre desde o Wii, com jogos de nintendo 8 bits e até de nintendo 64 ná época. A nintendo pode não ser a favor que emulem seus consoles, mas que ela se beneficia da emulação e esta sempre relançando titulos antigos dela, isso ela sempre faz.

    • Germano

      Sim, o que a Nintendo nao gosta e que outros emulem as plataformas dela. Afinal ela ainda vende esses jogos, e é a detentora dos direitos. Dai que deixa de se tratar de jogos cujas plataformas desapareceram e a emulação passa sim a ser enquadrada como pirataria. Não estou assumindo lados, so observando um aspecto da coisa.

      • Yskar

        O engraçado é que JUSTAMENTE a Nintendo ganha dinheiro com o seu virtual console usando emuladores opensource (muito mal configurados, a propósito).

        • Wallacy

          Fonte? Arial?

          Até onde sei existe muita especulação, mas zero evidência disso. Sempre é a mesma ladainha, a Nintendo posta os direitos de vários componentes livres (de acordo com cada licença), e do nada um monte de gente (principalmente no Reddit) vem falar que usam emuladores open source.

          A Nintendo tem zero motivos pra usar projetos de terceiros, já que ela não só tem todos os sistemas como provavelmente o código original de cada jogo ainda. Quem já visitou o museu deles vai perceber que eles são extremamente apegados com tudo que produzem.

          • Yskar

            Tem diversas provas, só procurar:
            twitter. com/PCBrown/status/794210799199760384
            E a Nintendo não esconde isso, é fato conhecido.

            Outro caso:
            eurogamer. net/articles/2017-01-18-did-nintendo-download-a-mario-rom-and-sell-it-back-to-us

            A nintendo tem diversos motivos para fazer isso, ela usa tanto emuladores como diversas roms que foram dumpadas e disponibilizadas na internet, o melhor motivo é isso é PERMITIDO, já que ela é a dona da propriedade intelectual.

          • Wallacy

            O primeiro caso é justamente o que eu estava falando, zero relação… A licença em questão não tem nenhuma relação a emuladores. Apenas pessoas especulando com a bunda. E a Nintendo nunca reconheceu nada, apenas sempre postou que os cabeçalhos obrigatórios de acordo com a licença de software open source, pode ser qualquer lib, kernel Linux etc.

            Já o segundo caso é totalmente crível, esse é um tipo de tarefa que certamente é dado a uma única pessoa, que como boa parte dos desenvolvedores deu migé.

            Mas o emulador como todo certamente é feito por ela própria, emuladores são complexos por falta de informações originais das plataformas, a Nintendo não tem esse problema.

          • Yskar

            Emuladores de 8 bits são simples e as plataformas antigas da Nintendo já foram tão exploradas que existem diversos clones de NES até de GBA, não existe absolutamente nada dessas plataformas que seja desconhecido e seria uma total perda de tempo para a detentora do direito da plataforma NÃO usar um emulador opensource (ainda mais que ela implementa de um jeito bastante porco no virtual console).

            A ÚNICA coisa que ela tem de fazer para não ser processada é justamente colocar a licença GNU nos produtos.

            Busque mais conhecimento na scene homebew que existem em alguns lugares tópicos de gente fazendo engenharia reversa no virutal console e mostrando inclusive qual emulador estavam usando (o que é obviamente totalmente permitido), vou dar uma procurada e depois posto aqui.

            Isso é comum na industria, inclusive a própria SONY e Microsoft fazem o mesmo em diversos componentes de seus sistemas.

  • Tom

    Só de ler “falácia” me deu 3 tipos de agonia kkkk

  • SacoCheio

    Essa questão é muito boa. Já chegamos num ponto em que os games, mesmo que com alguns anos (ou décadas), ainda emocionam e divertem tanto quanto os atuais.
    Por isso amo o Steam, meus jogos estão lá pra sempre. Daqui a uma década posso querer jogar novamente o Orange Box e vou conseguir, mas será que vou fazer isso também com Last of Us ou Uncharted 2?

    • Kirk

      Realmente, só tenho dó de ter abandonado o PC por conta disto.
      Mas por outro lado, são tantos jogos novos que não da tempo de voltar nos games antigos. No máximo eu escuto a trilha sonora ou dou uma lida no manual… rs.

    • Deni Carson de Souza

      Mas você não acredita que o Steam será eterno? E se ele falir? Como ficam os “Seus Jogos”.
      Não estou defendendo os consoles, também não gosto da forma como as lojas podem desaparecer e ficar sem aqueles títulos os quais comprei em “mídia digital”.
      Sempre que posso dou preferencia pela mídia física, seja em jogos PC ou Console. Ao menos assim posso procurar consoles antigos, ou usar recursos de software para rodar meus jogos.

      • SacoCheio

        Nada é para sempre, eu sei. Mas investi na plataforma que eu julguei mais sólida, e minha média de gasto por título é entre 9 e 19 reais, muito raramente chego a 30 reais num jogo. Acredite, minha coleção é TOP. Basta ter paciência e esperar o jogo chegar no preço que você quer pagar.
        150 ou 200 reais num game??? Tá louco, agora tenho família e a grana precisa ser gasta com muita inteligência 🙂
        Além disso, cansei de juntar coisas. Fiz backup dos cds e dvds e me desfiz de quase tudo, mesma coisa com games. Deixa lá na nuvem ou em hd externo, menos tralha pra pegar poeira.

      • Thiago Cururu

        Pensando assim eu comecei a comprar jogos em outros distribuidores que não vinculam DRM. Agora minha primeira opção virou o GOG.

      • Inquisidor

        a steam tem uma opção de fazer download de tudo junto com as seriais em caso de falencia, fica por varios meses online esperando para baixar.
        acho que é mais facil os windows mais novos não rodarem os jogos antigos do que falir a steam

      • Yskar

        Jogos em mídia física no PC deixaram de ser interessantes perto do fim dos anos 90, basicamente são arquivos de instalação que devem ser atrelados a uma conta online.

        Pessoalmente acho bastante improvável o steam vir a desaparecer sem que todo o ecossistema PC desapareça junto e considero um êxodo para algum sistema unix bem mais provável no futuro do que o desaparecimento do PC gaming (já que a Microsoft AMA fazer arte e quebrar retrocompatibilidade).

        Provavelmente muitos dos jogos atuais, daqui a uns 10 anos vamos joga-los como jogamos hoje em dia jogos de DOS/8~16 via emuladores ou algo assemelhado (talvez wine).

        • Saulo Benigno

          Fim dos anos 90? Danosse… depois né. Por volta de 2005 por aí

          • Yskar

            99~2002~3, por aí, quando passaram a exigir cadastro em algo online para liberar perdeu o sentido mídia física para PC.

    • Leonan

      Nesse quesito a GOG é muito melhor que o Steam.

      • Saulo Benigno

        Exato 🙂

        • Ué? Fez conta nova? Me lembro de ti comentando ativamente anos atrás.

    • Saulo Benigno

      Vai conseguir? Como? E se eles não estiverem mais disponíveis para download? E se o servidor da Steam morrer?

  • Othermind

    Oloco….. Primeiro que todos esses jogos estão ai no ebay e mercado livre a rodo, o cartucho mesmo… Eu mesmo coleciono, claro que alguns são mais difíceis (e caros) de achar.

    Segundo que TODAS, absolutamente TODAS as roms estão aí na internet (ilegalmente, claro).

    Morrer não vai, mas querer que dezenas de milhares de jogos ainda estejam comercialmente (e legalmente) ativos por meio de consoles e PC é pedir d+

  • Peraí: teve um Ducktales 2??? E um Tico&Teco 2, também??? WHAAAAT??? Como nunca fiquei sabendo disso??? 😀

  • davilopescine

    Seria interessante se o autor explicasse como o conceito de “abandonware” é uma falácia.

    • dany myto

      tb queria saber

    • Flávio Pedroza

      Acho que ele quis dizer que não tem qualquer amparo legal.

      • Exato. Direito autoral não expira por “falta de uso”.

        • Julio Verner

          E do Mickey, como foi mesmo que não expirou?

    • Yskar

      Juridicamente não existe abandonware, a real é que na maioria dos casos ninguém reclama dessa pirataria (o termo mais correto deveria ser old warez).
      Aliás, acho esse moralismo “moderno” (2007 para cá) com pirataria imensamente engraçado aqui no HUEBR.

      • davilopescine

        O termo “abandonware” designa pedaços de software que não recebem mais suporte oficial, para que seja válido não é necessário que o copyright tenha sido deprecado. Abandonware pode ser ilegal, mas não é falacioso. No uso atual, falacioso é o argumento que aparenta correção, sendo na verdade inválido. Ora, uma vez que o conceito em questão é válido, logo não é falacioso. O que não implica que seja legal.

  • Goemon

    Será que não daria para vender roms legais em uma loja igual o itunes ou bandicamp pra rodar em emuladores/players? Tem tanto jogo bosta vendendo na steam não sei pq as empresas que não tem consoles como a Namco, Konami, Capcom, SNK, Data East, Tecmo, sei lá quantas… não vendem logo as roms junto com pdfs de manuais, caixa, trilha sonora num zip como se fossem mp3 vendidas em lojas digitais.

    • Germano

      Ja tem iniciativas assim, mas poucas. Os jogos do Mega Drive disponibilizados pela Sega no Steam por exemplo. E o legal e que eles ficam no Mega Drive Classics Hub que imita um quartao dos anos 90.
      As vezes me sinto tentado a comprar alguns mesmo possuindo ate hoje meu Mega Drive, adquirido sim naquele tempo, unico dono, e a maioria dos jogos originais que queria conseguir.

  • Estava achando muito estranho o Dori defender emulação, até perceber que o texto é do Gogoni.

    Concordo em tudo e é por isso que não hesito em emular games antigos. Mas admito que quando sai um game ou coleção para outras plataformas, eu compro sempre que posso em sinal de respeito e apoio à iniciativa. Estou com muita vontade de comprar essa da disney no steam.

    • Yskar

      Eu geralmente compro esse tipo de coisa pelos extras, por que consigo deixar muito mais bonito usando o Retroarch.
      https://uploads.disquscdn.com/images/4feae8d3306ced1010e3e772352c93c597fdf36da5108b696feb448bf57c60ec.png

      Coletâneas não permitem tanta customização assim (e geralmente jogos de consoles também não, por isso que prefiro PC).

      • Você acha esse monte de chuvisco de distorção “bonito”? Hehehe

        • Yskar

          Só parece como chuvisco em foto, jogando é quase igual a uma TV de tubo (sem falar que o disqus diminui a imagem, o efeito só é percebido corretamente vendo a imagem em 1920×1080), que é como esses jogos foram projetados para serem apreciados (outra opção é transformar em gráficos de desenho animado usando filtros HQ, mas eu não curto), o jogo não foi pensado em ser jogado todo serrilhado pois a forma como telas CRT desenhava as imagens na tela dava um antialias natural. https://uploads.disquscdn.com/images/e2db6382ea2ba79fe05497b829dfaf3f2e0b43269a8bdb7ea797988424768fab.jpg
          É assim que jogos antigos foram projetados para serem usufruídos.

          Os jogos de 8/16 bits foram pensados para serem apreciados nas TVs da época, inclusive muitos jogos apresentam artefatos fora da área que a TV de tubo cortava, mas como as TVs modernas exibem a imagem de forma diferente, no Sonic 2 por exemplo você percebe parte de artefatos na parte de baixo da tela.

          Agora experimente colocar um NES numa TV de LCD 1080p com cabo AV, eu até tenho aqui DOIS NES, mas sem franmeister e mod pra prover output VGA puro não fica uma boa bosta.

          Emulação feita de forma bem feita é alternativa mais barata para se atingir o resultado necessário sem ter de comprar uma TV de tubo ou um CRT profissional.

          Aqui um exemplo de como fica em 1080p (mas ainda não terminei de configurar o brilho e degradação cromática correto de uma CRT):
          imgur. com/R5gELFP.jpg

  • Felipe Cotta

    As empresas tem que mudar a mentalidade, os jogos que não são mais comercializados “abandoware”, são beneficiados pela emulação, que no caso reforça a marca da empresa a nintendo e outras tinham que ve assim é uma maneira de ganhar publicidade grátis de potenciais compradores, que elas dificilmente atingiria com propaganda.

    Sobre a loja de games como Steam fico também com receio pois o título não fica fisicamente comigo e se a empresa falir já era perdi os títulos comprados. Eu sempre prefiro comprar jogos fisícos mesmo sendo mais caros um pouco.

    • Mad Butcher

      Ué, se eu baixar, não dá pra gravar num CD? Nunca usei Steam, mas minha ideia era baixar o jogo e gravá-lo em DVD.

  • Conseguir emular MSX e a jóia rara Lenda da Gávea é sensacional.

    Emular Nintendo e Super Mario é pirataria ilegal.

  • Wallacy

    Beleza, vamos emular jogos e sistemas não mais suportadas, principalmente de empresas falidas.

    Mas não venha querer emular o novo Zelda com poucos dias de idade e falar que não é a pirataria o fator motivacional.

    Emuladores podem ser, e são em vários casos uma forma de preservar jogos. Mas grande maioria é unicamente pela pirataria.

    As empresas vão precisar se adaptar tal como a TV/Cinema, não é algo que vai acabar por meio de tribunais.

    • Yskar

      Não me incomodo se a pirataria apresentar qualidade melhor que o original, uso a pirataria sem nem pensar.
      MAS no caso de outros jogos do WiiU não se tem uma forma indolor de emular a usabilidade da segunda tela, então como emulação de 3DS sempre se tem uma experiência inferior que o original.

      Pense da seguinte forma, quem pirateou o Zelda para jogar no PC não iria comprar um Switch ou WiiU para jogar o jogo, não tem nenhuma perda em venda, inclusive isso pode servir como INCENTIVO para que se venha a adquirir o switch.

      • Wallacy

        Acho isso uma bela mentira. Eu pirateava jogos porque não tinha dinheiro para comprar e ninguém o fazia por mim. Isso não tornava certo mas era o eu fazia.

        Hoje se tenho dinheiro pro jogo eu compro, o mesmo pro console. Mas se eu quiser muito jogar o novo Zelda e não tivesse o console, piratear apenas evitaria a inevitável comprar do console/jogo em um futuro mesmo distante. O de graça sempre vai ser melhor, não tem porque comprar o console se não for para ser mais conveniente. Tanto que a primeira coisa que vários fazem é desbloquear os respectivos consoles.

        Essa história de que pirataria leva alguns a comprar X ou Y no futuro só vale quando nesse futuro a pessoa adquirir independência financeira e não tiver mais paciência para procurar games na internet. Por isso o Steam é bem sucedido, porque é prático. Praticidade sempre vence.

        Pense de outra forma: Quantos dos que baixaram o novo Zelda no PC se renderiam ao Hype e acabaria comprando o console para sanar a curiosidade de jogar? Só não o fizeram porque tinha uma versão de graça lá a disposição.

        • Yskar

          Eu discordo pelo seguinte, a Nintendo é idiota sobre ter seus produtos divulgados pelo youtube, como tal não sei se os jogos de WiiU ou Switch podem me agradar.

          Nos consoles atuais não compensa muito se desbloquear, pois você perde as funções online, se eu comprasse um PS3 ou 4 eu não desbloquearia pois só jogaria alguns exclusivos.

          O emulador exige um computador bem parrudo, então a não ser que você tenha um monstrinho só vai passar vontade, e ainda a emulação ainda não é 100% perfeita, MAS QUANDO FOR a experiência de se jogar num emulador vai ser superior ao do hardware original, como hoje em dia se jogar num Retroarch bem configurado é superior a experiência do hardware original em TVs modernas sem usar um frameinster da vida.

          • Wallacy

            Acho que você se surpreenderia com o tanto de game play que tem dessas plataformas no YouTube. O Zelda mesmo quase todo dia rola um live, já tem vídeo de tudo quanto é jeito, mais do que você mesmo seria capaz de ver pessoalmente no jogo.

            Perdendo online ou não na feira só vejo anúncio de desbloqueados, por isso presumi que a maioria vai por esse caminho.

            E por último, acho que esse “ficar na vontade” é justamente o que desejam, que você fique na vontade até ir lá e comprar o console/jogo quando for capaz.

            Pensa assim: Se todos os jogos daquela plataforma você tem antes, de graça e melhor no PC, porque diabos você compraria a plataforma em qualquer futuro?

            O Switch é um caso a parte por causa do fator portátil, mas de modo geral acredito que a migração emulador > hardware real é extremamente baixa. Logo, não vejo o menor motivo para as empresas apoiarem.

  • José Carvalho

    As regras para propriedade intelectual de artigos culturais precisam ser revistas para que atendam tanto ao público, que tem direito ao respeito às suas memórias e ao que constitui nossa própria personalidade, quanto ao autor e detentor dos direitos de exploração daquela IP. No mundo todo temos um problema crônico que é legisladores velhos e bem pagos por lobistas, que entendem nada ou muito pouco de tecnologia e da cultura digital (além de importarem-se quase ou abaixo de zero com as pessoas).
    Os games são produções culturais, que influenciam nossa formação, participam do desenvolvimento motor de gerações e outras participações na construção do ser humano.
    Comecei a aprender inglês por causa de DeJa Vu no nintendinho, BioShock me fez repensar meu modo de ver utopias, DayZ me fez ver que eu gosto de campismo antes de eu ter a oportunidade de curtir uma noite escura no meio do mato… Um dia tudo isso pode ser varrido para baixo do tapete como uma Santa Inquisição de Mercado a queimar as obras proibidas e eu poderia não ter a oportunidade de mostrar isso aos meus filhos e netos.
    Quando fala-se em Games, fala-se em sentimentos que muitos de nós temos por aquelas obras fantásticas, que nós respeitamos muito e queremos que continuem a fazer parte de nossas vidas, podemos e devemos aceitar a exploração comercial das mesmas, mas nunca seu banimento da história.

    • Smartfox

      Um like, por um mundo com mais pessoas que pensam como você. Ótimo comentário, não há nem o que adicionar.

      É uma pena que os mais velhos não se importam em preservar o passado, e os mais jovens tão pouco se importam com isso.

    • Bioshock é distopia não?

      • José Carvalho

        Rupture é construida como uma utopia capitalista liberal

  • Zariel Larsen

    Se a “Nintendo detesta e condena todas as formas de emulação”, então porque lançou o NES mini via emulação, e não via hardware original baseado no processador Ricoh 6502? meio contraditório, não!?

    Além disso, a mesma pretende lançar um SNES mini, que é bem possível usar o mesmo hardware do NES mini, pois já foi mostrado em hacks, rodar vários emuladores de consoles superiores ao NES, via Retroarch!

    O virtual console que a Nintendo usa em seus consoles atuais, também é um emulador.

    Se a emulação não existisse, era quase que impossível difundir a moda retrogamer somente pelo conhecimento e aquisição de consoles originais, nem tão pouco existiria maquinas Virtuais como VMware ou Virtual box, que também são emuladores, só que de PCs

    Falow!!!

    • Yskar

      A nintendo é uma putinha hipócrita, e parece que não gosta de ganhar dinheiro.
      Agora quero ver você conseguir convencer os fanboys dela disso.

  • Julio Verner

    “A Nintendo, por exemplo detesta emulação e a condena em todas as formas.” – Quando é ela vendendo mini-emulador com carcaça de velhos tijolos pode né? Depender de mim já teria falido a tempos… E mantenho meus RomSets aqui, vem, me pega bando de fdp! hahaha

  • Jefferson Viana

    A ideia das empresas é lucrar, se não lucram não tem interesse em liberar. O meu é jogar, seja comprando, seja pirata, é ilegal jogar pirata ? é sim, mas nem sempre é injusto. As politicas das empresas muitas vezes são bem injustas com jogadores, sejam com lançamentos fatiados em dlc, seja jogos vindo em teste beta, etc…, estão dentro da lei sim, mas praticam a maior canalhice com gamers

  • omesmo

    A preservação dos jogos é um direito e ñ deve ser tratado como pirataria,se ñ fosse os desenvolvedores do MAME varios jogos da era de ouro dos arcades estariam perdidos o mesmo digo dos consoles mais antigos,mas graças a Deus ainda existem comunidades e pessoas dispostas a manter a historia viva.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis