Atualização sobre o lançamento do satélite brasileiro: nada mudou e está cada vez mais feio pra França.

batman-facepalm-animated-series-grab

Sim, esse caso merece um raro Facepalm do Batman.

Era pra ser uma festa. Autoridades, técnicos, dezenas de jornalistas levados para a Guiana (nós não fomos convidados, claro). A certeza de um lançamento bem-sucedido era enorme, afinal de brasileiro no foguete para zicar o lançamento só a bandeira pintada. Pois bem, não deu certo. Em vez de subir dia 21 de março o SGDC foi adiado por 48 h, depois por tempo indeterminado. Motivo? GREVE GERAL.

Isso mesmo. A Guiana parou, companheiro. Primeiro foram os motoristas da empresa terceirizada que transporte o foguete do prédio de montagem final até a plataforma. Fecharam as estradas para o centro de lançamento em Kourou com troncos, e o movimento acabou se mostrando parte de um protesto nacional.

Basicamente o pessoal da Guiana se tocou que mora num buraco. Uma população de 250 mil pessoas e um PIB de US$ 4,9 bilhões; troco de pinga. 16% desse PIB vem do Centro Espacial, e ironicamente eles tem a maior renda per capita da América do Sul, com US$ 20 mil / ano, mas metade da RPC da França Metropolitana.

A capital, Cayenne, não é exatamente uma megametrópole NeoTokyo da vida. São 55 mil habitantes:

053_hood_135

Em resumo: esse povaréu decidiu que quer ser francês e ter o mesmo padrão de vida de quem mora em Paris. Por causa disso pararam o país, o que não seria problema se não significasse atrasar os negócios da Arianespace.

A previsão não-oficial esperançosa mas sem muita fé da Embraer era que o satélite seria lançado dia 15. Como no momento é 17, óbvio que não rolou. Pior, a fila só aumenta. Em maio teria um Ariane 5 com dois satélites e um Soyuz. Em junho outro A5 com o Immarsat 5 e mais outros dois pássaros, em julho subirá/ria um Vega com um satélite militar italiano e um ambiental israelense, em novembro estão agendados um Ariane 5 e um Vega.

O grevistas foram chamados a Paris para negociar com o presidente Hollande, mas não aceitaram. Hollande por sua vez não é candidato à reeleição, está no finzinho do mandato, e parece empurrar com a barriga a batata quente pro próximo governo.

A greve está centrada no Centro Espacial, único lugar que não teve as barreiras das estradas removidas durante a Páscoa, mas o diretor do Centro tem bem menos influência em Paris do que os grevistas imaginam.

O projeto da Arianespace para um recorde de 12 lançamentos em 2017 já foi pra vala. Agora pra piorar com os atrasos começarão a rolar as multas, e a empresa perderá milhões de euros, valor que aumentará se os clientes começarem a negociar lançamentos com outros parceiros.

A situação é surreal, o Centro de Lançamento na Guiana tem 9.000 funcionários, isso representa 40% da força de trabalho do setor privado no país, e mesmo assim nada se resolve. E mesmo que resolvam, serão precisos 10 dias depois do fim da greve até um próximo lançamento.

Costumamos dizer que o Brasil não é para amadores, mas em termos de incompetência a Guiana está mostrando que eles sim são profissionais. E não, não adianta pegar o satélite e ir bater na porta do Elon Musk. O acesso ao Centro Espacial está fechado por grevistas, esqueceu?

Bem-vindo ao Terceiro Mundo.

fbabf9eddc78a4db45cbbca1607113c9-2

Fonte: Space Intel Report.

Relacionados: , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples