Google e bibliotecas dos EUA vão incentivar as crianças a programar

Eu sei que já disse isso inúmeras vezes mas não custa nada repetir: programar é preciso. Quanto mais cedo as crianças tiverem contato com o básico da disciplina melhores serão em raciocínio lógico, encadeamento de ideias e solução de problemas, mesmo que não sigam carreiras em TI. Terão contato prático com matemática, física, geografia e inglês metendo a mão no código e se sujando mesmo, e no futuro poderão se sair melhor do que muitos que aprenderam a programar tardiamente.

Craig Federighi defende que programação e alfabetização devem andar lado a lado, e concordo. Claro que a introdução à matéria deve ser feita da maneira correta para que não fique chata e repetitiva, ou os pequenos a repelirão sem dó. Uma estratégia inteligente é empregada pela Code.org em parceria com Disney, com seus tutoriais em Stratch liberados todos os anos durante a Hora do Código. Alguns educadores hoje utilizam o game Minecraft, que por suas características funciona como uma excelente sandbox para o ensino de programação.

O Google também está empenhado em ensinar as crianças a programar, e agora lançou uma nova campanha em conjunto com a American Library Association (ALA) chamada Libraries Ready to Code. A ideia é equipar as bibliotecas públicas dos Estados Unidos e preparar os bibliotecários de modo que o ambiente e os envolvidos se tornem capazes de encorajar as crianças a se interessarem por Ciências da Computação (de um modo simples e divertido, isso é essencial), especialmente o hábito de programar.

Os instrutores não se tornarão nenhum Alan Turing ou uma Grace Hopper e nem é essa a intenção; ele deverão ser razoavelmente capacitados de modo que não fiquem boiando quando um pequeno vier com uma pergunta razoavelmente elaborada. Demonstrar desconhecimento costuma matar o interesse das crianças.


American Library Association — Libraries Ready to Code

O Google vai emparelhar o programa com outros que já possui voltados à bibliotecas, como por exemplo equipa-las com hotspots Wi-Fi. A gigante também vai trabalhar junto a escolas de Biblioteconomia e Ciências da Informação para remodelar seus cursos de mídia e tecnologia, a fim de preparar os graduandos de uma maneira mais prática e menos engessada (ainda assim, dificilmente colocarão as bases sólidas de basalto que Dennis Ritchie deixou de lado).

O final objetivo do Google e da ALA é tornar cada biblioteca dos EUA um ambiente acessível para que crianças de todas as classes sociais e gêneros (lembrando que há um esforço reconhecido das instituições em atrair principalmente as meninas para o mundo da TI) possam ter o primeiro contato com a programação, tenham uma base de apoio na forma de material e profissionais treinados e quem sabe, no futuro se tornarem grandes profissionais da área. E mesmo que não seja o caso, ainda levarão os princípios básicos como ensinamentos para a vida toda.

E todos (principalmente as crianças) sairemos ganhando.

Fonte: Google Blog.

Relacionados: , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples