Seriam o Skyrim e o Fallout 4 gratas exceções na indústria?

fallout-4

Ser um apaixonado por games hoje em dia é algo complicado. Ao mesmo tempo em que é ótimo termos uma enorme quantidade e jogos à nossa disposição, isso faz com que não tenhamos muito tempo para aproveitar tantos títulos e se somarmos isso a jogos multiplayer cujos servidores não permanecem ligados por muito tempo, a sensação é de que boa parte dos lançamentos possuem um prazo de validade.

Porém, existem algumas obras que parecem conseguir fugir desse padrão, permanecendo relevantes e principalmente, bastante adoradas mesmo muito tempo depois de terem chegado ao mercado. E talvez não seja coincidência que dois exemplos nesse sentido tenham sido feitos pela mesma empresa, a Bethesda.

Apontado por muitos como alguns dos melhores jogos dos últimos tempos, de acordo com o diretor Todd Howard tanto o The Elder Scrolls V: Skyrim quanto o Fallout 4 ainda contam com milhões de pessoas que seguem jogando-os, algo pouco comum para títulos que foram lançados em 2011 e 2015, respectivamente.

É verdade que no caso do Skyrim boa parte do interesse pelo jogo foi ressuscitado graças a versão remasterizada lançada recentemente, mas acho que de nada adiantaria se o jogo não possuísse muita qualidade e acima de tudo, uma quantidade de conteúdo absurdamente grande, fazendo com que seja praticamente impossível alguém experimentar tudo o que ele tem a oferecer.

skyrim

Isso por sinal é o que Howard considera como uma das principais característica do Skyrim, que é a possibilidade do jogador experimentá-lo da maneira como quiser e é o inverso do Fallout 4, que tem uma história menos aberta. Ele também aproveitou para falar um pouco sobre o futuro da narrativa em suas criações.

Como contaremos uma melhor história em um mundo aberto? Com cada um dos nossos jogos tivemos sucessos e falhas, e se nos perguntar internamente, temos novas ideias sobre o que queremos explorar no futuro, porque sentimos como se não tivéssemos descoberto realmente um caminho que gostaríamos.

Pois esse parece ser mesmo um grande desafio para quem trabalha com jogos de mundo aberto, algo que os envolvidos com a criação do The Legend of Zelda: Breath of the Wild afirmam ter resolvido e que nos próximos dias descobriremos se é verdade.

Mas quanto ao The Elder Scrolls V: Skyrim e o Fallout 4, acredito que o grande mérito da Bethesda é mesmo a sua habilidade em criar mundos extremamente imersivos, lugares dos quais não queremos sair após os visitarmos pela primeira vez. Além disso, numa época em que as desenvolvedoras tentam empurrar goela à baixo modos multiplayers totalmente desnecessários, fico feliz por ver que ainda existe vida (e pós-vida) no bom e velho single-player.

Fonte: Gamespot.

Relacionados: , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • Mesmo SkyrimZzzzzzzzzzzz sendo um jogo quase casual, com uma mecânica inferior a tudo que a própria Bethesda já fez, ele ainda está anos-luz na frente de qualquer coisa multiplayer. Fallout, então, nem se fala. Torço muito para que ela acerte a mão nos próximos.

    Eu colocaria no saco “singleplayer rules!” The Witcher 3 também, mas daí já seria chover no molhado… 😜

    • ” sendo um jogo quase casual”
      Quando meu filho me perguntar o que significa exagero, lembrarei dessa frase. Obrigado!

      • Obrigado.
        Isto se sente feliz em ser útil.

        • Douglas

          Pra te ajudar a ter mais jogos casuais, indico FACTORIO, compra lá que quase não toma tempo

          • Oi?

          • Douglas

            Estou te indicando um jogo chamado Factorio

          • Não curto casuais. Mas valeu mesmo assim. 👍

          • Douglas

            Factorio nao é casual, compre ele e acorde 10 dias depois sem tomar banho

          • Dei uma olhada e realmente não é meu tipo de jogo.

        • Mr.House

          Eu lembro que no Oblivion você tinha que fazer quests pelo mapa inteiro pra conseguir recomendações dos NPC’s professores só entrar na universidade arcana, no skyrim é só ir na porta e você está admitido kk.

          O Oblivion pode ser menos denso que o Skyrim, mas o ritmo lento do jogo no combate e nas quests o faz tão grande quanto.

    • Tejobr

      Skyrim? Achei que candy crush fosse casual.

      • David

        Comparado aos outros TES, Skyrim é muito casual.

        • Diego Marco Trindade

          Mas uma pequenina fração dos jogadores conhece Morrowind e anteriores. Oblivion é até um pouco mais conhecido, mas o resto…

          • Kirk

            E pensar que joguei Daggerfall… 🙂

          • Douglas

            Joguei muito daggerfall, bons tempos

      • Tá quase lá…

    • OverlordBR

      Skyrim casual?

      • Perceba um “quase” ali. Ele é importante.

      • É um jogo bem fácil. Tanto é que eu jogava com vários mods que aumentava a complexidade dos combates e adicionava elementos de survival, como fome e cansaço. A jogo, que já era viciante, ficou muito melhor. Joguei por 2 anos.

    • Helmut

      Eu não diria casual, mas dentro desse contexto de RPG de mundo aberto ele é muito simples, mesmo.

      A mecânica do sistema evolução de habilidades é tão natural que alguém que nunca jogou um rpg entende sem muito esforço.
      Minha mãe ficou um tempo de cama por causa de uma cirurgia e eu deixei um xbox 360 instalado na tv dela pra ver se ajudava a passar o tempo. Dias depois eu tive que fazer uma viagem para fora do país e não deu tempo de explicar como o video game funcionava… quando voltei, depois de 15 dias, ela tinha uma Nord Tank com 60% da main quest completada.

      • Mr.House

        Morrowind e Oblivion são voltados mais pra o público de RPG, Skyrim por outro lado é mais simples, mas também tem seus méritos por trazer um público de fora pra esse nicho.

        Eu gostaria que eles voltassem com a complexidade de elementos de RPG na série, mas como a série ganhou uma relevância absurda pelo Skyrim, vai ser difícil acontecer..

  • Diego Marco Trindade

    Acho que uma coisa que ajudaria a manter os jogadores focados na história, mesmo em jogos abertos, seria se houvesse um “cronograma” dentro do jogo quando ocorreriam eventos principais. Em Skyrim por exemplo, poderia ser quando o império atacaria Windhelm, ou quando o Alduin faria o ataque final. Assim, o jogador até poderia ter tempo de explorar e tentar fazer mais coisas, mas sempre com o tempo contra ele, forçando-o a se manter na história principal.

    • Eu gosto da “semi liberdade” que o Dragon Age Inquisition proporciona. O jogo permite você explorar os mapas, missões e etc como e quando desejar, mas quando necessário for, lá estará a campanha principal para fazer você progredir.

      • Luiz Augusto Volpi Nascimento

        Também gosto muito da forma com que o dragon age inquisition te coloca dentro da história e te da liberdade para explorar o mapa semi-aberto.

      • Diego Marco Trindade

        Eu comecei a jogar mas não terminei, por conta do meu PC lento… O Dragon age 1 tem uma liberdade parecida pelo que joguei no Inquisiton.

        O que quero dizer é tipo, digamos que o exército lá do Fade (nem lembro como se chama o exercito que atravessa os rifts no jogo) está crescendo conforme mais tempo você gasta fazendo side quests, e ele vai chegar em 100 turnos/dias/tempo na capital, e você tem no máximo esse tempo para interceptar ou quando você tentar, a capital já era, o mundo está lascado mesmo, porque você se atrasou.

        Não sei como é o final, ou após eles conseguirem aquele quartel general Sky não sei o que, mas entendeu a minha intenção?

        • Sim, entendi perfeitamente. Realmente, isso é algo que sinto falta em vários jogos onde o ambiente é aberto ou semi aberto. O mundo está em ruínas, coisas terríveis acontecendo, cidades serão destruídas, você precisa encontrar alguém em determinado local antes que ele fuja, mas você ainda está lá em uma side quest aleatória que algum cachorro deu para você e sua demora não terá efeito nenhum no jogo.

          • Diego Marco Trindade

            Exato, o Alduin Devorador de Mundos está vindo e você está lá arrumando sua casa e cortando madeira para aumentá-la… E isso que Skyrim ainda tem clima e tempo dinâmicos.

          • PugOfWar

            sim, maldito barbas, cachorro chato no caramba, veio conversar comigo bem no meio de uma luta com um dragão

        • Thiago

          – TAL INIMIGO VAI DESTRUIR TUDO, MATAR TODOS E DOMINAR O MUNDO!
          – MEU DEUS! QUANDO????
          – Ah, quando você quiser ir lá enfrentar ele… Fica tranquilo! 🙂
          ———————————————————————————————————-
          Sem contar a mochila com espaço semi infinito… Mesmo alguns jogos contendo limitação, ainda ficam valores bizarros… Vejo isso no Final Fantasy XV que mesmo o porta malas do carro não comportaria o tanto de itens que meu personagem carrega (claro que a mecânica do jogo teria que se adequar a essa limitação, caso houvesse)

          • Diego Marco Trindade

            Lembrei do Ganondorf do Zelda…

            ———————————————————————————————

            Mochilas de singularidade. Só não sei como decaem para um buraco negro…

    • Macedo

      não entendo porque não implementam isso, calendário…. inclusive com envelhecimento do personagem (do nível fastfoward mesmo, tipo 1h = 1 dia ou 1 semana ou algo assim)

      • Me lembro do Fable 1, onde a cada dia dentro da prisão se passava um ano e seu personagem ficava cada vez mais velho. Eu adorava esse jogo.

    • Concordo com essa ideia. Tipo, tem uma parada sinistra ocorrendo lá, mas eu tô ali upando level, fazendo side-quest… o fim do mundo q me espere. Tem alguns jogos onde isso de os eventos ocorrerem independente do que o jogador faça, mas não parece ter sido muito explorado até hoje. Eu lembro de cabeça do The Last Express e, com o perdão da referência jurássica, o Prince of Persia original, ambos do Jordan Mechner. No The Last Express os eventos vão andando mesmo que o jogador fique rateando pelo trem. Simploriamente, no PoP, se demorar mais de 60/120 minutos (dependendo da versão) a princesa não está mais lá. Nesse caso, acaba parecendo mais um desafio de tempo, mas no caso do The Last Express, tem alterações na história.

    • Eu odiaria isso. Se tiver, tem que ser uma opção que pode ser desligada. Nem todo mundo que joga esses games gosta de jogabilidade guiada pela história.

      Uma coisa que me incomodava no Batman Arkham City era o aviso de contagem regressiva de 10 horas até o Hugo Strange executar seu plano. As horas só corriam quando certas quests eram cumpridas, para que sempre terminassem quando o jogador tivesse chegado na hora certa. Ou seja, poderiam passar várias horas com Strange anunciando que “faltam 7 horas”, por exemplo. Isso mais quebra a imersão do que ajuda.

      • Diego Marco Trindade

        Isso é o problema que todos os grandes jogos tem. Mass effect por exemplo, os reapers tão destruindo a terra, mas vc tem tempo de vascular a galáxia inteira antes de voltar para o confronto final. O certo seria tipo, vc tem 15hs de jogo para retornar à terá antes dela ser destruída, ou algo que o valha, podendo ser inclusive antes, dependendo da sua força, com side quests afetando para melhorar ou por este tempo.

        • Que é o que rola no Fallout 1. Você tem 150 dias pra achar a porra do water chip, senão dá quest failed e game over. Uma vez resolvida a questão do water chip, aí vc pode fazer o que der na telha pra terminar o jogo.

    • Dan_Marx

      Dead Rising 2 e 3 tem uma mecânica assim (o primeiro eu não lembro se também tinha), inclusive era uma corrida dupla contra o tempo, uma para campanha principal e outra para as side quests, apesar que no 3 a missão final permite um glitch de relógio parado bem útil pra caçar os projetos/mortes trágicas.

  • doorspaulo

    Como já disseram, eu também colocaria The Witcher 3 e GTA V nesse bolo.

    Jogos lançados já tem um tempo e que ainda são muito jogados.

    • Paulo de Tarcio Santos Freiri

      Ia comentar de GTA V também, de 2013 e até hoje está ai, e não baixa o preço nem a pau, nunca tinha jogado e comprei recentemente para o One.

      • Joaquim Oliveira Junior

        Até anteontem estava R$50 na Steam.

        • Daniel Mietto

          Pc Master Race. Nos consoles não abaixa dos 100 reais….

          • Paulo de Tarcio Santos Freiri

            É por ai mesmo, na promoção da semana na Xbox live que renova amanhã, está por 99,50, eu resolvi pegar a mídia física pois os caras são uma das únicas empresas que ainda capricham nos encartes, vem com o mapa.

          • Carlos Ferreira

            Comprei por 50 tem era na steam.

        • Paulo de Tarcio Santos Freiri

          Sim eu vi a promoção, mas eu digo no preço cheio, para os PCs ele lançou à 99,00, e ainda continua esse preço.

      • Daniel Mietto

        ‘Culpa’ do multiplayer que está sempre sendo renovado e adicionado coisas novas até hj. Fora os mods para PC

        • Paulo de Tarcio Santos Freiri

          Verdade, isso é ótimo.

      • doorspaulo

        Eu tinha jogado no Xbox 360 no lançamento, e comprei agora no começo do ano para PC.
        Um que ainda permeia na cultura da galera (e bastante gente ainda joga) é o GTA:SA, mesmo com treze anos nas costas!

        • Paulo de Tarcio Santos Freiri

          Esse até hoje consideram o melhor, eterno CJ kkkkkkkk

          • doorspaulo

            Confesso que não gostei do SA xD
            Para mim, foi o pior GTA disparado, por não gostar dessa cultura “gangsta”.

            O que mais gostei, depois do V, foi o Vice City.

          • Paulo de Tarcio Santos Freiri

            Cara, tenho ele lá na Steam, mas está abandonado, faz uns anos que não jogo, peguei essa síndrome que fala na matéria do novo jogo do Zelda, eu queria mais explorar o jogo do que fazer as missões.

          • ricms

            exato. A ambientação nos anos 80 ficou perfeita. Jogando hj ele mostra o peso da idade, mas de longe foi o GTA que mais gostei.

        • Ariadna Grande

          GTA San Andreas é bom até hoje.

      • Gustave Dupré

        Peguei esses dias para PS4 e não precisei jogar muito para entender porque o preço não baixa e porque tantas pessoas ainda jogam. O jogo é realmente do caralho.
        Pelo menos pra mim, só perde para Skyrim.

        • Paulo de Tarcio Santos Freiri

          Verdade, o jogo é muito bom mesmo, e mesmo tendo visto muitos vídeos dele e até saber o final, está valendo muito pela experiência de jogar.

      • GTA V não sai da lista de jogos mais vendidos, para PC acha por 49 reais, agora para console ainda está caro

      • Tom

        não baixa o preço fixo, mas volta e meia pega um 50% em promoção

  • Thiago

    Para mim, o Fallout 4, após eu ter terminado sua missão principal, não conseguiu me manter jogando, mesmo tendo o season pass, só joguei o DLC Automatron até o fim… Far Harbor, Nuka World… Até tentei o Far Harbor, mas não senti vontade de ir até o fim… Meu personagem, por estar muito “overpowered”, não tem mais desafio, apenas telas a serem passadas de forma a concluir a missão.
    Skyrim conseguiu me prender um pouco mais que o Fallout, mas nada muito diferente… As batalhas se tornam repetitivas, e seu personagem muito forte.

    O jogo quer te prender por bastante tempo? Precisa de desafio constante e uma história com a qual você se identifique e queira saber até onde ela irá (com alguns plot twists para te pegar de surpresa, mas não muito, para não perder o sentido)

    • CtbaBr©

      Esse sempre foi “um dos problemas”, era assim no Fallout 3, no Fallout New Vegas e continuou no Fallout 4!
      Se você zerar a historia principal, perde a graça, ainda falta uma “dinâmica secundaria” mais envolvente!
      Mas apesar disso e dos tantos bugs, são excelentes jogos!

    • советский медведь

      Witcher 3 Lida bem com isso. Tem uma opção que iguala os níveis de inimigos mais fracos que você conforme você avança no jogo, pra evitar que você faça as side quests fique muito OP e não tenha dificuldade nenhuma na main quest ou o contrário. Achei ótimo e ficou bem mais divertido depois que descobri.

    • Rodrigo

      O que tirou um pouco o tesão de Skyrim foi a repetitividade das sides quests: matar o bandido líder, matar um animal, recuperar não sei o que.

      • Thiago

        No Fallout é a mesma coisa: mate tal monstro, recupere tal item tecnológico, limpe tal lugar de todos os monstros. Subquests eternas com enredos semelhantes.

  • Tejobr

    Mesmo com os zilhões de bugs do Skyrim, sou um fã. Pena que perdi meu save 2x e enjoei de recomeçar.

    Uma dica para os fãs que não gostavam do ESO (como eu), ele está totalmente diferente. Agora se parece com um Skyrim online.

    • Diego Marco Trindade

      Opa, comprei no lançamento, joguei um tanto, e parei. Talvez seja hora de voltar ao ESO então. Me add no steam: DiegoDMT

      • Tejobr

        Não aparece na busca. Add tejobr.

    • Rodrigo

      Cheguei em uma missão (da Guilda dos magos), que o fulano não aparece no lugar quando dou fast travel… preciso ir acompanhando para ver se ele não tá se perdendo no caminho

  • OverlordBR

    I used to be an adventure like you, but then I took an arrow in the knee.

  • Cocainum

    Uma característica em comum entre eles (e também com outros campeões de audiência, como The Witcher 3 e GTA V) é o fato de serem mundos abertos com um monte de exploração e missões paralelas. Não é uma receita garantida (nenhuma receita é), mas certamente serve como dica para alguma produtora que deseje lançar um jogo que dure bastante tempo.

    • Perfeito

    • E sem terem sidequests repetitivas e trilhões de “pontos de interesse” no mapa como um Ubisoft The Game desses da vida (sim Watchdogs, estou olhando pra você).

  • Samuel

    Vale citar que a remasterização nem trouxe tanta diferença assim. Em alguns momentos, achei a versão anterior ligeiramente melhor ainda

    • doorspaulo

      Bem isso. Jogava o “antigo” com vários mods e, no novo, ainda não existem tantos mods gráficos, tornando ele bem mais feio que o anterior.

  • CtbaBr©

    A grande sacada da Bethesda foi facilitar as personalizações!
    Desde do Fallout 3 e do Oblivion, quase tudo é possível mudar no jogo,
    Ou seja, alem desses jogos terem muito conteúdo, permitindo centenas de horas de game,
    É possível amplia-lo ainda mais, personalizar tudo e até aprender um pouco sobre como tudo é feito!

    • Diego Marco Trindade

      Eu acho que foi exatamente isso que permitiu que o jogo vivesse mais que os concorrentes.

  • Ed. Blake

    “numa época em que as desenvolvedoras tentam empurrar goela à baixo modos multiplayers totalmente desnecessários” – resumindo: Resident Evil Umprella Corps.

  • Eric da Silva

    eu gosto mais de jogar solo. nunca fui fã de guildas nem de party… :/
    a melhor coisa no Skyrim é explorar o mapa e dar de cara com um dragão ou um ogro e ter que se virar, dae achar um baú com um tomo de feitiço que nem tem pra vender 😀
    Stormcloaks rules!

  • Bruno Costa

    Pelos comentários dá pra ver que Skyrim, Fallout 4, The Witcher 3 e GTA V são os jogos que mais valem a pena comprar (se você gostar do estilo, claro!). É garantia de horas e horas de gameplay. Esses dias abri o GoG e vi que estava com 74h no The Witcher 3 e tinha acabado de terminar a campanha principal (com 100% das sides, dos contratos e dos pontos de interesse). GTA V eu zerei 3x, mais de 100h de gameplay na Steam. Acho que se fosse fazer um top 5 de melhores jogos da era moderna (ps3 pra frente), esses 4 ocupariam facilmente as primeiras posições.

  • Marcos Calicchio Vianna

    Deixo aqui para somar meu “nenhum comentário de Witcher 3 e Deus Ex?”

    O storytelling de Fallout 4 e Skyrim são fracos… mas tão fracos!

    O primeiro capítulo do Witcher3 e Witcher4 tem mais conteúdo do que qualquer um dos dois jogos referenciados pelo Dori.

    Bah… seja como for… FO4 e Skyrim? Pelamor!

    • cavalo_de_troia.exe

      Confundiu “conteúdo” com história, são dois RPG’s de diferentes, The Witcher 3 não dá nem metade de liberdade que Skyrim e FO4.

      Se for pensar nessa sua linha Skyrim e FO4 é mais “jogo” porque não tem horas de custscene rodando em um videogame..

      Tem uma diferença entre RPG sandbox com foco em mundo aberto e action-RPG com foco em enredo, quando você descobrir isso, aí sim vai poder comparações lógicas.

  • Alex Anastacio Souza

    Eu jogo Skyrim no Xbox 360 até hoje desde que comprei é meu jogo favorito!!

  • Daniel Difforene Marques

    “CASO DO SKYRIM BOA PARTE DO INTERESSE REMASTER”, disse alguém que com certeza não conhece a magia que andar pela mapa de skyrim por horas e horas, meu amigo ninguém se perde por horas e horas em skyrim porque o gráfico ta melhor, É O CONTEÚDO QUE TE PRENDE!

  • Marcos Andrade

    Voltei ao mundo dos consoles (e games, em geral) há pouco tempo e, com meu Xbox One, comprei Fallout 4. Eu joguei o primeiro Fallout há muito tempo e queria experimentar algo novo. O jogo é fantástico e trás tantas possibilidades que nem tenho tanto tempo assim para explorar. O mesmo com The Witcher 3, mas esse está no PC e acabou um pouco aposentado, depois do console.

  • Eu zerei o Fallout 3, com todos os DLCs (comprei a GOTY edition com todos eles em disco), em cerca de 128 horas, se não me engano. E com certeza deixei muita sidequest pra trás e locais sem explorar, mesmo com aquela perk “Explorer”, que libera no PipBoy todos os locais do mapa, bastando ir lá e descobrir. Ainda assim, jogo fantástico. Lembro de estar vagando pela Capital Wasteland, com uma trilha sonora bem simples e desoladora de fundo, via uma construção lá na PQP depois da curva e pensava “vou lá ver o que é, só mais essa”. Só mais essa, só mais essa, só mais essa, quando via já tinha 12h de jogo no dia.

    • Mr.House

      O melhor do fallout 3 são realmente as quests bizarras que você encontra pelo mapa, a cidade das crianças, a árvore falante, a república do dave..

      • Interessante é que a árvore falante na verdade é um Ghoul chamado Harold, que aparece se não me engano no Fallout 1, e que então tinha só uma plantinha brotando da cabeça. Aí a planta com o tempo subjugou ele e pronto. Por isso ele pede pelo amor de Deus que o mate, ele não aguenta mais ficar no mesmo lugar por décadas.

        • Mr.House

          Eu não matei ele não, intensifiquei o crescimento dele kkk

  • Just a Gamer

    Os jogos da From Software ainda são muito jogados. Os 3 Dark Souls e Bloodborne ainda têm muita gente jogando. Tudo bem que DS3 não é velho, ainda tem DLC pra sair mês que vem. Mas DS1, DS2 e BB ainda são bem movimentados.

    Outro exemplo é Diablo 3, um jogo antigo e que tem bastante gente jogando e o detalhe é que ele ainda recebe atualizações por parte da Blizzard.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis