Ciência está a um passo de nos livrar de cicatrizes

20170108two_face_6711

Cicatrizes nem sempre são ruins, servem para lembrar do passado, como naquela cena clássica em Tubarão. Homens gostam de contar histórias, enaltecendo seus feitos. Eu mesmo sempre que posso mostro a cicatriz que tenho na perna e conto como a ganhei caindo em um bueiro enquanto brincava de pique lutando contra um tubarão para salvar uma menina que se afogava levando uma ninhada de cachorrinhos.

Só que nem sempre é assim, há cicatrizes horrendas, e nem falo das atrizes pornô que terminam com logotipos da Tesla debaixo dos peitos, são cirurgias de emergência, acidentes. Até hoje a medicina era limitada para lidar com isso, o corpo é excelente consertando danos mas o excesso de eficiência é o problema: a cicatriz é uma forma de resolver RÁPIDO, na selva é uma vantagem, na cidade é um incômodo.

Agora uma pesquisa feita pelo Plikus Laboratory for Developmental and Regenerative Biology e pela Escola Perelman de Medicina da Universidade da Pennsylvania promete mudar isso. Publicada no paper de título Regeneration of fat cells from myofibroblasts during wound healing, a descoberta é simples e revolucionária.

Basicamente quando um tecido lesionado começa a cicatrizar é estimulado o crescimento de miofibroblastos, células estruturais que forçam a região da lesão. Por isso tecido cicatrizado é mais duro e resistente. Só que essas células inibem o aparecimento de outros componentes do tecido saudável.

20170108earlydermalregeneratorfromtew_zpsdbd35429

Regenerar feridas, sem cicatrizes? Isso é coisa de Star Trek!

O que os cientistas fizeram foi estimular o crescimento de folículos capilares em tecido em início de cicatrização, algo que não ocorre naturalmente. Aí ocorreu a surpresa: os folículos capilares por sua vez enviaram sinais químicos para o tecido em volta, estimulando o crescimento de células de gordura e outros componentes do tecido normal.

Uma proteína chamada Bone Morphogenetic Protein (BMP) foi identificada como a causadora da transformação de miofibroblastos em adipócitos. O efeito foi constatado em experimentos com ratos e com células humanas in vitro.

Promover crescimento de adipócitos também é útil em pele não-lesionada, pois com a idade tendemos a ter menos dessas células, o que provoca perda de sensibilidade e rugas. Ou seja: há um enorme potencial cosmético nessa tecnologia, o que significa que já temos quem pague pela pesquisa que beneficiará o pessoal com cicatrizes profundas.

Fonte: Penn Medicine News via Popular Mechanics.

Relacionados: , , , , , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz e Calcinhas no Espaço.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis