Tu-4 vs B-29: o Kibe do Século

242-a-1280

Esse avião aí de cima é o Boeing B-29 Superfortress. Ele é, ou era, pura ficção científica. Entre seus vários feitos ele lançou as duas bombas atômicas no Japão, mas o impressionante mesmo é que seu projeto custou mais caro que o Projeto Manhattan, que criou as bombas.

A Boeing vinha trabalhando em um bombardeiro pesado desde os anos 30, mas o pedido oficial do Exército dos EUA só veio no final de 1939, quando o bicho já estava pegando na Europa e os EUA não iriam se manter neutros por muito mais tempo.

As especificações eram ousadas. O avião deveria carregar nove toneladas de bombas por 4.300 km voando a 640 km/h. Só isso já afastou a concorrência, mas foi apenas o começo. O que se tornaria o B-29 coisa de ficção científica era o que tinha dentro dele.

Foi o primeiro avião militar com cabine pressurizada e aquecida. Um túnel ligava os compartimentos da proa e da traseira, passando por cima do compartimento de bombas. O sistema de alvos, computadorizado.

vlcsnap-00005

As torres de tiro eram controladas por cinco computadores analógicos que corrigiam ângulo, velocidade, queda da munição, temperatura, distância de alvo e outras variáveis. Um controlador podia designar torres para os artilheiros, sem nem perceber você poderia atirar com 4 torres ao mesmo tempo.

Os motores eram sincronizados via sistemas eletrônicos, outra inovação para a época. Era um avião uns 20 anos adiante de seu tempo, a ponto de ainda na fase de projeto o exército ter encomendado 500 unidades.

Outra inovação foi a produção dispersada pelo país. Havia 3 fábricas principais do B-29 e mais centenas de fornecedores de peças e sub-componentes, e tudo tinha que se encaixar, mais de 105 mil peças. O projeto era tão estratégico que trabalhadores eram revistados entrando e saindo das fábricas, mas mesmo assim os planos vazaram, deixando os soviéticos bem interessados.

Os russos tentaram de tudo para botar as mãos no B-29, chegaram até a dar uma de joão-sem-braço e solicitaram um avião na cara dura, nos muitos embarques do programa Lend-Lease, onde os EUA forneciam equipamentos e suprimentos para os aliados. Não colou.

Stalin estava certo, o B29 era uma danada de uma plataforma, o bicho aguentava pancada.

Até que um presente divino quase fez Stalin abandonar o ateísmo: em 1944, três B-29s fizeram pousos de emergência em território russo, depois de atacar posições japonesas. EUA e URSS eram aliados na Europa mas no Pacífico os soviéticos permaneciam neutros, então teeeeeeecnicamente não poderiam ajudar os americanos.

Seguindo tratados internacionais, os aviões foram apreendidos e os tripulantes “internados”, uma espécie de prisioneiro soft. Negociações diplomáticas até tranquilas conseguiram que os prisioneiros “escapassem” em um comboio militar russo, que os levou até o Irã, mas os aviões ficaram.

Consertados e abastecidos, foram levados até o QG da Tupolev, onde Andrei Tupolev em pessoa comandou a inspeção. Stalin foi direto: copiem. Façam engenharia reversa, construam um avião russo idêntico. Em dois anos.

Aqui nosso amigo Lito apresenta ao vivo o B29 da abertura:


Aviões e Músicas — O BOMBARDEIRO MAIS AVANÇADO DA ÉPOCA EP #91

Foi um trabalho de pura loucura, os russos tiveram que deduzir métodos de fundição e até lidar com problemas como as unidades de medida: os russos usavam sistema métrico. A neurose de fazer uma cópia fiel chegou ao ponto de copiarem um remendo na fuselagem do avião que estavam usando como base. A cópia acabou idêntica até o último rebite. Os pedais do leme tinham a estampa BOEING, pois assim eram no original.

O resultado?

tu-4

O Tupolev Tu-4 é uma cópia esculpida em carrara do B-29, apresentada ao mundo em Moscou quando Stalin organizou uma demonstração para líderes estrangeiros, os três B-29 capturados apareceram em formação e foram — para surpresa geral — acompanhados por um Tu-4.

800 unidades foram construídas, mas ele nunca foi usado em combate: o protótipo voou em 1947 e ele entrou em operação em 1949. Em 1953 os russos venderam vários para a China, que o usou até 1988.

Espionagem industrial e cópias descaradas acontecem o tempo todo no campo militar, os tanques-pontes do ocidente são todos descaradamente copiados do modelo russo, que é excelente. O Tu160 é basicamente um kibe do B1B americano:

tu-160-vs-b1-b-7

Copiar o inimigo o tempo todo não é uma boa estratégia a longo prazo, você está sempre um passo atrás tecnologicamente, mas em alguns momentos é válido, o maior ganho do projeto do kibe do B-29 não foi a produção do Tu-4 mas o avanço geral na indústria aeroespacial soviética, que precisou se modernizar para encarar o desafio.

Relacionados: , , , , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples