Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Documentário sobre MMOs e seus jogadores

Por em 30 de junho de 2009
emCultura Gamer MMO
Mais textos de:

Site | Twitter
  • http://rrmanzke.blogspot.com Tuco

    Podemos saber quais são essas suas dúvidas e preconceitos?

    :?

    • http://www.vidadegamer.com.br Dori Prata

      É óbvio que não vai se dito no filme, mas sempre achei que os MMORPGs são jogos sem muito sentido, onde o jogador joga por horas, dias, meses e não chega a lugar algum, apenas para massagear seu ego ao conseguir um personagem mais forte, com mais itens e mais experi~encia.
      Acho que não deveria pensar assim e talvez depois de assistir o documentário eu até me empolgue em jogar algo do gênero ao perceber que as pessoas realmente enxergam um propósito nos MMOs. Enquanto isso, o meu Finfal Fantasy XI do Xbox 360 continua na caixinha e esperando que eu ao menos gaste o mês gratuito.

      ____________________
      Vida de Gamer | A vida como ela é (ou deveria ser)!

      • http://www.carnavalpaulista.com viphug

        Uns querem duelar com a máquina, outros preferem duelar com outras pessoas.

        Eu jogo World of Warcraft. É uma experiência única para uma pessoa que acompanhou o enredo dos Warcraft’s desde a primeira versão até a atual expansão da franquia. Toda cronologia dos fatos se encaixam perfeitamente.
        ________________________________________________
        target="_blank">CarnavalPaulista.com
        365 dias de folia por ano na internet

      • Sebastiao coelho

        mas muitos jogadores são assim. não tiro sua razão nisso. só que a maioria não é. esse documentário deve mostrar isso.

        eu jogo há 4 anos ragnarok. não sou assim um viciado que passa horas direto, sem comer ou dormir. não deixei de sair, trabalhar, estudar nem brincar com meus filhos. mas todo dia dou minha jogadinha básica. aí alguns me perguntam: “ragnarok??? é velho, defasado e o atendimento é péssimo. porque você joga isso?”

        Pela história no jogo.

        Quem faz a história em MMORPGs é justamente a comunidade. É o melhor, e ao mesmo tempo o pior, de qualquer MMORPG. Quando a comunidade é viva, grande e tem todo tipo de gente, não há nada melhor nele. E tudo, sem roteiro nenhum, pode acontecer. E então o que pode ser ruim então? O pior mesmo não é nem quando a comunidade é pequena. O ruim é o que se perdeu.

        Acho que todos lembram daquele fato que aconteceu num update do WoW. Onde um virus trazido por jogadores avançados começou a matar noobs e até NPCs. quem viveu e jogou aquilo deve lembrar até hoje. em um jogo off-line, dá pra resetar e rever aquela cena espetacular. já num MMORPG, não. e quem não passou não vai ver de novo. Nunca mais.

      • http://www.arapaduradura.blogspot.com Igorqueiroz

        Penso exatamente como você Dori, e pela experiência que eu já tive jogando esses MMORPG’s da vida, é bem isso o que acontece sim. Como eu já comentei inúmeras vezes aqui no Meiobit Games, não gosto dessa tendência atual de tudo ser MMO, FFXII foi feito à esses moldes(ódio). Eu prefiro mil vezes aproveitar uma obra com começo, meio e fim bem definidos. E não por ser single player e com uma história bem definida que o jogo precisa ser linear, estão aí os Fallouts que provam isso com maestria.
        ________
        Blog de Humor?
        A Rapadura Dura

  • http://nada-aqui.blogspot.com Marcio Neves

    Cara, há MESES que tem passado no Animax comerciais falando sobre a produção desse documentário. Não achei interessante, não, pelo que mostram nele :P

  • http://www.wallck.com.br/ wallck

    Esse documentário eu tenho que ver }:)

    http://wallck.spaces.live.com/
    wallace.go@gmail.com

  • http://semnorte.blogspot.com arnoanderson

    Queria ver, mas preciso evoluir meu char… :P

    Na verdade Dori, se você realmente só olhar pro objetivo o MMO se resume em bater, evoluir e conseguir itens melhores. Mas o que torna o estilo de jogo tão interessante são os meios que você busca pra conseguir tais objetivos. Como há outras pessoas “convivendo” com você nesse mundo virtual não há um roteiro a seguir.
    Vou te falar algumas coisas do MMO que eu jogo.
    Não tenho saco de ficar matando monstros em que a chance de cair o item que eu quero é de 1/10563, então o que eu faço? Comércio! Negocio um item bom por um preço baixo, compro e espero um interessado por esse mesmo item, onde cobro um pouco mais, logicamente. Já consegui quadruplicar meu “dinheiro virtual” só fazendo esse tipo de negócio. Então termino por comprar o que me interessa. E aí que entra o fato interessante: a negociação com outro ser humano. Nunca é igual, e pra se dar bem tem que ter certa habilidade pra poder fazer um bom negócio, inclusive já até desenvolvi uns truques pra isso :)
    Outro exemplo: Existe um evento no jogo onde você tem que invadir o castelo de um clan, aconteceu que essa clan possui alianças, tal como você. Dá pra dizer que há tranquilamente de 60 a 90 jogadores de cada lado. E um ou dois líderes pra definir estratégia de comunicação com outros players, ataque e defesa. E não existe AI artificial aqui. O pessoal faz tocaias, alianças pode trair seus aliados, “espiões” podem estar infiltrados no meio do seu clan, etc. No fim nem é tão divertido ter o castelo, mas no trabalho que dá pra conseguí-lo é que mora a diversão.

    O que difere um Musashi de um Matahachi é só a força de vontade.

    • http://www.vidadegamer.com.br Dori Prata

      Entendo, mas preciso deixar alo claro, o que disse ali em cima não é uma crítica ao estilo do jogo, muito menos à pessoas que o jogam. É apenas uma impressão que sempre tive dos MMOs e que sei estar errada, talvez a definição correta seja mesmo preconceito e que admito não deveria tê-lo.
      No fundo, acho que não deveria ter largado o trial do WoW e deveria ter me “viciado” no jogo. Acho que hoje eu teria uma visão mais amplo do cenário.

      ____________________
      Vida de Gamer | A vida como ela é (ou deveria ser)!

      • http://semnorte.blogspot.com arnoanderson

        Eu pelo menos não entendi seu post como uma crítica, e as situações que vi no trailer do documentário acontecem sim. Tem que ter uma boa dose de bom senso pra não deixar o jogo priorizar outras coisas. Já tive amigos que largaram aula e perderam emprego por causa de jogos – nesse caso nem foi MMO, mas a idéia é parecida.

        O que difere um Musashi de um Matahachi é só a força de vontade.

        • http://www.vidadegamer.com.br Dori Prata

          Sei que não, mas acho válido ratificar, pois alguém pode entender minhas palavras de forma errado.

          ____________________
          Vida de Gamer | A vida como ela é (ou deveria ser)!

  • andrezaosta

    Lavem chumbo para cima dos games… Mas pelo menos os caras estudaram e fez pesquisa durante 3 anos para falar alguma coisa, não é igual a estes espertalhões que só sabe desse o pau nos games sem saber de nada e sem mínimo de conhecimento.
    ________________________________________________
    Os Deuses da Bola nem sempre a justos com todos.
    TRICOLOR 3HEXA!!! CYBORGES, O EXTERMINADOR!!!