Linux 25 anos: Torvalds venceu, mas ele ainda quer dominar os desktops

linus-torvalds-linux

O pinguim está soprando as velinhas: hoje o Linux está completando 25 anos, e o que começou como um projeto descompromissado hoje é uma força corporativa muito maior do que Linus Torvalds sequer poderia imaginar na época. Ainda assim, o pai da criança continua sonhando com o Ano do Linux no Desktop.

Mas ele deveria, considerando o quão longe o “hobby” chegou?

No dia 25 de agosto de 1991, um jovem Linus Torvalds postou aquele famoso comentário anunciando o início do desenvolvimento de um novo sistema operacional, algo que não chegaria a ser profissional como o UNIX e por isso não seguiria a princípio as determinações GNU. Era uma nova empreitada seguindo as normas do POSIX, mas embora utilizasse a estrutura de arquivos do MINIX, sistema didático desenvolvido pela sumidade Andrew S. Tanenbaum, ele não abarcaria uma grama sequer de seu código.

Tempos depois Torvalds se referiria ao Linux como um MINIX melhor que o MINIX, visto que o cientista da computação que é referência para 11 entre cada 10 profissionais de TI (seus livros técnicos estão entre os mais didáticos e simples que existem, o próprio Torvalds admitiu que obrigatório Sistemas Operacionais: Projeto e Implementação mudou sua visão de mundo e o impulsionou a desenvolver um kernel próprio — edições antigas do livro traziam o código-fonte do MINIX na íntegra) era bem avesso ao uso profissional de seu sistema criado inicialmente para fins didáticos.

Isso sem falar que Torvalds e Tanenbaum bateram cabeça quando em 1992 este defendeu a estrutura dos microkernels contra os monolíticos tais como o Linux, chamando o pinguim de obsoleto. Até hoje a discussão, basicamente uma flame war rende.

Mas todos sabemos que sem Dennis Ritchie não teríamos nada disso.

linux-tan

No início o Linux não era mais do que uma curiosidade, mas evoluiu a passos largos. Sua robustez o tornou uma solução mais prática e barata para ambientes corporativos de grande porte; o Open Source, visto outrora pela Microsoft de Steve Ballmer como comunismo (o que é calúnia: esse é o pessoal radical do Software Livre, os que vêem o nojento do Richard Stallman como um messias) hoje é abraçado por Redmond, que não só lançou uma distro Linux própria como está portando o SQL Server para o Linux, entrou para a Eclipse Foundation e liberou o PowerShell.

Grandes companhias não são dadas a guerrinhas de egos, e o Linux atende às necessidades empresariais e é muito mais em conta do que seus rivais. Hoje o mundo roda o pinguim, os supercomputadores mais velozes do planeta utilizam o sistema, ele foi adaptado e portado para dispositivos móveis, o market share do Android hoje é absurdo. Ele roda em quase tudo, desde TVs a geladeiras, fogões e cafeteiras. Mas ainda assim, aos olhos de Torvalds isso não é o bastante.

O pai do Linux nunca escondeu seu desejo de ver o sistema operacional dominar o cenário de desktops, o que entra ano, sai ano soa cada vez mais como uma piada de mau gosto. O market share das distribuições Linux HOJE não chega a 1,5% entre usuários finais. O Windows responde por 89,23%; pela primeira vez abaixo dos 90% desde 2007 (ano em que a Net Applications começou a medir o mercado) e o OS X/macOS, o único que subiu um pouco recentemente (sim, além de tudo a participação do pinguim caiu) marca 9,2%.

Ainda assim Torvalds não desistiu. Em entrevista recente ele admitiu não ser o maior fã de como a comunidade levou sua criação para todos os lados, visto que ele criou o sistema para suprir em primeiro lugar suas próprias necessidades, e segundo ele isso ele faz muito bem. Ainda assim Torvalds não pretende desistir de levar o pinguim adiante em desktops, mesmo que leve mais 25 anos. Ele basicamente pretende vencer pelo cansaço.

linus-torvalds

Linus Torvalds: pronto para mais 25 anos

Minha opinião é que essa é uma batalha perdida e desnecessária. O Linux é de longe a solução UNIX-like de maior sucesso de todas, presente em quase todos os aspectos de nossas vidas. Insistir em dar murro em ponta de faca por um mercado que está encolhendo não é visto como prioridade pelo próprio Torvalds e ele muito provavelmente não vai perder noites de sono pensando em como derrotar o Windows e o macOS.

Hoje Torvalds é um funcionário da Linux Foundation e esta é presidida por Jon “Maddog” Hall, uma das maiores autoridades quando o assunto é Open Source e software livre, mas com responsabilidade e muito longe das maluquices do histriônico Stallman. Ele foi o principal responsável por promover a plataforma Linux em sua infância, é uma figura simpática e todos os anos bate cartão na Campus Party e na FISL, transitando incólume entre os participantes a maior parte do tempo. Hall defende o software livre como uma forma de geração de conhecimento e lucro (livre != grátis, é sempre bom lembrar) dentro do próprio país, sem depender de capital externo.

jon-maddog-hall

Jon Hall: não há ninguém no mundo de TI que não respeite o bom velhinho

Quando utilizado de forma responsável e correta o Open Source abre portas, permite o desenvolvimento e estimula o aprendizado. Hoje o Debian, uma das distros Linux mais populares e que gerou muitas outras é uma das mais utilizadas em universidades para ensinar a estrutura do sistema. O falecido Ian Murdock, pai do Debian também foi peça-chave para que o Linux se popularizasse entre usuários finais.

A meu ver a discussão sobre o domínio do Linux em desktops é boba e fútil. O usuário vai utilizar o sistema operacional que melhor atender suas próprias necessidades (pombas, o próprio Torvalds defende isso!), enquanto que na retaguarda a internet, as empresas e outras plataformas críticas rodam Linux e o mundo segue. O pinguim venceu, não há dúvidas quanto a isso.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar
  • Tive o prazer de tomar 2 cervejas com o Maddog em 2010 na LatinoWare, na época estava no começo da graduação, ele não conseguiu terminar sua palestra por falta de tempo. Não tem como não gostar do velhinho. Meu primeiro livro sobre Linux foi de um tal de Carlos Cardoso, alguém sabe por onde ele anda?

    • Diogo

      Olha, eu estou seriamente na dúvida se essa pergunta do Cardoso foi ironia ou não… hahaha
      Por via das dúvidas, só pra avisar, você está no habitat natural dele 😛

    • azardo

      Não és o único. A foto de explosão e a legenda mostrando o que aconteceu com o usuário que tentou instalar um “winmodem” no linux me faz dar risada ainda hoje só de lembrar.
      Aliás, eu virei leitor do MeioBit lá nos primórdios justamente porque pesquisei sobre o autor daquele primeiro livro que li de linux. Na época aparecia entre as pesquisas um cara de mesmo nome que foi assassinado lá na Miserábia Setentrional, hehehehhe

    • ffcalan

      Mind Blown, Cardoso escreveu um livro sobre Linux!

      • Lucas Timm

        crianças..

        • Maom

          escreveu um livro sobre crianças???

    • Maom

      Cardoso foi contratado pela Agência Espacial Brasileira e trabalha como chefe do setor de TI deles. Ao que parece ele lubrifica as maquinas olivetti e troca as fitas de tinta.

      • E lança relatórios escritos com BIC sobre o quantitativo de destroços experimentais.

        • Maom

          E ainda é CEO de uma empresa que usa os pneus velhos do ônibus espacial da AEB para fazer calçados leves e arejados. Esse cara é o Tony Stark brasileiro da vida inreal.

          • Paulo Ricardo Schwind

            E tem uma vida dupla como Palpatine,sempre usando uns mantos e falando em um aparelho que ele chama de Skynet.

          • Também pudera, já recolhe os pedaços do tamanho certo espalhado na pist… =X

    • Atrollando Natuacara

      Acho que não é o mesmo que conhecemos aqui no MeioBit, ou não…

      • Vin Diesel

        Quando alguém que escreve sobre tecnologia uma vez por anos escreve algo assim: Nova versão Linux Ubuntu lançada ontem, já basta para dizer que o cara cobriu até Linux não?

    • Você acha um ou outro livro dele em sebos. No Mercado Livre às vezes aparece um

      http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-691545782--livro-html-4-carlos-cardoso-h--_JM

      • Eu devo ter uns 2 livros aqui em casa, deve estar em alguma caixa de livros que separei para passar para frente.

    • OverlordBR

      Somos 2… mas minha cervejada foi no FISL.

  • Breno

    Quem manda é o Windows. Ponto.

  • Christian Oliveira

    Ainda acho que o Windows 7 possui Kernel Linux, trancafiado a 7 camadas. Ainda estou na dúvida sobre o 10. 🙂
    Só isso para explicar o 7 ter ficado pronto tão rápido, robusto, verdadeiro sucessor do Windows XP, já o Vista e o 8 são windows verdadeiros herdeiros do Me.
    Então, nas minhas contas, o linux ganhou, mas não levou! 😉

    • HomeroGamer-BanidodoMB

      O 10 possui um kernel linux e isso é muito bom.

    • Mirai Densetsu

      O que te faz pensar que o Windows 7 ou o 10 tenha kernel Linux?

      Eles ainda mantém algumas coisas irritantes do DOS que são irritantes, como a limitação de 256 caracteres para o caminho e nome do arquivo.

      • Christian Oliveira

        Ele funciona.

        • Mirai Densetsu

          Quer dizer que os programadores da Microsoft não seriam capazes de fazer um SO que funcione? É isso?

          • Christian Oliveira

            Nem o DOS era deles

            Considere o mesmo tag para todos os outros meus comentários.

  • Diogo

    Acho que uma certa raposa vai adorar essa matéria… só acho…

  • 640k is enough

    Linux = Infra e Geek
    Windows = Usuário

    Mundos completamente diferentes…

    Obs: eu sou Geek 🙂

    • Rodrigo M

      Acho que é falta de um bom projeto centralizado e focado realmente no usuário.

      O MacOS veio do Unix, então eu acho que é possível.

      • HomeroGamer-BanidodoMB

        Android veio do linux.

      • 640k is enough

        Entendo, problema é: o Linux, Unix etc são focados em estabilidade e segurança, principalmente.

        O usuário não se preocupa com isso, quer seus jogos funcionando, clicar em qualquer link em seu email, abrir a rede social sem incomodação, ou seja, por mais que exista uma distribuição focada no usuário (Mint é melhor exemplo), ao aparecer problemas ao acessar o internet banking, tudo que ele vai querer é voltar pro Windows em vez de saber o que está acontecendo.

        Quanto ao MacOS, a Apple pode ditar as regras, afinal, todo o software é homologado apenas para seus hardwares, tente fazer isso com uma distro que não reconheça um driver de um dispositivo alienígena…

        • Zalla

          exato, o usuário quer algo que funcione..
          tem coisa mais linda do que instalar um windows nos dias de hoje..
          vc clica em instalar..vai tomar um café e quando volta está tudo prontinho..tudo funcionando..sem problemas de driver, etc…

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Como se usuário fizesse instalação… PFFFFTTTTTT
            Esse é o motivo mais RIDÍCULO que usam. Usuário não instala windows, usuário compra máquina com windows pronto e quando muito tem que ficar na frente do computador clicando em next, next, next, finish para instalar algum programa ou jogo.

          • Zalla

            simmmm é a mágica do Next, Next, Next….
            já vi usuários instalarem windows…e na metade das vezes vou consertar, mas pensa assim..teve a outra metade que obteve sucesso..
            É que o usuário comum não acha nem onde está o next.ehehehe

          • Mageia, ubuntu, tem loja de aplicativos antes disso existir no celular e no Windows. Deve ter uns 10 anos que instalar programas no Linux é mais fácil que no Windows. O problema e ter aquela software pirata que o usuário quer.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Eu tambêm não acho onde está o next… ops uso apt…

          • Luiz Antonio

            Em 100% dos casos não, atualizei do Win 7 para o 10 um desktop de 2009 e com placa mãe da Asus, a visualização do monitor (LCD da LG) ficou uma porcaria, tive que sair atrás de driver para voltar ao normal. Depois na atualização de aniversário travou numa tela preta e tive que reiniciar na marra. Parti para uma instalação limpa e verei se não terei problemas novamente nas atualizações.
            Ps. fora isso, estou gostando do Win 10.

        • Rodrigo M

          Mas o usuário está certo em querer tudo funcionando.

          Atualmente para encarar o windows somente com algo do tipo o que A Aplee faz. Que venha fechado, redondinho.

          Já trabalhei com o Linux como workstation em uns PCs vagabundos e era um experiência horrível por causa dos drivers.

          • 640k is enough

            Mas não disse que o usuário está errado.

            Cada produto com seu público, se conseguem com o Linux, parabéns!

      • Rodolfo

        Trabalho com telecomunicações há10 anos, já tentei usar linux várias vezes no trabalho e em casa, confesso que não tenho saco pra ficar caçando a solução para algo que não funciona direito (tive problema com o drive do wifi do notebook) ou fazendo gambiarras (olá Wine!). Há vários programas que uso no windows que no linux não existem, se tem parecido nunca é superior.
        Outra coisa que me incomoda são os botões invertidos das janelas.

        • Flávio Pedroza

          De tempo em tempos ainda tento migrar pro Linux. A última tentativa foi com o Ubuntu (13 ou 14, não lembro). Não conseguir rodar vídeos do netflix e voltei pro windows.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            É só usar o chrome… faz uns 2 anos já que roda o netflix e dá até para usar como webapp.

          • Rafael Gil

            E se contentar em ver vídeos em 720p né?

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Você falou que parou porque não rodava netflix. SÓ QUE RODA.
            E considerando que a maioria dos equipamentos não existe 1080p ou usam downsampling para dizer que roda video 1080p não vejo problema nenhum.

          • Rafael Gil

            Não fui eu que falei que parei, rsrs.
            Minha TV é 1080p, meus monitores são 1080p e por aí vai… Só tenho uma TV pequena que é 720p.
            Não tem downsampling nenhum lá em casa.
            Até celular é 1080p hoje em dia (até mais em vários casos).
            Não sei em que mundo vc vive, mas hoje em dia 1080p é bem comum.
            Eu tb gosto do linux, mas hoje em dia no desktop ele infelizmente tem deixado a desejar.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Foi mal…

            “Minha TV é 1080p, meus monitores são 1080p e por aí vai…” no dia que isso for padrão para as pessoas chrome vai estar rodando a 4k o netflix.
            E celular 1080p só os muito caros, novamente fora do padrão.
            Acho que a verdade é que você não sabe exatamente o mundo onde vive.

          • Rafael Gil

            Olha, faz tempo que não vejo TV não Full HD nas lojas e hipermercados (com exceção das de 32 polegadas e das plasma antigas que são tudo 720p ou nem isso).

            Moto G 4 por ex. já é 1080p. Não é celular top de linha.

            1080p é padrão faz tempo. O que não é padrão ainda é 4K, que apesar de muito caro ainda já começa a ser “comprável”.
            Já tivemos até transmissão de TV aberta em 4K nas olimpíadas.

            E mesmo que 1080p não fosse “mainstream” eu teria que me contentar em ver vídeos a 720p? só pra usar Linux?

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Ok me dá 1500 contos porque não me sobra isso pra comprar um celular desses. 1080p ainda não é padrão simples assim.

            E dai que teve transmissão em 4k nas olimPIADAS? Quem aproveitou isso? meia dúzia de brasileiro…

            “E mesmo que 1080p não fosse “mainstream” eu teria que me contentar em ver vídeos a 720p? só pra usar Linux?”
            Apaga que dá tempo…

          • Rafael Gil

            Não é padrão pra você! Muita gente tem celular 1080p, não é meia dúzia não.
            Tudo no Brasil é caro, infelizmente, mas mesmo assim muita gente compra (não deveria, mas a parcela cabe no bolso e aí já viu…)
            E o Moto G não custa 1500 reais. (1100 no Submarino, rsrs)

            Ué, eu quero ver netflix em 1080p, como eu faço isso no Linux? Essa é a discussão, e não se você pode comprar um celular 1080p. não mude o foco.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            auehuaheu, usar essa técnica comigo não funciona. Desde minha primeira resposta deixei claro “E considerando que a maioria dos equipamentos não existe 1080p ou usam
            downsampling para dizer que roda video 1080p não vejo problema nenhum.”
            Portanto sim, o foco da discussão é o padrão do mercado e não o seu padrão de vida.

          • Rafael Gil

            Você que levou a discussão para o SEU padrão de vida.
            A minha resposta inicial foi: “E se contentar em ver vídeos em 720p né?”
            O que ainda é verdade!
            ou seja, se você se contenta em ver vídeos em 720p e ter uma experiencia medíocre, continue usando Chrome no Linux. Se quer mais qualidade, infelizmente vai ter que usar Windows o Mac.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Meu padrão de vida é o mesmo da grande maioria da população. Portanto sim, padrão de mercado. Você que desde o começo quer que a resposta seja baseada no SEU padrão de vida.

          • Rafael Gil

            Isso é o que você diz…
            Mas de qualquer forma o que tem a ver o meu ou o seu padrão de vida com o fato de não poder assistir netflix em 1080p no linux?
            É um fato!
            Inicialmente você disse que a maioria dos equipamentos não roda em 1080p (o que é mentira, visto que independende do preço é bem comum no mercado). E só, ninguém tava discutindo se custa caro ou não ver em 1080p no Brasil e na região onde você mora.
            Não precisa ser barato para ser comum, vide o número de carros que tem nas ruas.

            E sim, o que eu disse continua valendo: Quer ver netflix no linux? Você pode, desde que se contente com 720p de resolução.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Ué, não vai ser se contentar com 720p, simplesmente para maioria das pessoas não vai fazer diferença porra nenhuma. Agora você quer assistir em 1080p tira o celular da bunda e assiste ou é apenas para se aproveitar do vibrador forte?

          • Rafael Gil

            Olha, já que você perdeu a discussão e partiu para ataque pessoal (nem sei porque, mas…) eu vou parar por aqui.
            Passar bem!

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            Passar bem, aproveite bem seu telefone 1080p.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            “Muita gente tem celular 1080p, não é meia dúzia não.”
            Onde que eu falei que apenas meia dúzia tem celular 1080p?
            “E dai que teve transmissão em 4k nas olimPIADAS? Quem aproveitou isso? meia dúzia de brasileiro…”

            Já que não apagou…
            “E mesmo que 1080p não fosse “mainstream” eu teria que me contentar em ver vídeos a 720p? só pra usar Linux?”
            Ué tu tem celular 1080p pra enfiar no cú? Te vira santa!

          • Rafael Gil

            Você não disse, e eu não disse que você disse!

            Acho que você deveria ler de novo a frase, por que claramente não entendeu o que eu quis dizer.
            E o meu celular não roda linux (não sei porque você colocou o meu celular no meio).

            Mas é isso aí. Linux no desktop já foi muito bom, mas hoje em dia tem deixado muito a desejar.
            Achar que ta tudo bem vendo videos em 720p drenando a bateria do notebook quase 2x mais rápido do que no Windows é viver em negação.

          • Zalla

            se vc conectar o computador pra ver um netflix e não usar o Edge, estará vendo em 720p

          • Rafael Gil

            Ou usar o App da netflix ou o safari se tiver um Mac!

          • Zalla

            o Edge suporta full hd..ehehe

          • 640k is enough

            Isso é tão ruim assim?

          • Rafael Gil

            Ter o “hardware” e não poder usar é bem ruim sim. Eu diria que é uma experiencia medíocre.

      • Ubuntu e Mageia são muito focados no usuario final, mas nenhuma delas vai resolver o problema do usuario querer os aplicativos que só existem no windows. A apple sempre teve apoio de empresas como Adobe, que fazem softwares essenciais pra muita gente.

    • Zalla

      Eu sou Geek..ou Nerd (sem o filtro do politicamente correto)…e não aderi ao Linux…Windows atende bem suas funções de SO….

      • 640k is enough

        Sempre depende da sua necessidade, ideologia, forma de renda ou atividade.

        No meu caso, por ideologia e (tentativa de ) renda. 🙂

        • Zalla

          nunca usaria um SO por ideologia, isso é o que estraga nas discussões, como debater algo tecnicamente se tem alguém com uma ideologia por trás…
          Agora aprender pq enxergou um nicho de mercado e quer ganhar uma grana..tem todo meu apoio..
          É por isso que meu ídolo é Bill Gates, desde o DOS 2.1 o Gates paga minhas contas.ehehe…

          • 640k is enough

            Acho que devo ter usado a palavra errada pra você ter ficado furioso, mas não tenho outra ideia de palavra… Questão de gosto e espírito de aprender seriam as melhores definições?

            A ideologia em si não é uma coisa ruim, depende de quem a defende.

    • HomeroGamer-BanidodoMB

      Eu sou gamer e prefiro jogos multiplayer que rodem no linux. Só tenho windows por causa do Fallout 4.

      • 640k is enough

        Não roda nem via Wine ou PlayOnLinux?

        • Por mais que seja uma mão na roda, sempre haverá situações no qual uma solução nativa é a mais recomendada.

        • HomeroGamer-BanidodoMB

          Não, a emulação do dx11 ainda não está implementada, assim não tem como rodar o jogo.Por enquanto.

    • Mirai Densetsu

      Eu também sou geek e profissional de TI, mas uso Windows.

  • HomeroGamer-BanidodoMB

    OOOOOOkkkkeeeeeeiiii…
    Estou no meiobit…
    Vi tratarem o linux como tecnologia e não como algo pífio e risível…
    Acabei de me beliscar e não estou sonhando…

    Acho que a porta do meu “porão” virou alguma passagem transdimensional…

    Agora sem zueira. parabens. Tomara que as criancinhas leiam esse artigo e aprendam que tecnologia é tecnologia e que esse é um site que trata disso e não um baboo da vida. Podemos sim usar linux no dia a dia sem precisar compilar kernel, podemos brincar e jogar e até criar brinquedos interessantes (como meu AppleTV de pobre usando xubuntu, kodi e uma j1800 da asus).

    Valeu.

    Edit: infelizmente já vi os molequinhos badoo polemizando. Uma pena.

    • RôShrek

      Aliás, relacionado: acabei instalando o Manjaro, que é um fork do Arch Linux e estou apaixonado. Ele fez o meu netbook virar um avião, e tudo nele roda liso. Valeu pelas dicas!

      • HomeroGamer-BanidodoMB

        Valeu.

    • Cortana ✔

      Quem começou a provocação na década de 90 foram os molequinhos do pinguim, dizendo que o WINDOWS não era tecnologia.

      • O problema é a generalização, um amiguinho do stallman fala mal do linux, o pessoal que ama windows se ofende e acha que todo mundo do software livre é radical, por outro lado o Ballmer chama linux de cancer, e a galera acha que quem defende software fechado é mau caráter. A vida não é 8 ou 80, não da pra responsabilizar toda uma comunidade pelo oque uma pessoa ou um grupo faz de errado.

        • Mirai Densetsu

          Fã de Linux é o vegano do software livre.

          • Theuer

            Binário, é o brasileiro típico.
            Estou cagando para a filosofia do software livre, sou fã do que melhor lhe atende.
            Para trabalho em desktop eu uso OSX desde que ele era 9. Ainda não existe nada à altura.
            Para computadores “velhos” de amigos e conhecidos com comércio, escola, etc… com aquele Internet Explorer com 3/4 da tela de barras “search do Baidu/yahoo, eu instalava Ubuntu deixando bem visível o atalho do repositório de programas que chamava de “Loja de aplicativos” e TODOS adoravam.

            Não vejo de que forma dá para enxergar isso de forma preconceituosa.

          • Petrus Augusto

            Que binário o que??? Querendo ser diferentão rapaz?
            É como a coisa toca no Brasil!! Ou concorda comigo ou é meu inimigo mortal!! Não tem meio termo não.

            Só falta agora querer que tenhamos educação em eventos esportivos de transmissão mundial ou que, levemos a política a sério e não como a nossa paixão, o futebol.

            Vai ser ‘educado’, ‘intelectual’ e ‘moderado’ lá fora, baba ovo de gringo… >:(

            #Sim, sarcasmo.

          • Theuer

            Não concordo com esse radicalismo! Não, pera…
            🙂

          • Lorein

            Eu sou fã/usuário/programador e não tento converter ninguém. Cada caso é um caso.

          • Mirai Densetsu

            Trabalho com três veganos e nenhum deles jamais tentou me fazer parar de comer carne. A única coisa que muda é que o pessoal tem de pensar neles quando vão fazer as festinhas, trazendo uma opção vegana para as comidas. E só.

        • Firmo

          Pois é, conheço um povo que não senta na frente de uma maquina que não seja Linux…

          • Tem radical de todos os lados, mas não da pra generalizar, eu prefiro o linux, mas não tento convencer ninguém a usar, por que depois o cara vai me pedir suporte gratuito infinitamente, windows a pessoa vai ter mais gente pra pegar no pé. Fora que Linux não atende pra muita gente.

    • OverlordBR

      Santo Deus, cara…
      primeiro: para de mimimi. PQP!
      segundo: você entrou no MeioBit ontem?

      Terceiro e mais importante: FODA-SE!

      • HomeroGamer-BanidodoMB

        Já pensou em sair do porão da casa da mamãe, tomar um banho, dar um abraço nela e dizer: “te amo mamãezinha”. Aposto e ganho que ela vai te dar atenção.

      • Vin Diesel

        Esse cara ai, que curtia justamente as interfaces que não estão mais em funcionamento, imagino ser aquele tipo de cara que se voce paertar um pouco ele não manja de nada, apenas arrota aqui… E se dois ou mais qustionarem ele, já sabe né? Peida na tanga… É o cara que vem aqui para meter fogo…

  • Lucas Timm

    Aí depois que cagaram o Gnome todo, realmente eu perdi interesse no Linux desktop. Eu pensei que isso nunca ia acontecer…

    • HomeroGamer-BanidodoMB

      Ué, tem o mate, tem o xfce, tem o lxqt… Dizer que perdeu interesse em linux só porque UMA das 100 UIs mudou é balela…

      • Lucas Timm

        Nem tudo no Linux é “usa xyz que funciona igual”.
        Esse é um dos grandes problemas que a comunidade não se esforça pra entender.

        Eu gostava do Gnome 2, e achei um puta dum retrocesso o Gnome 3. Não gostava do XFCE, do KDE e do LXQT. Gostava também do WindowMaker, mas como foi abandonado, era um saco fazer qualquer coisa nova funcionar nele, então eu realmente perdi o tesão.

        • HomeroGamer-BanidodoMB

          Disse que tudo funciona igual? Eu disse que vir com papinho de perdeu interesse só porque sua UI preferida mudou de cara é balela.

        • Gostava do Gnome 2? Mate Desktop.

          Uso por não precisar ficar com a aceleração 3D ligada o tempo todo, consumindo bateria do notebook. Ela (a bateria), agradece 🙂

        • DanielBastos

          Mate é um fork do gnome 2. Tá com algumas melhorias boas. Vale a pena dar uma olhada.
          É eu tb não curti o esquema do g3, e achava o kde muito cheio de frufru, bom… isso até conhecer o unity. Aí ele ganhou o posto de mais frufruzento

        • OverlordBR

          Esse é um dos grandes problemas que a comunidade não se esforça pra entender.

          A parte BURRA da comunidade, você quer dizer, Lucas. 🙂

          É por causa desta parte burra da comunidade, que a Linux dominar o desktop é algo improvável (para não dizer impossível).

          • SiouxBR

            Se acha que parte da comunidade é burra, imagina um usuário comum usando o Linux…

        • Vin Diesel

          Não te conheço, mas o pouco que você falou ai, foi que das duas que gostou foram justamente as que encerraram…

          • Lucas Timm

            Naquelas. Quando comecei a usar Linux, back in 2004, eu gostava do KDE. Aí por 2006 experimentei (e fiquei com) o Gnome. Como alternativa acabei também usando o WindowMaker, principalmente em máquinas mais antigas, e gostei também.

            Como eu gostava de experimentar outras drogas, usei XFCE, E17, BlackBox, FluxBox, LXDE, LXQT, aquele DE estranho do Ubuntu e até umas bizarrices (tipo o IceWM, Blanes, EDE). Inclusive, quando eu tinha acesso a hardware físico decente rodando Linux, costumava compilar e empacotar o KDE (já era tipo o 4.8) e o Gnome (3.something) para instalar na minha distribuição preferida — nos meus últimos tempos, usava o CentOS como desktop.

            Não foi falta de alternativas. Nem o excesso delas. A questão é que, apenas o Gnome 2.xx (a partir do 2.12 já servia) e o WindowMaker me atendiam plenamente da forma que eu gostava.

            Meu penúltimo notebook não rodava bem o CentOS (drivers proprietários), e eu tive que ir de OpenSUSE mesmo, e o Gnome do OpenSUSE era bem ruim. Voltei pro KDE, mas realmente não gostava muito dele after all…

            Foi questão de tempo (e de juntar o dinheiro) mesmo pra eu comprar um MacBook.

          • Vin Diesel

            Tenhop reparado que macbook pro e linux fazem um bom casamento e a distro fica por conta do freguês.

      • Lorein

        O Cinnamon. O Linux não é perfeito, mas o que não falta é interface gráfica.

    • 640k is enough

      Por isso que troquei pelo Cinnamon.

      • Lucas Timm

        Eu gostava do Cinnamon como interface, só achei bugadão quando usei.

        • 640k is enough

          Por isso que estou usando a versão disponibilizada no Debian stable, zero problemas até agora.

    • Pra isso ainda existe o Gnome classic, pra quem não curtiu as mudanças. Mas eu ainda prefiro o kde, que mesmo quando muda não fica irreconhecível.

      • Lucas Timm

        Quando usava, o Gnome Classic havia sido depreciado no Gnome3.

    • PugOfWar

      ainda dá pra usar o MATE.

    • Samuel

      Eu já curti as mudanças

    • azardo

      eu uso o Mate Desktop (fork do Gnome 2) e ele tá muito bom! Não consegui me adaptar as interfaces atuais e o KDE é um elefante.
      Tem até o Ubuntu MATE, flavor oficial do ubuntu com a interface.

      • Lucas Timm

        Eu gostei, mas achei triste que a maioria dos devs tava mais interessado em manter do que em colocar novos recursos.
        Não estou querendo um redesign, que nem fizeram com o Gnome 3. Hell no.

        Mas que, sei lá, utilizassem pelo menos o GTK3.

        (aviso, não uso mais há algum tempo, não sei se já não tá usando. São minhas impressões de uns dois anos atrás).

        • azardo

          Ele roda aplicativos GTK3 completamente, e está previsto no roadmap deles portarem 100% pra GTK3, muita coisa inclusive já está concluída.

      • Salles Magalhaes

        Eu tambem nao me adaptei a essas novas interfaces. No meu desktop uso o Mint Mate

      • Petrus Augusto

        Karamba, o KDE continua um elefante? Vix… “Cresci” ouvindo o papo que no futuro vão melhorar, e dar um clean nele… Pelo visto… :/

        • Eu sempre usei KDE e a anos não considero ele pesado. Basta não habilitar todos os efeitos e ter uma maquina de pelo menos uns 4 anos de idade. A interface padrão do Ubuntu é muito mais pesada sem ter a metade dos recursos.

          • azardo

            É uma coisa que eu não consigo entender. O Unity nasceu de uma customização feita pela Canonical para telas de netbook, então porque ele deveria ser tão pesado quanto é, sendo que o proposito inicial era justamente rodar em máquinas de baixíssimo poder?

          • Pra mim é um mistério também, uma interface com poucos recursos ser tão pesada e bugada. Outro problema e que como o Ubuntu é a distribuição mais popular, muitas pessoas o enxergam como sinônimo de linux, então uma decisão errada como essa da canonical, gera uma visão ruim de que todo linux esta pesado.

          • azardo

            Pra mim, que sou uma viúva do Ubuntu 10.04 (um dos últimos com Gnome2), o Ubuntu-MATE é a glória. Sem falar que já instalei ele em máquinas de mais de 10 anos atrás com 1GB só de RAM e rodou liso!

          • E uma das vantagens da customização, já ressuscitei algumas maquinas antigas com lxde e gnome office, o difícil e arrumar memoria para o navegador, único aplicativo que o usuário realmente precisava nessa maquina, provavelmente se desse pra proibir o usuário de abrir mais que 4 abas resolvia esse problema.

        • azardo

          Muito tempo atrás eu “aturava” o KDE porque considerava as aplicações nativas dele superiores às opções do Gnome (e não gostava de rodar aplicações QT em ambiente GTK e vice-versa). O 3.5 foi a ultima versão que eu usei como desktop padrao (é, faz tempo…) não faz muito que eu testei o openSuSE 12.3, que usa o KDE como default, não me agradou muito e ainda achei pesado. O problema de usar KDE agora é que já me acostumei com as aplicações GTK, heheheh!

          • Petrus Augusto

            Hahaha.. eu também tinha esse tique com o QT e GTK…
            Pois bem, passei muuuito tempo usando Gnome, antes do 3…

            Hoje em dia, eu uso o XFCE…

    • Jose X.

      gosto é igual a (fill in the blanks)

      eu acho o Gnome 3 o melhor desktop que existe, de longe

      é um sufoco usar o Windows 7 depois de usar o Gnome

      prá quebrar o galho, no Windows 7 uso o desktop virtual Dextop, a console Conemu, e mais algumas outras coisinhas

      e o Wndows 10 não melhorou muito, apesar de ter desktop virtual nativo

    • OverlordBR

      Eu usava/gostava do Windowmaker. 🙂
      Sempre foi super leve pra caramba, simples e com uma aparência sem firulas.

      Quando queria algo cheio de firulas era Gnome com Enlightenment…

      • Lucas Timm

        Eu continuei usando mesmo depois que o Kojima parou o desenvolvimento. Ele conseguia rodar aplicações GTK e QT muito bem integrado, sem ficar uma aparência feia dando na cara que são frameworks diferentes.

        No FluxBox/BlackBox isso não acontecia. Já o E17 eu simplesmente não curti, mesmo.

    • gabriel

      Vai com Linux Mint Cinnamon, melhor desktop system que ja testei. Tb nao sou fan do Gnome 3 nem Unity.
      O mint é baseado no Ubuntu então ja vem com todas suas comodidades.

  • Nathanael Meireles

    Acho que no desktop ainda falta muito para se expandir.

    • Eu acho que não. Vejo cada vez mais gente que usa apenas o smartphone. Claro, haverá sempre demanda de PC para gamers, editoração multimídia e outras áreas que exigem alto poder de processamento e necessita de softwares legados, mas esse mercado será irrisório em share (ainda que lucrativo). Quando lançarem algo parecido com o continum da MS no Android, aí o desktop mingua de vez.

      • Nathanael Meireles

        Rapaz eu já penso diferente. O mercado gamer como você disse está em alta expansão e cada vez mais estão apostando as fichas em algo móvel como os hibridos de tablets e notebooks. Quando falo Desktop incluo também o mercado de notebook. Eu mesmo nunca usei Desk em casa sempre optei por notebook pela mobilidade e sinceramente já tentei muito usar o Linux e nunca é o suficiente, infelizmente. Sempre fica faltando algo a mais nas distros e apesar de terem muitas opções, algumas bem feias, as mais populares e que tentam entregar o quanto mais de funcionalidade e praticidade acabando pecando em muitos aspectos como visual, estabilidade, praticidade, enfim. O Linux precisa mesmo é de marketing e algo que faça a grande massa ver que o Linux é sim de valia para muitos usuários domésticos não só pelo fato de ser de graça, porque essa justificativa dos anos 90 já tá batida, mas sim pelo fato de ser parelho com outros sistemas como um Windows ou Mac, claro que pra isso o Linux ainda vai ter que ralar muito.

        • Bones Jones

          Puro comodismo, eu uso linux e windows em dualboot e prefiro muito mais a velocidade e flexbilidade do pinguin, hoje o Linux atende muito bem um usuario final, a menos que o cara trabalhe com algo bem expecifico do tipo desenvolvimento de jogos ou AutoCAD.

          • Nathanael Meireles

            Comodismo é diferente demais de praticidade e produtividade.

          • kravmaga

            Eu sou muito mais produtivo no linux hoje em dia. É tudo questão de costume e do tipo de atividade que você faz.

          • Nathanael Meireles

            Você trabalha ? Em que área ? Realmente a produtividade é algo muito relativo. Hoje sou mais produtivo no Windows.

          • kravmaga

            Sou professor, engenheiro e administrador de sistemas.

          • Nathanael Meireles

            Então realmente o Linux é melhor pra você, mas o Windows não perderia em nada se fosse feita uma substituição.

      • Luiz Antonio

        No Android tem o MaruOS, mas ainda em fase inicial e só funciona no Nexus 5.

  • Eu, sempre por curiosidade, mantenho pelo menos um PC, laptop ou netbook das antigas com alguma distro Linux. E mantenho esse hábito desde a época em que existia algo chamado COREL LINUX.
    Sempre gostei da iniciativa, mas também sempre detestei a (maior parte da) “Comunidade Linux” e sua eterna briguinha contra a “Maligna M$”. No mínimo, acredito que essa galera deveria estar tão ou mais brava com o Google, a “empresa maligna” da vez.

    • HomeroGamer-BanidodoMB

      Acontece que na época até a M$ incentivava essa briga chamando linux de câncer e comunismo. Agora vejo que linux já está bem encaminhado e MS apesar de ser uma empresa e com isso visa apenas lucro não é mais um monstro que tenta destruir a todo custo o Código Aberto.

      • Mirai Densetsu

        Mas isso é porque eles viram que podem lucrar com o Software Livre®.

        • Jose X.

          acho que não é isso…como coloquei em outros comentários, a motivação da MS é competir (e lucrar) na “nuvem”, e na nuvem suportar Linux é um fator importante, o modelo de negócios da “nuvem” praticamente nasceu em cima do Linux…somando a isso, com a explosão do uso de containers (tipo Docker no Linux) a MS ficou praticamente sem opção, a não ser reconhecer que não dá pra ignorar o Linux em seus modelos de negócios…como sempre, é tudo business

    • Salles Magalhaes

      Eu ja usei o Corel Linux (pena que ele era muito pesado para meu Pentium 166. 16MB de RAM)

  • Nilton Pedrett Neto

    Excelente texto! Me lembrou o Morimoto do Guia do Hardware. Ssd Kurumim.

    • azardo

      Eu comecei a trabalhar com TI muito por causa do Morimoto, lá no início dos anos 2000, é uma pena que ele tenha largado tudo pra viver a religião dele, mas cada um tem que perseguir a sua própria felicidade.

      • LF MS

        Bons tempos mesmo, “Conecta mas nao navega”. Estudava shell script no kurumin, me quebrava um galho no estagio que eu fazia, naquela epoca

      • Seria bom se ele ao menos não tivessem largado de escrever. Os livros dele sempre foram otimos, os livros sobre servidores sempre foram muito didáticos e de simples compreensão. Muita receita de bolo pra fazer as coisas de forma rápida.

    • Também tenho saudade do Kurumim! :'(

      • The xD

        Uma pena mesmo que o Kurumim tenha morrido. A primeira vez que tive contato com o Linux foi instalando o Kurumim, passava tardes e mais tardes instalando ele, configurando, cometendo algum erro, formatando e recomeçando do zero…xD

        Me lembro dessa época de acessar muito o clube do hardware, guia do hardware, forumPCs, entre outros. Sinceramente a bagagem que esses sites me deram foi maior do que muitos cursos e até de algumas faculdades são capazes de ofertar atualmente.

        • Infelizmente oque matou o Kurumin em parte foi a comunidade que enchia o saco do Morimoto, tinha gente que cobrava soluções dele como se tivesse pago caro pela distribuição, encheram tanto o saco dele que até largou a informática e foi se dedicar a religião.

          • Theuer

            As vezes vejo mais “cobranças” de resultados para comunidades como CM, Magic Lantern, Mods para simuladores, etc… do que para os fabricantes que venderam e lucraram com os equipamentos que usam estes firmwares “alternativos” melhores e gratuitos.

            É a lógica sem sentido das grandes corporações, sem querer querendo , “rodadando” na sociedade.

        • André Silvestre

          Idem, idem, idem! 🙂

      • Theuer

        Kurumim era aquela feita em Curitiba?
        Lembro de uma Distro de lá.

        • Não sei de onde era o Morimoto, mas sei que de Curitiba era o finado Conectiva Linux, era um Linux nacional para suprir as empresas que queriam um Linux com suporte, igual a RedHat faz, no começo até era um clone do RedHat. Depois foi comprado pelos franceses da Mandrake e muraram o nome da distribuição que ambas estavam fazendo para Mandriva. Passaram por uns problemas financeiros por má gestão e foram comprados pelos russos e alguns anos depois faliram, mas como o codigo é livre ainda esta vivo no OpenMandriva e Mageia.

          • Theuer

            Ahhhh, tem razão. Conectiva!
            Obrigado pela aula.
            Divago…
            Tenho uma dificuldade grande em entender a falta/falência de um estúdio(é assim que chama?) de uma Distro Linux nacional para pequenos negócios. Como já escrevi antes, já salvei vários PCs de conhecidos com pequenos negócios que precisavam apenas de um PC que funcionasse, instalando alguma versão UBUNTU. Não só a instalação era tranquila como seu uso e instalação de apps pelo próprio repositório, também era super fácil para o usuário.
            Não estou falando de toda a mística do Software Livre e tal, falo apenas que é estranho alguém conseguir vender BOSTA EM LATA(procurem), enquanto milhões de pessoas tem um PC meia boca se rastejando com um Windows autodestruído consumindo tempo, paciência, energia e dinheiro de licença dentro de sua loja.
            Abraço

        • kravmaga

          Não, aquela era a Conectiva, que fazia o Conectiva Linux, derivada do Red Hat Linux

    • Lucas Timm

      Também foi minha primeira distribuição.
      Devo muito ao Morimoto 🙂

    • Cássio Amaral

      Saudoso Kurumim, foi o meu primeiro contanto com Linux. Vinha em um Live CD que um funcionário do setor de TI de um órgão público em que estagiava meu deu para testar, gente boa demais.

  • azardo

    Brigar pelo desktop hoje me soa como se hoje brigassem pra ver quem tem a melhor máquina de escrever. Eu sei, o desktop vai queimar muita lenha ainda. No mercado corporativo ele vai demorar muito tempo pra sumir, mas em casa, muita gente passa a semana inteira sem sequer ligar o computador, pois tarefas básicas de pesquisa rápida ou ler e-mails o celular dá conta e o tablet faz perfeitamente.

    • Diego Marco Trindade

      PC Master Race motherfoca!

    • Eu uso PC em casa apenas por questão de ergonomia. No dia que puder conectar meu celular a um hub com monitor, teclado e mouse, de modo satisfatório e barato (viu continum?) darei adeus ao PC.

      • Luiz Antonio

        É esperar que outros fabricantes adotem e baratear o hardware para o uso do Continuum ou que o projeto do MaruOS avance ou outro no mesmo estilo.

      • Vin Diesel

        Eu uso um NUC, por eficiencia, economia de nergia e me falta exatamente isso. Se meu celular pudesse fazer essa vez, seria ótimo. Porque eu já pirava nisso desde o tempo que uma placa mãe já vinha com uma distro minimalista para usar a internet. Se eu precisar de um desktop foda, com placa de video foda, um dia eu monto. Mas no dia a dia, um celular foda, ligado no hdmi expandindo a sua interface para a resolução do monitor me atenderia bem.

    • Jose X.

      isso

  • Raoni

    Com a rapidez das mudanças no mercado de TI, a melhora na UX de varias distribuições linux, e com as burradas da microsoft, não me surpreenderia se vivesse para ver o ano do Linux. Não acredito que o linux pode vencer a batalha nos desktops mas a Microsoft pode perder com alguma grande estupidez, isso sim.

    • Mirai Densetsu

      Acho difícil. Se o pessoal do Linux não souberam aproveitar as chances que tiveram no Windows ME, no Vista e no 8, dificilmente existirá um “ano do Linux no Desktop”. É mais fácil que os desktops morram do que o Linux conseguir se tornar “um SO para todos dominar”.

    • Zalla

      esquece, essa batalha na realidade nunca foi travada…cada um domina seu mercado..Windows no Desktop e o Linux no resto das coisas que precisam funcionar bem…

  • Roberto Bittencourt

    Não uso Linux no desktop, mas acho que Torvalds tinha que ganhar um prêmio Nobel pela importância do Linux, acho incrível estar rodando no meu roteador, no meu modem, no meu celular, nas minhas TVs smart, no aparelho de TV a cabo, etc. Isso foi uma revolução para a humanidade. A principal crítica que tenho é que tinham que facilitar o gerenciamento dos serviços, sem ter que configurar um init.d e outros scripts. Acho que isso é essencial para alcançar o uso no desktop, acaba afugentando a maioria dos usuários.

    • Não conheço nenhum usuario de windows que saiba gerenciar serviços, e com o system.d que é mais recente acho que melhorou bastante. Mas vamos lá, segue abaixo como gerencio os serviços no mageia linux:

      • HomeroGamer-BanidodoMB

        Era o que eu ia falar… Povo tá ficando tão sem desculpa pra criticar linux que agora vão buscar coisa que até muitos experts não fazem, tanto em windows quanto em linux, e reclamar que o usuário não consegue fazer com facilidade.

        Eu mesmo trabalho a anos com ambos e não fico mexendo no services.msc ou no system.d/init.d a não ser que seja algo realmente necessário.

        • Zalla

          exato..sei gerenciar serviços….mas não quero precisar fazer isso

          • Petrus Augusto

            Acredito que a desculpa, é pq quando pedem ajuda alguém vai e diz: Abre o terminal, digite X, Y e Z, e dps, dá enter..

            Dai o pessoal não gosta… Mas porra, esse pessoal não entende que: Esse é o modo mais generico de ser feito, melhor que dizer:
            -> No Ubuntu, clicka e X e dps vai em Y, abre Z e configura,
            -> No RedHat clicka em Z, vai na aba Y e dps, abre X.
            -> No Mandriva (ainda existe?) clicka em X, vai em Z, abre A e clica na aba C.

            Porra… prefiro muito mais dizer:
            Abre o console, digite X, Y e Z. Pronto.. Resolvido.

            Sei que espanta usuário básicos e tal,… Mas, ai vem um ponto.
            Normalmente, aqueles que pesquisam uma solução, não são tão básicos assim… Logo, nesse caso, esse “++usuário” ficar com medo de digitar uns comandos para ser ajudado rapidamente é foda, complica né?

            Quer resolver algum problema (e não sair formatando, clicando em tudo aleatoriamente), mas, sem ter que pesquisar/aprender, e tão pouco, mexer em algo além do ‘Start Button’ é foda!!

          • Existe o OpenMandriva e o Mageia derivados do mandriva. O Mageia foi criado antes da empresa do Mandriva falir pela comunidade e desenvolvedores do Mandriva que já estava vendo a possivel falencia da empresa e a incompetência para gerir a distribuição devido a pessimas decisões administrativas da empresa russa que comprou a empresa. O OpenMandriva foi feito pela empresa antes de falir. Seria melhor se existisse apenas uma comunidade, mas as duas comunidades tem algumas visões diferentes e acabaram não querendo fazer um merge. Eu atualmente uso o Mageia, facil de usar, estável, a comunidade é bem ativa, só não tem o dinheiro pra fazer o marketing que o Ubuntu faz, afinal são uma comunidade e não uma empresa.

          • HomeroGamer-BanidodoMB

            E precisa porque?

      • HomeroGamer-BanidodoMB

        Por sinal bonitaço. No Suse temos o Yast que na minha opnião é o mais completo gerenciador de servidor que existe.

        • E o Yast existe a seculos e muita gente fala que não tem ferramentas boas simples, RedHat Enterprise também tem boas ferramentas, Mandrake que derivou o mageia sempre teve ferramentas de gerenciamento excelentes.

      • Mirai Densetsu

        Então permita me apresentar: Eu sou o Mirai Densetsu e eu sei gerenciar serviços no Windows tanto via CMD/PowerShell quanto via Services.msc.

        • Se você sabe gerenciar os serviços você não é usuário, usuário só sabe usar, não sabe administrar o sistema. E como pedir para um motorista saber concertar a injeção eletrônica do carro, sendo que ele só quer dirigir o mesmo.

          • Mirai Densetsu

            Para mim, usuário é meramente quem usa o sistema. Não importa o seu nível. E como eu não trabalho na Microsoft, muito menos programo o Kernel do Windows, então eu acho que sou sim um usuário de Windows.

            Além disso, eu não sou administrador de infraestrutura de TI. Meu trabalho é desenvolver software.

          • Você é desenvolvedor, já não é um simples usuário. Se você se considera usuário, tudo bem, não vou discutir , mas todas as pessoas que conheço que se consideram como usuário nem conhecem o conceito de serviço de sistema.

          • Mirai Densetsu

            Eu me considero usuário de qualquer sistema que eu não esteja desenvolvendo.

            Além disso, em sua definição de usuário, também é possível dizer que um simples usuário não conseguiria gerenciar processos no Linux, por mais amigável que seja a interface. Até porque ele não faz ideia do que seja o PID, muito menos qual é o serviço provido por cada processo.

          • Exatamente, você entendeu bem meu conceito de usuário. Eles são pessoas que só usam as aplicações sem conseguir fazer customizações no mesmo. Mesmo que nosso conceito de usuário seja diferente, você tem que concordar, a maioria dos usuários não sabem gerenciar processos, eles apenas clicam no aplicativo na tela e usam as opções que estão visíveis pra eles, não instalam sistemas operacionais, não instalam drivers, impressoras, mesmo quando tem um manual mostrando que é next, next, finish, claro que sempre vai existir exceções, mas são minoria.

          • Zalla

            usuário é quem usa….tá no Aurélio

          • Zalla

            vc tocou no cerne da questão…enquanto o Linux não aceitar o usuário..(comum)…nunca fará sucesso, pq vc acabou de dizer que só adm conseguem usar o Linux..

          • Muito pelo contrario, eu disse que tarefas administrativas os usuários não fazem no windows, por que deveriam fazer tarefas avançadas no linux? Se o cara é usuário ele precisa receber o linux instalado e configurado, igual ele recebe o windows que vem no computador. Quando um usuario precisa de algo avançado ele procura um técnico, igual eu procuro um mecânico quando meu carro da um problema, afinal eu só dirijo ele, não tenho intenção de aprender a concertar ou customizar meu carro.

          • Theuer

            Como nunca pensei nessa analogia antes?!
            Muito boa.

    • Mirai Densetsu

      Cara, se não fosse o Linux quem cumprisse esse papel, seria algum BSD. Não precisaria ser necessariamente o Linux para isso. Só precisaria ser livre o suficiente pra isso.

      • Lucas Timm

        Não é bem assim.

        O BSD Unix naquela época tava enrolado até a última linha de código por um processo da AT&T. Isso deu uns bons 3 anos de vantagem ao Linux em tempo de desenvolvimento.

        Soma com a comunidade do GNU, que nunca aderiu “de verdade” ao BSD, e pronto: O Linux cresceu rápido, bem rápido. Inclusive eu acho que não seria o BSD justamente pela questão das license wars, com o aspecto “messiânico” que os GNUs se apresentavam em relação as outras, o BSD realmente não ia ter como crescer muito.

        • Mirai Densetsu

          Sim, mas se o Linux não existisse, as empresas embarcariam o BSD.

          Calhou de ser o Linux porque no começo a comunidade era mais unida e a solução é mais fácil que o BSD e tão robusta quanto (na maioria dos casos).

          E messianismo nunca impressionou ninguém além dos linuxiitas.

  • Paul

    Ué, segundo o NetMarketShare o OS X tá com 7% (quase 8%) e não 9%.

  • Xultz

    “A meu ver a discussão sobre o domínio do Linux em desktops é boba e fútil.”
    Não, não é. Fútil é enfiar uma solução goela abaixo, mas eu acredito que este tempo já passou. Correr atrás deste objetivo não é fútil, muito pelo contrário, é o que move a inovação.

  • Mirai Densetsu

    Ué, fazendo média com os fãs de linux?

    • E precisa?

      • Mirai Densetsu

        Dado o histórico desse site…

  • RôShrek

    Eu gostaria de acrescentar apenas uma coisa: a imensa maioria das pessoas que usam computadores não “gostam” de computadores e os vê apenas como ferramenta. São pessoas que não tem interesse por computação, e mesmo os programadores estão cercados de pessoas assim. Enquanto a galera do Linux não entender isso e continuar achando que a culpa do sucesso do Win/OSX é apenas de preguiça e comodismo dos usuários, vai continuar á sombra destes pelo menos nos desktops. Até porque sim, o usuário médio é preguiçoso e comodista (tentem mostrar pra uma pessoa normal o quanto o telegram é melhor que o whatsapp, ou convença alguém a deletar o facebook por todos os motivos do mundo que existem para isso e depois me digam) e o SO tem que entender isso e se ADAPTAR a isso.

    Ou fazer como sugere o Gogoni e se contentar com o que já conquistou até aqui, que não é pouco.

  • Mario Junior ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

    É mais fácil a Apple tornar o OS X totalmente open source, do que o GNU/Linux dominar os desktops.

  • 640k is enough

    Windows x Linux e Android x iPhone sempre rende mais pageviews, os patrocinadores devem estar orgulhosos. 🙂

  • Jose X.

    A meu ver a discussão sobre o domínio do Linux em desktops é boba e fútil.
    Concordo totalmente. Inclusive, acho esse artigo bobo, fútil e apelativo.
    O Linux rodando em bilhões de Androids (além de tudo quanto é tranqueira, de supercomputadores a relógios de pulso) e o autor escrevendo “ele venceu, mas…”.

    • The xD

      Acontece que nenhuma dessas plataformas que você citou é a desktop. O linux é um ótimo SO, em números absolutos há mais dispositivos rodando linux que windows, mas no desktop não dá para negar que apesar de tudo o linux ainda é quase irrelevante mercadologicamente falando.

      • Jose X.

        uai, não existe um “case” de marketing para o Linux no desktop, essa discussão toda é completamente sem sentido…por outro lado, o ciclo do desktop está passando (não que ele vá sumir, claro), e nesse novo ciclo o windows está comendo poeira

  • The xD

    Sei que pode parecer meio clichê, mas do linux o que eu realmente gosto é a linha de comando, nesse ponto o windows ainda está a anos-luz, dá para fazer verdadeiros milagres com o bash. Outra coisa que sinto falta no windows é um sistema de repositórios como no linux. Quase sempre um sudo [apt-get /yum/zypper/yast2]… acaba sendo muito mais prático e rápido que instalar o mesmo serviço no windows. Outro ponto forte do linux é a customização, tenho algumas instalações do linux muito reduzidas para atividades específicas, dependendo da distro e da necessidade dá para ter uma VM rodando relativamente bem com 128MB ou até menos, nessa configuração nem o XP é utilizável.

    Em compensação, quando a questão é desktop, sei que é questão de gosto, mas de tudo que testei ainda acho que o windows tem a interface gráfica mais acertada, seguido pelo mac OS, do linux acabo ficando com o gnome 3 ou o unity, embora ambas apresentem o mesmo problema do windows 8 e o menu iniciar desnecessariamente ocupando a tela inteira.

    Resumindo, cada plataforma tem seus prós e contras, estou postando isso a partir do windows, porém com duas VM’s abertas rodando linux…xD

    • Jose X.

      no windows tem negócio tipo apt-get chamado “chocolatey”, mas nunca usei, não sei a abrangência dos pacotes

      agora, acho que a windows store vai acabar fazendo esse papel

      • The xD

        Pelo menos por enquanto a windows store está longe de fornecer um serviço equivalente, de aplicações desktop só me lembro de ter visto o office, nem outros produtos da própria MS são disponibilizados por lá. Em partes até entendo não existir um repositório amplo por acabar facilitando a instalação de produtos e serviços concorrentes, mas pelo menos os da própria MS não seria uma má ideia…xD

        A ideia do chocolatey parece interessante, pelo menos a última vez que vi era bem limitado, ainda não chegava a ser uma ferramenta realmente útil.

  • Theuer

    “uma grama sequer”
    Ah véio, não fode! Isso aí é erro de primário.

  • OverlordBR

    Este será o Ano do Linux!

    Tenho certeza absoluta.

    Meus 2 centavos: o problema do Linux sempre foi uma parte da comunidade querer FORÇAR as pessoas a utilizarem o SO.
    O quê é algo bizarro, já que o principal e mais importante lema do software livre é LIBERDADE DE ESCOLHA.

    Agora vejamos: alguns bugios (aquela parte da turma do SL que prefere ficar gritando e jogando merda nos outros ao invés de cativar o usuário comum), na aurora do Linux, não se importaram com a facilidade de uso, a parte gráfica, enfim…. a usabilidade.
    Depois de anos “perdendo o bonde da História” estes bugios infelizmente ainda continuam gritando e jogando bosta… desta vez, indignados porque as pessoas ainda preferem usar Windows do que Linux (mesmo com todos os avanços feitos pelo pessoal que ama o SL).
    Deu no que deu.

    Acredito que o Linux, no desktop, será sempre um nicho.
    E acredito piamente, também, que se tivessem prestado atenção no usuário final há muito tempo atrás, a situação seria beeeeeeeeeeeeeeeem mais favorável.

    • Isaias Freitas

      Concordo. Usuário final não quer aprender sobre códigos e comandos, ele só quer q o computador faça tudo pra ele. E não o contrario.

    • Thiago Cururu

      lembrei disso

  • Daniel Silva

    eu aprendi a usar Linux a 2 anos atrás na marra (única opção mais preguiça) um belo dia apareceu na minha maquina baidu, uma praga que teminava com fish, um tal de wajam tentei durante 2 dias retirar os demonios, mas eles não saia, quando um saia, o outro ia la e buscava de novo, ai eu testei o Linux Ubuntu lts em dual boot, 3 semas depois o w7 parou de funcionar e assim eu estou com ele ocupando 400 gigas sem funcionar (no dia que a preguiça acabar) eu formato esta coisa. tenho saudade dos jogos mas fazer oque.

    • Eu sei que no Linux não tem de tudo, mas tenho jogado muita coisa boa no linux via steam, como por exemplo Biosho infinity, Quacamele, hyper light drifter, tem dota 2, left 4 dead, etc, tem mais de mil jogos, então da pra divertir, claro nunca vai ter tudo, mas já melhorou muito desde a época que só tinha jogo se você usasse emulador ou wine.

      • Também tenho preferido jogos “nativos” da Steam. Sempre que aparece uma boa promoção E o jogo interessa, vai para a carteira.

        Embora o preferido ainda é Civilization V

        “nativos”: Sim, a maioria usa Wine por baixo do capô. Mas funciona.

        • Depende da engine do jogo se for feito em Unreal Engine ou Unity que dão suporte para Linux geralmente rodam nativos.

  • Theuer

    Eu ainda tenho alguma pequena esperança no Linux Desktop para os “futuros” PCs Master Race… Explico:
    Não faz o MENOR SENTIDO eu ter pagado caro por uma licença com 26Gigas de Windows para apenas “Iniciar” o PC e abrir a Steam com meus quatro simuladores de corrida!
    Eu sei que DX12 isso e aquilo, mas se isso for desculpa para a MS continuar empurrando Windows como OS, ela que crie sua versão “Gamer Edition” com um Kernel leve e APENAS uma droga de um simples Painel de Controle.
    Nunca vi… fui fazer um “Share” de Lan para Wifi esses dias(sou usuário do OSX) e levei uma hora para conseguir isso. São menús e mais menús que te levam a lugar nenhum e a funções que um “Home Basic Light Slim Edition” nem deveria ter.

  • Isaias Freitas

    Toda vez que tento aprender algo do linux de deparo com muitas barreiras, tanta distribuição, tantos códigos… Numa mesma distribuição eles mudam os comandos de uma versão pra outra.. Assim fica difícil. Sem um padrão fica difícil.

    • Jose X.

      welcome to the real world

      • Isaias Freitas

        Isso eh um pe no saco.

  • João Monteiro

    #slackwarelife

  • Pingback: Acontecendo agora: Linux 25 anos: Torvalds venceu, mas ele ainda quer dominar os desktops via /r/brasil | alinegarciadias()

  • kravmaga

    Dominar o mercado dos desktops pode ser pretensioso e talvez nunca aconteça, mas ao mesmo tempo nunca esteve tão fácil usar o Linux NO SEU DESKTOP !

    Sou engenheiro e uso linux nos meus desktops (micros de mesa e notebooks) há mais de 10 anos. Trabalho com informática e adoro a possibilidade de testar os aplicativos, que vou instalar nos servidores Linux que administro, no meu próprio desktop. Não preciso ficar baixando e instalando PuTTy, winscp e vários outros programas para administrar os servidores Linux e Unix, não preciso me preocupar com arquivos texto em formatos não utf8, etc.

    E ainda posso usar o Windows devidamente enjaulado em uma máquina virtual no linux usando a virtualização nativa KVM, sem precisar sequer instalar softwares de virtualização como virtual box, VMware, etc. E ainda posso ter também o Windows em dual boot facilmente para fazer a única coisa que não posso fazer na máquina virtual: jogar jogos Windows.

    Crio scripts Shell, python, php, Perl, etc facilmente no linux porque não é preciso ter quase nenhum trabalho para instalar esses programas no meu desktop Linux.

    O “problema” do Linux nos desktops não é do Linux em si, mas o fato de não ser o produto de uma única empresa, como ocorre com o Windows é o MacOS X. Se não tem uma empresa por trás, não há marketing e lobby financeiro para fazer com que as software house façam aplicativos comerciais nativos para Linux.

    • Jose X.

      bom comentário

      Não preciso ficar baixando e instalando PuTTy, winscp e vários outros programas para administrar os servidores Linux e Unix, não preciso me preocupar com arquivos texto em formatos não utf8, etc.

      foi por causa desse tipo de coisa que a Microsoft criou o WIndows Services for Linux

      na verdade, o Windows sempre teve alguma funcionalidade voltada pra UNIX, mas era bem limitada, e ignorada por todo mundo, agora fizeram um negócio bem mais decente

      E ainda posso usar o Windows devidamente enjaulado em uma máquina virtual no linux usando a virtualização nativa KVM, sem precisar sequer instalar softwares de virtualização como virtual box, VMware, etc.

      verdade…o KVM é uma maravilha…acabaram-se meus problemas com vmplayer e virtual box no Linux, que às vezes quebravam com kernels mais novos (e a vmware, principalmente, demora pra arrumar as coisas)
      estou usando o KVM com o gnome-boxes, e aproveitei duas imagens que já tinha pra vmplayer!

      O “problema” do Linux nos desktops não é do Linux em si, mas o fato de não ser o produto de uma única empresa, como ocorre com o Windows é o MacOS X. Se não tem uma empresa por trás, não há marketing e lobby financeiro para fazer com que as software house façam aplicativos comerciais nativos para Linux.

      isso…como disse em outro comentário, não existe um case de marketing para Linux no desktop, essa discussão toda é sem sentido

  • Rafael de Moura

    Algo que não entendo, o sistema OP não seria um conjunto de programas cuja função é gerenciar os recursos de um sistema? no caso aqui GNU criado por Stallman. Torvalds teria criado apenas um kernel ao invés de um sistema OP completo, esse kernel se chama Linux correto? Então pq dizem que Torvalds criou um OP sendo que ele programou um kernel apenas e introduziu no GNU sendo esse melhor que o Hurd.

  • alvaro lordelo

    Algo que a Microsoft com seu Windows 10 mobile descobriu, se não tem apps as pessoas não usam, faz um port das principais aplicações pra Linux, falo de corel, Autocad, photoshop, Ms office E alguns outros, com isso você tem um sistema completo 🙂

    • Vou contar um segredo: as pessoas não deixam de usar Windows no celular só porque não tem app, mas porque não precisam dele.

  • Antonio

    A ironia

    A Microsoft domina 90% do mercado de Desktops, e não tem mais a hegemonia no mercado de tecnologia, hoje esta a traz do Google e Apple.

    O Linux era para ser um produto para o usuário final, porém virou suporte de tecnologia acessível que fomentou a concorrência e a inovação da industria de tecnologia.

    O mercado algo imprevisíveis, se trabalha com um objetivo e consegue outro objetivo não menos incrível.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis