Boas novas, pessoal: a Lei do Bem está de volta (por enquanto)

good-news-everyone

A crise pegou todo mundo de jeito e o governo brasileiro, que possui uma fome infinita por impostos apertou todos os cintos (não o dele) e cortou um monte de benesses e pacotes de bondades nos últimos tempos, em diversos setores. Tudo considerado supérfluo foi podado, coisas sem importância como investimentos em saúde, educação, segurança, pesquisa científica, essas coisas.

O mercado de tecnologia também tomou uma bela porrada no fim de 2015: a Medida Provisória Nº 690, que revogava a isenção de PIS e COFINS em eletrônicos fabricados em solo nacional, pondo fim ao Programa de Inclusão Digital (a Lei do Bem) pegou todo mundo de surpresa, e não falo só do consumidor final: diversas companhias instaladas no Brasil perderam uma série de subsídios da noite para o dia, o que acabou levando a uma disparada nos preços dos produtos tecnológicos, como smartphones, tablets e computadores.

A lógica do governo é genial: como o público não está consumindo cortam-se as benesses para arrecadar mais impostos. A estratégia deu tão certo só que não que o mercado entrou em forte recessão, a linha de dispositivos milagrosos (de ótima performance abaixo dos mil reais) desapareceu e para piorar, a baixa demanda está levando ao aumento na taxa de desemprego.

smartphones

Só que nem tudo está perdido: a ABINEE (Associação Brasileira da Indústria, Elétrica e Eletrônica) conseguiu uma liminar (cuidado, PDF) que suspende os efeitos da MP Nº 690, efetivamente reativando a Lei do Bem que volta a valer em todo o território nacional. Segundo o órgão a MP é ilegítima, pois revogou um projeto de isenção de impostos previsto para durar até 31 de dezembro de 2018 de forma unilateral, não só prejudicando os consumidores como todo o setor. Nenhum fabricante foi avisado da manobra do governo (a proposta saiu do gabinete da presidenta Dilma Rousseff).

A ABINEE afirma em comunicado que o acordado juridicamente não pode ser revogado, o que trocando em miúdos significa que foi dada uma pedalada fiscal para arrecadar mais impostos e puxar o tapete de todo mundo. O que não é surpresa em termos de Brasil desde 1500.

O que temos então? Voltam a valer as regras estabelecidas da Lei do Bem — recebem isenção total da alíquota de 11,75% de PIS/COFINS os seguintes produtos fabricados no Brasil:

  • smartphones com preço de venda de até R$ 1.500,00 com pacote de apps nacionais pré-instalado;
  • tablets de até R$ 2.500,00;
  • computadores desktop de até R$ 2.000,00;
  • notebooks de até R$ 4.000,00;
  • roteadores de até R$ 150,00;
  • modems de até R$ 200,00.

O pacote já está em vigor e deve durar enquanto a liminar permanecer de pé, o que sendo sincero não acredito que vá durar muito. Vale lembrar também que tudo depende agora das fabricantes repassarem as vantagens à frente para serem beneficiadas, como era antigamente. De qualquer forma esta é uma excelente notícia e esperemos que as coisas se mantenham assim.

Fonte: ABINEE.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples